Tag: gordofobia

19.05.15

Pelo direito de cada um cuidar da sua própria Saúde!

Eu não sei vocês, mas eu estou cansada de um mundo onde muitos magros, apontam gordos de 80kgs como doentes, mas esses mesmos gordos de 80kgs apontam os de 100kgs ou mais também como doente. E ao mesmo tempo pouco se repreende quem bebe, fuma e faz sexo sem camisinha entre outros malefícios que é constantemente causado a saúde e socialmente aceito. Queria entender em qual momento vocês que julgam corpos, aprenderam que após ver uma foto de uma pessoa mais gorda que você é preciso que você a oriente cuidar da saúde? Pois quem te ensinou isso estava errado, sinto muito. Eu te convido a deixar esse conceito fálico de lado e começar a pensar fora do senso comum. Dá trabalho desconstruir o que aprendemos como verdade uma vida inteira, mas é gratificante ver o mundo sem os óculos do preconceito. Essa gorda abaixo é uma mulher linda, um pouco maior que eu e talvez que a maioria de vocês e ontem quando postei sobre ela na fanpage comentando que ela já tinha recebido comentários desnecessários em outra página, eu ainda me deparei com comentários relacionados à saúde dela. Pelo direito de cada um cuidar da sua própria Saúde! Mesmo que ela tenha algum problema de saúde relacionado ao peso, ou possa vir a ter, isso é um problema exclusivamente dela e não vai adiantar nada a preocupação de quem comenta, na verdade essa preocupação que muitos demonstram mais se enquadra é na Gordofobia, não que vocês que falem isso odeiem gordos, mas vocês estão sim reproduzindo o discurso de Gordofobia e isso é bem triste e precisa parar. Assim, como existem vários estudos focados que ser gordo é sinônimo de doença, existe também vários que mostram que isso não é a verdade. Mas quem quiser realmente aprender um pouco mais sobre isso e até usar para sua vida eu convido a conhecer o site HAES, que embora seja em inglês com um tradutor a gente entende tudinho e percebe que é sim possível ser saudável gordo. Não sei se a moça da foto é saudável, sei apenas que é Gorda e Linda! Não tenho informações para julgar a saúde dela. Só posso falar por mim, não corro uma maratona, mas tenho sim a saúde em dia e estou bem além dos temidos 100kgs, isso não me impede de ter uma vida sem doenças relacionadas ao meu peso. Hoje eu convido mais uma vez a cada um de vocês que vão ler este post, vamos para de julgar a saúde do outro sem sermos capacitados para isso? E lembrar também que mesmo doente cada um merece ser feliz? Se todos nós formos mais compreensivos de forma geral e parar de julgar o que difere do nosso espelho, eu não tenho dúvidas que seremos ainda mais felizes.

11.05.15

Bullying Na Família – GorDivah No Ar

Bullying na família? É sobre isso que vamos conversar, mas nunca se esqueçam que muitos dos ataques que sofremos é apenas frustrações pessoais de quem nos ataca.

Bullying de estranhos já é barra de se aturar, imagina quando somos alvo de chacota em família? O pior para aturar esse abuso é em casa, no lugar que deveria ser o mais seguro do mundo, pequeno universo em que deveríamos ser aceitos e não julgados!! Mas você não de se intimidar e baixar a cabeça só porque é sua família que está te tratando com preconceito! Abra seu coração com eles, dialogue, escreva cartas, espalhe bilhetes pela casa, grave u vídeo pra mostrar pra eles como se sente. Se expresse e se imponha!

bullying-na-família

 

Não é porque são seus parentes que você deve abaixar a cabeça e engolir um monte de preconceito que poderá te fazer mal depois. responda, com educação, delicadeza, respeito, mas responda! Não admita o preconceito em família, não aceite isso como normal ou comum! Solte a voz e bote a boca no trombone!

