Categoria: Obesidade

04.05.15

Gordos Não Tem Obrigação de Engolir Preconceito!

Sabe uma coisa que desde pequena eu nunca entendi? O fato de as pessoas associarem gordo a coisas ruins. Desde cedo aprendi que o mundo tinha raiva dos gordos e eu simplesmente me perguntava sozinha no meu quarto que importância tinha se eu era gorda ou magra, se minha essência é que deveria importar. Em casa sempre ouvi, alarga a blusa que tá marcando a barriga, até que um dia eu gritei de raiva: E U  S O U  G O R D A ! ! Mesmo se eu vestir um barril, vou continuar sendo gorda. vou continuar tendo barriga e não me importa se você gostou ou não da minha roupa ou de como ela veste o meu corpo! Pára de fazer comentários assim! Sou gorda não importa o que eu vista que vou continuar gorda. E tem um monte de magro na rua que a blusa marca também a barriga! Me deixa! – E saí pro lugar aonde estava indo.

Gordos Não Tem Obrigação de Engolir Preconceito

E do nada lembrei disso e fiquei pensando no quanto a intolerância é cultivada e aceita como algo normal pela sociedade. Os intolerantes de hoje muitas vezes foram condicionados por seus pais direta ou indiretamente a serem intolerantes, preconceituosos, dentre outras coisas. Para a maioria da sociedade é certo criticar e se intrometer na vida do gordo, ditar regras de vestimenta, nutrição, comportamento, etc… E o que me dá muita vontade de rir é que o discurso deles é sempre o mesmo: Ah! Eu estou falando isso por causa da sua saúde e blá blá blá.

Mas ainda que isso fosse verdade, não deveria ser levado em consideração a saúde mental, psicológica do gordo? Nisso ninguém pensa ao nos falar um monte de asneiras! E me faz rir também o discurso da sociedade, “ai obesidade é doença”, tá… se vocês adoram falar que todo gordo é doente, onde está a empatia por alguém que tem uma doença crônica? Se somos doentes crônicos, não seria muita crueldade atacar um doente?

O que me deixa mais estupefata é encontrar gordos que ao verem uma denúncia de gordofobia, acham graça, minimizam o efeito que aquilo ali pode ter para outrxs gordinhxs. Para lutar por espaço e respeito nesta sociedade precisamos parar um pouco e refletir como nós mesmos muitas vezes enfraquecemos a luta pelo fim da gordofobia. E repensar a maneira como nossos comentários podem atingir pessoas que não possuem a mesma estrutura psicológica, emocional, mental de absorver o preconceito e não se abater por causa dele. O que para umas é bobeira, não faz nem cócegas, para outras é motivo de depressão, síndrome do pânico, e vergonha extrema que as impedem de levar uma rotina normal, sair de casa. Fora os distúrbios alimentares que matam. Uma palavra nossa, um comentário pode  disparar o gatilho pro desmoronamento de alguém. Algumas pessoas acham que o trabalho de blogueiras novas como eu de estimular pessoas a se amarem se resume apenas a dizer: ” se ame” “se ame”. Mas vai muito, muito, muito além disso! Eu posso não ter muita experiência como blogueira mas tenho mais de 20 anos de experiência na luta e sobrevivência ao preconceito que gordos sofrem. E sei o quanto a pessoa que está nesta situação precisar verificar com especialistas os 3 aspectos de sua saúde: física, mental e psicológica. Já sofri de distúrbios alimentares por conta da cobrança excessiva que recebia sobre o meu corpo, arranjei várias lesões por ter exagerado na carga horária de exercícios físicos que fazia, em média 8 horas por dia, durante 9 meses. Sei muito bem que a questão de desconstruir o preconceito que temos com relação a nós mesmos não pode, nem deve ser subestimado. É preciso buscar a origem dos problemas, buscar auxílio para as questões internas com profissionais da área de saúde(física, mental, psicológica)

É muito fácil você criticar outros gordos quando julga e não procura saber o que aquela pessoa enfrentou até ali. Vejo muitas pessoas que pesam 2 dígitos tratando com desprezo e preconceito quem pesa 3 dígitos, e o que vou falar agora poderá chocar algumas dessas pessoas que por ventura estejam lendo isto: para sociedade não existe gordinhozinho, gordinho, gordo, gordão. Pra sociedade são todos simplesmente gordos! Você que pesa 2 dígitos não gosta de ser tratado de modo desagradável por causa do seu peso, certo? Então por quê fazer isto com pessoas que pesam mais que você? Se você sofre com gordofobia por quê agir de modo preconceituoso com outros gordos? Isso é incoerente, não faz o menor sentido!

Então gordinhxs vamos ser mais solidários, desenvolver empatia e reavaliar o preconceito que temos com outros gordos e com nós mesmos! E parar com esse papo que nós é que devemos ser fortes e continuarmos de braços cruzados enquanto muitos sofrem e não conseguem aguentar tanto ódio gratuito e preconceito!

