Tag: mulheres empreendedoras

20.06.17

Anete Lage – Belezoca Cosméticos

Hoje na nossa tag #EmpreendedorasGordas  trago para o blog um pouquinho da história da Anete Lage, que é a responsável pela Belezoca Cosméticos, confiram abaixo no nosso papo como tudo aconteceu para ela em relação ao seu empreendimento.

 

A Belezoca Cosméticos é o seu trabalho oficial? 
Não, eu sou também enfermeira.

Em que você trabalhava (ou trabalha) antes de empreender? Já sentiu dificuldades para conseguir emprego por ser gorda?
Eu já era enfermeira e continuo na mesma profissão, não tive problemas no mercado de trabalho em relação ao meu peso.

Como foi seu processo de criação da Belezoca? Você começou vendendo por catálogos, ou desde início já focou em eventos? Do momento que decidiu montar a marca até o lançamento foi quanto tempo?
Fui em um congresso em São Paulo da minha área (enfermagem), lá me apaixonei por um contratipo de um perfume que eu e marido amamos e acabei me tornando representante da marca, isso já faz 20 anos. Essa marca desapareceu do Rio, mas vieram outras até que encontrei Eudora., ou melhor Eudora me encontrou rsrsrs. Recomecei com Eudora somente e daí vieram os eventos, já tem 2 anos que fazemos eventos e fomos juntando outras marcas por necessidade do próprio publico que vinha pedindo. Vimos então a necessidade de criar uma empresa que pudesse unir todas essas marcas com um objetivo só, foi assim que  nasceu a Belezoca Cosméticos.

Você se importa em contar para a gente o investimento inicial? 
Eu já vinha caminhando, mas quando veio a Belezoca Cosméticos investi mais ou menos 3 mil reais para deixar tudo legalizado.

Hoje além de você quantas pessoas estão envolvidas na marca diretamente?
Então a Belezoca é uma empresa familiar, sou eu Anete, minha filha Sylvia e meu marido Ronaldo.

Na esquerda a Sylvia que é o braço direito (e filha) da Anete. 

Quanto tempo tem a Belezoca? Hoje já é possível tirar seu salário diretamente dela?
A empresa tem 1 ano e alguns meses , não tiramos salário da empresa ainda, o que temos de lucro procuramos sempre investir na própria marca para estar sempre com novidades para os clientes.

Nessa trajetória de empreendedora, acredito que tenha desafios e vitórias, contem-nos quais foram os maiores?
Ainda temos muitos desafios, nos eventos por exemplo, as pessoas vão voltadas para encontrar roupas, comidas etc.. não esperam encontrar Makes, é um trabalho de formiguinha. Temos sempre que criar ações para o cliente “olhar” para a Belezoca também.
Vitória, com certeza é ter um empreendimento nosso, e ver que podemos ter retorno, vários clientes satisfeitos com as Belezocas rsrsrs.


Sabe aquele conselho você daria para uma amiga que vai empreender? Você pode deixar aqui para quem segue o blog?
Deixo um conselho que foi muito útil para nós: fique feliz com o que faz em primeiro lugar, escolha o que você gosta de fazer. Depois ponha amor , se doe e confie. Você consegue.
Deixo também uma dica financeira é muito importante: separe o que recebe do seu trabalho diário do da empresa, no início é difícil, mas depois você vai conseguindo ter tudo separado. Isso é primordial para o sucesso!

 

Adorei conhecer um pouco mais da Belezoca Cosméticos e também da Anete, o ramo de cosméticos é imenso e super acessível começar como revendedora, que o exemplo dela possa motivar outras pessoas a correrem atrás dos seus sonhos e empreendimentos, sejam eles quais forem.

 

05.06.17

Juliana Jacques – Beauty In Curves

É com grande felicidade que inicio os posts sobre mulheres gordas empreendedoras, para iniciar essa série de posts (que pretendo que seja infinita) eu fiz uma entrevista com a Juliana Jacques da marca Beauty in Curves e convido vocês a conferirem agora tudinho que ela me contou.

Em qual setor você trabalhava antes de empreender?
Trabalhava em uma multinacional de Tecnologia como analista de licitação. Fiquei lá por 5 anos atuando em elaboração de propostas para licitações de governo e prefeituras. Foi um período maravilhoso que aprendi muito, mas também ficou claro a segregação que ocorre com pessoas gordas em empresas. Ouvia todo tipo de porcaria que falam para gente gorda e o pior, o fato de eu me aceitar era um problema maior. Eu fiquei tão de saco cheio que procurei uma endocrinologista e fiz uma reeducação alimentar e perdi 25kg (continuei gorda, só que menos gorda) e o tratamento das pessoas comigo foi outro.