 

 

 

Beijos Queen Size,

Claudia GorDivah

07.05.15

Problematizando a palavra “Gordinha”.

“Juliana? Qual delas?”
“Aquela gordinha, dona de uma loja de roupas plus size”.
Hoje me peguei pensando nas palavras “Gorda” e “Gordinha”. Acredito que há ponderações que posso fazer sobre o termo “Gordinha”. Posso até estar inventando alguma moda aqui, mas, no meu entendimento, a não ser que você esteja uns 8 kg acima do seu peso, vc não é gordinha, é gorda. G-o-r-d-a.
E eu, gorda aqui que vos digito, acho importantíssimo perdermos o medo desse adjetivo, pois ele nomeia uma característica do nosso corpo. E é fruto também de incontáveis olhares feios, cagações de regra e frases prontas como a de “Não é por estética, Mas…”
Não devemos nos ofender com a palavra Gorda. A partir do momento que assumimos com todas as letras esse nome, ele perde a conotação negativa e passa a ser uma fonte de empoderamento e libertação dos padrões limitados de beleza da sociedade contemporânea.
Quando aceitamos ser chamadas de gordinhas, estamos aceitando aquele 48/52 que aperta, estamos anulando a voz e existência de pessoas, corpos, almas de tamanhos diferentes. Estamos negando a possibilidade de amor próprio e aceitação por uma pessoa gorda, obesa e, porquê não, obesa mórbida. É claro que existem problemas de saúde atrelados ao excesso de peso, mas não é por isso que uma pessoa fora destes padrões rígidos e escrotos de beleza não pode e não deve se amar e se achar linda todos os dias. Ser gorda ou gordo na sociedade de hoje e assumir esse estigma, quebrando os incontáveis preconceitos de quem não está nessa situação, não é só tomar um milk shake sem culpa.

quote gorda
O peso não está de fato nos quilos. Quer dizer, está também. Mas não é ele que realmente conta. Não é ele que realmente dói. As palavras, os julgamentos, os olhares com ar de superioridade doem muito mais. O peso que a nossa sociedade fiscalizadora da vida alheia faz, sobre a vida e a alimentação do gordo, por exemplo, é muito maior.
Conseguir viver com isso, hoje em dia, sem em nenhum momento do dia se sentir subjugado, inferior, feio, e [insira característica negativa aqui] é mais do que um ato de amor próprio. É um ato político. Ser gorda/o e estar bem com isso hoje é o propósito e causa de uma luta. A minha luta: contra a gordofobia. O preconceito, velado, travestido em forma de “Mas é para a sua saúde” e controlador, limita, dita padrões sobre como ser feliz, como ser bonito, como o outro deve viver. E bem, a verdade é que a vida não é um The Sims onde podemos controlar tudo e todos, criar e personalizar. As diferenças, essas sim, são bem vindas, sempre. São as que acrescentam, transformam, mudam. Ampliam olhares e horizontes. Gorda, para mim, não é uma simples palavra ou insulto. É o nome da minha rebelião~

Texto por Crow Luine

* Frequentemente teremos aqui termos problematizados, dicas são bem aceitas. <3

04.05.15

Gordos Não Tem Obrigação de Engolir Preconceito!

Sabe uma coisa que desde pequena eu nunca entendi? O fato de as pessoas associarem gordo a coisas ruins. Desde cedo aprendi que o mundo tinha raiva dos gordos e eu simplesmente me perguntava sozinha no meu quarto que importância tinha se eu era gorda ou magra, se minha essência é que deveria importar. Em casa sempre ouvi, alarga a blusa que tá marcando a barriga, até que um dia eu gritei de raiva: E U  S O U  G O R D A ! ! Mesmo se eu vestir um barril, vou continuar sendo gorda. vou continuar tendo barriga e não me importa se você gostou ou não da minha roupa ou de como ela veste o meu corpo! Pára de fazer comentários assim! Sou gorda não importa o que eu vista que vou continuar gorda. E tem um monte de magro na rua que a blusa marca também a barriga! Me deixa! – E saí pro lugar aonde estava indo.

