Tag: plus size

11.08.15

Polêmica: Preconceito de empresas com mulheres gordas!

Ontem me deparei com uma matéria que questionava se era exagero ou não das consumidoras, ao julgaram que empresa foi preconceituosa nas imagens de divulgação destas calças.
Preconceito de empresas com mulheres gordas (2)

Preconceito de empresas com mulheres gordas (1)

 

O anúncio estava no Aliexpress e causou muitas críticas de consumidoras de tamanho plus size, por ser um meio bem sem noção de mostrar que a calça serve  em gordas.  É sem dúvida lastimável a forma como o gordo ainda é tratado na publicidade de produtos especialmente para eles, este caso é horrível e demonstra como a gordofobia pode ser cruel, um produto que deveria se mostrar bom para a cliente se mostra algo que reduz a mulher gorda apenas ao dobro de uma magra.

Infelizmente todos os dias precisamos lidar com empresas que usam modelos muito distante de suas consumidoras.

Ontem um pouco antes de ver essa matéria, me enviaram uma publicação de uma marca plus size, lá as consumidoras se queixavam do fato da modelo não ser plus size.

Sei que essa discussão está batida já e chega a ser cansativo ver mulheres pedindo representatividade e as marcas ignorando.  No entanto neste caso em específico a empresa afirmava que a modelo usa tamanho 48 e isso pode até ser verdade (visto que é o menor tamanho da marca) mas só é possível se tiver sido feito ajustes para as fotos.

Quando a empresa escolhe uma mulher magra para entrar em 2 pernas da calça e mostrar que cabe em uma gorda é um desrespeito e uma falta de noção enorme. Mas quando uma empresa usa uma mulher 42/44/46 e afirma que ela é 48 e não avisa dos ajustes que foram feitos na peça para que saíssem legal na foto, a empresa está agindo de forma desonesta ao iludir suas clientes que vestem o tamanho 48 que a peça vai proporcionar aquele caimento.

Se a peça não pode ser mostrada pela empresa em um corpo de GORDA, é um bom alerta para que a gente desconfie se aquela peça foi realmente pensada e modelada para vestir um corpo gordo.

Pode usar modelo 44 em marcas plus size sim! Mas use também uma 50 e outra 56!

Os manequins citados são de forma ilustrativa, o que eu e todas as consumidoras gordas queremos ver é a diversidade de corpos. Só assim as empresas vão mostrar que não querem apenas o dinheiro da mulher gorda, mas querem também que ela se sinta valorizada em sua publicidade.

 

beda

03.08.15

Lollaboo – Uma marca de Gordas para Gordas!

Hoje eu pude conhecer mais da história da Lollaboo e vibrar com a conquista das meninas que agora possuem uma lojinha no Vitrine Catraca, para esse lançamento foi feito um editorial com três mulheres gordas de biótipos de diferentes e ficou uma coisa MARAVILHOSA. <3
Confiram as fotos na galeria e vejam se concordam comigo.

lollaboo

Como vocês acompanharam aqui no blog já, eu tive a oportunidade de fazer vários looks com as peças da Lollaboo. Aproveitei para usar peças que jamais imaginava usar um dia e a sensação é de liberdade, que nós também podemos usar o que quisermos. E embora eu ache desnecessário avisar, este post não me traz nenhum retorno financeiro, mas traz um grande prazer em poder estar acompanhando o sucesso de uma marca que realmente pensa nas Gordas como eu e como vocês.

Neste vídeo abaixo as criadoras da marca contam como tudo aconteceu. Não deixem de apertar o play.

É a primeira marca plus size a usar mulheres maiores que o tamanho 50 em toda a sua publicidade, a Lollaboo realmente acredita que a Beleza é sem Tamanho e que não importa se você pesa o dobro ou mais do que o IMC sugere, na Lollaboo você vai vestir o que vocês quiser.

Eu ainda não conheço as meninas ao vivo, mas já tenho um carinho imenso pela revolução que elas estão trazendo para a moda plus size, espero de <3 que muitas marcas as copiem logo, eu quero ver muita #RepresentatividadeGorda no meio plus size.

Vocês já conheciam a marca? Contem-nos o que acharam dessas modelos maravilhosas, vestidas com roupas modernas que até parecem gringas *___*

 

 

Créditos:

Vídeo e fotos: Helo Takats e Latoya Winnie
Marca: Lollaboo – compre as peças aqui.
Modelos: Mayara Efe, Letícia Rodrigues e Bia Gremion

beda

30.07.15

Apesar da Crise, moda plus size segue em ascensão!

