Categoria: Ponto de Vista

09.02.17

Dietas: o que ninguém te conta sobre elas

As dietas existem desde sempre, porém mais recentemente elas vêm ganhando um espaço maior.
Os motivos principais para se fazer dieta são dois:

1) controlar o peso corporal/forma física (ficar mais magra, ficar mais forte, ganhar mais peso, ter menos barriga, etc) e

2) controlar uma questão de saúde (colesterol alto, diabetes mellitus, hipertensão, etc.).
Mas o que é uma dieta?
Para a ciência da nutrição, ninguém faz uma dieta porque todo mundo tem uma dieta. Ela significa a alimentação consumida por uma pessoa. Ela é quase a mesma coisa que “alimentação”. Na ciência da nutrição dizemos: “O José tem uma dieta normoproteica”, que significa que a alimentação dele tem a quantidade normal (que ele precisa) de proteínas*.
Para o restante do planeta, fazer dieta ou estar de dieta significa fazer uma alimentação diferente, geralmente uma alimentação onde se retira parcialmente ou totalmente algum nutriente ou grupo alimentar. Por exemplo, as pessoas dizem “estou fazendo a dieta da proteína”, e nessa dieta a prioridade é comer alimentos que contenham proteínas* e não comer alimentos ou comer poucos alimentos que contenham carboidratos*. Em todo o texto eu estou falando destas dietas.
Só para exemplificar: dieta da sopa, do abacaxi, da USP, de Atkins, Dukan, da lista do pode e não pode, detox, do tipo sanguíneo, da lua, entre milhares de outras.

Qual dieta funciona mais?
Essa é uma dura verdade que eu trago: nenhuma.
Muitos estudos que comprovam eficácia de dieta, do ponto de vista de perda de peso, em sua maioria são estudos de curto tempo e/ou sob ambientes extremamente controlados. Isso porque eu nem estou citando os estudos que comprovam que elas não funcionam ou as que sequer têm algum estudo científico comprovando alguma coisa.
A título de curiosidade: de cada 100 pessoas que emagrecem fazendo uma dieta, apenas 5 delas conseguem manter o peso em até 2 anos. CINCO!
Antes que você pense “Ah, mas isso é uma questão de determinação/foco/força de vontade”, trago outra verdade: não é. E a indústria por trás das dietas adora que você pense assim, porque isso leva você a uma nova dieta (mesmo que seja a mesma, só que com outro nome).
Se as dietas apenas não funcionassem, tudo bem, afinal, se uma pessoa tentasse uma dieta para emagrecer e não emagrecesse, que mal teria, não é mesmo? Entretanto, o problema é bem maior: elas têm efeitos colaterais e riscos.

O que acontece depois delas?
As dietas ativam um mecanismo que funciona na forma de um ciclo (veja a imagem abaixo).

Nesse ciclo, a pessoa inicia se “sentindo gorda”, considerando isso um problema. Em seguida ela pensa em uma solução para esse problema. Na maioria das vezes, essa solução é uma dieta (às vezes ela não tem nome, mas algo como “nunca mais vou comer doces”, por exemplo). Nessa dieta, como já mostrei para você, ela necessariamente exclui ou limita muito algum alimento ou nutriente. Essa limitação gera automaticamente um desejo pelo proibido. Em algum momento (horas, dias, semanas ou meses) esse desejo irá ser maior que a proibição e a pessoa se revolta contra a dieta. Nesse momento a pessoa irá comer esse alimento, muitas vezes com voracidade ou escondido ou em grande quantidade. A consequência disso é a geração de uma grande sensação de culpa, e essa culpa será direcionada para corpo (“eu estou muito gorda”), que por sua vez irá levar novamente ao pensamento de dieta (“eu nunca mais vou comer isso”).
Além de todo esse sofrimento que passa batido e é encarado como normal, o que acontece é o inverso do desejado: a pessoa ganha mais peso do que tinha inicialmente. Esse vai e vem do peso, chamado de “efeito sanfona” ou “efeito ioiô” é uma das coisas mais danosas para saúde.

