Categoria: Comportamento

14.12.17

Precisamos falar de transtornos alimentares

 

transtornos alimentares

Anorexia nervosa, bulimia nervosa, transtorno da compulsão alimentar, síndrome do comer noturno, transtorno alimentar restritivo/evitativo, entre outras, são as doenças conhecidas como transtornos alimentares, algumas vezes chamados de distúrbios alimentares.

Os transtornos alimentares não têm cara. Muitas pessoas fazem associações como “anorexia = mulher magra demais”, “bulimia = vomitar” ou “compulsão = pessoa gorda e que come muito”. Isso é completamente prejudicial, porque homens podem ter anorexia nervosa, pessoas não-magras também podem ter anorexia nervosa, existem muitas pessoas com bulimia que não vomitam, ter compulsão não é apenas comer muito, existem muitas pessoas que tem compulsão e que não são gordas, e a maioria das pessoas gordas não tem compulsão. Assim, todas as pessoas que não “preenchem os critérios” não percebem que tem algum transtorno alimentar e não vão buscar ajuda para isso.

Traduzindo: uma pessoa gorda pode ter qualquer um deles! Isso não tem relação com o peso ou forma do corpo da pessoa, mas sim com comportamentos, pensamentos e sentimentos em relação ao corpo e à comida.

 

Algumas características que talvez sirvam como ponto de atenção:

• Medo grande de comer alguns alimentos OU
• Achar que é dependente (viciado) em comida OU
• Alternar entre períodos de dieta e de “comer muito” OU
• Fazer misturas alimentares estranhas OU
• Comer coisas que não são comidas (papel, sabão, etc) OU
• Pensar constantemente em emagrecer e em controlar a alimentação OU
• Evitar situações sociais (festas, happy hour) por medo de comer OU
• Sensação de perder o controle enquanto come OU
• Medo grande de engordar OU
• Comer escondido OU
• Ficar pensando sistematicamente em quantas calorias/ingredientes/carboidratos tem aquela comida OU
• Não conseguir decidir o que comer porque acha que tudo faz mal OU
• Muita culpa após comer os alimentos.

Fazer dieta é o principal estimulante para um transtorno alimentar. Às vezes ela vem mascarada como “comer certinho”, “só comida de verdade”, “só alimentos limpos”, mas ainda assim o mecanismo que ela funciona é mesmo. Então fuja das dietas!

transtornos alimentares

 

“Mas se eu ficar sem fazer dieta aí que vou aumentar o meu peso sem parar”: esse é um pensamento comum, por achar que a única forma de comer bem é fazer uma dieta, mas não é, existem outras maneiras, e são essas maneiras que ajudamos pessoas com transtornos alimentares.

A maioria das pessoas tem horror ao nutricionista, mas esse é único profissional que pode ajudar a melhorar sua relação com a comida para comer melhor e sem “neuras”. Mas não é qualquer nutricionista que pode ajudar nesses casos. É preciso que seja um nutricionista especializado / aprimorado em transtornos alimentares (o tratamento é muito diferente do que se faz em outras situações clínicas). Nutricionista comportamental não é nutricionista especializado / aprimorado, nutricionista que teve ou tem transtorno alimentar não é nutricionista especializado / aprimorado, coach de emagrecimento não é nutricionista especializado / aprimorado.

O psicólogo é muito importante no tratamento, trabalhando “as reais causas” do problema. O psiquiatra muitas vezes é necessário para entrar com alguma medicação que ajude.

Todos os dias eu ouço das pessoas sobre a vergonha que sentem por ter essa doença e o tanto de culpa, por achar que elas não têm força de vontade, determinação ou foco. Muitas vezes também se sentem “sujas” e se comparam com animais comendo, frequentemente o porco. Se sentem sozinhas, julgadas, as piores pessoas do mundo.

 

A boa notícia é que tem solução, basta procurar a ajuda certa para a situação!

 

07.12.17

Curta-Metragem “GORDA” – Canal Futura

No último dia 5 estreou no Canal Futura o curta-metragem “Gorda”, eu estava ansiosa para assistir e vir contar para vocês. Assisti ontem e adorei, já tinha inclusive certeza que seria algo positivo, pois no elenco (personagens) está a “Rainha da Desconstrução” quando o assunto é gordofobia Rachel Patrício, e ela sempre tem muito a dizer sobre o tema de uma forma muito didática e serena.

