Tag: autoestima

17.04.17

Tirem seus padrões do meu Empoderamento!

Outro dia, compartilhei no meu Facebook uma postagem, onde uma moça abordava o fato de se estar sendo criado um padrão para o empoderamento, pude perceber que mais pessoas também concordavam com ela. Infelizmente, ela apagou, eu perdi o compartilhamento e também a frase exata, mas ficou a semente da problematização e irei plantar agora por aqui hahaha.

Enfim, as mulheres estão donas de si e aprenderam que a beleza fora dos padrões midiáticos também é beleza e poder, hoje em, dia ter um feed de rede social cheio de mulheres fora dos padrões é maravilhoso, mas como todo excesso é prejudicial, já é possível percebermos exigências para comprovar empoderamento.
Se repararmos bem, vamos perceber que existem vários padrões sendo cobrados das pessoas “fora dos padrões” e isso é simplesmente ridículo.
Eu poderia citar vários casos que vejo, mas vou citar apenas alguns pontos que tenho percebido quando o assunto é GORDA EMPODERADA.
É preciso postar fotos com roupas justas, estar sempre impecavelmente maquiada, muitas fotos de biquíni, precisam inclusive postar semi nudes…para que sua sua autoestima não seja questionada zZZz, se ela se ama mesmo por qual motivo não se mostra?
Por outro lado, a galera que se encaixa nesse “padrão empoderado” fica numa luta constante de likes, se um dia posta uma foto de biquíni e faz sucesso, no outro ela posta com lingeries e no outro nua… Muitas vezes, a pessoa só faz isso para manter o “sucesso” e não por vontade dela exatamente e isso é bem triste de observar.
O que quero dizer é:
Parem de cobrar que a mulher gorda esteja sempre maquiada e super arrumada, parem de cobrar que as gordas estejam sempre sensualizando, parem de cobrar um padrão para quebrar padrão.
POR FAVOR, PAREM!

Imagem: Julia Bbusato Photography

É lindo ver uma gorda super produzida, é lindo ver uma gorda pelada, mas lindo mesmo é quando isso não vira imposição.

Nosso empoderamento é pessoal e não pode ser medido em fazer ou não fazer algo para postar nas redes sociais, até pq a vida não pode ser limitada ao que fazemos na internet, ao menos não deveria…
Não permitam que a imposição deste “novo padrão” atrapalhe no REAL empoderamento, nós podemos ser o que quisermos e isso não precisa e não deve ser baseado em likes e looks, é preciso que seja de dentro para fora, não o oposto.
É necessário que sejamos livres de qualquer padrão!

23.03.17

Você é o que dizem que você é?

A gente é ensinada a ser a vida toda várias coisas que nos disseram que deveríamos ser. Seja por nosso gênero, cor, forma física, aparência…

Um bando de estereótipos e preconceitos muitas vezes traçam para nós um destino. Muitas vezes esse caminho nem é o que a gente queria seguir.

Esse vídeo é sobre isso, sobre não nos deixarmos influenciar tanto pelo que esperam de nós, pelo que dizem que é o certo. É sobre incentivar pessoas, sobre saber que cada um de nós tem algo que sabe fazer bem, tem defeitos e qualidades. É sobre não julgar ou decidir sobre alguém pelas aparências, pelos padrões.

Enfim, nós somos muito mais do que disseram que seríamos, ou apenas diferentes daquele script que traçaram. E isso é muito bom.

Não é? E afinal, você é o que dizem que você é?

Quem gostou do vídeo, se inscreve no canal! 😉

16.03.17

Cirurgia Bariátrica vem causando mortes prematuras!

No início de 2016, uma amiga perdeu sua irmã por complicações que ocorreram logo após a realização de uma cirurgia bariátrica. Neste caso em especial, acompanhei o período de complicações e foi triste ver uma moça nova, linda e com boa condição de saúde perder a vida. Logo na época, eu comentei sobre esse caso na page do Facebook, mas por saber a dor da família, eu não quis trazer a pauta para o blog e aumentar ainda mais o sofrimento (pessoas fazem comentários ridículos e sem noção nas postagens e ninguém merece ler isso durante o luto).
Já no início desse ano, outra moça perdeu sua irmã e ganhou as redes sociais ao contar em um textão (saiba mais aqui), todo o sofrimento que a irmã passou por ser gorda e como a cirurgia e o manequim 38 eram seu sonho, infelizmente a Amanda também veio a falecer logo após a cirurgia.

Faz umas semanas, o Pepê ex-participante do Além do Peso, foi mais uma vítima do procedimento e deixou muitas pessoas sensibilizadas com sua partida, como o Pepê tinha um público grande, várias pessoas tiveram conhecimento da morte prematura em decorrência da cirurgia bariátrica e o assunto voltou a ser destaque.

As duas meninas citadas, eu sei que tiveram como motivação para operar a vontade imensa de serem MAGRAS e se livrarem de toda a Gordofobia que vivenciaram, elas entraram saudáveis e nunca mais saíram do hospital, já o Pepê, eu não conheço os detalhes, mas ao que me parece, ele era um rapaz gordo e bem ativo, ao analisar sua última postagem, pude concluir que a cirurgia seria para emagrecimento, que também um sonho que ele tinha.

Qualquer pessoa que defenda a cirurgia bariátrica, vai vir aqui dizer que o risco de morte é menor que 1% e etc e talz, mas e se esse menos de 1% for alguém da sua família? Ainda vai achar pouco?

