Categoria: Comportamento

20.06.17

Anete Lage – Belezoca Cosméticos

Hoje na nossa tag #EmpreendedorasGordas  trago para o blog um pouquinho da história da Anete Lage, que é a responsável pela Belezoca Cosméticos, confiram abaixo no nosso papo como tudo aconteceu para ela em relação ao seu empreendimento.

 

A Belezoca Cosméticos é o seu trabalho oficial? 
Não, eu sou também enfermeira.

Em que você trabalhava (ou trabalha) antes de empreender? Já sentiu dificuldades para conseguir emprego por ser gorda?
Eu já era enfermeira e continuo na mesma profissão, não tive problemas no mercado de trabalho em relação ao meu peso.

Como foi seu processo de criação da Belezoca? Você começou vendendo por catálogos, ou desde início já focou em eventos? Do momento que decidiu montar a marca até o lançamento foi quanto tempo?
Fui em um congresso em São Paulo da minha área (enfermagem), lá me apaixonei por um contratipo de um perfume que eu e marido amamos e acabei me tornando representante da marca, isso já faz 20 anos. Essa marca desapareceu do Rio, mas vieram outras até que encontrei Eudora., ou melhor Eudora me encontrou rsrsrs. Recomecei com Eudora somente e daí vieram os eventos, já tem 2 anos que fazemos eventos e fomos juntando outras marcas por necessidade do próprio publico que vinha pedindo. Vimos então a necessidade de criar uma empresa que pudesse unir todas essas marcas com um objetivo só, foi assim que  nasceu a Belezoca Cosméticos.

Você se importa em contar para a gente o investimento inicial? 
Eu já vinha caminhando, mas quando veio a Belezoca Cosméticos investi mais ou menos 3 mil reais para deixar tudo legalizado.

Hoje além de você quantas pessoas estão envolvidas na marca diretamente?
Então a Belezoca é uma empresa familiar, sou eu Anete, minha filha Sylvia e meu marido Ronaldo.

Na esquerda a Sylvia que é o braço direito (e filha) da Anete. 

Quanto tempo tem a Belezoca? Hoje já é possível tirar seu salário diretamente dela?
A empresa tem 1 ano e alguns meses , não tiramos salário da empresa ainda, o que temos de lucro procuramos sempre investir na própria marca para estar sempre com novidades para os clientes.

Nessa trajetória de empreendedora, acredito que tenha desafios e vitórias, contem-nos quais foram os maiores?
Ainda temos muitos desafios, nos eventos por exemplo, as pessoas vão voltadas para encontrar roupas, comidas etc.. não esperam encontrar Makes, é um trabalho de formiguinha. Temos sempre que criar ações para o cliente “olhar” para a Belezoca também.
Vitória, com certeza é ter um empreendimento nosso, e ver que podemos ter retorno, vários clientes satisfeitos com as Belezocas rsrsrs.


Sabe aquele conselho você daria para uma amiga que vai empreender? Você pode deixar aqui para quem segue o blog?
Deixo um conselho que foi muito útil para nós: fique feliz com o que faz em primeiro lugar, escolha o que você gosta de fazer. Depois ponha amor , se doe e confie. Você consegue.
Deixo também uma dica financeira é muito importante: separe o que recebe do seu trabalho diário do da empresa, no início é difícil, mas depois você vai conseguindo ter tudo separado. Isso é primordial para o sucesso!

 

Adorei conhecer um pouco mais da Belezoca Cosméticos e também da Anete, o ramo de cosméticos é imenso e super acessível começar como revendedora, que o exemplo dela possa motivar outras pessoas a correrem atrás dos seus sonhos e empreendimentos, sejam eles quais forem.

 

05.06.17

Juliana Jacques – Beauty In Curves

É com grande felicidade que inicio os posts sobre mulheres gordas empreendedoras, para iniciar essa série de posts (que pretendo que seja infinita) eu fiz uma entrevista com a Juliana Jacques da marca Beauty in Curves e convido vocês a conferirem agora tudinho que ela me contou.

Em qual setor você trabalhava antes de empreender?
Trabalhava em uma multinacional de Tecnologia como analista de licitação. Fiquei lá por 5 anos atuando em elaboração de propostas para licitações de governo e prefeituras. Foi um período maravilhoso que aprendi muito, mas também ficou claro a segregação que ocorre com pessoas gordas em empresas. Ouvia todo tipo de porcaria que falam para gente gorda e o pior, o fato de eu me aceitar era um problema maior. Eu fiquei tão de saco cheio que procurei uma endocrinologista e fiz uma reeducação alimentar e perdi 25kg (continuei gorda, só que menos gorda) e o tratamento das pessoas comigo foi outro.

Você já sentiu dificuldades de conseguir um emprego por ser gorda?
Sim. As pessoas não querem empregar gordos, por conta de preconceito mesmo. Teve uma ocasião que fiz uma entrevista para voltar para uma empresa que trabalhei no passado. No dia da entrevista presencial, foi posto um manual de usuário de sistema em cima da mesa para que olhássemos e fizéssemos um teste. O manual tinha meu nome como autora e eu sorri e disse: “Eu criei esse manual”. Ela riu, não fiz o teste e disse que entrava em contato. A questão foi: Quando saí dessa empresa, eu engordei bastante. Meu corpo ficou maior, nada além mudou. Eu saí da empresa porque tinha um chefe que me assediava moralmente, dentre outros problemas. Essa vaga era para uma outra equipe e eu saí da entrevista certa da minha contratação. Soube por uma pessoa de lá que a entrevistadora ficou abismada em como eu havia engordado e não ia me chamar porque todo gordo é feio e preguiçoso. Não me afetou como mulher, não mexeu com a minha autoestima, mas eu, se pudesse, teria socado a cara dela, de raiva, por ela ser uma imbecil preconceituosa.

Como foi seu processo de criação da Beauty? Do momento que você decidiu montar a marca até o lançamento foi quanto tempo?
A Beauty in Curves é meu sonho de adolescente. Tinha 16 anos, ia prestar vestibular e queria fazer moda, para levar meu sonho adiante. Eu já aloprava com as roupas, mandava fazer minhas ideias, customizava tudo. Meu estilo gótica suave causava, rsrsrs. Porém, eu não trabalhava e meu pai deixou claro que não pagaria faculdade de moda, pois não dava dinheiro. Fiz comunicação social, nunca terminei. Segui a vida criando minhas roupas, comprava apenas o básico: Legging, jeans, t-shirts e tops de malha, o resto, eu perturbava a Vanilda e mais tarde a Vani, para costurarem para mim. Quando saí do último emprego, em julho de 2016, estava decidida. Queria fazer algo que mudasse minha vida e a de outras pessoas e jamais acharia isso no corporativismo. Comecei um curso de modelagem com a Modelista Simone Castilhos pouco antes de sair da empresa e algumas semanas depois contei para ela o que queria. Nos tornamos sócias e lançamos a Beauty in Curves by Simone Castilhos no Hashtag Bazar de setembro de 2016.

Foi muito rápido e maravilhoso ver a resposta das pessoas. Infelizmente, por diferenças irreconciliáveis, a sociedade chegou ao fim no mês seguinte e eu segui sozinha com a Beauty in Curves (a criação da marca foi um trabalho meu com o designer Jaime Soutilho da Agência OH YEAH! antes do início da sociedade), praticamente recomeçando, lidando com uma crise de identidade da marca nas produções seguintes e reinvestindo praticamente tudo de novo. No fim deu tudo certo e estou muito feliz em como a Beauty in Curves se encontra atualmente.

Os looks da Beauty In Curves são a cara da Juliana, ela é também modelo da sua marca.

Qual foi seu investimento inicial? Além de você, quantas pessoas estão envolvidas com a marca?
O investimento inicial foi de aproximadamente 10 mil reais. Meu sócio, uma fábrica terceirizada com aproximadamente 8 pessoas que cuidam de todo o processo produtivo e mais algumas pessoas que cuidam da minha assistência, atendimento ao cliente e jurídico.

Mas vez ou outra as migas também participam modelando para as fotos. 

