Tag: gordofobia

29.07.15

Tess Holliday e os vigias da saúde alheia!

Que a Tess Holliday é um sucesso todo mundo já sabe, né? Essa diva plus size empodera mulheres em todo o mundo, mostrando que é possível ser LINDA, GORDA, MARAVILHOSA e muito mais. *___*
Mas como o mundo é cheio de gente gordofóbica, ela sempre sofre com inúmeros comentários em repúdio ao corpo gordo e muitos deles questionam a sua saúde. A bela não se abala e segue fazendo seu trabalho com posicionamentos em prol da aceitação em todos os corpos.
Hoje esbarrei em uma matéria do Uol sobre ela e o que um “Guru” de dieta fala sobre isso, achei que era mais do mesmo. Só que foi uma baita surpresa em ler que um médico brasileiro contestava os argumentos vagos do outro médico, com um discernimento maravilhoso. <3 É por isso, que reproduzo abaixo o texto na íntegra.

Tess Holliday (2)

Para “guru da dieta”, top plus size faz esquecer perigo da obesidade – Por Thais Carvalho Diniz (retirado daqui). 

Em uma entrevista polêmica à versão on-line do jornal britânico “Daily Mail”, Steve Miller, conhecido como “guru das dietas”, criticou o sucesso da modelo plus size Tess Holliday. Segundo ele, enaltecer a top significa tornar a obesidade normal, esquecendo os riscos que ela traz à saúde. Para Bruno Halpern, endocrinologista e diretor da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), a declaração de Miller reforça o preconceito contra pessoas acima do peso e não é totalmente verdadeira, já que é possível ser obeso e saudável.

De acordo com Halpern, ao perder 10% do peso –e adotando uma dieta equilibrada combinada à prática de exercícios físicos–, muitos obesos tornam-se saudáveis, a despeito de continuarem ostentando os quilos a mais. Segundo o periódico britânico, Tess se exercita com um personal trainer quatro vezes por semana e gosta de caminhadas e de natação.

Aos 29 anos, Tess tem 1,65 m de altura e veste manequim 58. Em janeiro deste ano, ela assinou contrato com a respeitada agência britânica MiLK Management, o que fez o assédio e a fama aumentarem.

A modelo americana é reconhecida no mundo da moda e foi nomeada pela “Vogue Itália” como uma das plus size mais influentes. Ela participou de uma campanha para a marca de cosméticos Benefit e também foi fotografada por David LaChapelle, renomado fotógrafo americano, para um projeto futuro. Nas redes sociais, Tess possui mais de um milhão de curtidas em sua página do Facebook e 800.000 seguidores no Instagram.

Miller reconhece que Tess desafia os padrões estéticos da indústria da moda e da beleza, mas afirma que isso não faz do excesso de peso uma coisa boa. “Ser obeso é perigoso, assim como ser excessivamente magro. Porém, a aceitação da gordura extrema que Tess está promovendo fará com que as estatísticas de obesidade aumentem”, declarou ao site de notícias. “A última coisa de que precisamos é ver uma plus size nos mostrando o quanto é legal comer ‘junk food'”, disse.

Halpern afirma que não é porque a pessoa é gorda que ela come mais do que alguém com peso adequado. A obesidade envolve mais do que a vontade do indivíduo. Há fatores como a genética. “A chance de um indivíduo obeso alcançar a faixa ideal de IMC (índice de massa corpórea) é muito pequena –com exceção de casos cirúrgicos. Por isso, a partir do momento que você é obeso, o importante é conseguir melhorar a saúde e não ter vergonha de si mesmo“, declarou Halpern em entrevista ao UOL Comportamento.

O brasileiro também afirma que a tese do inglês é uma bobagem: ninguém vai desejar ser gordo simplesmente porque a modelo o é. “A obesidade é uma doença e não uma escolha ou hábito de vida. É importante discutir os riscos relacionados ao problema (como maior risco de problemas cardíacos e câncer, por exemplo), mas estigmatizar os gordinhos não é certo. Eles precisam ser tratados e, mais do que isso, precisam ter orgulho do que são”, disse o especialista.

Halpern espera que mais modelos como Tess apareçam no cenário mundial. “Para as pessoas em geral, é mais importante ter estratégias para não engordar do que tentar emagrecer depois, pois perder peso é muito difícil. Especificamente para os que têm excesso de peso, eles podem se sentir bem ou não com sua doença, mas colocá-los à margem da sociedade não vai ajudar em nada. Isso só aumenta o preconceito”, declarou o diretor da Abeso.

 

Tess Holliday (3)

Então para quem ainda não aprendeu a se amar, aconselho a seguirem hoje mesmo a recomendação médica do Dr. Bruno Halpern, busquem a saúde em qualquer corpo e não se envergonhem da própria imagem.

28.07.15

Gafes Gordofóbicas – Gordivah

Gafes Gordofóbicas
Um dia conversando com uma seguidora que acabou virando amiga já de tanto que nos falamos surgiu a ideia desta nova tag “Gafes Gordofóbicas” pro canal GorDivah.
Pois muitas pessoas passam pelas situações enviadas e não sabem como reagir, mesmo pessoas que se amam gordas às vezes tem dias ruins ou passam por situações difíceis envolvendo pessoas queridas e gordofobia e ficam sem ação e pensando nelas surgiu essa tag pra levar com bom humor opções de resposta, reflexão, ajudar de algum modo quem enfrenta isso e fica sem saber como agir.
Hoje para o Beleza sem Tamanho, trago os três primeiros vídeos desta tag. Fiz este compilado por eles serem bem curtinhos, torço para que vocês não deixem de assistir cada um deles. Infelizmente vocês vão se identificar com as situações descritas.
Dê um play e vem conferir cada um deles.

 

Gostaram? Tem alguma gafe gordofóbica que gostaria de ver na nossa tag?

Mandem nos comentários, vamos juntos mostrar aos gordofóbicos que essas atitudes não tem nada de legal e que é preciso que parem de agir assim.

03.07.15

Representatividade Gorda em alta <3

Desde o dia que fiz um post (aqui) sobre representatividade gorda no meio plus size, muita coisa aconteceu e o assunto está mais em evidência que nunca. Além do post aqui do blog ter rodado muito, a Keka Demétrio levou o tema também para sua coluna no Tempo de Mulher (aqui) e de lá foi republicado pelo Msn.com e muitaaa gente passou a conhecer a maior incoerência do mundo plus size e sua negativa de representação de mulheres maiores.

Foi assim, que debate  sobre o tamanho das modelos ganhou novas forças, tenho visto donas de lojas declarando estar dispostas a ter modelos maiores em suas marcas e isso é lindo de ver. *_*
As mulheres gordas que consomem moda plus size merecem se sentir representadas, estou ansiosa para ver e listar marcas que vão apostar em modelos de manequins superiores ao tamanho 50.
Mas enquanto isso não acontece, hoje tem mais fotos dignas que a Kelly Hato do I Believe fez de mim, para quem ainda não se enxerga em nenhuma marca poder se enxergar ao menos aqui no blog. <3

Representatividade Gorda  (1)

Representatividade Gorda  (12)

11109508_10153425248018979_5312630817739342427_n

 

Os looks são da Lollaboo e foi uma experiência divertida usar peças que não são comuns no meu dia a dia, é um exercício bem legal se ver linda em looks que nunca imaginou usar. Eu aconselho a todas vocês, a também experimentarem looks e ir testando novas opções para o seu armário sem se prender ás opiniões de outras pessoas.
Eu amei as fotos e estava economizando para postar aos poucos haha, mas como agora eu mudei os cabelos essas fotos ficaram “velhas” e já estou me programando de encontrar a Kelly no próximo I Believe e fazer muitas outras com meu novo visual.  <3

Quero começar a mostrar lojas que usam mulheres gordas como modelos, então aceito indicações para que eu possa conhecer novas marcas.

Ah, não deixem de me contar o que acharam dos looks que usei. *-*

23.06.15

Não precisamos JUSTIFICAR nossos corpos!

Ontem já iniciei essa discussão no facebook, mas é aqui no blog que quero tentar motivar vocês a pararem hoje mesmo de se justificarem.
É muito comum vermos nas redes sociais e na vida real também, mulheres gordinhas justificando seus corpos, ressaltando que apesar de gordas elas possuem qualidades e coisas do tipo.