Gordos Não Tem Obrigação de Engolir Preconceito

E do nada lembrei disso e fiquei pensando no quanto a intolerância é cultivada e aceita como algo normal pela sociedade. Os intolerantes de hoje muitas vezes foram condicionados por seus pais direta ou indiretamente a serem intolerantes, preconceituosos, dentre outras coisas. Para a maioria da sociedade é certo criticar e se intrometer na vida do gordo, ditar regras de vestimenta, nutrição, comportamento, etc… E o que me dá muita vontade de rir é que o discurso deles é sempre o mesmo: Ah! Eu estou falando isso por causa da sua saúde e blá blá blá.

Mas ainda que isso fosse verdade, não deveria ser levado em consideração a saúde mental, psicológica do gordo? Nisso ninguém pensa ao nos falar um monte de asneiras! E me faz rir também o discurso da sociedade, “ai obesidade é doença”, tá… se vocês adoram falar que todo gordo é doente, onde está a empatia por alguém que tem uma doença crônica? Se somos doentes crônicos, não seria muita crueldade atacar um doente?

O que me deixa mais estupefata é encontrar gordos que ao verem uma denúncia de gordofobia, acham graça, minimizam o efeito que aquilo ali pode ter para outrxs gordinhxs. Para lutar por espaço e respeito nesta sociedade precisamos parar um pouco e refletir como nós mesmos muitas vezes enfraquecemos a luta pelo fim da gordofobia. E repensar a maneira como nossos comentários podem atingir pessoas que não possuem a mesma estrutura psicológica, emocional, mental de absorver o preconceito e não se abater por causa dele. O que para umas é bobeira, não faz nem cócegas, para outras é motivo de depressão, síndrome do pânico, e vergonha extrema que as impedem de levar uma rotina normal, sair de casa. Fora os distúrbios alimentares que matam. Uma palavra nossa, um comentário pode  disparar o gatilho pro desmoronamento de alguém. Algumas pessoas acham que o trabalho de blogueiras novas como eu de estimular pessoas a se amarem se resume apenas a dizer: ” se ame” “se ame”. Mas vai muito, muito, muito além disso! Eu posso não ter muita experiência como blogueira mas tenho mais de 20 anos de experiência na luta e sobrevivência ao preconceito que gordos sofrem. E sei o quanto a pessoa que está nesta situação precisar verificar com especialistas os 3 aspectos de sua saúde: física, mental e psicológica. Já sofri de distúrbios alimentares por conta da cobrança excessiva que recebia sobre o meu corpo, arranjei várias lesões por ter exagerado na carga horária de exercícios físicos que fazia, em média 8 horas por dia, durante 9 meses. Sei muito bem que a questão de desconstruir o preconceito que temos com relação a nós mesmos não pode, nem deve ser subestimado. É preciso buscar a origem dos problemas, buscar auxílio para as questões internas com profissionais da área de saúde(física, mental, psicológica)

É muito fácil você criticar outros gordos quando julga e não procura saber o que aquela pessoa enfrentou até ali. Vejo muitas pessoas que pesam 2 dígitos tratando com desprezo e preconceito quem pesa 3 dígitos, e o que vou falar agora poderá chocar algumas dessas pessoas que por ventura estejam lendo isto: para sociedade não existe gordinhozinho, gordinho, gordo, gordão. Pra sociedade são todos simplesmente gordos! Você que pesa 2 dígitos não gosta de ser tratado de modo desagradável por causa do seu peso, certo? Então por quê fazer isto com pessoas que pesam mais que você? Se você sofre com gordofobia por quê agir de modo preconceituoso com outros gordos? Isso é incoerente, não faz o menor sentido!