MotivaçãoO título deste post é uma referência ao novo título preferido dos jornalistas, não sou jornalista e nem economista, mas hoje quero falar um pouquinho sobre a crise e o que está acontecendo e o mercado plus size.
Eu não tenho nenhuma pesquisa com estes dados, mas de acordo com o que vejo a maioria das lojas e confecções plus size nasceram da necessidade pessoal de alguma mulher, que viu na falta de opções para se vestir um mercado em expansão.
Isso significa que mais do que lucros, essas empresas são o resgate da autoestima de mulheres, tanto da idealizadora, como de cada uma das clientes. Lógico que existem empresas já pensadas somente nos lucros, mas ao menos pelo que percebo ainda são a minoria no nosso mercado.
Nos último 40 dias eu vi 5 mulheres desistir de seus sonhos e fechar suas empresas (duas lojas físicas e 3 virtuais), a crise foi sem dúvida um fator determinante de temor de todas elas e também impulsionou a queda nas vendas…. Esse é o pensamento comum do brasileiro, mas será?
Posso estar sendo otimista demais, mas infelizmente eu vi e acompanhei muita gente que em 2015 demonstrou não estar motivado o suficiente para manter um negócio próspero.

Pode parecer papo de autoajuda, mas quem compra de uma marca que está cada dia mais ausente nas suas próprias redes sociais? Quem compra da vendedora sem motivação?

Ao menos para mim fica a idéia que nem o dono do produto acredita mais na importância dele para o cliente e com isso a empresa fica com um aspecto murchinho e vai se apagando a cada dia até o fim.
Na contramão eu vejo uma empresa como a da Sara Leite (Sacoleira Plus Size), que começou com um estoque pequeno que cabia em seu guarda roupa e hoje já tem 2 lojas físicas e uma virtual, mas eu nunca percebi um dia sequer, em que ela não estivesse divulgando empolgadamente suas lojas e suas sacoletes.
Não vou negar que vivemos um momento de crise, mas como pude confirmar o que eu já pensava ontem com algumas leitoras nessa publicação abaixo, com crise ou sem crise a maioria ainda compra roupa nova.

 Apesar da Crise…Quando foi a última vez que vocês compraram uma roupa nova?

 

Como sei que o blog tem acesso de muitas mulheres empreendedoras seja do mercado plus size ou não, o que eu quero dizer com esse post é:

Não desista do seu sonho! Se motive nas dificuldades e sobressaia-se no mercado, pois o mercado está aí gerando lucros, mas os consumidores querem o melhor e ninguém compra algo que não seja anunciado com motivação.
Para completar o post e tudo que eu acredito sobre como não devemos agir em um momento de crise, deixo para vocês essa fábula. <3

vendedor de cachorro quente e a crise

 

“

29.07.15

Tess Holliday e os vigias da saúde alheia!

Que a Tess Holliday é um sucesso todo mundo já sabe, né? Essa diva plus size empodera mulheres em todo o mundo, mostrando que é possível ser LINDA, GORDA, MARAVILHOSA e muito mais. *___*
Mas como o mundo é cheio de gente gordofóbica, ela sempre sofre com inúmeros comentários em repúdio ao corpo gordo e muitos deles questionam a sua saúde. A bela não se abala e segue fazendo seu trabalho com posicionamentos em prol da aceitação em todos os corpos.
Hoje esbarrei em uma matéria do Uol sobre ela e o que um “Guru” de dieta fala sobre isso, achei que era mais do mesmo. Só que foi uma baita surpresa em ler que um médico brasileiro contestava os argumentos vagos do outro médico, com um discernimento maravilhoso. <3 É por isso, que reproduzo abaixo o texto na íntegra.

Tess Holliday (2)

Para “guru da dieta”, top plus size faz esquecer perigo da obesidade – Por Thais Carvalho Diniz (retirado daqui). 

Em uma entrevista polêmica à versão on-line do jornal britânico “Daily Mail”, Steve Miller, conhecido como “guru das dietas”, criticou o sucesso da modelo plus size Tess Holliday. Segundo ele, enaltecer a top significa tornar a obesidade normal, esquecendo os riscos que ela traz à saúde. Para Bruno Halpern, endocrinologista e diretor da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), a declaração de Miller reforça o preconceito contra pessoas acima do peso e não é totalmente verdadeira, já que é possível ser obeso e saudável.

De acordo com Halpern, ao perder 10% do peso –e adotando uma dieta equilibrada combinada à prática de exercícios físicos–, muitos obesos tornam-se saudáveis, a despeito de continuarem ostentando os quilos a mais. Segundo o periódico britânico, Tess se exercita com um personal trainer quatro vezes por semana e gosta de caminhadas e de natação.

Aos 29 anos, Tess tem 1,65 m de altura e veste manequim 58. Em janeiro deste ano, ela assinou contrato com a respeitada agência britânica MiLK Management, o que fez o assédio e a fama aumentarem.