JUSTIFICAR nossos corpos

Acontece que esse comportamento não faz sentido, somos mulheres iguais às outras e não precisamos usar justificativas por existir.
Ser Linda, Gostosa e Feliz não tem nenhuma relação com peso.
As pessoas preconceituosas são cruéis e ao justificarmos, acabamos dando mais munição para que nos ataquem. Afinal se a gente precisa avisar que é gostosa, fica parecendo que nem nós acreditamos de verdade no que estamos dizendo.
O hit do momento é as #hastags, que fazem relação a ser gordo saudável e não sedentário, existem variações dessas tags e eu nem conseguiria listar todas, mas as gordinhas têm usado sem pena e ainda complementam usando #gordice para qualquer coisa comem.
Como vamos ter igualdade se afirmamos que somos gordas, mas somos saudáveis, nessa frase quem afirma isso “assume” que não é algo normal/comum que gordas sejam saudáveis.

JUSTIFICAR nossos corpos

Amem-se mais e justifiquem-se menos!
Sei que muitas vezes pareça válido justificar, até para cortar assunto. Só que ao fazer isso nós acabamos dando liberdade maior para as pessoas julgarem nossos corpos e também os corpos de outras pessoas gordas.

Mesmo que o mundo diga o contrário é preciso sempre acreditar que não tem nada de errado com seu corpo, sendo saudável ou não. Vamos ser felizes e mantermos nossa autoestima legal, e não nos dedicarmos a  viver dando satisfação para uma sociedade preconceituosa.

15.06.15

Não faz sentido alimentar a Gordofobia!

Na noite de ontem minha timeline estava repleta de ódio, muita gente tentando se defender de uma acusação, mas agredindo de forma desenfreada o opressor. Vou resumir o caso, pois a moça já teve ibope demais e me nego a dar print em qualquer coisa sobre isso. Uma menina desconhecida com um perfil já com algumas polemica, resolveu atacar os concursos de Miss Plus Size e destilar toda sua gordofobia com comentários cruéis sobre pessoas gordas e bem absurdos. Em contrapartida muitas pessoas do nicho plus size, resolveram bater de volta, bateram pesado e sem argumentos, foi um show de horrores.
Para não dizer que não falei nada sobre isso, falei sim com um grupo de amigas GORDAS e Ativistas o quanto aquilo tudo me parecia desnecessário.
Muitas pessoas pediram meu posicionamento, eu poderia ter feito o mesmo no face, mas sei que o alcance do blog é maior e é por isso que trago para cá esse assunto.

Meu posicionamento como mulher Gorda e acostumada com as tretas virtuais é:
Eu não alimento Haters desconhecidos! A imagem abaixo reflete exatamente a realidade.

alimentar a Gordofobia

Pois eles não valem a minha energia e não faz sentido algum eu “brigar” com alguém que está ali apenas carente de atenção, mostrar a minha verdade não faria a menina mudar de idéia, muito menos postar uma foto minha nos comentários dela.
Quando o ataque é diretamente feito ao meu blog, quando se trata de uma situação em que vejo alguém com conhecimento mínimo de gordofobia e ainda a pratica e principalmente quando vem da mídia. Aí sim eu vou lá e tenho explicar.

Seria humanamente impossível eu brigar com todo mundo que fala que gordo é doente, feio e bobo.

Ao invés de ir lá xingar ela, ou achar defeitos nela para atacar, eu preferi passar a noite de domingo ajudando uma mulher a se reconhecer linda, mesmo que o mundo a diga o contrário, é esse meu foco principal, e eu não perderei nunca a chance de ajudar alguém que venha me pedir ajuda.
O que a moça disse foi péssimo? Foi sim não tenho dúvidas.
Luto por um mundo onde ninguém ofenda aos Gordos sim, mas luto por um mundo onde gordos também não se sintam no direito de ofender os outros, apenas por serem oprimidos.
Propagar o ódio é mais fácil eu não tenho dúvidas, mesmo assim, eu prefiro propagar coisas boas e um pouco de amor e autoestima de verdade para vocês. <3
Não vamos alimentar pessoas assim… Deixe-os sem resposta e eles desistem.