A marca ainda é novinha, você já consegue tirar o seu “salário” dela?
Ainda não, mas está dentro do meu período planejado para isso.

Conta para a gente qual foi sua maior vitória e seu maior desafio nesse caminho de empreendedora gorda?
A maior vitória foi conseguir, de alguma forma, mudar a vida de algumas pessoas. Eu recebo feedbacks de clientes me agradecendo pelas roupas que ofereço, pois elas não enxergavam o quão bonitas, curvilíneas e fashionistas poderiam ficar vestindo uma roupa. Eu faço questão de conversar com elas, saber o que acham, dar dicas e deixar claro que a Beauty in Curves é um trabalho de uma mulher gorda para mulheres gordas, enfim, é uma troca maravilhosa e isso é a maior vitória que eu tive e me emociona demais. O maior desafio, chega a ser engraçado, é vencer minha timidez a cada interação dessas que citei. Eu sou extremamente tímida, daquelas que o rosto queima só de dar um oi. A cada dia fico mais desenvolta então até nisso todo esse processo é benéfico.

A Ju e sua marca estão sempre presente no Hashtag Bazar e também no Pop Plus. 

Sabe aquele conselho você daria para uma amiga que vai empreender? Você pode deixar aqui para quem segue o blog?
Eu tive sorte em ter um sonho que vai de encontro a um nicho de mercado que está em crescimento mesmo com a atual crise. Meu maior conselho é: Estude. Conheça seu público alvo, avalie se o negócio que você quer construir é o que o seu cliente quer consumir. A palavra final é sempre do cliente e nunca devemos fechar nossos ouvidos para ela.

Escolhi começar essa série de posts com a Juliana por um motivo bem especial, a Ju conheceu o blog bem no comecinho (2009/2010)  e  acredita que o blog influenciou diretamente no seu processo de aceitação (quando ela me contou eu dei uma derretida básica haha). Hoje eu tenho certeza que a Beauty In Curves também está ajudando muitas mulheres a resgatarem o amor próprio, e eu fico imensamente feliz de poder acompanhar tudo de pertinho.

Torço para que vocês curtam esse bate papo, se tiverem sugestões para essa nova coluna, é só indicar nos comentários. *_*

 

30.05.17

Lizzy Howell – A bailarina gorda que se tornou hit da web!

No início do ano me deparei com um vídeo no insta com uma bailaria gorda que arrasava na pirueta, imediatamente eu postei aquele vídeo e pude perceber que mais pessoas também tinham amado a desenvoltura dela.

Vc pode ser e fazer tudo o que quiser. 😍 Via @reveldancewear o perfil dela é @lizzy.dances. 💟

Uma publicação compartilhada por Kalli (@belezasemtamanho) em


Nos poucos meses que se passaram desde que a conheciaquela mocinha que eu tinha me encantado, virou um grande fenômeno e hoje tem mais de 100 mil seguidores no instagram e está inspirando um montão de gente.

Lizzy Howell tem apenas 16 anos e já prova diariamente (com fotos e vídeos), que todos os corpos são aptos a fazer qualquer coisa que quiserem. Sabemos que o mundo do ballet exige mutias vezes corpos magros e até exclui as gordas, mas Lizzy está mostrando ao mundo todo que todo corpo é um corpo de bailarina.

A bailarina gorda tem feito tanto sucesso que chamou a atenção da varejista Target, que a escolheu para estrelar a campanha da linha de roupas esportivas C9 Champion, desenvolvida para todos os tamanhos de corpo.

Em apresentação solo ou ao lado de outros atletas (com corpos que não costumamos ver em propagandas relacionadas a esportes), Lizzy faz piruetas e saltos perfeitos. Confiram no vídeo toda a sua habilidade com a dança:

Além de ser bailarina, Lizzy faz jazz e sapateado quarto vezes por semana. E ainda tem quem diga que gordos são sedentários, é  sempre bom lembrar que pessoas são sedentárias em vários tipos de corpos.

Ela sempre demonstra em suas postagens que é ótimo representar a diversidade na dança, mas espera que um dia não haja mais necessidade de ter representantes para isso.


