Categoria: Aceitação

28.06.17

Meia Calça Arrastão para Gorda + Look Miss Masy Plus

Faz uns dias eu contei para vocês a felicidade que é ter como opção em meias plus size o Clube da Meia Calça (leiam aqui). Hoje eu quero mostrar para vocês a forma como usei a minha meia arrastão no último #HashTagBazar, a usei com um Look Miss Masy (short e blusinha) que eu achei que casou legal.

É importante ressaltar que não é fácil usar uma peça chamativa e “proibida” (tão proibida que nem existia que servisse) por tanto tempo para o corpo gordo, mas aproveitei que era um evento cheio de mulheres gordas como eu (umas menos e outras mais) para dar esse passo,  inclusive dei essa dica para uma outra mulher que me disse achar lindo e que não tinha coragem de usar. Estar em um ambiente “seguro” (nenhum ambiente é totalmente seguro de julgamentos), mas entre pessoas também gordas a gente torce para que os julgamentos sejam menores). Inclusive tinham várias gordas lindas lá de meia arrastão. <3

Confiram o resultado. *_*

Eu estava usando:

Blusa: Miss Masy – (G)
Short: Miss Masy (GG)
Meia Arrastão: Clube da Meia Calça
Bolsa: 25 de março
Tênis: Vizzano

Imagens: Franz Wasielewski

Essa blusinha eu ganhei em um sorteio do Instagram da marca, fiquei super feliz por ser de uma marca que já sou consumidora (a marca é do grupo BGO  e tem peças bem fofas e com preços legais), recebi junto algumas peças e farei outros looks por aqui.

Todo mundo que acompanha o blog já sabe que não sou fashionista, mas achei esse look bem diferentão (do que costumo usar) e adorei o resultado.

E vocês o que acharam? Já se arriscaram nas meias arrastão?


* Este post não é patrocinado, mas recebo uma comissão sobre o valor das vendas realizadas através dele.

23.03.17

Você é o que dizem que você é?

A gente é ensinada a ser a vida toda várias coisas que nos disseram que deveríamos ser. Seja por nosso gênero, cor, forma física, aparência…

Um bando de estereótipos e preconceitos muitas vezes traçam para nós um destino. Muitas vezes esse caminho nem é o que a gente queria seguir.

Esse vídeo é sobre isso, sobre não nos deixarmos influenciar tanto pelo que esperam de nós, pelo que dizem que é o certo. É sobre incentivar pessoas, sobre saber que cada um de nós tem algo que sabe fazer bem, tem defeitos e qualidades. É sobre não julgar ou decidir sobre alguém pelas aparências, pelos padrões.

Enfim, nós somos muito mais do que disseram que seríamos, ou apenas diferentes daquele script que traçaram. E isso é muito bom.

Não é? E afinal, você é o que dizem que você é?

Quem gostou do vídeo, se inscreve no canal! 😉

28.05.16

Autoaceitação: um caminho de dor, descoberta e amor

Olá meninas! Tudo bem? Sabe quando dá aquele estalo e você não quer mais ser só o que os outros te impõem? Pois é, comigo foi assim: um belo dia acordei e fiz o que eu sempre fiz de melhor, questionar. Mas desta vez questionei a mim mesma, me perguntei porque eu ainda estava ali naquela posição de coitada, ainda à espera de ouvir um “você é gordinha, mas tem um rosto lindo” e tomar isso como elogio.
A partir de então levantei, bati a poeira e fui à luta. Fácil? Claro que não! No início era bem difícil e ainda hoje, momento que já estou de bem com meu corpo, é bem complicado lidar com certas situações, eu costumo dizer que é uma luta diária, mas o importante é começar. Iniciei procurando, principalmente na internet, pessoas que pensavam como eu, mulheres que também estavam cansadas desse bendito padrão de beleza e resolveram colocar a boca no trombone, e o melhor de tudo é que eu encontrei.
Assim como todas as meninas gordas que vão procurar apoio na internet, de cara eu já tive contato com o Plus Size, conheci blogs, modelos, agências de modelos e isso foi me ajudando a começar meu processo de aceitação e por um tempo foi muito construtivo, até encontrar o próximo obstáculo que é perceber que o mundo Plus Size não é tão cor de rosa como a gente pensa. Descobri que em grande parte dele existe um padrão, sim isso mesmo, tem padrão pra ser gorda, onde se passar do manequim 50 já não tem representatividade, muitas marcas de roupa que se dizem quebradoras de padrão só fabricam roupas até tamanho 50/52 e campanhas publicitárias com modelos com manequim 46, no máximo 48.