Eu acredito plenamente que a cirurgia é uma ferramenta importante para muitos casos, mas eu acho lamentável demais que se coloque em risco a vida de uma pessoa saudável em busca de um corpo não gordo. Aqui eu estou citando casos recentes que eu sei que abalaram muito as pessoas que eram próximas e perderam pessoas queridas, mas existem muitas outras pessoas que já se foram e tantas outras que nunca mais teve a tal “saúde” que buscavam ao operar.

Cirurgia é coisa séria, não banalizem!

Sigamos empoderando umas às outras, para que mais meninas descubram a beleza em seu próprio corpo e parem de arriscar a vida para caber em um jeans 38.

 

Muitos tentarão me fazer acreditar que o que mata é a negligência médica, mas muitas pessoas não teriam se submetido a essa cirurgia se não tivessem uma imensa e triste bagagem de gordofobia nas suas costas.

20.02.17

Macaquinho Plus Size – Look Amaryllis

Mesmo com toda a correria dos últimos dias, eu consegui no sábado usar novamente o meu macaquinho plus size (já tinha usado ele no #HashtagBazar) e ainda dei um “jeitinho” de fotografar o look com dignidade hahaha.
Quem me acompanha no Instagram, viu que o meu fim de semana foi em ritmo de formatura, na sexta eu colei grau e no sábado fizemos as fotos de turma. E foi exatamente no dia das fotos de turma, que aconteceu em uma cidade vizinha a minha, que eu pedi ao fotógrafo para tirar fotos do meu look e graças a ele (e minha cara de pau em pedir) hoje tem um montão de fotos aqui.

Macaquinho Plus Size

Eu estava usando:

Macaquinho – Amaryllis Moda & Acessórios
Sapatilha – Vizzano

Bolsa e óculos: 25 de Março

Imagens: William Rocha

 

Fazia muitooo tempo que eu buscava um macaquinho para chamar de meu, mas todos os que eu experimentava ficavam curtos na altura do tronco, isso foi me fazendo adiar o uso da peça. Logo que conheci a Amaryllis Moda & Acessórios e a  Debora me mostrou essa peça e eu amei, mas temi que desse o mesmo “problema” e também que ficasse muito curto em mim, mas quando eu estive na loja e experimentei eu adorei a peça no corpo e foi a minha escolhida para vir morar comigo.

Quem é do Rio de Janeiro precisa ir visitar o ateliê da Amaryllis (Endereço: Rua Visconde de Santa Isabel, 20 sala 410 – Vila Isabel/Rio de Janeiro), para quem mora longe  como eu, podem conferir tudinho na loja virtual que tem várias peças lindas,  é só clicar aqui.

Eu amei enfim ter um macaquinho para chamar de meu, e vocês o que acharam deste look?

 

*Look realizado em parceria com a marca. 

 

03.02.17

{Re}descobrir-se é preciso!

Desde crianças somos ensinadas a seguir padrões sejam eles quais forem.
“Você e mocinha, tem que sentar de pernas fechadas”
“Não pode falar muito alto porque é feio”
“Olha, não coma muito porque senão vai engordar e nenhum menino vai te querer”
Essas e muitas outras frases que escutamos durante um longo período da nossa infância e adolescência tem um impacto muito grande na mulher que nos tornamos. As pessoas nos cobram um modo de viver que seja adequado a agradar as pessoas e o nosso eu fica em último lugar, muitas das vezes nem existindo.
O problema é que se adequar a esses padrões não é tarefa fácil e na maioria das vezes muitas meninas, por mais que tentem ser “exemplo de moça de perfeita” não conseguem e se culpam por isso, trazendo muitos traumas e frustrações pra suas vidas.
Por que estou dizendo isso? Porque eu sofri um pouco com essas imposições (não vou dizer que sofri muito porque graças a Deus meu processo de libertação começou cedo).
Sou do tipo grandona, a maior de todas as turmas, escandalosa, perua e sempre gostei de aparecer, mas era repreendida por algumas pessoas que julgavam que esse não era o comportamento certo pra uma garota.
Tudo na minha vida foi precoce. Descobri as coisas muito nova, casei cedo, saí de casa cedo e me joguei nesse mundo que por mais cruel que seja faz a gente crescer. E aquela coisa: ou vai ou racha. E comigo foi!
Foi aí que descobri que o meu jeito de ser, o meu corpo, as minhas escolhas, pertenciam só a mim e a mais ninguém.
Aprendi a me amar da forma que eu sempre fui, com o corpo que eu sempre tive e lutei muito durante muito tempo para mudar a fim de ser aceita, e com o comportamento escandaloso e excêntrico que sempre tive.
Hoje eu tento mostrar pras mulheres que elas podem ser o que quiserem e da forma que quiserem, independente do que digam. Sei que essa frase está bem batida, ouvimos muito por aí, mas a pratica dela quase não existe.

Muitas mulheres precisam de inspiração sim, precisam desse empurrão, precisam ouvir mais de dez vezes a mesma coisa para se aceitarem e se amarem da forma que são, por isso aceitei o convite da Carol Paiva Fotógrafa pra fazer parte do Ensaio Redescobrir-se, onde ela queria mostrar que a mulher gorda pode ser sensual e sexy sim e que isso não tem a ver com o corpo e sim com o que a mulher emana do interior.



Para ver mais fotos cliquem aqui.

Tem uma frase que eu amo e sempre repito: “Auto estima é afrodisíaco” então experimente se amar, se aceitar, buscar viver da forma que te faz feliz e que te agrade em primeiro lugar que todo o resto se tornará sem importância.