Tag: gordofobia

24.08.15

“Gorda” não é ofensa!

A palavra GORDA  ainda é comumente usada para ofender mulheres, eu poderia apostar que muitas de vocês já ouviram ao menos uma vez em alguma discussão alguém te chamar de gorda. Ainda mais triste é saber que muitas mulheres se autodepreciam também usando este termo.
Eu sou GORDA desde os anos 80 hahaha, para mim é surreal que as pessoas usem disso para tentar me ofender em 2015.
Sempre me questiono se será mesmo que as pessoas não entendem que ser gorda não afeta em nada nossa percepção corporal, nós gordas sempre sabemos que somos gordas, mas para a tristeza dos haters (virtuais e da vida real) sabemos também que não tem nada errado em ser gorda.

Gorda não é ofensa

Como a sociedade infelizmente vai continuar achando que nos chamar de GORDA é ofensa, precisamos nós mulheres gordas, tirar a negatividade da palavra e não permitir que quem a usa com a intenção de nos ofender tenha êxito.
Qualquer um pode usar o termo de forma pejorativa para ofender outras mulheres, mas cabe a nós não deixar que essas pessoas alcancem o objetivo.

Convido a todas vocês que ainda enxergam a palavra como ofensa, que comecem hoje mesmo a tentar se familiarizar com a palavra. Mas principalmente quero falar com as meninas que ainda se chamam de gorda para se autodepreciar, vocês precisam parar com isso agora mesmo.

Não usem nunca mais com essa intenção, passem a usar como termo de empoderamento e mostre para outras Gordas que vale a pena desconstruir.

Vamos juntas colaborar para um mundo onde a palavra “Gorda”, perca totalmente a força de ofensa? Conto com vocês. <3

beda

21.08.15

Braços de Fora – #ProjetoVerãoSemNeuras

Neste ano o inverno foi bem fraquinho e os fantasmas do verão já começam assombrar muitas mulheres sejam gordinhas ou não. É muito comum vermos mulheres gordinhas, gordas ou como vocês preferirem chamar haha,  convivem com receios de usar blusas/vestidos sem mangas, a maioria evita usar braços de fora na certeza que eles são “feios” e não devem ser expostos.

 

vestido plus size poá  (2)

Eu moro numa cidade muito quente, meu braço é grande e gordo, eu talvez pudesse seguir as dicas de moda (aquelas que focam em disfarçar) e tentar fazer que eles se pareçam menores, mas eu realmente não acho que isso vai mudar em nada minha vida e prefiro ao menos não sentir calor. Outro detalhe é que muitas mangas me apertam e entre uma manga apertada e uma alcinha que encaixa legal em meu corpo, eu prefiro a alcinha. <3

 

Ninguém é obrigada a usar nada se não se sente a vontade, mas para ajudar a criar uma imagem mais positiva de braços gordos de fora, eu chamei algumas gordas do <3 para compartilhar aqui no blog suas fotos com braços de fora. Montei uma galeria cheia de mulheres lindas de corpos diferentes e espero que vocês abram cada uma das fotos e se identifiquem.

As fotos eu pedi em um grupo do face que é cheinho de amor, coloquei todas que me mandaram, algumas tem uma manguinha mínima e fica como boa opção para irem se adaptando sem manga.

Agora que vocês já viram todas as fotos, eu e elas esperamos ajudar vocês que ainda não conseguem usar a tentarem mais uma vez, o braço vai estar ali gordo do mesmo jeito, seja com regata ou manga ¾, mas é importante que todas tentem se libertar das mangas. <3

Para quem ainda não conhece o #ProjetoVerãoSemNeuras, eu sugiro que leia sobre neste link aqui. Convido todas  vocês a se prepararem para viver um verão muito mais sem neura que o último ano, seja qual for a sua neura, juntas podemos nos apoiar e nos libertarmos. <3

beda

11.08.15

Polêmica: Preconceito de empresas com mulheres gordas!

Ontem me deparei com uma matéria que questionava se era exagero ou não das consumidoras, ao julgaram que empresa foi preconceituosa nas imagens de divulgação destas calças.
Preconceito de empresas com mulheres gordas (2)

Preconceito de empresas com mulheres gordas (1)

 

O anúncio estava no Aliexpress e causou muitas críticas de consumidoras de tamanho plus size, por ser um meio bem sem noção de mostrar que a calça serve  em gordas.  É sem dúvida lastimável a forma como o gordo ainda é tratado na publicidade de produtos especialmente para eles, este caso é horrível e demonstra como a gordofobia pode ser cruel, um produto que deveria se mostrar bom para a cliente se mostra algo que reduz a mulher gorda apenas ao dobro de uma magra.

