10.01.18

Dicas para comprar na Posthaus + Cupom de Desconto até dia 20/01

Sempre que se fala em Posthaus como uma das melhores opções para comprar roupas plus size com preços acessíveis, aparece alguém dizendo que já comprou e é de péssima qualidade, mas como pode então tanta gente amar? Eu percebo conversando com quem comprou e não gostou, que na verdade não souberam comprar na Posthaus, foi pensando nessas conversas que já participei tanto no mundo real quanto virtual, que quero dividir como vocês as dicas que eu uso na hora que vou comprar na Posthaus.

Minha primeira compra no site foi em 2011 e acho que a minha experiência pode ser útil para quem ainda não sabe o jeitinho de escolher.

O primeiro ponto que é preciso nos atentarmos, é que a Posthaus é um portal de moda e revende várias marcas dentro do mesmo site, quando clicamos em Plus Size se observarmos na lateral esquerda vamos ver que existem mais de 15 marcas listadas. Como são muitas marcas é importantíssimo sempre verificarmos a tabela de medidas da peça que estamos comprando, não existe em nosso país um padrão de medidas, então o melhor é sempre estarmos atentas a este detalhe.

Existem no site marcas mais caras e com alto padrão de qualidade (modelagem, tecidos mais nobres e etc), mas tem também marcas que são super dentro das tendências de moda, mas trabalham com tecidos mais simples (baratos) o que torna os preços bem mais acessíveis. E esse é o grande diferencial da Posthaus, tem moda para todos os bolsos.

Embora sejam muitas marcas, duas delas são as com mais variedade no site a Quintess e a Marguerite, elas acabam sendo as mais “famosas” por lá.

Se vamos focar em precinhos baixos a a Marguerite (clica aqui) é sem dúvida o primeiro nome que pensamos, ela é uma dessas marcas que citei que trabalham com preços bem baixos, modelos atuais e com materiais mais básicos… Aí o que acontece é que a mulherada fica louca e compra vários vestidinhos de menos de 50 reais e depois julgam a qualidade ruim, na real a gente sabe que não tem como ser uma super qualidade com um preço tão baixo, não é mesmo?

Sempre que eu vou comprar da Marguerite eu leio a descrição e em geral eu evito peças no tecido helanca, na minha cidade é muito quente sei que vou acabar usando bem pouco ou nem usando, mas eu super indico as peças de algodão da marca e até as que misturam algodão com poliéster.

Além de ser necessário ficar atenta aos tecidos, logo abaixo de cada peça tem as avaliações das clientes e ali tem muita dica e informação útil que sempre me ajuda na hora das dúvidas. Como eu disse, eu não gosto para mim do tecido helanca, mas ao ler as avaliações vocês vão perceber que muita gente curte.

E a minha última dica é sempre priorizar as promoções, eu sou a aloka dos descontos e raramente eu compro algo com preço “cheio”. Estou  sempre na espera de um descontinho ou cupom de descontos, falando em cupons até o dia 20/01 é só digitar KALLI  na finalização das compras acima de 200 reais para garantir 20 reais de desconto.

Vocês costumam comprar na Posthaus? Tem alguma marca preferida ou dica?

Dividam com a gente aqui nos comentários. *-*

 

 


* Este post não é patrocinado, mas recebo uma comissão sobre o valor das vendas realizadas através dele.

 

05.01.18

“Meus” desejos para a Moda e o Mercado Plus Size em 2018

Para começar o ano e renovar as esperanças de uma moda realmente inclusiva eu resolvi fazer umas listinhas de mudanças que espero ver na moda e no mercado plus size em 2018.
Embora o título do post eu cite que são meus desejos, eu já ressalto que não é só sobre os meus desejos que falo, são também os desejos de um montão de gente que me procuram nas redes sociais e no e-mail com seus questionamentos e necessidades.

Roupas que realmente vistam corpos gordos

Já faz um tempo que eu venho falando sobre a necessidade das marcas vestirem além do manequim 54, inclusive já fiz uma listinha tempos atrás aqui no blog (clica aqui) com marcas que atendem acima do manequim 54. Mas hoje eu percebo que mesmo que uma marca atenda até o tamanho 60 ela ainda não é totalmente inclusiva e precisa ampliar sua grade para poder vestir cada vez mais pessoas gordas.
Eu entendo que para uma marca fazer X manequins é um preço e fazer 3 tamanhos a mais do atual que trabalham pode ser inviável para a realidade atual da empresa, mas eu peço (em nome de um monte de gordos maiores) que vocês empresários do setor pensem com carinho e que neste ano de 2018 ampliem ao menos um tamanho em suas grades, é algo possível e que além de render mais vendas vai dar mais opção de escolha para quem veste tamanhos maiores.