O queridinho do momento: o jejum intermitente.
Esse assunto é muito polêmico. Existem pessoas defensoras ferrenhas do jejum intermitente, desde pesquisadores até pessoas que o praticam.
O jejum intermitente é basicamente um método de administração da alimentação baseada em ficar alguns longos períodos em jejum. A justificativa é que isso reduziria o peso e melhoraria indicadores de saúde do corpo.
Porém, a prática pode ter alguns efeitos colaterais: dores de cabeça, irritação, queda do açúcar no sangue, deficiências vitamínicas, cansaço, etc. O mais importante deles é: ganhar o peso perdido novamente, entrando no ciclo acima novamente. Eu não considero o jejum intermitente como um cuidado, mas sim como uma atitude danosa.
Deixo algumas questões para reflexão: Qual a diferença entre fazer esse jejum intermitente e o comportamento de uma pessoa com anorexia nervosa? Por quanto tempo eu planejo fazer essa “dieta”? Como eu vou comer depois que eu parar de fazer? Se eu tivesse um filho de 4 anos, eu deixaria ele fazer essa “dieta”, em nome da sua saúde?
Minha ideia com esse post é apenas alertar você que as dietas podem ser muito tentadoras, mas igualmente perigosas!

*Todas as palavras marcadas com * se referem a nutrientes, ou seja, substâncias que existem nos alimentos, essenciais para o nosso corpo funcionar bem.

04.01.17

Que 2017 seja Espetacular!

O ano que passou foi difícil para a maioria das pessoas, seja por falta de grana ou outros problemas, foi um ano que realmente precisava se findar para que fosse possível uma renovação nas nossas esperanças. Para mim teve muita ansiedade e estresse por conta do TCC, mas eu sobrevivi e estou aqui pronta para ter um ano espetacular.

Quem mais espera que o Ano Novo seja espetacular? Se você assim como eu deseja que ele seja, é importante que a gente faça por merecer, pois infelizmente nada cai do céu.

Eu não farei listas nem traçarei objetivos para se ter um bom ano, pois acredito que isso é algo muito individual,e só nós mesmas podemos definir o que é ideal de se fazer ou não.

Mas eu tenho uma meta que é a cada dia ser mais feliz e realizada que no dia anterior, logicamente que nem todos os dias serão bons, mas é importante é que no próximo dia eu consiga ter um dia bem melhor.

Não existe uma formula para se ter um ano espetacular, mas é preciso que exista em cada uma de nós disposição para recomeçar e tentar sempre fazer o nosso melhor.

Para o Blog eu almejo que o neste ano eu consiga dar ainda mais visibilidade para outras mulheres, para que possamos juntas ajudar e incentivar que outras minas se descubram maravilhosas.

E vocês o que esperam para este ano que se inicia?

17.12.16

Fluvia Lacerda na Playboy brasileira!

Hoje, logo que acordei, uma amiga me marcou em uma matéria que contava uma super novidade, vamos ter Fluvia Lacerda na Playboy e ela vai ser na CAPA, com direito a fotos nuas.
Sei que para muita gente esse tipo representatividade é vista como algo negativo, mas eu sigo acreditando que precisamos ocupar todos os lugares, até aqueles que nem deveriam existir mais. Somos uma parcela mínima de mulheres que já se reconhecem como bonitas e sensuais, a maioria das gordas ainda se julgam feias por causa dos seus corpos. Ter alguém como a Fluvia na capa de uma revista masculina, acaba fortalecendo a autoestima de muitas delas.

Fluvia Lacerda na Playboy

Fluvia, nossa diva máster e uma das modelos plus size mais requisitadas do mundo, escolheu fazer suas fotos na Amazônia que é sua “terra” do coração.  Por enquanto, o ensaio não está disponível, mas a Fluvia Lacerda é sempre tão maravilhosa que separei mais fotinhos dela com looks diversos, mostrando aqui o motivo pelo qual ela é a primeira mulher com medidas plus size a estar na capa da Playboy.

Uma mulher linda e segura de si é a melhor definição para a Fluvia e não poderia ser outra a estar no lugar dela. <3

Em entrevista ao jornalista Bruno Astuto (aqui) ela declarou: “A base do meu trabalho é apoiar essa revolução feminina no planeta, essa é minha luta. O meu discurso é que as pessoas precisam se aceitar do jeito que elas são. A vida é muito curta para se importar com padrões impostos. Temos que viver, não nos importar com paranoias e reformatar esse aprendizado eterno, essa perpetuação de automassacre que aprendemos de geração em geração.”

Muito mais que uma mulher linda, a Fluvia sempre foi uma pessoa que deixou claro seu amor próprio e incentivou as pessoas a se amarem do jeitinho que são.

Eu sei e ela também sabe toda a problemática da objetificação do corpo feminino em revistas masculinas, mas sabemos também que em toda revolução é preciso dar a cara a tapa e fazer o que nem sempre é considerado “correto”, mas sim, o que permite quebrar um novo paradigma.

