Categoria: Comportamento

04.08.17

Gorda Esporte Clube – O melhor time do Brasil!

Vocês já conhecem o Gorda Esporte Clube? É um projeto maravilhoso, onde uma gorda mostra sua rotina de treinos e incentiva outras pessoas a se jogarem nos esportes por prazer.
Desde que conheci eu amei e venho acompanhando o projeto, quando decidi fazer um post eu pedi a idealizadora Fabrina que contasse para vocês um pouquinho do Gorda Esporte Clube e ela contou de forma linda e não tive audácia de cortar nada e nem acrescentar.

Comecei o Gorda Esporte Clube no momento em que decidi parar de odiar meu corpo. Quando olhei para tudo que deixei de fazer por ter aprendido que ser gorda era um impedimento, vi que a maioria das coisas era relacionada a esportes e movimento. Resolvi que daquele momento em diante, faria tudo o tinha vontade. Quero correr uma maratona entre 2018 e 2020, aprender a nadar em mar aberto, andar de long board, dançar, fazer pilates, ioga.

Pesquisei sobre mulheres que falavam sobre ser gorda e ser fitness, que contrariam esse conceito higienista que temos. Não encontrei nada no Brasil, só na gringa. Decidi contar minha experiência. Sou jornalista e estou na internet desde que tudo era mato, então foi meio que um processo natural.

Todo dia é um exercício novo. Quando se é uma mulher gorda aprendemos desde cedo que não devemos ocupar mais espaço do que já ocupamos. Essa foi e ainda é a minha maior dificuldade. Ainda falta representatividade. Raramente vemos fotos e vídeos do corpo gordo em movimento sem que seja pejorativo. O nosso olhar é treinado para nos criticar e esperar que o nosso corpo reaja da mesma forma que um corpo magro. Todo dia eu me educo e reeduco para ver a minha imagem em fotos e vídeos dos treinos e corridas e entender que está tudo bem. Aos poucos vou aprendendo e entendendo o processo. Tenho planos de gravar com uma professoras de algumas modalidades. Todas gordas.

Minha maior dificuldade, no entanto, não é o tamanho do meu corpo ou a reação das pessoas. Quando eu mudei e me aceitei, as coisas se tornaram mais simples. Entendi que o problemas não sou eu, são eles. E me sinto muito mais tranquila para dizer que as pessoas gordas estão fora do ambiente esportivo por hostilidade e não preguiça.

Em poucos meses, muita coisa mudou porque eu mudei. Vivia entrando e saindo de academias e práticas que eu amava por achar que como não emagrecia, estava falhando. Por exemplo, quando conheci meu treinador atual e minha equipe (MLF de Marília), eu consegui dizer a ele que queria correr uma maratona e não emagrecer. Esse é o foco dos meus treinos. Hoje, minha dificuldade é conciliar tudo o que quero fazer do GEC, os treinos e as corridas com a vida. É o problema mais banal que existe e também uma prova de que pessoas gordas são pessoas.

Há quem duvide e quem critique? Claro que há. Mas eu fiz uma escolha e estou extremamente feliz com ela. Se eu quis emagrecer? Sim. Fiz dietas, tomei remédios, jejum, fotos de antes e depois. Eu me maltratei muito para dar aos outros o que eles queriam. Hoje, eu me priorizo sempre. Por 37 anos esse foi meu maior sonho.

Minha narrativa ainda está no começo e ela inclui participar de uma maratona entre 2018 e 2020. Hoje, meu maior sonho não é ter um corpo menor. É ter um dia maior para que eu possa incluir outros esportes e atividades no meu dia-a-dia. Desejo mais tempo para ser quem eu sou.

Vocês também já estão na torcida por ela? Para mim foi imediato, é impossível não torcer por ela e por todos os gordos que queiram se dedicar aos esportes. 

Acompanhem o Gorda Esporte Clube nos links abaixo:

Blog FacebookInstagram Twitter – Youtube

31.07.17

Visibilidade Gorda é tema da edição de 5 de agosto do Boteco da Diversidade no Sesc Pompeia

No próximo sábado acontece mais um evento maravilhoso em São Paulo, daqueles que eu fico sofrendo por morar tão longe. Mas quem mora pertinho não pode perder, ao que tudo indica vai ser babadeiro demais. *_*

O Boteco da Diversidade teve sua primeira edição em fevereiro de 2017 e traz, mês a mês, uma temática a ser debatida de forma artística e política, promovendo visibilidade de assuntos vinculados à diversidade cultural e à defesa dos direitos humanos. No dia 5 de agosto, primeiro sábado do mês, às 19h30, a Comedoria do Sesc Pompeia recebe um encontro repleto de performances sobre Visibilidade Gorda.

A sétima edição do projeto traz um diálogo artístico e político que busca reconhecer as diversas corporalidades existentes, além de expressar vivências e situações enfrentadas por pessoas gordas no Brasil. Por meio de uma linguagem poética, participantes trazem mensagens de resistência e combate à gordofobia e expõem como ela é manifestada na rotina de pessoas gordas, desde situações de convívio social e consumo até na promoção dos direitos básicos, como saúde e o transporte público.
“A gordofobia é a repulsa ao corpo gordo. É uma opressão estrutural que marginaliza esse corpo, tornando-o palco para a chacota, o desprezo e ódio através de sua invisibilização, e também patologizando-o, impedindo-o de ocupar os espaços públicos e privados por falta de acessibilidade”, explica Rachel Patrício, ex-estudante de Nutrição da Unifesp e ativista anti-gordofobia.

O Boteco da Diversidade: Visibilidade Gorda começa com discotecagem da DJ Taty Yuki. A rapper Preta Rara é a mestre de cerimônias da noite. Com exclusividade, Preta exibirá um trecho do episódio, “Ocupação GGG”, de sua nova websérie, ‘Nossa Voz Ecoa’, um programa de entrevistas para o YouTube. Com abordagem à gordofobia, o episódio será comentado pela MC e pela comunicadora, DJ e empreendedora Flávia Durante, co-curadora do projeto desse mês.

Essa edição também conta com uma performance exclusiva do grupo de dança Me Gusta, que tem em sua formação Jéssica Chamma, Joyce Cavichio, Luana Nazareth e Natália Haidamus, mulheres gordas que, por meio da dança, buscam empoderar e estimular a autoestima de outras mulheres.

O artista visual Junior Azhura fará sua performance ‘Vista-se’, em que, ao tentar vestir diversas roupas, reflete sobre a forma como a indústria da moda trata o corpo gordo, além do seu predomínio em ter como público alvo pessoas donas de um corpo magro.
O coletivo Riot Queens, idealizado para e por mulheres drag queens, traz à Comedoria as artistas drags Cherry Pop e Ginger Moon.

Ambas trazem uma performance com seleção musical que reflete a vivência e o empoderamento da mulher gorda. A apresentação das duas conversa com a de Draga da Quebrada, que aborda a temática também usando da imagem e expressão da arte drag, apresentando um monólogo que interligue o movimento LGTBQ+ e a questão da gordofobia.

Ao final do Boteco, Preta Rara fará um pocket show com músicas de seu álbum, ‘Audácia’, acompanhada da tradutora de Libras Karina Zonzini. Será a primeira vez que Preta fará uma apresentação com tradução na linguagem ao vivo.

Serviço:
Boteco da Diversidade: Visibilidade Gorda
Dia 5 de agosto, sábado – 19h30
Comedoria
Grátis. Retirada de ingresso com uma hora de antecedência.
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 18 anos.
Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93.
Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia
Evento https://www.facebook.com/events/792814880904037

 

Quem tiver oportunidade não deixem de comparecer, aproveitem para curtir muito (por mim também) com esse montão de gente maravilhosa.

27.07.17

O seu valor não se mede por medidas e nem por um número na balança!

Então não espere o cabelo perfeito, a roupa impecável, a make de capa de revista, o corpo igual ao da modelo para conquistar o mundo, para conquistar o “seu” mundo.

 

Oieeeee, eu sou Pri Coelho, coach de auto estima e alimentação consciente. Estou muito feliz por contribuir com o Beleza sem Tamanho, um blog com muito conteúdo bacana que trata de forma leve e divertida a beleza e nossa essência sem distinção. Afinal, nosso valor não se mede por medidas e nem por um número na balança, né?
Todas nós sabemos o quanto o universo conspira a nosso favor, esta é uma postura positiva que temos em relação a vida, mas nem todos os dias as coisas acontecem assim. Não é todo dia que o cabelo está maravilhoso, que o caimento da roupa é perfeito ou que acertamos a make de primeira rsrsrs.
Durante todas as tentativas que fazemos com a intenção de acertar às vezes erramos. Nesses dias podemos acionar o botão do pensamento positivo, clarooooo que não vai ser fácil, mas eu garanto a você que se você tentar, tentar de novo e de novo com muito treino e repetição você vai conseguir. O botão do pensamento positivo é poderoso, ele é capaz de fazer você enxergar uma nova possibilidade, uma nova perspectiva para encarar qualquer adversidade de uma forma leve e criativa. Acredite em mim!
Você conhece aquela história do copo com água até a metade, onde para os otimistas o copo está quase cheio e para as pessoas pessimistas o copo está vazio? É a mais pura verdade!
Frustração pela impossibilidade de ter um dia “perfeito”, sem pedrinhas pelo caminho faz com que a gente bloqueie todas as novas possibilidades, inclusive as surpresas positivas que podem vir a acontecer. Procure olhar para o outro lado, o melhor pode estar ali.

Independente dos resultados do seu dia, do seu mês e do seu ano acredito que se você encarar com leveza, humor e positividade a vida estará aproveitando o aqui e o agora de forma fundamental sem postergar a felicidade, sem ser vítima de você mesma. Ninguém quer ser coadjuvante porque nascemos e somos responsáveis por ser protagonistas da nossa história.

Se não você, quem? Se não agora, quando?

Beijo, e uma vida criativa pra você!

Pri Coelho

 

26.07.17

Guest Post: O Miss Bariátrica e a minha vivência

Essa semana rolou na mídia televisiva uma matéria sobre um suposto concurso de miss bariátrica, a matéria foi ao ar num programa de grande audiência do maior canal de TV aberta do país e me fez questionar muitas coisas.
Eu como mulher gorda e gastroplastizada me senti no direito de me manifestar a respeito desse concurso e contar um pouco sobre a minha vivência e também sobre o que os médicos não falam por aí.

Muito me preocupa o fato de se vender essa cirurgia por aí sem critério algum, uma cirurgia que está na escala das 5 cirurgias mais perigosas está sendo feita de forma banal como solução para emagrecimento definitivo, para encontro da felicidade perfeita e por fim da famigerada saúde, afinal ser gordo é ser doente!
Nunca se ressalta a quantidade de problemas que se adquire pós cirurgia, a quantidade de pessoas que eram saudáveis e ficaram doentes pós cirurgia, a quantidade de pessoas com sequelas severas e irreversíveis e por fim a quantidade de óbitos, que quando eu operei era de 1 pra cada 10 pessoas e sim essa é uma porcentagem absurdamente alta quando você considera que quase todas as pessoas que operam são mulheres jovens e saudáveis, como foi meu caso, e que estão optando pela bariátrica por pressão estética da família e da sociedade.

Não, de forma alguma sou contra o procedimento em si, acredito de verdade que ele salva muitas vidas, mas sei também que ele acaba com tantas outras, como foi o caso da minha mãe, ela como quase todo mundo, passou pelo processo todo de avaliação psicológica e afins, (essa baboseira toda que a equipe médica diz que avalia a fundo se o paciente está de fato apto a ser submetido ao procedimento cirúrgico, mas que no fundo não existe de fato um estudo real do paciente e isso tudo é só pra constar ou pra dizer que houve sim uma boa avaliação prévia) ela tinha depressão, teve várias complicações pós cirurgia, deprimiu mais ainda e sim isso agravou o quadro dela e a levou ao óbito.

Posso dizer que vi dois ou três casos que foram vetados pelos psicólogos e equipe médica dentre as dezenas de casos de operados que conheço. Em compensação a quantidade de pessoas que vejo com depressão pós cirurgia, com vícios em drogas, álcool, cigarro, compulsão por compras, anorexia, bulimia, etc. é enorme. Isso sem contar os problemas metabólicos, vitamínicos, reganho de peso, a tal síndrome de dumping e outras síndromes que são adquiridas pós cirurgia e que sequer os médicos se interessam em resolver. O discurso é sempre o mesmo de que o paciente não se alimenta bem, não se cuida, não tem vergonha na cara, não se esforça, toda reprodução gordofóbica de sempre. Obviamente é muito mais fácil tratar o paciente como culpado do que tentar investigar de fato o que ocorre com aquele indivíduo e o porquê dele estar passando por tais problemas.