genize (2)
Parecia que eu tinha voltado á estaca zero, foi então que conheci a luta antigordofobia, entrei em grupos, fóruns, pesquisei sobre, busquei textos, artigos científicos, conheci pessoas incríveis e voltei a me encontrar em um ambiente onde de fato há diversidade, me fez e faz muito bem. É muito bom saber que você não está sozinha e que existem outras pessoas que passam pelos mesmos dilemas que você, que faz os mesmos questionamentos que você e que está na mesma luta, é um sentimento de acolhimento lindo que recomendo muito. <3
Pode ser que o caminho da minha ‘busca pela felicidade’ tenha sido um tanto comprido, talvez você escolha outro trajeto, ou já chegou lá com menos reviravolta que eu, o importante mesmo é chegar, é se olhar no espelho com amor e ver uma mulher linda, digna, respeitada e dona de um corpo maravilhoso que traz histórias que só você sabe contar!
Ahhh… antes que eu me esqueça, meu nome é Genize (pode chamar de Gê), tenho 25 anos, mulher negra e gorda e que se acha maravilhosa. Essa é a primeira de muitas vezes que nos veremos aqui na casinha da Kalli, então te espero nos próximos dias para papearmos mais um pouquinho, ok?
Beijos, até logo! 😉

 

genize

24.11.15

#EscutaModaPlus – 5 looks que eu quero ver no meu tamanho!

Uma das grandes reivindicações do #EscutaModaPlus é a falta de opções na hora de comprarmos, hoje em dia tem muita coisa sem dúvidas, mas ainda falta muitas e é dessas que vamos falar hoje. No post de hoje vocês vão conhecer quais são os 5 looks que eu quero ver no meu tamanho, está é a nossa primeira blogagem coletiva para começarmos a mostrar ao mercado o que queremos ter como opção na hora que formos comprar.

Eu sou tão “treinada” a só ver marcas plus size, que foi difícil inicialmente fazer essa lista de 5 looks, mas aí eu me lembrei o quanto é contraditório eu morar em uma cidade que vive MODA e não ter o prazer de caber em nada. Então fui atrás das marcas da minha cidade (e da região) e mostro para vocês as escolhas que eu adoraria poder fazer, mas ainda falta os tamanhos se ampliarem.

ESCUTAMODAPLUS

A primeira peça que escolhi foi esse vestido da Indie Denim, a marca é super novinha (uns 4/5 anos) e tem uma visão bem fashion, além de ser uma das mais virtualizadas daqui e isso é muito positivo hahhaa. Tem uma loja a menos de 200 mts da minha casa e eu me apaixonei neste vestido quando vi na vitrine.
A modelagem em si pode ser usada por mulheres de manequins plus size, mas ainda poderia ser feito adaptações para que as mulheres se sentissem mais seguras usando soutiens. Acredito que este vestido em uma versão plus size ficaria maravilhoso!