O curta “Gorda” foi dirigido por Vanessa Del Negri, tendo uma visão muito esclarecedora ele nos leva a conhecer a vivência de 5 mulheres que convivem diariamente com preconceitos devido aos seus corpos gordos.

Quero muito que todos vocês que acompanham ao blog assistam (é só clicar aqui), são 15 minutinhos com muito aprendizado, cada uma das 5 personagens dizem muitas coisas importantes e rola muita identificação com o relatos.

Eu dou um destaque maior (inclusive com essa foto linda) para a Rachel,  pois ela é uma pessoa que eu conheço virtualmente tem mais de uma década haha,  e infelizmente ela passou recentemente por uma situação péssima por conta da gordofobia, e se ela  não fosse uma pessoa super instruída em relação aos seus direitos ela poderia ter tido problemas maiores.

A gente já sabe que a nossa sociedade em geral precisa aprender que pessoas gordas são pessoas normais, que precisamos de estruturas físicas com acessibilidade para os nossos corpos e precisamos muito que parem de nos julgar nossa capacidade apenas pelo nosso tamanho. E são iniciativas como este curta-metragem que tem o poder de levar essa mensagem a pessoas que nunca sequer pensaram sobre o tema, levam  também para outras pessoas gordas a mensagem que nosso corpo não é errado e isso é muito importante.

 

Não deixem de assistir e divulgar este trabalho maravilhoso. *_*

30.11.17

Blogueira Plus Size é alvo de críticas ao estrelar campanha de moda Fitness

A blogueira plus size Anna O’Brien compartilha muito da sua vida e hábitos no insta gram @glitterandlazers, por lá ela sempre posta fotos relacionadas a esportes e muitos looks maravilhosos, é bem claro para quem a acompanha o quanto ela é ativa neste sentido.

Merecidamente ela foi convidada para ser a modelo da linha BCG da Academy, que tem como foco oferecer moda fitness para mulheres gordas.

“As pessoas deveriam ter vergonha de ser gordas, e não orgulho!”, escreveu um consumidor (ou hater) após ver as fotos dela divulgada nas redes sociais da marca.

E a empresa se manifestou em defesa da modelo, confiram o que eles responderam: “Olá, James. Na Academy, nós acreditamos que toda mulher deve ter a mesma oportunidade de aproveitar esportes e a vida ao ar livre. Por causa disso, nós continuaremos representando diferentes tipos de corpos. Nós somos diferentes, mas o nosso acesso a um estilo de vida ativo não deveria ser“.

Na nossa sociedade é muito comum vermos julgamentos aos gordos por não se exercitarem, mas por outro lado esbarramos na dificuldade de boas opções de roupas para a realização de atividades físicas.
Já comentei algumas vezes por aqui o quanto é comum empresas plus size evitarem usar a imagem de mulheres gordas, mas a Academy não apenas utilizou uma mulher maior em fotos como deixou claro na resposta que tem um ideal de inclusão mesmo para todos os corpos.

É lindo de ver uma marca sair em defesa da modelo, e não apenas contratar uma modelo menor na próxima vez.

Vamos torcer para as marcas daqui também se posicionarem mais contra a gordofobia e os preconceitos em geral? Não custa sonhar, espero que esse dia chegue logo.

22.11.17

As fotos de mulheres plus size muitas vezes enganam!

É muito comum quando compartilho algumas fotos de mulheres plus size as pessoas questionarem o corpo “perfeito” das modelos, embora eu acredite que todo corpo é perfeito do jeitinho que é, eu entendo que os questionamentos se referem a alguns pontos como a pele sem marcas e partes dos corpos que aparentam estar reduzidas para criar uma silhueta que julgam mais bonita ou harmoniosa.