“O maior preconceito que devemos vencer, é o nosso em relação a nós mesmos” Claudia Rocha GorDivah

 

 

Beijos Queen Size,

Claudia GorDivah

07.04.15

Roleta: A Inimiga Mortal das Gordinhas – GorDivah No Ar

Quem nunca ficou entalado em uma roleta não sabe o que é vergonha e desespero! E me espanta ver a falta de preocupação do governo com acessibilidade. Inclusive a Kalli já postou sobre isso, neste texto aqui, falando a visão dela sobre a inimiga mortal das gordinhas.

Embora exista lei que determina que em casa de shows, estádios, teros e cinemas exista assento para obesos, poucos são os estabelecimentos que atendem as necessidades dos gordinhos. desde a porta de entrada até mesmo espaço nas cabines dos banheiros. Eu fiquei com vontade de conhecer a cidade de Rondonópolis pelo respeito e bom senso que eles demonstraram com os obesos.

Prefeito sanciona lei que garante direito de pessoas obesas e gestantes — O prefeito Percival Muniz sancionou a lei 8.144, de 10 de julho de 2014, que desobriga os passageiros considerados obesos e as mulheres grávidas de utilizarem as catracas dos ônibus do sistema de transporte coletivo urbano, em Rondonópolis. (leia aqui)

Quero saber de vocês que também sofrem com isso, como costumam driblar a inimiga mortal das gordinhas? Lembrem-se nós temos nosso direitos, e as vezes precisamos correr atrás deles.

Beijos Queen Size,

Claudia GorDivah

25.11.14

Sou Gorda, não precisa me avisar!

No fim de semana passado um bêbado me lembrou que sou gorda, isso me levou a lembrar de outros causos parecidos que passei e também a questionar na nossa fanpage (aqui) se os leitores também passam por isso.
Em mais de 100 comentários eu pude ver que a sociedade é realmente doente, sabemos que a medicina trata qualquer corpo gordo como “obesidade” que é uma doença crônica segundo a OMS, mas e essa insanidade que leva as pessoas a comentarem o corpo alheio? Será que tem cura? Espero que sim!

Sei que pode parecer muito difícil sobreviver aos comentários sobre o nosso corpo no dia a dia, mas sei também que é possível se sair bem das situações e até tornar envergonhado o interlocutor. Eu como pessoa gorda frequentemente avisada sobre isso por estranhos e conhecidos, rebato na maioria das vezes, mas dependendo do caso e da situação faço de surda para evitar o conflito.

Na fanpage pude ver que existem três grandes queixas, as vendedoras de lojas que insistem em dizer que não tem o nosso tamanho, e aqueles comentários desnecessários sobre a beleza do nosso rosto e a super dica de uma dieta. E claro as pessoas que estão apenas preocupadas com a nossa saúde.¬¬

O fato é que ninguém está ileso de críticas, e uma vez que uma pessoa que vem te criticar recebe uma resposta ela vai pensar mais antes de falar sobre o corpo de outra pessoa. Não estou dizendo para sermos grosseiros e sair pelas ruas sendo ignorantes com todo mundo que comenta nosso peso, mas uma resposta é sim uma alternativa que choca a pessoa e alivia nossa alma. 😛

Sou Gorda
Só uma dica: Nunca usem “SOU GORDA, mas posso emagrecer e você que é feio.”

Isso é muito contraditório, somos gordas e emagrecemos se for nossa vontade e isso não é da conta de ninguém, ser feio é um conceito raso demais e o argumento fica inválido quando se ataca dessa forma, tentem mesmo desencorajar os atos com respostas simples que demonstrem que vocês já sabiam e que a pessoa não tem nada com isso.

Vocês passam por situações assim? Como costumam reagir?

Vamos papear nos comentários e ajudar umas as outras, aumentando nosso repertório de respostas para estas situações, conto com vocês. *___*

23.07.14

Gordinhas, gordas, obesas (os) e as Catracas de Ônibus!

catraca-de-onibus

 

Já faz muitos anos que estou envolvida no movimento hoje  denominado plus size, sempre li reclamações sobe as malditas catracas de ônibus municipais, sempre me diziam que isso era uma das piores partes da obesidade o constrangimento e talz.

Eu sempre me choquei, pois, muitos destes depoimentos vinham de pessoas bem menos gordas que eu. Eu pensava assim: É na cidade dela os ônibus possuem catracas menores.

Em minha cidade eu não ando e ônibus já tem muitos anos, por ser pequena eu raramente me desloco para algo distante que necessite de transporte, então nunca tive este problema lá.

Estou passando uns dias em Juiz de Fora, usando ônibus diariamente e comecei a notar que algumas catracas são menores que outras, até que em um dia da semana passada, eu vivenciei a experiência de ficar presa na catraca.