 

indie denim

A segunda peça é um vestido lindo da Bora Bora, que eu acredito ser a primeira marca da minha cidade a ter um nome forte, lá tem sempre peças maravilhosas. Este modelo em especial, no meu ponto de vista não precisa alterar nada para ficar legal em gordas, A estampa é linda, o modelo se encaixa numa numeração maior e até comprimento me agrada. Só falta mesmo que a empresa invista em produzir tamanhos maiores. *___*
Bora Bora

Esta t-shirt é um desejo antigo meu, amo essa frase/ poema (ela é a minha cara em todo dia de ressaca haha), a marca Chico Rei é de Juiz de Fora, é uma das empresas virtuais mais conhecidas em t-shirts descoladas do país. Só que infelizmente as modelagens femininas não cabem em mulheres gordas, a masculina vai bem mais longe. Mas eu não curto usar qualquer coisa que caiba, sempre dou preferência a modelos pensados no meu corpo.
É bem difícil encontrar t-shirts no meu tamanho! Elas precisam se tornar algo mais comum na moda plus size.

Chico Rei

Quem veste tamanhos grandes sabe bem que até um simples pijama/camisola pode se tornar uma dificuldade na hora de comprar, por isso, eu escolhi essa camisola fofa da Mrs. Home para o post. A marca é da minha cidade também e já estão em busca de produzir algumas coisas em tamanhos maiores, mas infelizmente ainda é restrito as opções, não encontrei nada fofo como essa que caiba em quem usa 48+. Estou esperançosa que em breve eles vão melhorar a variedade das peças plus size. Toda mulher merece dormir bonita e nós também!
Mrs. Home

Por último deixei o look que na verdade mais fez meu coração bater hahaha. Eu amo Jeans e quando vi este look da Trama Jeans eu fiquei chocada! Desejei demais essa calça, é bem frustrante saber que ela não existe ali do lado, mas não tem para o meu tamanho. Espero dias melhores para o jeans plus size, eu quero calças como essa. <3

TRAMA
E vocês, quais são as 5 peças que gostariam de ver na moda plus size?

Postem em suas redes sociais, sempre usando a hastag #EscutaModaPlus e vamos torcer juntas para que o mercado colabore para que possamos realizar nossos sonhos de consumo. *__*

06.11.15

Transtorno Alimentar e Superação <3

Muita gente talvez não faça idéia, mas o Beleza sem Tamanho é um blog que tem um número considerável de leitoras que estão vivendo ou já viveram algum transtorno alimentar, e não falo só de compulsão alimentar (as pessoas tendem a acreditar que todo gordo é compulsivo) , falo aqui também de Anorexia e Bulimia.

Embora exista memes toscos que relacionam ser gordo como ter vencido a anorexia, na realidade as coisas não funcionam desta forma, tem mulheres gordas sim vivendo transtornos alimentares e se punindo por comer. Mas além dessas gordas com TA, tem também as magras que sofrem com a doença e não conseguem amar seus corpos e acompanham o blog, embora o grande medo delas seja engordar (devido a doença) muitas conseguem aqui no blog inspiração para continuar lutando contra a doença. E eu tenho maior orgulho delas a cada superação. <3

Pensando nessas lindas e em todas as mulheres que ainda não lidam bem com a própria imagem, hoje eu quero mostrar para vocês a Megan Jayne.
Transtorno Alimentar e Superação

Megan tem 22 anos, ela começou a ter problemas com a imagem ainda criança e na adolescência ela vivenciou a Anorexia e chegou a pesar 28kgs, com risco de vida foi internada e começou tratamentos para sua recuperação.
Hoje recuperada ela tem orgulho do seu corpo e mostra isso em muitas fotos no seu Instagram, através das fotos ela incentiva mulheres a aceitarem seus corpos como eles são. *-*

“Se uma foto que mostra minhas gordurinhas ou celulites de forma escancarada pode mostrar a alguém que se seu corpo vale ser amado, então eu vou postar as fotos mais fantásticas da minha barriga, dos meus coxões e celulite.

Quando eu me olho no espelho, eu vejo barriguinha, celulite e um milhão de falhas que antes me levaram para uma espiral de ódio. Mas ao mesmo tempo, vejo felicidade. Vejo beleza e vejo que vale a pena, e isso vai muito além do físico.