O Miss Bariátrica e a minha vivência

Será que eu poderia participar do Miss Bariátrica? É só uma curiosidade…

Voltemos agora a questão do Concurso Miss Bariátrica – Parem e analisem a gravidade disso!
Um médico (que diga se de passagem, nem de longe tem um físico atlético) promovendo um concurso de beleza baseado em uma cirurgia altamente grave. Um procedimento arriscado, caro, com muitas consequências, está sendo vendido como beleza, como felicidade, como bem-estar. Falta critério na indicação de quem deve ou não fazer essa cirurgia, falta respeito pela escolha de querer ser gordo e feliz e saudável sim. Incentivar e submeter pessoas jovens e saudáveis a esse tipo de coisa deveria ser crime!

Ouvi pessoas exaltarem o concurso dizendo que era em respeito à diversidade, não existe diversidade alguma em promover algo que coloca em risco a vida de pessoas saudáveis em detrimento de uma aparência que entre nos moldes midiáticos e sociais. Não se trata de diversidade, se trata de vender produtos, tratamentos, se trata de dinheiro, se trata de fazer de novo e mais uma vez nós mulheres acreditarmos que só teremos valor se formos obedientes, se fizermos exatamente o que a mídia, a medicina e toda a indústria, interessada só em encher os bolsos de dinheiro, nos manda fazer.

Vamos questionar as coisas, se você quer emagrecer, você tem todo direito a isso, existem muitos recursos para isso, mas pense se vale a pena você que é saudável se submeter a uma bariátrica para passar o resto da vida com carência e absorção de vitaminas, síndromes de dumping e afins, queda de cabelo brusca, unhas quebradiças, entalando com muitos alimentos sempre. Que preço você está disposto a pagar em nome na satisfação alheia?

 

Gabriela Tayah

 

 

29.06.17

Remédios para emagrecer

remedios para emagrecer

 

Esse é um assunto polêmico, portanto acho melhor deixar claro alguns pontos antes de começar o texto.

  1. Eu não sou médico, sou nutricionista.
  2. Minha intenção não é indicar ou contra-indicar qualquer tipo de medicamento nesse texto, mas sim trazer algumas reflexões que acho interessante para as pessoas não-médicas fazerem.
  3. Nutricionista nenhum pode prescrever medicamentos, isso é proibido.
  4. Os profissionais da alimentação devem saber como eles funcionam e qual o impacto que isso tem na alimentação, corpo e saúde geral da pessoa.
  5. Embora só os médicos possam prescrever medicamentos, esse é um assunto que diz respeito a todas as pessoas da sociedade.
  6. O foco do texto é o uso desses medicamentos para emagrecer.

Por que estamos falando disso?

Em outubro de 2011 alguns medicamentos para “controle de peso” e “inibir o apetite” foram impedidos de serem comercializados no Brasil e outros sofreram um ajuste de prescrição mais rigoso: anfetamínicos (anfepramona, femproporex e manzidol) e sibutramina, respectivamente.

O motivo de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) “com base em estudos internacionais que constataram a baixa eficácia desses medicamentos na perda de peso e riscos à segurança do paciente”, especificamente “os riscos à saúde oferecidos por esses remédios, como problemas cardíacos e alterações no sistema nervoso central, superam o benefício da perda de peso” ¹. Percebam que as pessoas que participaram desse veto não eram size friendly, mas mesmo assim reconheciam riscos importantes.

Nesse meio tempo esses medicamentos continuavam sendo usados ilicitamente, algumas vezes por pessoas que decidiam tomar elas por conta própria e compravam no “mercado negro”. Outras vezes prescrito por médicos, infelizmente. Eu já era nutricionista nessa época e atendi inúmeras pessoas que fizeram uso desses medicamentos nesse período.

Nesse mês (Junho/2017) esse medicamentos voltaram a ser permitidos no Brasil e isso gerou uma série de debates² . Muitas associações médicas se mostram contra a proibição dessas medicações desde o início.¹

É importante salientar que quem proibiu em 2011 foi a ANVISA e quem liberou em 2017 foi um projeto lei sancionado pelo presidente em exercício. A ANVISA ainda permanece contra e afirma que esse projeto é inconstitucional³.

