Tag: gordofobia

24.04.17

A Páscoa, o chocolate e a culpa.

O mês de abril é marcado por um dos doces mais queridos pelo mundo: o chocolate. E com isso, geralmente vem muita culpa por estar comendo, mas porque será que isso acontece?
A culpa é um sentimento que pode ser experimentado por muitas situações na vida, dentre elas a comida. Essa culpa tem seu centro em dois pontos principais: regras alimentares e a gordofobia.

Comida e corpo
A alimentação hoje é cercada por informações imperceptíveis sobre ela (que ela tem proteínas, flavonoides, fibras, gorduras, etc.) e com isso precisamos de especialistas para nos dizer sobre isso que muitas vezes acabam por simplificar a informação entre “faz bem” ou “faz mal” / “engorda” ou “emagrece” / “é saudável” ou “não é saudável”.
Além de a relação entre alimentação x saúde e alimentação x peso não ser algo que dá para simplificar dessa forma, o problema maior é que isso causa uma sensação de culpa quando um alimento do lado sombrio da força é comido por estar “fazendo mal a si mesmo”.
No meio dessa bagunça ainda tem um ingrediente muito importante que dá um sabor ainda mais amargo a ela: a gordofobia. Aqui, no sentido literal, com um grande medo de tornar-se ou permanecer gorda, onde o alimento “saudável” ou “que faz bem” é no fundo o alimento que “emagrece” ou que “não engorda”. Até porque o alimento que “faz mal” sempre está associado a pessoa gorda na sociedade. Daí, mais culpa.

 

Todos esses elementos se transformam em um ciclo (veja abaixo) que fazem a pessoa permanecer nele, fazendo a relação com a sua alimentação, com o seu corpo e também com saúde ficar cada vez pior.

Em algumas situações esse ciclo é tão prejudicial que a pessoa desenvolve o transtorno da compulsão alimentar, o mais comum entre os transtornos alimentares, onde a relação com o corpo e comida estão tão prejudicadas que a pessoa começa a ter dificuldades para comer qualquer comida, sentir que está restrita a certas atividades por conta da sua alimentação, comer escondido, achar que todas as pessoas estão olhando para o seu corpo enquanto sai na rua, etc.

Coma chocolate sem culpa!
O jargão “coma sem culpa” na internet geralmente está associado com um ovo de páscoa fit / light ou qualquer coisa do tipo. É como se estivesse implícito: se eu comer algo mais saudável não precisa sentir culpa. A culpa relacionada a alimentação não está relacionada ao conteúdo de nutrientes do alimento, mas sim a fatores psicossociais ligados a alimentação e o corpo (mais especificamente a divisão dos alimentos entre bons e ruins, e o medo de ficar gorda).

 

18.04.17

Gordos Lindos e Estilosos – INSPIRAÇÕES PARA SEGUIR NO INSTAGRAM!

No mês passado, eu fiz um post (aqui) com várias gordas maravilhosas  com manequins maiores para serem seguidas no Instagram, fiz por saber o quanto pode ser uma forma simples e útil de ajudar no fortalecimento da autoestima e na “educação” do nosso olhar para a beleza em formas não padrões.

Agora é a vez de dar espaço aqui no blog para os homens gordos, fiz uma listona do amor. Tem homens de vários manequins, com estilos diferentes, dos básicos aos montados. Confiram abaixo.

@marciovaladaresoficial@o.plussize@bernardofala@felipecampus

@ricardotassilo @jonathanhc10@juliofz@ledcouto

@_manualvarez@felipe_chelles@timhenrique@gominho

@detalhemasculino@diegocapuchinho@jalmyrvieira@marcao_viking

@keenzao@tiagoabravanel@duduselect@marcaobaixada

@leocataldo@queissogordinho@rlabate@ohhoneymoon

@felipehintze@canaldosora@binhoro@bernardocosta

@kaiotibes@garoteinvisivel@marco.magoga@tafars

 

Viram quanta gente linda? São todos lindos do jeitinho que são!
Esse post também pode ser conhecido como coleção de fotos de homens fora do padrão de mídia haha. Concordam?

Convido todas vocês a conferirem cada um desses lindos e também a compartilhar este post com todo mundo.

Eu priorizei colocar na lista os gordos que postam fotos de corpo inteiro e que são contas abertas no Instagram.

Conhecem outros instas de gordos maravilhosos para serem seguidos?

É só indicar aqui nos comentários, quando eu for fazer um novo post incluirei todos os indicados.

28.03.17

Acessibilidade para o corpo GORDO é urgente!

Ontem vi no meu feed uma matéria (aqui) animadora que contava sobre o primeiro salão “plus size” do mundo, um salão com acessibilidade para o corpo gordo.

O ambiente tem toda a mobília projetada para receber com conforto e segurança os corpos gordos, seu quadro de funcionários é formado por pessoas gordas e que conhecem melhor que ninguém as necessidades e angústias dos clientes.

Em um primeiro momento, eu acredito que muita gente vai julgar esse salão como segregador, que precisamos incluir os gordos em todos os ambientes e não nos isolarmos. Acertei?
Eu preferia mesmo que todos os salões do mundo possuíssem equipamentos capazes de atender com dignidade todos os corpos, mas em um sistema capitalista como o nosso, a realidade é que nunca haverá investimento em itens mais caros para servir melhor uma “minoria”, então precisamos, assim como na moda plus size, contar com iniciativas como essa, que nos abraça completamente e valorizar os empreendedores que pensam na gente na hora de criar seus empreendimentos (ninguém faz sem pensar em lucros, mas que então, nosso dinheiro seja gasto com quem faz o melhor para a gente).