Que essa edição seja um sucesso e que outros tipos de corpos possam invadir as capas da revista, forçando a mídia a entender  que sim: todo corpo é lindo.

 

17.10.16

Se tiver representatividade, eu vou elogiar!

Semana passada, a internet ficou em alvoroço com a notícia da Ju Romano na Playboy, por um lado, muita gente comemorando a representatividade e por outro, muita gente problematizando a situação, eu me incluo nas que comemoram mais essa conquista e é sobre isso que eu quero papear com vocês hoje.

Eu sei que vivemos em uma sociedade machista, onde a mulher é vista como objeto e que algumas mídias só reforçam isso, causando grandes danos sociais à imagem da mulher. Mas ainda assim, eu acho muito maravilhoso ver que as gordas estão ocupando esses espaços.

Sei que muita gente pensa, qual vantagem em ter o corpo gordo sexualizado? Para mim nenhuma, já que eu já sei o meu valor, independente do que a mídia diz. Mas para a sociedade no todo, isso é muito importante, já que milhares de mulheres se acham horríveis só por serem gordas, se consideram abomináveis e não dignas de serem vistas como uma mulher sensual.

Para essas mulheres, essa representatividade em meios “sensuais e sexuais” faz toda a diferença, ver um corpo semelhante tendo destaque como sexy na mídia é a certeza de que elas também podem ser lindas e sensuais. Por outro lado, os meninos começam a ter contato com corpos gordos e sensuais e param de temer assumir para os colegas que têm um relacionamento com uma menina gorda.

O que os homens pensam ou não pensam está bem distante de ser a prioridade da minha luta, mas se eles mudarem os paradigmas, teremos menos mulheres sofrendo com relacionamentos bostas, em que o mocinho tem vergonha delas. Então, por fim, é sim necessário que essa mudança ocorra e eu acredito que a imagem de mulheres gordas em revistas masculinas, propaganda de cerveja e até na divulgação do vídeo game é a naturalização da gorda como mulher bela e gostosa, assim como qualquer mulher.

E essa naturalização do corpo gordo não é o que buscamos? Então, baseado nisso, eu só vejo vantagens em termos mulheres gordas em todas as mídias.

Teve gorda na propaganda da Cerveja Budweiser

via GIPHY

Teve gordas em trailer do joguinho Mobile Strike

 

E na semana que vem teremos a Ju Romano na Playboy!

gorda-na-playboy

Vocês podem até achar que isso tudo só alimenta fetichistas, mas eu preciso lembrar vocês que fetichistas não precisam disso para se alimentarem, eles sabem muito bem onde encontrar mulheres gordas sensuais, já a nossa sociedade que prega um só padrão de beleza, precisa.

Sei que essa é apenas a minha opinião e respeito quem pensa diferente de mim, mas convido vocês a pensarem um pouco nas mulheres que ainda não possuem nenhum contato com o gordativismo, e compreenderem, que para elas, essa representatividade pode fazer toda a diferença.

27.04.15

Gorda Não Tem Querer? Oi?!

megafone

 

Já reparou como algumas pessoas nos tratam como se tivéssemos feito um juramento universal das gordinhas? Sério! Estava deitada na cama pensando em milhões de coisas e tive alguns flashes de situações assim. Às vezes eu paro e fico rindo sozinha da loucura alheia….

Na cabeça de muitos por aí funciona assim:

gordinha cenoura

1. Toda gordinha está fazendo dieta

Essa então, parece nossa maior obrigação, estar sempre com fome, comendo folhas e fazendo dieta. Somos vigiadas o tempo todo, se comemos em público ou decidimos fazer um lanchinho no meio da tarde, surge a Polícia das Calorias! E mesmo que você decida fazer uma boa ação e lavar a louça que outros usaram para comer, vai surgir alguém para falar: Nossa você só come hein! Isso aconteceu comigo rsrsrs….Acho que as pessoas esquecem que comer não é privilégio de magro, é uma necessidade de todo ser humano oras! Se escolho um prato light mas peço sobremesa, vem a ladainha: – ué, mas você não está de dieta?

É engraçado ser o centro das atenções e ser cobrada o tempo todo, parece até que tenho vários maridos e esposas ciumentas que ficam me regulando o tempo todo. É muito amor!

 

gordinha carente

2. Toda gordinha é obrigada a ficar com qualquer um que estiver interessado nela, se for bonito então, será crime não ficar.

