17.05.17

Embrace: corpo e comida

 

Essa semana finalmente assisti o documentário Embrace, disponível no Netflix, e encontrei alguns pontos muito importantes para compartilhar com vocês sobre a relação corpo e alimentação.

Taryn Brumfitt, a “protagonista” do documentário, visita alguns lugares do mundo em busca do porquê as mulheres são tão insatisfeitas com seus corpos. O documentário e o interesse de Taryn iniciam-se por uma vivência pessoal.

O seu ponto central foi a maternidade e as mudanças que ela provocou em seu corpo e com isso passou a odiá-lo em um primeiro momento. Em um momento seguinte ela toma medidas radicais – dieta rigorosa e exercícios físicos – e consegue modificar o seu corpo. Assim que o consegue faz uma séries de reflexões e acredita que o sacrifício para ter um “corpo perfeito” não vale a pena.

Acho importante ressaltar que a vivência de Taryn, na Austrália, não é diferente do que eu já vi aqui no Brasil ao longo destes anos de atendimento nutricional. Talvez porque mensagens como essa (imagem abaixo) são frequentes e imprimem uma forte cobrança sobre as mulheres: engravide mas esteja linda e feliz o mais rápido possível, afinal é só querer!

(A imagem mostra a frase “Qual é a sua desculpa” e a idade de cada um dos respectivos filhos)

O documentário segue falando sobre muito pontos importantes, alguns deles relacionados à alimentação.
Sobre o comer, o ponto mais importante no documentário é o não comer. Em diversos momentos, pessoas relatam que nesse percurso de odiar o próprio corpo, que às vezes se confunde com cuidar da saúde, é muito comum não comer.
Em um momento uma mulher com anorexia nervosa (uma doença grave do campo da saúde mental) dá um depoimento dizendo que não comer é, entre outras coisas, um jeito de não se tornar uma garota gorda que todas as pessoas ficam tirando sarro. O medo de ser alvo de preconceito é tão grande, que contribui para que pessoa fique com fome durante muitos períodos. A anorexia nervosa, assim como os outros transtornos alimentares, são casos extremos desse contexto. A maioria das pessoas não chega a esse ponto, mas não significa que não sofram.

Uma modelo também dá seu depoimento contando sobre comer coisas que não são alimentos como um método comum para evitar comer comida. No caso, ela dá o exemplo de bolas de algodão embebidas em Gatorade. Sim, elas comiam isso para enganar a fome, com medo de engordar, o que causava muitos problemas à saúde física. Percebam que medo de engordar, qualquer que seja a quantidade é visto como ruim.
Uma psicóloga traz um dado importante: o panorama da guerra contra a obesidade de muitas formas contribui para que as pessoas sintam medo terrível de engordar. Aqui se misturam as questões de saúde (“Eu tenho medo de engordar porque quero ter saúde”), questões de medo de ser alvo de preconceito (“Eu tenho medo de engordar porque não quero que as pessoas riam de mim”), questões de padrão de beleza (“Eu tenho medo de engordar porque não quero me sentir feia”).

A ativista e professora Linda Bacon também contribui explicando sobre o ciclo de como as dietas se relacionam com o peso de uma maneira muito ruim. Eu já falei sobre esse ciclo no post passado.
A alimentação que é fantástica. Ela nos ajuda a manter nosso corpo nutrido, ter prazer, compartilhar relações sociais, lembrar de nossas origens e tantas outras coisas… No documentário fica claro do quanto isso é arruinado na tentativa de não ficar gorda ou ter um corpo perfeito. E como a comida está presente em quase todos os campos da nossa vida é fácil entender como esse descontentamento com o corpo gera um efeito colateral importante em todos os âmbitos da vida.

A mensagem do filme é clara: aceite quem você é!
Aqui vou ser mais ousado: aceite quem você é, e se possível coma normalmente!
O que é comer normalmente?
“Comer normalmente é ser capaz de comer quando você está com fome e continuar comendo até você ficar satisfeito. É ser capaz de escolher os alimentos que você gosta e comê-los até aproveitá-los suficientemente – e não simplesmente parar porque você acha que deveria.
Comer normalmente é ser capaz de pensar um pouco para selecionar alimentos mais nutritivos, mas sem ser tão preocupado e restritivo a ponto de não comer os alimentos mais prazerosos.
Comer normalmente é dar permissão a você mesmo para comer às vezes porque você está feliz, triste ou entediado ou apenas porque é tão gostoso.
Comer normalmente é, na maioria das vezes, fazer três, quatro ou cinco refeições por dia, ou deixar a sua fome guiar quantas vezes vai comer ao longo do dia. É também deixar de comer algum pedaço de bolo porque você pode comer mais amanhã ou então comer mais agora porque ele é maravilhoso enquanto ainda está quentinho.
Comer normalmente é comer em excesso às vezes e depois se sentir estufado e desconfortável. Também é comer pouco de vezes em quando, desejando ter comido mais. Comer normalmente é confiar que seu corpo conseguirá corrigir os pequenos ‘erros’ da sua alimentação. Comer normalmente requer um pouco do seu tempo e atenção, mas também ocupa o lugar de apenas uma área importante, entre tantas, de sua vida.
Resumindo, o “comer normalmente” é flexível. Ele varia em resposta às suas emoções, sua agenda, sua fome e sua proximidade com a comida e seus sentimentos” tradução livre, adaptado de Ellyn Satter em Secrets os feeding a healthy family: how to eat, how to raise good eaters, how to cook.
Aceitar o corpo e comer normalmente precisam caminhar paralelos, pois eles fazem parte do mesmo sistema, então geralmente quando as coisas estão boas para um é mais provável que fiquem boas para o outro.
Reflita, pense e discuta sobre os padrões de corpo, mas também sobre os padrões do que é saudável ou não e do que é comer bem ou não! Assim vamos construindo um mundo mais plural, feliz e saudável!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *