Categoria: Colunistas

23.03.17

Você é o que dizem que você é?

A gente é ensinada a ser a vida toda várias coisas que nos disseram que deveríamos ser. Seja por nosso gênero, cor, forma física, aparência…

Um bando de estereótipos e preconceitos muitas vezes traçam para nós um destino. Muitas vezes esse caminho nem é o que a gente queria seguir.

Esse vídeo é sobre isso, sobre não nos deixarmos influenciar tanto pelo que esperam de nós, pelo que dizem que é o certo. É sobre incentivar pessoas, sobre saber que cada um de nós tem algo que sabe fazer bem, tem defeitos e qualidades. É sobre não julgar ou decidir sobre alguém pelas aparências, pelos padrões.

Enfim, nós somos muito mais do que disseram que seríamos, ou apenas diferentes daquele script que traçaram. E isso é muito bom.

Não é? E afinal, você é o que dizem que você é?

Quem gostou do vídeo, se inscreve no canal! 😉

03.02.17

{Re}descobrir-se é preciso!

Desde crianças somos ensinadas a seguir padrões sejam eles quais forem.
“Você e mocinha, tem que sentar de pernas fechadas”
“Não pode falar muito alto porque é feio”
“Olha, não coma muito porque senão vai engordar e nenhum menino vai te querer”
Essas e muitas outras frases que escutamos durante um longo período da nossa infância e adolescência tem um impacto muito grande na mulher que nos tornamos. As pessoas nos cobram um modo de viver que seja adequado a agradar as pessoas e o nosso eu fica em último lugar, muitas das vezes nem existindo.
O problema é que se adequar a esses padrões não é tarefa fácil e na maioria das vezes muitas meninas, por mais que tentem ser “exemplo de moça de perfeita” não conseguem e se culpam por isso, trazendo muitos traumas e frustrações pra suas vidas.
Por que estou dizendo isso? Porque eu sofri um pouco com essas imposições (não vou dizer que sofri muito porque graças a Deus meu processo de libertação começou cedo).
Sou do tipo grandona, a maior de todas as turmas, escandalosa, perua e sempre gostei de aparecer, mas era repreendida por algumas pessoas que julgavam que esse não era o comportamento certo pra uma garota.
Tudo na minha vida foi precoce. Descobri as coisas muito nova, casei cedo, saí de casa cedo e me joguei nesse mundo que por mais cruel que seja faz a gente crescer. E aquela coisa: ou vai ou racha. E comigo foi!
Foi aí que descobri que o meu jeito de ser, o meu corpo, as minhas escolhas, pertenciam só a mim e a mais ninguém.
Aprendi a me amar da forma que eu sempre fui, com o corpo que eu sempre tive e lutei muito durante muito tempo para mudar a fim de ser aceita, e com o comportamento escandaloso e excêntrico que sempre tive.
Hoje eu tento mostrar pras mulheres que elas podem ser o que quiserem e da forma que quiserem, independente do que digam. Sei que essa frase está bem batida, ouvimos muito por aí, mas a pratica dela quase não existe.

Muitas mulheres precisam de inspiração sim, precisam desse empurrão, precisam ouvir mais de dez vezes a mesma coisa para se aceitarem e se amarem da forma que são, por isso aceitei o convite da Carol Paiva Fotógrafa pra fazer parte do Ensaio Redescobrir-se, onde ela queria mostrar que a mulher gorda pode ser sensual e sexy sim e que isso não tem a ver com o corpo e sim com o que a mulher emana do interior.



Para ver mais fotos cliquem aqui.

Tem uma frase que eu amo e sempre repito: “Auto estima é afrodisíaco” então experimente se amar, se aceitar, buscar viver da forma que te faz feliz e que te agrade em primeiro lugar que todo o resto se tornará sem importância.

 

19.01.17

Saúde em Todos os Tamanhos – Health at Every Size

Muitas pessoas sofrem ao procurar serviços de saúde por terem medo de serem hostilizadas por conta do seu peso. Esse medo infelizmente é real. Isso não acontece unanimemente, mas é comum.

Em minha experiência como nutricionista há mais de 8 anos, não é raro ouvir histórias de, no mínimo, falta de sensibilidade e, no máximo, de discriminação de pessoas gordas. Essas histórias são dos mais variados profissionais, serviços particulares e públicos, com homens e mulheres, em todas as faixas etárias e no mundo todo.

Em resposta a isso, surgiu há menos de 20 anos atrás um movimento conhecido como Health at Every Size (HAES; a tradução seria algo como Saúde em Todos os Tamanhos). Os profissionais que seguem essa filosofia seguem 5 princípios básicos.

  • Abordagem inclusiva do peso: aceitar a diversidade de corpos existentes e rejeitar a idealização ou patologização de determinados tipos físicos; 
  •  Focar na melhora da saúde: olhar para a saúde de maneira ampliada (e não apenas como peso), considerando fatores tanto biológicos, psicológicos, sociais, econômico, políticos, entre outros; 
  •  Cuidar com respeito: reconhecer os preconceitos sociais existentes e trabalhar para o fim da discriminação em todos os âmbitos da sociedade; 
  •  Comer para o bem-estar: promover o comer de forma flexível, individualizada, baseada nos sinais de fome e saciedade, necessidades nutricionais e prazer, ao invés de dietas com foco em perder peso;  
  • Movimentar-se para melhorar a qualidade de vida: apoiar atividades físicas que possibilitem pessoas com quaisquer tamanhos, habilidades e interesses em participar de uma atividade que movimente o corpo de maneira prazerosa.

Esse conceito é ainda pouco popular no Brasil. Mundialmente as pessoas que trabalham sob essas diretrizes se denominam size friendly (não há uma tradução muito boa para esse termo, seria algo como amigáveis em relação ao peso/tamanho).

Aos poucos a comunidade científica vai mostrando que abordagens nessa linha produzem resultados de saúde muito bons à longo prazo.

Por exemplo, um estudo publicado em 2015 por um grupo de pesquisadores brasileiros trabalhou com 15 mulheres com obesidade*. Ao longo de 1 ano, elas se encontravam periodicamente com profissionais size friendly para melhorar o bem-estar. Ao final do estudo elas relataram estar mais fisicamente ativas, percebendo melhor seus corpos, inclusive fome e saciedade, evitando o comportamento restritivo em relação a alimentação (exemplo: preciso deixar de comer massas), entre outras melhoras. Além disso houve uma mudança discreta no peso corporal.

É realmente muito bom saber que cada vez mais profissionais da saúde (embora ainda sejam poucos aqui no Brasil) estão conhecendo a HAES e se realmente ajudando pessoas gordas a cuidar da sua saúde dignamente, sem sofrer discriminação.

Algumas dicas importantes de um profissional da saúde size friendly:
Quando precisarem de um serviço de saúde (seja nutricionista, dentista, ginecologista, etc.) procurem por um profissional que não as discrimine;

Não ache a discriminação normal – piadas/broncas sobre o seu peso, cadeiras que não suportam seu peso, culpabilização do seu peso por qualquer problema de saúde, etc.

Reclamem! Se você estiver usando um serviço do SUS (Sistema Único de Saúde) existe a ouvidoria, basta ligar para o número 136 e registrar sua reclamação (ou elogio/sugestão). Caso esteja em um serviço particular, pode usar a ouvidoria do convênio, ou mesmo fazer uma avaliação negativa em uma de suas redes sociais (ou uma positiva, caso você tenha se sentido vem).

Eu desejo que todas as pessoas que estão lendo esse texto possam ir a um serviço de saúde e se sentirem cuidadas de verdade, não importando seu tamanho ou peso!

*O termo “obesidade” foi usado quando falamos do estudo por se tratar de uma medida específica de peso e altura das mulheres que participaram da pesquisa.

28.05.16

Autoaceitação: um caminho de dor, descoberta e amor

Olá meninas! Tudo bem? Sabe quando dá aquele estalo e você não quer mais ser só o que os outros te impõem? Pois é, comigo foi assim: um belo dia acordei e fiz o que eu sempre fiz de melhor, questionar. Mas desta vez questionei a mim mesma, me perguntei porque eu ainda estava ali naquela posição de coitada, ainda à espera de ouvir um “você é gordinha, mas tem um rosto lindo” e tomar isso como elogio.
A partir de então levantei, bati a poeira e fui à luta. Fácil? Claro que não! No início era bem difícil e ainda hoje, momento que já estou de bem com meu corpo, é bem complicado lidar com certas situações, eu costumo dizer que é uma luta diária, mas o importante é começar. Iniciei procurando, principalmente na internet, pessoas que pensavam como eu, mulheres que também estavam cansadas desse bendito padrão de beleza e resolveram colocar a boca no trombone, e o melhor de tudo é que eu encontrei.
Assim como todas as meninas gordas que vão procurar apoio na internet, de cara eu já tive contato com o Plus Size, conheci blogs, modelos, agências de modelos e isso foi me ajudando a começar meu processo de aceitação e por um tempo foi muito construtivo, até encontrar o próximo obstáculo que é perceber que o mundo Plus Size não é tão cor de rosa como a gente pensa. Descobri que em grande parte dele existe um padrão, sim isso mesmo, tem padrão pra ser gorda, onde se passar do manequim 50 já não tem representatividade, muitas marcas de roupa que se dizem quebradoras de padrão só fabricam roupas até tamanho 50/52 e campanhas publicitárias com modelos com manequim 46, no máximo 48.