Não só Lizzy, mas todas nós (pessoas que militam pela naturalização do corpo gordo) queremos que a sociedade entenda que formato de um corpo não tem influência nenhuma sobre a capacidade dele.

Todas as pessoas (em todos os corpos) podem tudo o que quiserem.

 

 

 

17.05.17

Embrace: corpo e comida

 

Essa semana finalmente assisti o documentário Embrace, disponível no Netflix, e encontrei alguns pontos muito importantes para compartilhar com vocês sobre a relação corpo e alimentação.

Taryn Brumfitt, a “protagonista” do documentário, visita alguns lugares do mundo em busca do porquê as mulheres são tão insatisfeitas com seus corpos. O documentário e o interesse de Taryn iniciam-se por uma vivência pessoal.

O seu ponto central foi a maternidade e as mudanças que ela provocou em seu corpo e com isso passou a odiá-lo em um primeiro momento. Em um momento seguinte ela toma medidas radicais – dieta rigorosa e exercícios físicos – e consegue modificar o seu corpo. Assim que o consegue faz uma séries de reflexões e acredita que o sacrifício para ter um “corpo perfeito” não vale a pena.

Acho importante ressaltar que a vivência de Taryn, na Austrália, não é diferente do que eu já vi aqui no Brasil ao longo destes anos de atendimento nutricional. Talvez porque mensagens como essa (imagem abaixo) são frequentes e imprimem uma forte cobrança sobre as mulheres: engravide mas esteja linda e feliz o mais rápido possível, afinal é só querer!

(A imagem mostra a frase “Qual é a sua desculpa” e a idade de cada um dos respectivos filhos)

O documentário segue falando sobre muito pontos importantes, alguns deles relacionados à alimentação.
Sobre o comer, o ponto mais importante no documentário é o não comer. Em diversos momentos, pessoas relatam que nesse percurso de odiar o próprio corpo, que às vezes se confunde com cuidar da saúde, é muito comum não comer.
Em um momento uma mulher com anorexia nervosa (uma doença grave do campo da saúde mental) dá um depoimento dizendo que não comer é, entre outras coisas, um jeito de não se tornar uma garota gorda que todas as pessoas ficam tirando sarro. O medo de ser alvo de preconceito é tão grande, que contribui para que pessoa fique com fome durante muitos períodos. A anorexia nervosa, assim como os outros transtornos alimentares, são casos extremos desse contexto. A maioria das pessoas não chega a esse ponto, mas não significa que não sofram.

Uma modelo também dá seu depoimento contando sobre comer coisas que não são alimentos como um método comum para evitar comer comida. No caso, ela dá o exemplo de bolas de algodão embebidas em Gatorade. Sim, elas comiam isso para enganar a fome, com medo de engordar, o que causava muitos problemas à saúde física. Percebam que medo de engordar, qualquer que seja a quantidade é visto como ruim.
Uma psicóloga traz um dado importante: o panorama da guerra contra a obesidade de muitas formas contribui para que as pessoas sintam medo terrível de engordar. Aqui se misturam as questões de saúde (“Eu tenho medo de engordar porque quero ter saúde”), questões de medo de ser alvo de preconceito (“Eu tenho medo de engordar porque não quero que as pessoas riam de mim”), questões de padrão de beleza (“Eu tenho medo de engordar porque não quero me sentir feia”).

A ativista e professora Linda Bacon também contribui explicando sobre o ciclo de como as dietas se relacionam com o peso de uma maneira muito ruim. Eu já falei sobre esse ciclo no post passado.
A alimentação que é fantástica. Ela nos ajuda a manter nosso corpo nutrido, ter prazer, compartilhar relações sociais, lembrar de nossas origens e tantas outras coisas… No documentário fica claro do quanto isso é arruinado na tentativa de não ficar gorda ou ter um corpo perfeito. E como a comida está presente em quase todos os campos da nossa vida é fácil entender como esse descontentamento com o corpo gera um efeito colateral importante em todos os âmbitos da vida.