Discurso neutro sobre todos os corpos

Eu ando EXAUSTA de ver marcas (pessoas que as representam) que vendem para mulheres gordas agindo de forma depreciativa em relação a comidas e corpos.
Neste ano eu não quero ver marca dizendo que atende corpos com a verdadeira beleza (que vestem do manequim x ao y e excluindo vários outros corpos), também adoraria não ter que assistir marcas fazendo piadinhas com termos como gordice e relacionando comidas a corpos gordos, e muito menos gostaria ver declarações sobre estar feia ou inapropriada para aparecer no stories da empresa.
Ninguém e nenhuma marca é obrigada a levantar a bandeira da positividade corporal, mas também não deveria gravar stories de autodepreciação, essas “brincadeirinhas” muitas vezes detonam com a autoestima de quem assiste.

Representatividade nas fotos

Este ponto já foi pedido e implorado demais, mas infelizmente as marcas seguem negando associar sua imagem com pessoas gordas. Graças a toda essa falação que acontece faz uns anos, algumas marcas já acordaram para esse ponto e eu tenho como foco atual enaltecer essas cada vez mais essas que estão nos brindando com representatividade. Não queremos só pessoas com tamanho acima de X em todas as campanhas, mas queremos que as marcas diversifiquem e não fique apenas em um padrão de modelo que não representa a grande maioria de suas clientes.

Produção sem exploração

Sei de uma marca plus size que importa da China já faz uns anos, recentemente soube de uma que tem “bolivianos” trabalhando na sua produção… Em nenhum dos casos eu afirmaria que se trata de casos de exploração, mas também não acredito serem empresas totalmente engajadas nos direitos trabalhistas. Estes são dois casos isolados, mas eu acredito que exista muita gente recebendo bem pouco (abaixo do justo), para costurar as roupas que depois serão vendidas por preços bem altos, sabemos que o mercado plus size em geral trabalha com preços altos. Então eu desejo mais consciência das empresas e que valorizem mais todos os seus colaboradores.

Preços mais populares

Eu entendo perfeitamente que cada marca tenha seu nicho, e algumas marcas são mesmo mais caras e vão continuar sendo, mas adoraria ver mais marcas trabalhando com preços populares no mercado plus size. Isso é muito importante para que ocorra a inclusão das pessoas gordas de todas as classes sociais na moda.

Originalidade, criatividade e verdade

Para quem produz é importante ser original e colocar nas suas peças algo que seja a cara da sua marca, o ctrl+c e ctrl+v de outra marca acaba por tornar a sua marca algo menos atrativo para o consumidor. Se inspirar e criar uma nova versão é sempre muito mais legal.
Além da falta de originalidade, é muito comum no mercado plus size marcas dizendo que produzem suas coleções sendo que na verdade é revenda e tem várias marcas com os mesmos produtos. Não tem problema nenhum em revender peças e não entendo essa necessidade de se intitular fabricante sem ser que acontece no plus size.
O mercado plus size ainda é muito pequeno e é fácil para qualquer pessoa perceber essas “falhas”, e isso compromete as empresas e o todo mercado, que se torna algo muito menos profissional.

Moda para os Gordos

A moda masculina plus size é algo muito precário ainda, um número bem baixo de marcas e uma grade que não atende aos gordos maiores. Precisamos de mais marcas investindo no plus size masculino e também que ela pensem em vestir bem além do GG, os homens gordos também merecem melhores opções na hora de comprar.


Pós venda de compras virtuais

Quem se dispõe a vender tem que se preocupar com o pós venda, eu vejo TANTA reclamação que seria resolvida com um simples envio de rastreio por e-mail que chega a ser deprimente. Não ignorem nunca seus clientes, um cliente insatisfeito é a pior propaganda, mas um cliente gordo insatisfeito é uma pessoa que possivelmente vai parar de comprar online e é online que nós gordos temos as melhores opções.