genize (2)
Parecia que eu tinha voltado á estaca zero, foi então que conheci a luta antigordofobia, entrei em grupos, fóruns, pesquisei sobre, busquei textos, artigos científicos, conheci pessoas incríveis e voltei a me encontrar em um ambiente onde de fato há diversidade, me fez e faz muito bem. É muito bom saber que você não está sozinha e que existem outras pessoas que passam pelos mesmos dilemas que você, que faz os mesmos questionamentos que você e que está na mesma luta, é um sentimento de acolhimento lindo que recomendo muito. <3
Pode ser que o caminho da minha ‘busca pela felicidade’ tenha sido um tanto comprido, talvez você escolha outro trajeto, ou já chegou lá com menos reviravolta que eu, o importante mesmo é chegar, é se olhar no espelho com amor e ver uma mulher linda, digna, respeitada e dona de um corpo maravilhoso que traz histórias que só você sabe contar!
Ahhh… antes que eu me esqueça, meu nome é Genize (pode chamar de Gê), tenho 25 anos, mulher negra e gorda e que se acha maravilhosa. Essa é a primeira de muitas vezes que nos veremos aqui na casinha da Kalli, então te espero nos próximos dias para papearmos mais um pouquinho, ok?
Beijos, até logo! 😉

 

genize

12.09.15

Gordas Podem Tudo

E quando eu digo tudo, é tudão mesmo! Você pode ser feliz, amada, desejada, linda,ousada,estilosa, sedutora,sexy, invejável,yogi, atleta,dançarina, empoderada, dentre tantas outras coisas que qualquer mulher pode ser. Você pode! Você consegue! Acredite mais em você e duvide das opiniões negativas que só te colocam pra baixo! Aprenda e entenda que se alguém não te aceita, essa pessoas simplesmente não te merece! E seu valor não está no fato de estar ou não num relacionamento com alguém. Você não é definida por números, sejam eles da balança ou de redes sociais.

summer at our cabin

A única coisa que te limita é a sua mente, o pensamento que plantaram aí desde sempre que você não pode isso ou aquilo outro por causa do seu corpo, mas eu digo e repito que basta uma decisão sua para conseguir fazer tudo que sempre quis. Decida libertar-se dos padrões! Rompa os grilhões da ditadura da magreza! Pare de odiar o que vê no espelho! Você é maravilhosa e perfeita como é! É como eu digo sempre, o maior e mais paralisante preconceito que devemos vencer, é o nosso em relação a nós mesmas.

Você pode usar biquini, cropped top, botas, leggings coloridas, vestidos, saias, shorts….não importa a peça! Não importa as regras da moda e sim como você se sente ao se olhar no espelho. A vida é curta demais pra ser desperdiçada por causa das regras dos outros. Se joga na vida mulher! Experimente aquele corte de cabelo que sempre quis! Pinte daquela cor que sempre sonhou! Vá na loja e experimente aquela peça que sempre quis usar e veja como se sente dentro dela e se gostar do que vê compre e use.

Você pode ser gorda, magra, alta ou baixa, famosa ou não, sempre vai ter alguém pra te criticar e tentar te pôr pra baixo, mas quer saber de uma coisa que descobri nessa jornada de amor próprio? As pessoas só tem a capacidade de te ferir enquanto você der poder às palavras deles. O dia que você decide que a opinião mais importante sobre você é a sua própria, as palavras e críticas rasas e vazias dos outros deixam de te ferir. Tire o poder das coisas negativas que ouve e coloque esse poder em você. Você é linda, perfeita, maravilhosa e única! E se alguém não enxergar isso, paciência! Você não precisa parecer uma capa photoshopada pra ser feliz.

Embora o ser humano de uma maneira geral tenha uma tendência a dar maior importância pra  coisas negativas que dizem a seu respeito do que positivas, eu te convido a partir de hoje repensar a maneira negativa  como tem se olhada no espelho, caso você seja uma daquelas que ainda não conseguiu enxergar a própria beleza. Te convido a desapegar de sentimentos e lembrança ruins sobre seu corpo, começar uma nova história de amor consigo mesma, se redescubra, cuide com mais carinho de si mesma, com o mesmo empenho e capricho que faz com seus cabelos. Digo isso pois vejo muitas pessoas gordas me dizendo “ah só tiro foto de rosto porque tenho vergonha”, ou seja, como se fossem  apenas rostos com peruca, mas vocês são MUITO mais que um rosto lindo. Vocês são lindas por inteiro e por isso devem cuidar de si mesmas por completo, capriche em loções cremosas pro corpo, esfoliantes de banho, produtos que sejam um mimo pra seu corpo e pele por exemplo. Essa prática vai te ajudar a desenvolver uma consciência de seu corpo, se reconectar com ele.

Vocês podem tudo, inclusive tirar fotos de corpo inteiro, seja na praia ou no asfalto. Seu corpo não é errado! Chega de se esconder e achar que não é bela, como diz o nome do blog a Beleza é Sem Tamanho.

 

Beijos Queen Size,

Claudia GorDivah