Vou resumir a cena para vocês: Estava eu linda, alta e gorda passando pela catraca como todos os dias, até que senti que aquela danada não ia girar e eu estava agarrada, em um momento sem pensar eu ao invés de forçar ela para frente voltei o corpo e sai dela, deixando ela meio girada.

O trocador mais despreparado para a situação que eu, não sugeriu permanecer na frente, eu queria que minha irmã passasse antes e ele disse que não podia, nessa hora a gente que não está preparado para a situação vai em frente e tenta mais uma vez, por eu ser toda fofa acho que comprimiu as banhas e deu certo eu passei naquela catraca do mal.

Ontem levantei este assunto na fanpage (clica aqui) e vi vários depoimentos de gente que assim como eu já passou aperto.

O post tem como intenção, passar para vocês algo rotineiro na vida de pessoas obesas,  algo bem desconfortável e que precisamos aprender a sair melhor dessas situações, e não fazer como eu que me apertei e fui, em tempo de ficar literalmente presa.

Depois do ocorrido, eu não vou aceitar trocador me mandando passar, irei na frente e ele vai ter de aceitar sem mimimi, mas já aprendi ao menos aqui em Juiz de Fora qual ônibus evitar para não passar por isso novamente.

Escolher o ônibus, ou exigir ficar na frente é a minha resolução  imediatista, mas vou buscar informações e descobrir se já existem projetos de Leis que determinam um tamanho mínimo para as catracas. Se alguém souber de algo nesse sentido, deixe nos comentários, por favor.

Vamos juntos tentar melhorar esta situação? Toda  e qualquer idéia será bem vinda.

14.02.14

O lado sombrio da Obesidade

Gordinha Nua

Eu estava em um teste quando entrou uma atriz cheinha, extremamente bonita. Quando ela foi embora não precisei ser um mosquito para escutar o que diziam dela, a pergunta no ar era – Se é tão linda, por que não emagrece?

Já respondi essa pergunta tantas vezes sobre mim que cansei, mas resolvi fazer uma lista para explicar às pessoas. A primeira coisa a dizer é que não existe gordo no mundo que não tenha noção de que está gordo, todos sabem. E a obesidade é o que podemos ver em um corpo, mas não sabemos o que existe por detrás, sendo assim não se metam na vida alheia, não digam nada a um gordo sobre dietas e emagrecimento.

Durante uma época frequentei os Vigilantes do Peso e no meu grupo tinha uma psicóloga que fazia um trabalho de mestrado e nos pediu ajuda, erámos um grupo de oito mulheres, depois das reuniões nos Vigilantes íamos para a casa dela que era do lado e conversávamos sobre o peso durante uma hora.

Até esse ponto eu era igual a milhões de pessoas, achava que as pessoas só ficavam gordas porque comiam muito e eram sedentárias, mas nesse grupo conheci casos de pessoas que tinham problemas muito sérios de saúde, compulsão por comida e medo de serem magras, já que em algum momento de sua vida tinham sido vítimas de algum tipo de abuso sexual. É muito comum que isso aconteça e o corpo se protege,  mas isso não é mencionado pela mídia, só dizem que gordas são gordas porque comem muito, ninguém diz que pode ser fruto de um trauma e um maneira de se proteger.

Uma guru americana, Louise Hay no seu livro ”Você pode curar sua vida ” levantou a hipótese de que gordura em excesso era uma maneira de pessoas sensíveis se protegerem.

Depois que li sobre o assunto me vi obrigada a pensar no meu caso e na minha dificuldade em emagrecer e cheguei a conclusão que pelo fato de ter crescido em um ambiente violento  muitos medos ficaram em mim e a gordura me dava a sensação de proteção, durante anos escutei que  ”mulheres atraentes eram sempre estupradas”, então conhecendo o mundo e sabendo que as pessoas não viam  gordas como mulheres atraentes  engordei para me proteger.

Tive que lidar e ainda lido com muitos fantasmas, por isso sou cada vez mais intolerante quando vejo alguém criticar uma pessoa gorda, eu fico pensando que essa pessoa que detonou não sabe nada da outra, não sabe nada dos motivos alheios.

E não digo que toda a gordinha tenha um trauma, não é isso, é apenas que cada uma é cheinha por razões que conhece e não são da alçada de ninguém, mesmo que seja apenas genética, isso não importa as outros.

Ninguém sabe o que está atrás do peso dos outros, então não digam nada. Na ignorância e no preconceito é melhor ficar quieto,  cada um sabe dos seus motivos e suas razões para ser como é, e respeitar o outro é a única coisa decente para fazer neste mundo. Na dor alheia não se mexe.

Iara
Iara De DuPont
http://sindromemm.blogspot.com.br/