Ousadia e rebeldia

Talvez ao começar ler o post vocês possam ter pensado que nele eu pediria algumas peças x ou y e não foi bem assim, o que eu mais quero é ver o mercado crescendo e atendendo cada vez mais pessoas gordas. Mas eu quero também que os estilistas parem de temer tanto e abusem mais na hora de criar para gordos, nas atuais coleções de verão eu fiquei super assustada com a quantidade de peças de manga longa em várias marcas.
Estou daqui torcendo para que as pessoas que tem o poder de decisão de escolha das peças da coleção (nem sempre é o estilista), possam ousar mais e até mesmo serem rebeldes e entender que nós pessoas gordas já não nos prendemos mais em regras do que pode ou não, na verdade sonhamos mesmo em ter as mesmas peças da moda “padrão” disponíveis na moda plus size.

Fiz esse textão com pontos que eu julgo importante serem melhorados nas marcas plus size, mas isso é a minha visão e não significa ser nenhuma verdade absoluta.
E vocês possuem algum ponto que gostariam de citar ou acrescentar? Sintam-se livres para comentar e juntos ajudarmos as marcas a perceberem o que desejamos.

14.12.17

Precisamos falar de transtornos alimentares

 

transtornos alimentares

Anorexia nervosa, bulimia nervosa, transtorno da compulsão alimentar, síndrome do comer noturno, transtorno alimentar restritivo/evitativo, entre outras, são as doenças conhecidas como transtornos alimentares, algumas vezes chamados de distúrbios alimentares.

Os transtornos alimentares não têm cara. Muitas pessoas fazem associações como “anorexia = mulher magra demais”, “bulimia = vomitar” ou “compulsão = pessoa gorda e que come muito”. Isso é completamente prejudicial, porque homens podem ter anorexia nervosa, pessoas não-magras também podem ter anorexia nervosa, existem muitas pessoas com bulimia que não vomitam, ter compulsão não é apenas comer muito, existem muitas pessoas que tem compulsão e que não são gordas, e a maioria das pessoas gordas não tem compulsão. Assim, todas as pessoas que não “preenchem os critérios” não percebem que tem algum transtorno alimentar e não vão buscar ajuda para isso.

Traduzindo: uma pessoa gorda pode ter qualquer um deles! Isso não tem relação com o peso ou forma do corpo da pessoa, mas sim com comportamentos, pensamentos e sentimentos em relação ao corpo e à comida.

 

Algumas características que talvez sirvam como ponto de atenção:

• Medo grande de comer alguns alimentos OU
• Achar que é dependente (viciado) em comida OU
• Alternar entre períodos de dieta e de “comer muito” OU
• Fazer misturas alimentares estranhas OU
• Comer coisas que não são comidas (papel, sabão, etc) OU
• Pensar constantemente em emagrecer e em controlar a alimentação OU
• Evitar situações sociais (festas, happy hour) por medo de comer OU
• Sensação de perder o controle enquanto come OU
• Medo grande de engordar OU
• Comer escondido OU
• Ficar pensando sistematicamente em quantas calorias/ingredientes/carboidratos tem aquela comida OU
• Não conseguir decidir o que comer porque acha que tudo faz mal OU
• Muita culpa após comer os alimentos.

Fazer dieta é o principal estimulante para um transtorno alimentar. Às vezes ela vem mascarada como “comer certinho”, “só comida de verdade”, “só alimentos limpos”, mas ainda assim o mecanismo que ela funciona é mesmo. Então fuja das dietas!

transtornos alimentares

 

“Mas se eu ficar sem fazer dieta aí que vou aumentar o meu peso sem parar”: esse é um pensamento comum, por achar que a única forma de comer bem é fazer uma dieta, mas não é, existem outras maneiras, e são essas maneiras que ajudamos pessoas com transtornos alimentares.

A maioria das pessoas tem horror ao nutricionista, mas esse é único profissional que pode ajudar a melhorar sua relação com a comida para comer melhor e sem “neuras”. Mas não é qualquer nutricionista que pode ajudar nesses casos. É preciso que seja um nutricionista especializado / aprimorado em transtornos alimentares (o tratamento é muito diferente do que se faz em outras situações clínicas). Nutricionista comportamental não é nutricionista especializado / aprimorado, nutricionista que teve ou tem transtorno alimentar não é nutricionista especializado / aprimorado, coach de emagrecimento não é nutricionista especializado / aprimorado.