A mensagem do filme é clara: aceite quem você é!
Aqui vou ser mais ousado: aceite quem você é, e se possível coma normalmente!
O que é comer normalmente?
“Comer normalmente é ser capaz de comer quando você está com fome e continuar comendo até você ficar satisfeito. É ser capaz de escolher os alimentos que você gosta e comê-los até aproveitá-los suficientemente – e não simplesmente parar porque você acha que deveria.
Comer normalmente é ser capaz de pensar um pouco para selecionar alimentos mais nutritivos, mas sem ser tão preocupado e restritivo a ponto de não comer os alimentos mais prazerosos.
Comer normalmente é dar permissão a você mesmo para comer às vezes porque você está feliz, triste ou entediado ou apenas porque é tão gostoso.
Comer normalmente é, na maioria das vezes, fazer três, quatro ou cinco refeições por dia, ou deixar a sua fome guiar quantas vezes vai comer ao longo do dia. É também deixar de comer algum pedaço de bolo porque você pode comer mais amanhã ou então comer mais agora porque ele é maravilhoso enquanto ainda está quentinho.
Comer normalmente é comer em excesso às vezes e depois se sentir estufado e desconfortável. Também é comer pouco de vezes em quando, desejando ter comido mais. Comer normalmente é confiar que seu corpo conseguirá corrigir os pequenos ‘erros’ da sua alimentação. Comer normalmente requer um pouco do seu tempo e atenção, mas também ocupa o lugar de apenas uma área importante, entre tantas, de sua vida.
Resumindo, o “comer normalmente” é flexível. Ele varia em resposta às suas emoções, sua agenda, sua fome e sua proximidade com a comida e seus sentimentos” tradução livre, adaptado de Ellyn Satter em Secrets os feeding a healthy family: how to eat, how to raise good eaters, how to cook.
Aceitar o corpo e comer normalmente precisam caminhar paralelos, pois eles fazem parte do mesmo sistema, então geralmente quando as coisas estão boas para um é mais provável que fiquem boas para o outro.
Reflita, pense e discuta sobre os padrões de corpo, mas também sobre os padrões do que é saudável ou não e do que é comer bem ou não! Assim vamos construindo um mundo mais plural, feliz e saudável!

 

09.05.17

Preconceito não é opinião!

A internet é um mundo paralelo maravilhoso (no meu ponto de vista), mas ela dá “poder” para as pessoas fazerem o que quiser, a parte ruim é que muitas pessoas escolhem despejar seus preconceitos (que julgam ser opiniões) nas mais diversas situações e isso é algo muito assustador.
Ao abrir qualquer matéria em grandes sites, é possível ver que nos comentários 90% são de pessoas que entraram exclusivamente para julgar e reclamar de algo, muitas vezes nem tem relação nenhuma com a pauta.
Em uma escala bem menor, o blog (incluindo as redes sociais), também é brindado com esse tipo de “opinião” constantemente. Como não aceito comentários anônimos e como o assunto do blog as pessoas ainda acham que tudo bem julgar (ainda não é comum processos relacionados a gordofobia) e vez ou outra vira um show de horrores.
Ontem foi um desses dias, eu postei uma foto que eu considero lindíssima com uma representatividade maravilhosa do amor, da vida e com uma mulher gorda.

Algumas seguidoras resolveram dar “sua opinião” que exalava preconceito. Disseram que a foto era feia, que era desnecessária, que nudez do corpo é ruim e outros comentários do tipo, mas o pior é que mais uma vez resolveram começar a julgar a saúde da moça da foto.

Essa é a foto em questão… Eu não consigo achar nada menos do que LINDA!

A Thais Carla que é uma dançarina sensacional, um pouco do trabalho dela pode ser visto aqui

Não existe nenhum meio de se medir a saúde de uma pessoa só observando seu corpo, não existe limite predefinido do que é um gordo saudável e um gordo doente, isso não é medido em balança nem em fita métrica.

Parem hoje mesmo de julgar a saúde alheia, saúde é algo pessoal e ninguém deveria se intrometer nisso.

Se vocês conseguem julgar a saúde de alguém só olhando uma foto, eu indico patentearem o método (contém ironia). 

Vamos entender que opinião que já define um só jeito de ser/fazer, nada mais é do que um preconceito “disfarçado”.