A notícia chata é que um salão, ou qualquer estabelecimento planejado para as nossas medidas, não é a nossa realidade e o que sobra mesmo é a gente se apertar para caber nos lugares e torcer para que o aperto não se torne, também, machucados no nosso corpo.

Percebo ainda, que mesmo nos dias atuais, é muito raro que a gente busque alternativas e quando solicitamos por elas, as pessoas se assustam com a necessidade de espaços maiores para gordos.

Recentemente, eu colei grau, a cerimônia foi em um Teatro antigo e eu sabia que para caber, só no aperto e não achava justo passar aquele momento especial sentada de forma desconfortável, pedi que providenciassem uma cadeira apropriada por telefone e ouvi o moço me explicar que se caso não fosse uma “obesidade exagerada”, eu poderia ir sem preocupação que me caberia, eu podia ter dado uma aula e explicado que não existe uma obesidade exagerada,  mas senti que ele não falou essa merda por mal,  falou por não estar preparado para o questionamento sobre as cadeiras para obesos. Fui super bem tratada na minha “necessidade” na hora do evento e sei que por eu ter pedido, pelo menos 3 pessoas envolvidas no cerimonial descobriram que bundas gordas não precisam se apertar em cadeiras que não as cabem, eu me senti aliviada por ter me sentado com conforto, mas não posso negar que ver a foto e só eu na cadeira diferente me deixou a certeza que o mundo não foi feito para gordos e que vamos ter trabalho para o adaptá-lo aos nossos corpos.

Eu convido vocês gordos como eu, que reclamem mais dos espaços que temos hoje, que deixem claro que aquilo não está atendendo conforme você precisa e não se machuque, emocionalmente e fisicamente, por não caber nos lugares, tenha consciência que é preciso lutarmos para que a sociedade nos caiba e nos inclua, não o oposto.

23.03.17

Você é o que dizem que você é?

A gente é ensinada a ser a vida toda várias coisas que nos disseram que deveríamos ser. Seja por nosso gênero, cor, forma física, aparência…

Um bando de estereótipos e preconceitos muitas vezes traçam para nós um destino. Muitas vezes esse caminho nem é o que a gente queria seguir.

Esse vídeo é sobre isso, sobre não nos deixarmos influenciar tanto pelo que esperam de nós, pelo que dizem que é o certo. É sobre incentivar pessoas, sobre saber que cada um de nós tem algo que sabe fazer bem, tem defeitos e qualidades. É sobre não julgar ou decidir sobre alguém pelas aparências, pelos padrões.

Enfim, nós somos muito mais do que disseram que seríamos, ou apenas diferentes daquele script que traçaram. E isso é muito bom.

Não é? E afinal, você é o que dizem que você é?

Quem gostou do vídeo, se inscreve no canal! 😉

16.03.17

Cirurgia Bariátrica vem causando mortes prematuras!

No início de 2016, uma amiga perdeu sua irmã por complicações que ocorreram logo após a realização de uma cirurgia bariátrica. Neste caso em especial, acompanhei o período de complicações e foi triste ver uma moça nova, linda e com boa condição de saúde perder a vida. Logo na época, eu comentei sobre esse caso na page do Facebook, mas por saber a dor da família, eu não quis trazer a pauta para o blog e aumentar ainda mais o sofrimento (pessoas fazem comentários ridículos e sem noção nas postagens e ninguém merece ler isso durante o luto).
Já no início desse ano, outra moça perdeu sua irmã e ganhou as redes sociais ao contar em um textão (saiba mais aqui), todo o sofrimento que a irmã passou por ser gorda e como a cirurgia e o manequim 38 eram seu sonho, infelizmente a Amanda também veio a falecer logo após a cirurgia.

Faz umas semanas, o Pepê ex-participante do Além do Peso, foi mais uma vítima do procedimento e deixou muitas pessoas sensibilizadas com sua partida, como o Pepê tinha um público grande, várias pessoas tiveram conhecimento da morte prematura em decorrência da cirurgia bariátrica e o assunto voltou a ser destaque.

As duas meninas citadas, eu sei que tiveram como motivação para operar a vontade imensa de serem MAGRAS e se livrarem de toda a Gordofobia que vivenciaram, elas entraram saudáveis e nunca mais saíram do hospital, já o Pepê, eu não conheço os detalhes, mas ao que me parece, ele era um rapaz gordo e bem ativo, ao analisar sua última postagem, pude concluir que a cirurgia seria para emagrecimento, que também um sonho que ele tinha.

Qualquer pessoa que defenda a cirurgia bariátrica, vai vir aqui dizer que o risco de morte é menor que 1% e etc e talz, mas e se esse menos de 1% for alguém da sua família? Ainda vai achar pouco?

Eu acredito plenamente que a cirurgia é uma ferramenta importante para muitos casos, mas eu acho lamentável demais que se coloque em risco a vida de uma pessoa saudável em busca de um corpo não gordo. Aqui eu estou citando casos recentes que eu sei que abalaram muito as pessoas que eram próximas e perderam pessoas queridas, mas existem muitas outras pessoas que já se foram e tantas outras que nunca mais teve a tal “saúde” que buscavam ao operar.

Cirurgia é coisa séria, não banalizem!

Sigamos empoderando umas às outras, para que mais meninas descubram a beleza em seu próprio corpo e parem de arriscar a vida para caber em um jeans 38.

 

Muitos tentarão me fazer acreditar que o que mata é a negligência médica, mas muitas pessoas não teriam se submetido a essa cirurgia se não tivessem uma imensa e triste bagagem de gordofobia nas suas costas.