Então gordinhxs vamos ser mais solidários, desenvolver empatia e reavaliar o preconceito que temos com outros gordos e com nós mesmos! E parar com esse papo que nós é que devemos ser fortes e continuarmos de braços cruzados enquanto muitos sofrem e não conseguem aguentar tanto ódio gratuito e preconceito!

“O maior preconceito que devemos vencer, é o nosso em relação a nós mesmos” Claudia Rocha GorDivah

 

 

Beijos Queen Size,

Claudia GorDivah

29.04.15

Ousadia Plus Size: Empoderarte-me

Conheci o projeto Empoderarte-me através de uma das meninas que participou das fotos, ela relatava sua experiência de resgate da autoestima através daquela fotografia e imediatamente eu já quis ver mais fotos e trazer para o blog. <3
Já conhecia a fotógrafa Mariana Godoy e um pouquinho do seu posicionamento sobre arte e beleza, quem me conhece melhor sabe o quanto o natural me encanta, eu acho realmente bonito o que muita gente chama de imperfeição.
Como achei as fotos muito a proposta da nossa tag Ousadia Plus Size, trouxe algumas para compartilhar com vocês, além da opinião de cada uma dos envolvidos, vem comigo ler, ver e admirar essas lindas e empoderadas mulheres. <3

empoderarte-me (4)

“Adoro transportar a ideia de que com as fotografias, podemos desconstruir preconceitos e dar um basta radical na nossa sociedade. Porque não né? Tudo é possível!

Foi a partir dessa ideia que elaborei e fotografei o projeto Empoderarte-me. Esse projeto aborda a mulher gorda. Sim, gorda, não plus size. A mulher gorda de uma forma sensual, sexy, nua e feliz com o próprio corpo. Já estava cansada dessa ideia de ensaios sensuais “padrões”. Foi então com a ideia da Tatiane Stocco, que elabora um sarau erótico na cidade, fazer uma exposição de fotos sensuais de gorda. Achei maravilhosa a ideia de topei na hora. As fotos mostram o valor da aceitação e o quanto a mulher é poderosa e sexy se ela quiser.

Procurei mulheres reais e não usei nenhuma manipulação de imagem no corpo das modelos. Espero mesmo que esse ensaio empodere muitas mulheres. Poxa, vocês são maravilhosas, acreditem! Eu também sou gorda, e ainda estou em treinamento de aceitação, então pra mim esse ensaio é mais uma forma de aprendizado. De ver o quanto o mundo ainda pode ser cruel, mas o quando nossa beleza, riqueza e admiração pode ser melhor e maior que todos os problemas. Acreditem mulheres. Vocês são demais!” (Por Mariana Godoy aqui)

empoderarte-me (5)

“Minha resistência aos padrões de peso e depilação teve início como um posicionamento político, mas se transformou em um profundo amor por tudo aquilo que sou. É a paz e o amor que sinto com meus pelos e meus quilos que quero transmitir a quem vê esse ensaio.” Aline Maria -28 anos.

“Foi um desafio de aceitação e um exercício de amor próprio, uma quebra de barreiras tanto próprias como sociais.” Ana Carolina Lemos -22 anos.
empoderarte-me (1)

“Esse ensaio foi pra fechar o empoderamento sobre meu corpo, sobre minhas neuras… Foi o grito de liberdade da gorda que cansou de ouvir que seria bela se perdesse tantos quilos.” Tatiane Stocco- 29 anos.

empoderarte-me (2)

“O ensaio foi um desafio, pela timidez e por estar fora dos padrões. Mas principalmente foi aceitação, amor próprio. Ah, e me sentir sexy é demais. *___*.” Tatiana Garcia – 28 anos.

empoderarte-me (3)

Gostaram das fotos? Então cliquem aqui, para conferir muito mais fotos e se apaixonar ainda mais pelo projeto.
Quero que vocês contem para mim nos comentários o que acharam, gostam de fotos assim, ou se ainda preferem a ilusão de corpos lisos como os de revistas?