Tag: gordofobia

19.10.17

Por que as mulheres gordas tem “obrigação” de serem hiper femininas?

Uma mulher magra pode vestir um jeans e uma t-shirt básica, prender os cabelos e ir trabalhar tranquilamente com aquele visual “acabei de sair da cama”. Mas as mulheres gordas muitas vezes precisam estar maquiadas, bem alinhadas, com o vestido perfeito e necessitam de um penteado ideal.

hiper femininas

Este era basicamente o visual de 99% das fotos da  Tess quando ela surgiu, era linda também, mas totalmente montada e com fotos super editadas. 

Já olharam ao redor (ou no instagram) e notaram que as gordas mais “descoladas” e “famosas” estão sempre muito produzidas? Vamos além e olhem os stories de blogueiras gordas e blogueiras magras e vai perceber que no dia a dia as magras não ficam justificando não estarem maquiadas e penteadas, já as gordas em sua maioria ou estão de acordo com o esperado ou estão se justificando por não estarem ali “perfeitas”.
Se pararmos para analisar somente os looks, vamos ver que as mulheres gordas estão sempre vestidas de forma impecável com roupas que em geral são produzidas de modo que “moldam” nossos corpos e os transformem sempre em algo mais feminino e menos gordo… ou ao menos, que visivelmente não demonstre o que a sociedade trata como imperfeição (barriga/celulite/ dobrinhas).

  Print do Google imagens quando busquei “Nicolette Mason looks”
Nicolette Mason é uma blogueira plus size super famosa, a única gorda que figura nas listas de tops influenciadoras de moda em geral.

Já se formos analisar looks de mulheres magras vamos perceber que tudo é muito mais simples e prático e bem parecidos entre si. Para mulheres magras tudo bem usar um jeans qualquer com uma blusinha podrinha, ou um vestido de malha soltinho. É clean, é minimalista, é casual sem se importar. É fashion. Para elas está liberado a “tendência de ser/parecer preguiçosa para se vestir e arrumar”, aquele visual clean do tipo “eu nem ligo, acordei e saí assim”; para as meninas gordas isso ainda é visto como sinônimo de desleixo e descuido.

Print do Google imagens quando busquei “Chiara Ferragni looks”
Chiara é considerada a mais influente blogueira de moda do mundo, é a top em várias listas sobre o assunto. 

Vale aqui ressaltar que mulheres negras magras também são mais cobradas pela aparência, um exemplo é a questão dos cabelos que só recentemente puderam libertar sem serem tidas como “sujas” e “preguiçosas”. Então é válido que a gente entenda que a cobrança maior está diretamente relacionada em não estar no padrão de beleza vigente que é branco e magro.

Quando nós gordas nos mantemos montadas, com looks e makes impecáveis, é inegável que seremos mais bem aceitas pela sociedade em geral. Nós precisamos “recompensar” as pessoas por nosso corpos, e quanto mais a gente adere a hiper feminilidade mais perto do padrão aceito ficamos.
Esse excesso é uma “garantia” de não sermos vistas como feias ou desleixadas, ninguém julgaria assim (mentira, algumas pessoas são hater e julgam sim) uma mulher que visivelmente teve trabalho para estar ali com aquela imagem daquele momento. Mulheres arrumadas de acordo com o padrão estético exigido são vistas de forma muito mais positiva em qualquer corpo, mas para as gordas o não estar nesse padrão é também não alcançar respeito social.

Não tem nada de errado em gostarmos de estar sempre bem vestidas, bem maquiadas e com os cabelos impecáveis. Quando questionamos esse excesso não é no sentido que não devemos ser assim, o que não deveria acontecer é essa NECESSIDADE de ser assim para ser mais bem aceitas pela sociedade no nosso dia a dia. Acredito que existam mulheres que tem prazer real em se montar todos os dias (embora eu não seja uma delas hahaha), e elas tem todo o direito de fazerem isso.
Mas a gente que não gosta, precisa questionar e parar de se esforçar para se encaixar nesse estereótipo de gorda aceitável. Não tem como falarmos de aceitação corporal de forma plena se para isso é preciso usar a roupa X e a maquiagem Y.

Nosso corpo não deve/ pode ser moldado pelo que os outros pensam de nós, hoje a mulher gorda é muito mais bem vista que uns anos atrás… mas qual mulher gorda? Sim! A Mulher GORDA que está sendo bem aceita é aquela que demonstra hiper feminilidade (se possível, num perfeito corpo ampulheta, com cinturinha violão e sem barriga – ou numa roupa que a faça parecer assim).

Nós todas que lutamos por maior inclusão do corpo gordo (inclusive quem curte a hiper feminilidade), precisamos reconhecer que existe essa imposição de excesso de feminilidade nas mulheres gordas e questionarmos e mostrarmos que não é preciso se moldar o tempo todo. Não precisamos nos vestir apenas com a moda Pin Up (que disfarça) ou com peças ultra justas que nos tornam mais curvilíneas, existe um mundo de possibilidades na moda e nós também podemos usar o que quisermos.