Conforme eu postava mais sobre o meu distúrbio alimentar e mostrava meu corpo, minha página crescia e eu recebia mensagens dizendo que eu estava ajudando e até salvando suas vidas”, afirma Megan ao jornal Daily Mail.”

One day you’ll see. The moments of your life that you’ve missed. The memories that were made to light up your mind with smiles in vivid colour. But instead, they are dull. They were dulled. By a mind that could never truly live in that moment, too consumed by the ever present mirror forcing your reflection to the forefront of your thoughts. You cannot truly live with that mirror, looming over all that you do, and all that you are. One day you’ll see, that it was inside you all along – the power to smash the mirror into pieces too small to ever pierce through your self esteem again. One day you’ll see, that you could have lived unburdened by lies about your worth residing in your reflection. That you could have laughed with your whole body shaking. That you could have devoured every bite without shame. That you could have lived every moment, for yourself. One day, you will see. And I can’t think of a better day than the one you’re living right now. ?????

Uma foto publicada por Megan ? (@bodyposipanda) em

The UNSTOPPABLE force of body positivity @franhayden has done something amazing! The #iamhereproject is giving us a space to stand up, define ourselves and be proud of who we are! To some people, ‘free’ might not sound like a personal attribute, but for me it is. Because I have fought to get to this state of mind – to be free. Free from my eating disorder, free from self hatred, free from toxic diet culture and the body image demons that tried to steal my life from me. Now, I am free enough to see my body with love, and without comparison to the unattainable ‘ideals’ that none of us asked to be put up against. I am free enough to wear what I want, eat what I want, and be who I want without the constant fear that my appearance makes me undeserving of those things. I am free enough to have the confidence to try to show you all every day, that you are so wonderful, and so worthy, just as you are. I would love if you all would join us in this fantastic project, and show the world that we are ALL here, in all of our unique glory. ????? Uma foto publicada por Megan ? (@bodyposipanda) em

I gave my old scales a well deserved makeover. They’ve been lying to me for years about my health, my beauty and my worth as a person, time to set the record straight. HEALTH. Did you know that the obesity crisis is entirely fabricated by greedy diet companies paying for sensationalist headlines? Did you know that countless studies have shown fitness to be the key to good health, regardless of weight? And countless others that the highest rates of longevity fall within the ‘overweight’ BMI category? Did you know that BMI was invented by a mathematician and never intended as an indicator of health? Or furthermore that the cut off points for the categories were arbitrarily decided upon by the International Obesity Task Force (advising the World Health Organization), whose two biggest funders at the time were pharmaceutical companies selling the only diet pills on the market? Actually not so arbitrary. Actually entirely crafted to make money from people with overweight or obese BMIs tricked into believing their BMIs reflected negatively on their health. Interesting, huh? BEAUTY. We are programmed, brainwashed into believing in only one type of beauty. And that if we try hard enough we can achieve it. This lie takes our money, time, and self esteem and leaves us in a perpetual state of self hatred. It blinds us to the diverse beauty around us and within ourselves. Recognise the lie, take the blindfold off. WORTH. We are all worth so much more than what our bodies look like. We are not ornaments made to look nice for other people. We are multi-dimensional, magical beings, our worth cannot be reduced to any number. We are more than that. I highly recommend all of you giving your scales a makeover, you won’t miss them. I promise, they will never tell you anything valuable about yourself. You are far too fabulous for them. ????? Uma foto publicada por Megan ? (@bodyposipanda) em

 

Ela é linda e empoderada, usa sua vivência com o transtorno alimentar, sem temer as retaliações (ela recebe muitas críticas) para ajudar outras mulheres a se amarem.

Amar o próprio corpo e se orgulhar dele, não é uma questão de peso e sim de fazer as pazes com o seu espelho.

É importante que nós mulheres possamos nos fortalecer a cada dia mais e mais, só isso as crianças de hoje em dia poderão ter uma adolescência mais livre de padrões estéticos.
Para quem ainda se encontra na luta com um TA, eu desejo muita força e que nunca desistam de vocês.