Você já sentiu dificuldades de conseguir um emprego por ser gorda?
Sim. As pessoas não querem empregar gordos, por conta de preconceito mesmo. Teve uma ocasião que fiz uma entrevista para voltar para uma empresa que trabalhei no passado. No dia da entrevista presencial, foi posto um manual de usuário de sistema em cima da mesa para que olhássemos e fizéssemos um teste. O manual tinha meu nome como autora e eu sorri e disse: “Eu criei esse manual”. Ela riu, não fiz o teste e disse que entrava em contato. A questão foi: Quando saí dessa empresa, eu engordei bastante. Meu corpo ficou maior, nada além mudou. Eu saí da empresa porque tinha um chefe que me assediava moralmente, dentre outros problemas. Essa vaga era para uma outra equipe e eu saí da entrevista certa da minha contratação. Soube por uma pessoa de lá que a entrevistadora ficou abismada em como eu havia engordado e não ia me chamar porque todo gordo é feio e preguiçoso. Não me afetou como mulher, não mexeu com a minha autoestima, mas eu, se pudesse, teria socado a cara dela, de raiva, por ela ser uma imbecil preconceituosa.

Como foi seu processo de criação da Beauty? Do momento que você decidiu montar a marca até o lançamento foi quanto tempo?
A Beauty in Curves é meu sonho de adolescente. Tinha 16 anos, ia prestar vestibular e queria fazer moda, para levar meu sonho adiante. Eu já aloprava com as roupas, mandava fazer minhas ideias, customizava tudo. Meu estilo gótica suave causava, rsrsrs. Porém, eu não trabalhava e meu pai deixou claro que não pagaria faculdade de moda, pois não dava dinheiro. Fiz comunicação social, nunca terminei. Segui a vida criando minhas roupas, comprava apenas o básico: Legging, jeans, t-shirts e tops de malha, o resto, eu perturbava a Vanilda e mais tarde a Vani, para costurarem para mim. Quando saí do último emprego, em julho de 2016, estava decidida. Queria fazer algo que mudasse minha vida e a de outras pessoas e jamais acharia isso no corporativismo. Comecei um curso de modelagem com a Modelista Simone Castilhos pouco antes de sair da empresa e algumas semanas depois contei para ela o que queria. Nos tornamos sócias e lançamos a Beauty in Curves by Simone Castilhos no Hashtag Bazar de setembro de 2016.

Foi muito rápido e maravilhoso ver a resposta das pessoas. Infelizmente, por diferenças irreconciliáveis, a sociedade chegou ao fim no mês seguinte e eu segui sozinha com a Beauty in Curves (a criação da marca foi um trabalho meu com o designer Jaime Soutilho da Agência OH YEAH! antes do início da sociedade), praticamente recomeçando, lidando com uma crise de identidade da marca nas produções seguintes e reinvestindo praticamente tudo de novo. No fim deu tudo certo e estou muito feliz em como a Beauty in Curves se encontra atualmente.

Os looks da Beauty In Curves são a cara da Juliana, ela é também modelo da sua marca.

Qual foi seu investimento inicial? Além de você, quantas pessoas estão envolvidas com a marca?
O investimento inicial foi de aproximadamente 10 mil reais. Meu sócio, uma fábrica terceirizada com aproximadamente 8 pessoas que cuidam de todo o processo produtivo e mais algumas pessoas que cuidam da minha assistência, atendimento ao cliente e jurídico.

Mas vez ou outra as migas também participam modelando para as fotos. 

A marca ainda é novinha, você já consegue tirar o seu “salário” dela?
Ainda não, mas está dentro do meu período planejado para isso.