É importante que a gente tenha ciência que merecemos respeito com qualquer roupa que estivermos, seja vestidas de gala ou a camiseta da nossa banda favorita, nós continuamos sendo a mesma pessoas e não deveríamos ter a nossa saúde e costumes questionados por concluírem que nos vestimos de forma desleixada.

Mais uma vez ressalto, que não há nada de errado com a feminilidade. Errado é a exigência que nós mulheres gordas sofremos para estar sempre hiper femininas.
Assim como todas as mulheres a nossa feminilidade deve desrespeitar apenas a nós.

Vocês já tinham percebido essa questão?

Vamos conversar sobre aqui nos comentários. *_*

 

* Este texto foi indicação de uma leitora, que foi a primeira a ler e me ajudou a finalizar.

** Para saber mais sobre o assunto indico este texto (aqui) completo sobre o tema em inglês.

05.10.17

Ela foi demitida após as fotos que realizou com seu noivo.

Já imaginou fazer fotos que celebram seu amor e seu corpo e vir a ser demitida por conta disso? Infelizmente isso aconteceu essa semana.

Stephanie e seu noivo, fizeram um ensaio de casal onde ela vestia apenas calcinha, mas também não chegava a expor os seios (é seios ainda é tabu). As fotos acabaram viralizando nas redes sociais, pela mensagem de aceitação corporal, amor e cumplicidade.

 

 

Essas fotos ficaram lindas demais. *___*

O resultado imediato foi muito positivo, e eu pude ver essas fotos no meu feed várias vezes, muita gente se sentindo inspiradas e encantadas com as fotos. Com toda a repercussão, ela acabou sendo demitida do seu emprego. (leia aqui)

Eu não sei vocês, mas eu fico chocada ao saber sobre uma notícia como essa. É inacreditável que alguém perca seu emprego por conta de fotos pessoais.

A demissão por si só já é péssimo, mas nesse caso chama atenção que só a mulher foi punida…

A gente sabe que vive em uma sociedade machista, mas fatos como esse são mais uma constatação dessa situação. Outro ponto é o fato de ser um corpo gordo, eu já vi muitos ensaios com mulheres “padrão” que não tiveram suas carreiras prejudicadas.

Nós vivemos em tempos de LIBERDADE (ainda bem), mas infelizmente o CORPO DA MULHER ainda é visto como algo absurdo que não pode ser mostrado (embora a pornografia seja consumido vorazmente).

Que a liberdade da mulher seja também algo real, não tem muita lógica a gente seguir sendo as únicas punidas com o machismo da sociedade em que vivemos.

 

Vocês já tinham visto essas fotos? Concordam que são lindas?

O que pensam a respeito dessa demissão? Contem-me tudo nos comentários. *_*

 

 

16.08.17

Emagrecimento não deveria ser a maior vitória de ninguém.

No programa Masterchef de ontem, aconteceu uma situação deprimente (do meu ponto de vista), mas infelizmente muito comum de se ver. Levaram os 3 vencedores das edições passadas para o programa, no palco do maior programa de culinária da TV brasileira (assista aqui), cada um deles tiveram um tempinho para contar como está sendo a carreira após terem vencido. Enquanto uma participante contou todas as conquistas e cursos que realizou, outra participante declarou ter perdido 39 kgs e que agora tem uma empresa de quentinha low carb.

Conseguem perceber o quanto isso é absurdo? A mulher foi vencedora de um programa que abre mil portas, mas ela, juntamente com nossa sociedade doente, considera como grande vitória o emagrecimento, diminuindo toda a sua competência e colocando em evidência seu corpo magro.
Izabel sofreu muita pressão sobre seu corpo enquanto esteva no programa, várias ofensas gratuitas aconteceram nas redes sociais e é fácil de entender a decisão dela em emagrecer, afinal emagrecimento é pessoal e não tem o que se questionar, mas o que eu considero tóxico é ver uma mulher jovem, com uma carreira brilhante pela frente se resumindo apenas ao emagrecimento.
Toda essa fixação das pessoas por emagrecimento é fruto da Gordofobia que tenta a todo custo culpar e inviabilizar os corpos gordos.
Corpos são mutáveis, engordam e emagrecem várias vezes durante a vida, então, se apegar a um emagrecimento como grande vitória da vida é, no mínimo, algo muito vazio.

Que em um futuro próximo as pessoas parem de supervalorizar o emagrecimento, e se permitam demonstrar competentes em qualquer função, independente do corpo que esteja.

04.08.17

Gorda Esporte Clube – O melhor time do Brasil!

Vocês já conhecem o Gorda Esporte Clube? É um projeto maravilhoso, onde uma gorda mostra sua rotina de treinos e incentiva outras pessoas a se jogarem nos esportes por prazer.
Desde que conheci eu amei e venho acompanhando o projeto, quando decidi fazer um post eu pedi a idealizadora Fabrina que contasse para vocês um pouquinho do Gorda Esporte Clube e ela contou de forma linda e não tive audácia de cortar nada e nem acrescentar.