Oi? Quer dizer, você é gorda e então você é carente e desesperada? E não pode escolher, se dar ao luxo de não querer ficar com alguém porque não é o melhor para você ou  porque você simplesmente não quer. Você é sempre obrigada a agir de acordo com o que a sociedade espera de você. Desde que eu nasci eu não me importo com a sociedade, não vai ser agora que vou me importar e tem mais, não é porque sou obesa que necessariamente  sou carente e por isso devo me contentar com qualquer coisa, migalha que me jogam. Eu hein! O que parece não faltar por aí é homem querendo se envolver com gordinhas, mas, relacionamento mesmo eles não querem. Depois reclamam das gordinhas, que nos achamos demais, somos metidas…meu amor, nós nos valorizamos, o que é bem diferente de ter uma postura vazia e afetada sem motivo algum. E não é porque sou gorda que devo me contentar apenas em me envolver com o primeiro que aparece tentando me iludir despejando palavras vazias, pois isto com certeza não é o melhor que posso conseguir, o que eu mereço, não é mesmo! Mas infelizmente muitas por aí pensam assim e se sujeitam a se envolver com carinhas que tem namorada, esposa, noiva, mas, mesmo assim querem se envolver com outras gordinhas enquanto mantêm o relacionamento sério deles. Eles miram nas inseguras e desesperadas ao ponto de se meterem nessa roubada, e nisso muitas acabam em relacionamentos superficiais destrutivos que abalam a já frágil auto estima delas e despacha qualquer sombra de auto confiança pro espaço.

gordinha glutona

3. Toda gordinha é gulosa, glutona

Pode ser implicância minha, mas eu juro que quando estou em algum lugar e passa alguém vendendo guloseimas ou servindo comida, vão logo para minha frente, como se tivessem certeza de que vou comprar ou consumir o que estão oferecendo e as pessoas à minha volta ficam olhando para mim e para quem está com os chocolates, comida, o que for…no trem aqui no Rio isso é diário, eu chego a fechar os olhos porque fico com as bochechas vermelhas de vergonha com um monte de gente me olhando. Aí se um dia você decide comprar ou consumir você ouve: – Vai levar só um?- Tá, tudo bem, pode ser até técnica de venda, mas sei não…..Em uma festa o garçom depois de servir a galera toda, vira pra mim na frente de todo mundo e fala todo fofo, pode pegar mais se você quiser, não precisa ter vergonha não. Eu parei, sorri e pensei, vou perguntar se ele é feeder, mas achei melhor não, vai que ele acha que tô dando em cima, vai ficar me entupindo de comida a festa toda. Aí respondi simplesmente, não obrigada.

casal gordinho

4. Toda gordinha é solteira e está dando sopa para qualquer um que se interesse

É engraçado demais quando sabem que estamos namorando, parece até um furo de reportagem, a cara das pessoas quando você menciona seu namoro, aí ficam querendo saber como é seu namorado, há quanto tempo estão juntos, se ele já te conheceu gorda, se vocês são felizes, etc…Aí você responde, meu namorado me conheceu  com esse corpo mesmo e ele me acha linda e me ama exatamente como eu sou. Somos felizes e ele me assume, sim andamos de mãos dadas, ele demonstra carinho em público, eu conheço a família dele, já conheci os amigos, ele faz de tudo para me mimar, valorizar, deixar feliz e me fazer sentir realizada, segura e amada. Aí vem a curiosidade insana, perguntam se ele é bonito ou bizarro….kkkkk….Aí você responde:  Eu sou dele e ele é meu, isso é que importa! E para mim, ele sempre será o mais lindo, mais perfeito e completo de todos. Eu não mudaria nada nele! Aí matamos todas de inveja! kkkkk

E se for solteira, se um  morador de rua gostar de você, como você é gorda, deve aceitar porque não vai achar mais ninguém interessado…Ah faça-me o favor né!? Eu sou linda, obesa, segura e mereço ser amada como qualquer outra mulher!! E me amar  não é caridade ou favor, me amar e ser amado por mim é um privilégio para poucos mesmo! E até mesmo passar um instante comigo não é para qualquer aficionado por gordinhas que só quer usar as fofas e descartar. Pode soar meio arrogante, mas não sou arrogante, eu simplesmente sei exatamente o que quero, o que posso ter, o que posso proporcionar…

queen
Vida Longa

Beijos Queen Size,

Claudia GorDivah