Conta para a gente qual foi sua maior vitória e seu maior desafio nesse caminho de empreendedora gorda?
A maior vitória foi conseguir, de alguma forma, mudar a vida de algumas pessoas. Eu recebo feedbacks de clientes me agradecendo pelas roupas que ofereço, pois elas não enxergavam o quão bonitas, curvilíneas e fashionistas poderiam ficar vestindo uma roupa. Eu faço questão de conversar com elas, saber o que acham, dar dicas e deixar claro que a Beauty in Curves é um trabalho de uma mulher gorda para mulheres gordas, enfim, é uma troca maravilhosa e isso é a maior vitória que eu tive e me emociona demais. O maior desafio, chega a ser engraçado, é vencer minha timidez a cada interação dessas que citei. Eu sou extremamente tímida, daquelas que o rosto queima só de dar um oi. A cada dia fico mais desenvolta então até nisso todo esse processo é benéfico.

A Ju e sua marca estão sempre presente no Hashtag Bazar e também no Pop Plus. 

Sabe aquele conselho você daria para uma amiga que vai empreender? Você pode deixar aqui para quem segue o blog?
Eu tive sorte em ter um sonho que vai de encontro a um nicho de mercado que está em crescimento mesmo com a atual crise. Meu maior conselho é: Estude. Conheça seu público alvo, avalie se o negócio que você quer construir é o que o seu cliente quer consumir. A palavra final é sempre do cliente e nunca devemos fechar nossos ouvidos para ela.

Escolhi começar essa série de posts com a Juliana por um motivo bem especial, a Ju conheceu o blog bem no comecinho (2009/2010)  e  acredita que o blog influenciou diretamente no seu processo de aceitação (quando ela me contou eu dei uma derretida básica haha). Hoje eu tenho certeza que a Beauty In Curves também está ajudando muitas mulheres a resgatarem o amor próprio, e eu fico imensamente feliz de poder acompanhar tudo de pertinho.

Torço para que vocês curtam esse bate papo, se tiverem sugestões para essa nova coluna, é só indicar nos comentários. *_*

 

04.04.17

Empreendedoras Gordas

Nós, que somos gordas (os), sabemos claramente que, infelizmente, o mercado de trabalho ainda é super preconceituoso com os nossos corpos, muitas vezes, a saída para se manter trabalhando sendo gorda ou gordo é empreender.

Mas empreender não é só sucesso e nem é só para ricos, é um caminho delicado e cheio de obstáculos, que quem escolhe, precisa ter muito foco para as coisas acontecerem. Com tanta dificuldade, entendo que as Empreendedoras Gordas que brilham com seu trabalho precisam ser muito mais valorizadas e reconhecidas.

Por saber que quando se é mulher e gorda as coisas são mais difíceis, é que vou iniciar aqui no blog uma nova tag onde vou “entrevistar” várias mulheres gordas que estão gerindo seus empreendimentos.
Com os posts de cada uma delas (penso em fazer 3 por mês), tenho como objetivo que todos que acompanham o blog, possam conhecer histórias de mulheres inspiradoras e um pouquinho dos empreendimentos delas. Uma mulher empoderada é capaz de tudo que ela quiser, e quero que todas nós possamos nos inspirar em outras mulheres tão parecidas com a gente.

Acredito e torço para que a história dessas mulheres inspirem muitas outras… Eu não acho que todo mundo necessite EMPREENDER para ter sucesso, mas não há como negar que essa possa ser uma boa opção. Também não dá para acharmos que é possível abrirmos uma empresa e ficarmos logo rycas, mas é possível sim, com pouco dinheiro, iniciar um negócio e em pouco tempo (e muito esforço) se estabilizar no mercado.

Eu já tenho em mente alguns nomes que convidarei para participar destes posts, mas quero mais dicas aqui nos comentários de mulheres gordas que estão empreendendo em qualquer que seja a área.

Vamos juntas valorizar essas mulheres e ajudar outras a se motivarem? Conto com vocês. *_*

 

 

23.02.16

Garota de 10 anos arrasa como estilista plus size no New York Fashion Week!

Quando se é criança os preconceitos são muito mais intensos, muitas crianças enfrentam esses problemas e é preciso muito amor em casa para que essa fase não deixe traumas para a vida toda.
Já vi muitos casos em que adolescentes e adultos deram a volta por cima em casos de bullyng, mas desta vez temos uma criança superando e dando a volta por cima. <3
Ify Ufele uma garota de 10 anos que sofria com ataques ao seu peso (gordofobia) na escola, deu a volta por cima em grande estilo.