O psicólogo é muito importante no tratamento, trabalhando “as reais causas” do problema. O psiquiatra muitas vezes é necessário para entrar com alguma medicação que ajude.

Todos os dias eu ouço das pessoas sobre a vergonha que sentem por ter essa doença e o tanto de culpa, por achar que elas não têm força de vontade, determinação ou foco. Muitas vezes também se sentem “sujas” e se comparam com animais comendo, frequentemente o porco. Se sentem sozinhas, julgadas, as piores pessoas do mundo.

 

A boa notícia é que tem solução, basta procurar a ajuda certa para a situação!

 

07.12.17

Curta-Metragem “GORDA” – Canal Futura

No último dia 5 estreou no Canal Futura o curta-metragem “Gorda”, eu estava ansiosa para assistir e vir contar para vocês. Assisti ontem e adorei, já tinha inclusive certeza que seria algo positivo, pois no elenco (personagens) está a “Rainha da Desconstrução” quando o assunto é gordofobia Rachel Patrício, e ela sempre tem muito a dizer sobre o tema de uma forma muito didática e serena.

O curta “Gorda” foi dirigido por Vanessa Del Negri, tendo uma visão muito esclarecedora ele nos leva a conhecer a vivência de 5 mulheres que convivem diariamente com preconceitos devido aos seus corpos gordos.

Quero muito que todos vocês que acompanham ao blog assistam (é só clicar aqui), são 15 minutinhos com muito aprendizado, cada uma das 5 personagens dizem muitas coisas importantes e rola muita identificação com o relatos.

Eu dou um destaque maior (inclusive com essa foto linda) para a Rachel,  pois ela é uma pessoa que eu conheço virtualmente tem mais de uma década haha,  e infelizmente ela passou recentemente por uma situação péssima por conta da gordofobia, e se ela  não fosse uma pessoa super instruída em relação aos seus direitos ela poderia ter tido problemas maiores.

A gente já sabe que a nossa sociedade em geral precisa aprender que pessoas gordas são pessoas normais, que precisamos de estruturas físicas com acessibilidade para os nossos corpos e precisamos muito que parem de nos julgar nossa capacidade apenas pelo nosso tamanho. E são iniciativas como este curta-metragem que tem o poder de levar essa mensagem a pessoas que nunca sequer pensaram sobre o tema, levam  também para outras pessoas gordas a mensagem que nosso corpo não é errado e isso é muito importante.

 

Não deixem de assistir e divulgar este trabalho maravilhoso. *_*

30.11.17

Blogueira Plus Size é alvo de críticas ao estrelar campanha de moda Fitness

A blogueira plus size Anna O’Brien compartilha muito da sua vida e hábitos no insta gram @glitterandlazers, por lá ela sempre posta fotos relacionadas a esportes e muitos looks maravilhosos, é bem claro para quem a acompanha o quanto ela é ativa neste sentido.

Merecidamente ela foi convidada para ser a modelo da linha BCG da Academy, que tem como foco oferecer moda fitness para mulheres gordas.

“As pessoas deveriam ter vergonha de ser gordas, e não orgulho!”, escreveu um consumidor (ou hater) após ver as fotos dela divulgada nas redes sociais da marca.

E a empresa se manifestou em defesa da modelo, confiram o que eles responderam: “Olá, James. Na Academy, nós acreditamos que toda mulher deve ter a mesma oportunidade de aproveitar esportes e a vida ao ar livre. Por causa disso, nós continuaremos representando diferentes tipos de corpos. Nós somos diferentes, mas o nosso acesso a um estilo de vida ativo não deveria ser“.

Na nossa sociedade é muito comum vermos julgamentos aos gordos por não se exercitarem, mas por outro lado esbarramos na dificuldade de boas opções de roupas para a realização de atividades físicas.
Já comentei algumas vezes por aqui o quanto é comum empresas plus size evitarem usar a imagem de mulheres gordas, mas a Academy não apenas utilizou uma mulher maior em fotos como deixou claro na resposta que tem um ideal de inclusão mesmo para todos os corpos.

É lindo de ver uma marca sair em defesa da modelo, e não apenas contratar uma modelo menor na próxima vez.

Vamos torcer para as marcas daqui também se posicionarem mais contra a gordofobia e os preconceitos em geral? Não custa sonhar, espero que esse dia chegue logo.