A primeira questão aqui é: o quanto o Congresso tem de capacidade técnica para decidir se uma substância é mais ou menos danosa à saúde?

Segunda questão é: será que não pode ter rolado uma pressão de algumas indústrias farmacêuticas (que possivelmente financiam campanhas ou fazer acordos políticos com atuais representantes do congresso) para que esses medicamentos fossem novamente liberados, logo para serem prescritos, para a galera ganhar mais dinheiro com consultas e prescrição de remédios?

Terceira questão: as substâncias são as mesmas e o nosso corpo é o mesmo, o que fez essas substâncias serem consideradas perigosas em 2011 aqui no Brasil e 2017 não mais? (PS: Algumas dessas medicações são proibidas há quase 20 anos na Europa e nos Estados Unidos²)

remedios para emagrecer

Você pode e deve questionar sobre alguma medicação que está sendo prescrita

Muitos profissionais não gostam de serem questionados, mas o próprio Conselho Federal de Medicina diz que essa lei “respeita a automia dos médicos e dos pacientes na escolha de procedimentos terapêuticos ‘reconhecidos e válidos’”.³

Vamos fazer valer esse direito? Converse com o médico: eu quero saber mais sobre esse medicamento; eu não quero tomar isso; eu prefiro não usar essa medicação; etc.

E se você não se sentir confiante, procure uma segunda opinião. Ou terceira, ou quarta… Até que você fique satisfeitx com o que foi acordado com você.

Cuidado com as “fórmulas”

Fique atentx principalmente quando o assunto for fórmula manipulada. Não é comum ler ou perguntar o que tem nas fórmulas, mas é preciso.

Mesmo se você não for ao médico para emagrecer, às vezes fica “implícito” pelo fato de ser gordx, que aquilo é necessário ou que você deseja.

Procure saber os efeitos colaterais

Leia a bula. Fomente discussões em fóruns. Converse com pessoas que já usaram pra decidir se você topa ou não o que vem junto do uso desses medicamentos. Alguns efeitos colaterais comuns das anfetaminas são taquicardia (sensação do coração batendo rápido, sentir que ele vai sair pela boca), agitação, insônia, transtornos psiquiátricos, elevação da pressão arterial, etc.

Minha experiência, enquanto nutricionista

O que eu posso falar do que acompanhei dos meus pacientes ao longo desses quase 10 anos, durante o uso de algumas dessas medicações e muitos após anos de parar de usar com o intuito de emagrecer.

Sim, eles emagrecem e muito rápido. Porém a pessoa reganha esse peso na mesma velocidade quando interrompe o tratamento. E o uso da segunda vez nunca produz o mesmo efeito (em termos de emagrecimento), assim como o terceiro e assim por diante.

Algumas pessoas desenvoveram ou potencializaram quadros psiquiátricos (depressão, síndrome do pânico, etc) após alguns meses ou anos da interrupção do uso desses medicamentos.

Muitos amigos médicos me disseram que esses casos são de pessoas que fizeram um uso incorreto da medicação. Isso eu não posso afirmar sobre quem eu acompanhei. Mas eu nunca atendi uma única pessoa que tenha emagrecido e mantido o peso com essas medicações que foram aprovadas. Não significa que elas não existam, mas a maioria foi como eu descrevi acima (fiz um cálculo mental rápido e só nos ultimos 6 anos eu atendi um total de aproximadamente 5 mil pessoas – apenas algumas usavam ou tinham usado essas medicações).

O desejo de emagrecer pode ser sedutor, mas fiquem atentxs para o que esse pacote trará para sua vida, não apenas hoje, mas amanhã, o mês que vem e o ano que vem. O corpo é seu, a saúde também.

 

¹ http://www.brasil.gov.br/saude/2011/10/anvisa-decide-banir-emagrecedores-a-base-de-anfetaminas-mas-libera-sibutramina

² http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/sibutramina-e-remedios-para-emagrecer-entenda/219201/pop_up?_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_viewMode=print&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_languageId=pt_BR

³ http://www.farmaceuticas.com.br/presidente-em-exercicio-sanciona-lei-para-liberacao-de-anorexigenos-mas-anvisa-afirma-que-e-inconstitucional

 

https://www.facebook.com/nutricionista.cezar/