A modelo americana é reconhecida no mundo da moda e foi nomeada pela “Vogue Itália” como uma das plus size mais influentes. Ela participou de uma campanha para a marca de cosméticos Benefit e também foi fotografada por David LaChapelle, renomado fotógrafo americano, para um projeto futuro. Nas redes sociais, Tess possui mais de um milhão de curtidas em sua página do Facebook e 800.000 seguidores no Instagram.

Miller reconhece que Tess desafia os padrões estéticos da indústria da moda e da beleza, mas afirma que isso não faz do excesso de peso uma coisa boa. “Ser obeso é perigoso, assim como ser excessivamente magro. Porém, a aceitação da gordura extrema que Tess está promovendo fará com que as estatísticas de obesidade aumentem”, declarou ao site de notícias. “A última coisa de que precisamos é ver uma plus size nos mostrando o quanto é legal comer ‘junk food'”, disse.

Halpern afirma que não é porque a pessoa é gorda que ela come mais do que alguém com peso adequado. A obesidade envolve mais do que a vontade do indivíduo. Há fatores como a genética. “A chance de um indivíduo obeso alcançar a faixa ideal de IMC (índice de massa corpórea) é muito pequena –com exceção de casos cirúrgicos. Por isso, a partir do momento que você é obeso, o importante é conseguir melhorar a saúde e não ter vergonha de si mesmo“, declarou Halpern em entrevista ao UOL Comportamento.

O brasileiro também afirma que a tese do inglês é uma bobagem: ninguém vai desejar ser gordo simplesmente porque a modelo o é. “A obesidade é uma doença e não uma escolha ou hábito de vida. É importante discutir os riscos relacionados ao problema (como maior risco de problemas cardíacos e câncer, por exemplo), mas estigmatizar os gordinhos não é certo. Eles precisam ser tratados e, mais do que isso, precisam ter orgulho do que são”, disse o especialista.

Halpern espera que mais modelos como Tess apareçam no cenário mundial. “Para as pessoas em geral, é mais importante ter estratégias para não engordar do que tentar emagrecer depois, pois perder peso é muito difícil. Especificamente para os que têm excesso de peso, eles podem se sentir bem ou não com sua doença, mas colocá-los à margem da sociedade não vai ajudar em nada. Isso só aumenta o preconceito”, declarou o diretor da Abeso.

 

Tess Holliday (3)

Então para quem ainda não aprendeu a se amar, aconselho a seguirem hoje mesmo a recomendação médica do Dr. Bruno Halpern, busquem a saúde em qualquer corpo e não se envergonhem da própria imagem.

24.07.15

Releitura de “Beleza Americana” com diversidade de corpos!

A imagem da atriz em um “mar” de rosas no filme Beleza Americana é sem dúvidas algo maravilhoso, lembro de que em 2007/2008 eu tive a oportunidade de conhecer uma reprodução desta cena com uma mulher gorda e foi apaixonante. <3

Até hoje eu considero uma das imagens de mulheres plus size mais lindas que já vi, mas ela foi feita em um contexto negativo para ajudar a vender iogurte light haha e mesmo amando a imagem ela perdeu a graça, afinal vinha com o slogan bem ridículo que falava que mulheres bonitas não eram gordas. E eu já sabia que isso era mentira, e inaceitável uma foto linda dessa para me dizer que a moça não poderia ser desejada.

capa beleza americana Beleza Americana GG

Ontem fui brindada com um post do HuffPost (aqui) com a iniciativa da fotógrafa Carey Fruth, que resolveu recriar aquela imagem marcante do cinema, só que ao invés de escolher uma modelo apenas, ela escolheu várias. Assim, ela mostrou com a diversidade de corpos, que a beleza é mesmo muito ampla. <3
Abaixo selecionei 10 imagens para compartilhar com vocês deste ensaio. *___*

Beleza Americana com diversidade de corpos (12) Beleza Americana com diversidade de corpos (11) Beleza Americana com diversidade de corpos (10) Beleza Americana com diversidade de corpos (8) Beleza Americana com diversidade de corpos (7) Beleza Americana com diversidade de corpos (5) Beleza Americana com diversidade de corpos (4) Beleza Americana com diversidade de corpos (3) Beleza Americana com diversidade de corpos (1)Beleza Americana com diversidade de corpos (14) Beleza Americana com diversidade de corpos (13)

As fotos tem sim edição, mas preserva o biótipo de cada mulher, nos mostrando que a diversidade da beleza é uma realidade. *___*
Eu sou declaradamente apaixonada por iniciativas que exaltam a diversidade e eu gostei muito deste, a única coisa que mudaria seriam as flores que eu manteria no vermelho.
Espero que muita gente se inspire, para que possa ter mais fotos lindas como essas para divulgar.