Mesmo sendo apenas uma criança, ela lançou sua própria coleção plus size no New York Fashion Week. *_____*

 

10-year-old DesignerThis 10-year-old who was bullied for her weight debuts her plus-size fashion line during New York Fashion Week

Publicado por Fusion em Sexta, 19 de fevereiro de 2016

 

estilista plus size no New York Fashion Week

Ela começou fazendo roupas para suas bonecas, inspirada nas roupas africanas. Depois fez looks para as amigas usando a máquina de costura de sua avó. Sua coleção é destinada para meninas e também mulheres adultas de todos os tamanhos.
De forma brilhante ela usou o ódio das pessoas ao seu corpo, para fazer algo que a fizesse orgulho de ser como era. E  fez tudo isso tendo só 10 anos de idade.
Espero que a história da Ify possa incentivar todas vocês a usarem as críticas como escada para o sucesso, em todos o âmbitos da vida.

Eu estou apaixonada por ela <3 e também por sua coleção apresentada no vídeo. *__*
E vocês o que acharam dela?

Peço que a usem como exemplo para outras crianças que convivem com a gordofobia, nem todas serão estilistas, mas todas podem superar o preconceito ao seu modo.

23.09.15

Strappy Bra para gordas!

Já deve ter pelos menos uns três anos desde a primeira vez que vi a Tess com um soutien “diferente” que aparecia tiras no decote, achei estranho de início, mas na segunda foto eu já queria muito para mim também haha. Mas como sempre a moda demorou a pegar por aqui, o soutien diferente agora é conhecido como Strappy Bra! É ele que tem deixado os decotes da mulherada muito mais bonito. *___*

Strappy Bra (1)

Lá fora eles já são comercializados com variações de modelos e cores, aqui ele chegou de início para tamanhos menores. Nós mulheres que usamos plus size continuamos na espera de strappy bra para gordas.
Foi pensando nessa dificuldade de encontrar a peça desejo da estação, que eu fiz uma busca em lojas virtuais de lingerie, incrivelmente eu só achei a peça em marcas pequenas. Isso é uma prova que elas estão empenhadas em fabricar lingeries modernas para nós mulheres que usamos tamanhos plus size. . <3

fat

For All Types – F.A.T. 
Na F.A.T. já têm dois modelos, com aro e sem. Ambos também estão disponíveis também na cor rosa claro. A marca trabalha com a numeração ampla e as peças são definidas pela medida do tronco e do bojo. Acessem o site (aqui) para ver os detalhes das peças.

mseven

MSeven
A Mseven é um ateliê em Sampa que faz qualquer lingerie que você sonhe nas suas medidas, e também já tem modelos de strappy bra super lindos, lá é possível escolher a cor e o modelo que quiser e ele será feito em suas medidas. Para saber mais detalhes e orçamentos é só falar com a Monique neste perfil aqui.

Satinê

Satiné
Na Satiné tem vários modelos, mas como ainda não tem fotos em corpos eu trouxe apenas esse de referência, na página do facebook (clica aqui) é possível ver modelos e rendas disponíveis. É só mandar uma mensagem e conversar com a Marcela que vai te dar mais detalhes sobre as peças.

12033221_10205028649223415_7527708064918247641_n

The Bralette Boutique.
Já a The Bralette Boutique trabalha com bojos inteiriços e infelizmente só encontra por enquanto até o tamanho 48, então se o bojo do seu soutien for até 48 é mais uma opção. Mais detalhes aqui.

virall

Virall
A Virall traz um modelo ainda mais diferente, feito de tecido transparente e com sustentação. A marca trabalha até o tamanho 54, vocês podem ver mais peças clicando aqui.

O mais legal dessas  marcas é que quase todas elas trabalham com o tamanho que for necessário, agora as mulheres que precisam de soutien acima do tamanho 54 vai encontrar coisas lindas e não somente na cor bege já abominado hahaha, além do fato que as marcas são feitas por mulheres empreendedoras e isso é muito positivo. <3

Eu não conheço a modelagem e material de cada uma, então não posso garantir qualidade,

aconselho que tirem o máximo de dúvidas antes de comprar.*___*

Eu ainda não tenho um strappy bra, mas depois dessa busca que fiz já sei onde encontrar e vou já garantir um para mim também, a outra luta vai ser achar blusas com decotes generosos, mas isso é pauta para outro post.
Vocês gostam dessa moda? Usam ou usaria um strappy bra?

Tem alguma outra loja que tenha esse produto para me indicar? Vamos deixar o post bem mais completinho e com opções para todos os gostos e bolsos.