Percebemos que entre as  modelos plus size, é muito comum elas terem seus corpos modificados em programas de edição e infelizmente isso faz parte da profissão. Eu mesmo sem ser modelo já passei por algumas situações assim (em que os fotógrafos resolveram “atenuar” algo em meu corpo), eu sinceramente ODEIO quando isso acontece, sinto que estão me dizendo que meu corpo não é bom e por isso me mutilam (cortam pedaços dele) na hora da edição.
Já postei fotos minhas alteradas? Já sim, mas não foi por escolha minha os retoques e em alguns casos eu até briguei por terem alterado, mas em alguns momentos foi necessário postar. 

Embora o nosso foco seja as mulheres plus size, as edições irreais de imagens acontecem com todos os corpos, muitas fotos tem uma edição tão pesada que transformam as mulheres em algo bem próximo de uma boneca, inclusive o brilho do corpo lembra o plástico das bonecas.

As influenciadoras plus size Callie Thorpe e Diana Sirokai pediram a uma fotógrafa para editar uma imagem delas e o resultado foi este abaixo.

 

 

 

 

Elas quiseram mostrar como campanhas e revistas de moda podem distorcer os corpos das modelos.
“Nossa proposta é mostrar como as revistas e a mídia em geral leva à edição de imagens para um outro nível. Modelos e celebridades nem mesmo se parecem com elas mesmas”, criticou Diana e Callie em seus perfis no Instagram.
Em seguida, o texto diz: “Nós vivemos em um mundo tão falso, é hora de voltarmos à realidade. Seja quem você é e arrase!”, aconselhou a modelo.
“Não é à toa que as mulheres estão cada vez mais inseguras. Por anos elas foram submetidas a imagens alteradas pela mídia”, reforçou Callie na rede social. “Queremos mostrar às mulheres que é ok parecer ‘normal’ com celulite, estrias e barriguinha que não é tanquinho. Seja feliz com o que você é e na sua própria pele.”

Sempre tento dar destaque a fotos não modificadas por aqui, mas as imagens de mulheres editadas estão por todos os lados, criando assim uma impressão que o nosso corpo que é errado, mas é só ilusão mesmo e toda a “perfeição” foi criada em programas de edição. Nunca se esqueçam que todos os corpos são perfeitos, mesmo que a mídia siga espalhando como bonitas apenas as fotos ultra editadas.

 

09.11.17

Toda mulher é real.

Ao ouvirmos falar sobre moda plus size e pessoas de corpos maiores, é muito comum notarmos também a associação com os termos “mulheres reais*” ou “mulheres de verdade”, mas com o tempo, vamos percebendo que ao chamarmos apenas corpos plus size de reais, acabamos dizendo que os outros são irreais e isso chega a ser prejudicial à autoestima de muitas mulheres.


Sei que diversas vezes sentimos essa necessidade, de nos classificarmos como “melhores” que as coleguinhas, afinal, passamos anos sendo excluídas de tudo e podermos ser vistas agora como MULHERES REAIS ou como MULHERES DE VERDADE acaba alimentando nosso ego momentaneamente.
Para piorar ainda mais toda essa questão, que já é bem desnecessária, os tais termos não incluem quase nunca mulheres gordas e têm sempre nas representações de suas fotos mulheres curvilíneas com a pele devidamente alterada em programas de edição.
Daí ficam os questionamentos:
Quem é real, afinal?
Quem é mesmo de verdade?

Estamos no fim de 2017, o mundo todo está falando em empatia e sororidade, no entanto, no mercado plus size, vemos constantemente as marcas reforçando estes termos que excluem mulheres de um tamanho ou de outro, do padrão que julgam ser o das mulheres reais.

Não precisamos ser melhores que outras mulheres, precisamos buscar maior representatividade, acessibilidade e também reconhecimento, sem precisar nos enquadrarmos nesse novo grupo “seleto”.

Estes termos até podem ter impacto como marketing de marcas plus size, mas eu, como consumidora me incomodo e tenho certeza de que não sou a única. Não é crime usar, só que acho que não precisamos mais disso, queremos um mundo igual para todas e sem necessidade de termos para suavizar as referências aos nossos corpos.

*inclusive, se você buscar em posts antigos aqui no blog, vai encontrar o termo “mulheres reais” em vários momentos, pois é o nome de um projeto de SP, que inclui diversos eventos e também por eu já ter feito essa associação no passado.