Comecei o Gorda Esporte Clube no momento em que decidi parar de odiar meu corpo. Quando olhei para tudo que deixei de fazer por ter aprendido que ser gorda era um impedimento, vi que a maioria das coisas era relacionada a esportes e movimento. Resolvi que daquele momento em diante, faria tudo o tinha vontade. Quero correr uma maratona entre 2018 e 2020, aprender a nadar em mar aberto, andar de long board, dançar, fazer pilates, ioga.

Pesquisei sobre mulheres que falavam sobre ser gorda e ser fitness, que contrariam esse conceito higienista que temos. Não encontrei nada no Brasil, só na gringa. Decidi contar minha experiência. Sou jornalista e estou na internet desde que tudo era mato, então foi meio que um processo natural.

Todo dia é um exercício novo. Quando se é uma mulher gorda aprendemos desde cedo que não devemos ocupar mais espaço do que já ocupamos. Essa foi e ainda é a minha maior dificuldade. Ainda falta representatividade. Raramente vemos fotos e vídeos do corpo gordo em movimento sem que seja pejorativo. O nosso olhar é treinado para nos criticar e esperar que o nosso corpo reaja da mesma forma que um corpo magro. Todo dia eu me educo e reeduco para ver a minha imagem em fotos e vídeos dos treinos e corridas e entender que está tudo bem. Aos poucos vou aprendendo e entendendo o processo. Tenho planos de gravar com uma professoras de algumas modalidades. Todas gordas.

Minha maior dificuldade, no entanto, não é o tamanho do meu corpo ou a reação das pessoas. Quando eu mudei e me aceitei, as coisas se tornaram mais simples. Entendi que o problemas não sou eu, são eles. E me sinto muito mais tranquila para dizer que as pessoas gordas estão fora do ambiente esportivo por hostilidade e não preguiça.

Em poucos meses, muita coisa mudou porque eu mudei. Vivia entrando e saindo de academias e práticas que eu amava por achar que como não emagrecia, estava falhando. Por exemplo, quando conheci meu treinador atual e minha equipe (MLF de Marília), eu consegui dizer a ele que queria correr uma maratona e não emagrecer. Esse é o foco dos meus treinos. Hoje, minha dificuldade é conciliar tudo o que quero fazer do GEC, os treinos e as corridas com a vida. É o problema mais banal que existe e também uma prova de que pessoas gordas são pessoas.

Há quem duvide e quem critique? Claro que há. Mas eu fiz uma escolha e estou extremamente feliz com ela. Se eu quis emagrecer? Sim. Fiz dietas, tomei remédios, jejum, fotos de antes e depois. Eu me maltratei muito para dar aos outros o que eles queriam. Hoje, eu me priorizo sempre. Por 37 anos esse foi meu maior sonho.

Minha narrativa ainda está no começo e ela inclui participar de uma maratona entre 2018 e 2020. Hoje, meu maior sonho não é ter um corpo menor. É ter um dia maior para que eu possa incluir outros esportes e atividades no meu dia-a-dia. Desejo mais tempo para ser quem eu sou.

Vocês também já estão na torcida por ela? Para mim foi imediato, é impossível não torcer por ela e por todos os gordos que queiram se dedicar aos esportes. 

Acompanhem o Gorda Esporte Clube nos links abaixo:

Blog FacebookInstagram Twitter – Youtube

07.07.17

Kelly Clarckson rebate seguidor que a chamou de Gorda!

Kelly Clarckson estava comemorando o 04 de Julho no Twitter, ao postar sobre a Independência dos EUA seus seguidores começaram a responde-la dentro do tema, mas apareceu um engraçadinho que disse: “Você é gorda” e ela imediatamente o respondeu dizendo: “E continuo sendo muito incrível”.

via GIPHY

Em 2015, Clarkson já havia rebatido críticas de que estaria acima do peso. Principalmente, por ser uma pessoa pública. “Eu sou incrível! Não me incomoda. É um mundo livre. Diga o que quiser(…) Eu não procuro pela aceitação dos outros(…) Você pode amar ou você pode odiar. Há muitos artistas por aí”, ironizou. (daqui)

A gente já sabe que ser GORDA é apenas uma característica física, mas muitas pessoas insistem em usá-la na tentativa de nos ofender. Não tenho dúvidas de toda a pressão que Kelly sofre para emagrecer, inclusive já emagreceu algumas vezes, mas gorda ou magra ela é incrível e eu fico feliz que ela saiba muito bem disso.

Para ilustrar essa afirmação eu trouxe seis looks maravilhosos que ela já usou nos palcos, para a gente admirar e até copiar quando precisar arrasar. *_*

 

 

Todo corpo merece ser respeitado e amado independente da sua forma, nossos corpos são mutáveis e podem hoje estar gordo e meses depois magro, assim como pode acontecer ao contrário. O que importa é sabermos que o tamanho de um corpo é apenas o tamanho de um corpo, e isso não interfere na capacidade dele.

Depois de mais esse exemplo, a gente não pode se esquecer do quão incríveis somos.