Infelizmente todos os dias precisamos lidar com empresas que usam modelos muito distante de suas consumidoras.

Ontem um pouco antes de ver essa matéria, me enviaram uma publicação de uma marca plus size, lá as consumidoras se queixavam do fato da modelo não ser plus size.

Sei que essa discussão está batida já e chega a ser cansativo ver mulheres pedindo representatividade e as marcas ignorando.  No entanto neste caso em específico a empresa afirmava que a modelo usa tamanho 48 e isso pode até ser verdade (visto que é o menor tamanho da marca) mas só é possível se tiver sido feito ajustes para as fotos.

Quando a empresa escolhe uma mulher magra para entrar em 2 pernas da calça e mostrar que cabe em uma gorda é um desrespeito e uma falta de noção enorme. Mas quando uma empresa usa uma mulher 42/44/46 e afirma que ela é 48 e não avisa dos ajustes que foram feitos na peça para que saíssem legal na foto, a empresa está agindo de forma desonesta ao iludir suas clientes que vestem o tamanho 48 que a peça vai proporcionar aquele caimento.

Se a peça não pode ser mostrada pela empresa em um corpo de GORDA, é um bom alerta para que a gente desconfie se aquela peça foi realmente pensada e modelada para vestir um corpo gordo.

Pode usar modelo 44 em marcas plus size sim! Mas use também uma 50 e outra 56!

Os manequins citados são de forma ilustrativa, o que eu e todas as consumidoras gordas queremos ver é a diversidade de corpos. Só assim as empresas vão mostrar que não querem apenas o dinheiro da mulher gorda, mas querem também que ela se sinta valorizada em sua publicidade.

 

beda

05.08.15

Dia Nacional da Saúde com pitadas de Gordofobia!

Hoje foi comemorado o Dia Nacional da Saúde, várias empresas quiseram ser cool e postaram imagens de corpos atléticos e fazendo referência que aquele é o padrão de uma pessoa saudável, teve corpo sem cabeça, mas o tanquinho aparente. Já sabemos que isso não é bem assim a relação entre corpo e saúde.
Todos os corpos podem ser saudáveis em qualquer tamanho e existem médicos, nutricionistas e estudos que compravam que é sim possível ter saúde em corpos gordos.

Dia Nacional da Saúde com pitadas de Gordofobia!
Outro dia a Cida (@avidadacida), postou um texto lacrador sobre essa mania das pessoas em julgarem a saúde alheia no Gordativismo, e em homenagem a essa data super importante onde muitos aproveitaram para propagar mais um pouco de gordofobia, eu compartilho com vocês aqui no blog, na esperança que muitas pessoas possam ler e entender de vez.

A falácia do Papo saudável – Cida Neves

(se você comer e dormir bem, se exercitar sempre e beber água você vai morrer do mesmo jeito)

Já estou há um tempo montando esse texto porque com ele quero deixar o mais claro possível as falhas no discurso gordura x saúde e como através da análise desses “furos” nos discursos conseguimos identificar algumas pessoas que até acham realmente que querem emagrecer por causa da saúde mas querem apenas ser magras e não estão dando mínima para a saúde delas e nem para a de ninguém.
Para isso utilizarei exemplos práticos não para acusar ninguém, apenas para ajudar a desconstruir comportamentos gordofóbicos.

Digamos que uma pessoa (magra ou gorda) diz que não é gordofobica e que se preocupa genuinamente com a sua saúde e a própria saúde, mas ao observar essa pessoa você ouve as seguintes frases:

– Que inveja da fulana de tal, ela come tudo e não engorda!

– Você viu a fulana, ela teve uma dengue (virose, doença, depressão) e emagreceu muito! Está linda! Pelo menos a doença serviu para alguma coisa!

– O sonho de toda mulher não é um homem que a ama e sim comer tudo que quiser sem engordar!

– Fulana foi naquele médico que passa fórmula e emagreceu muito! Ela não sente vontade de comer nada! Já pedi o nome pra ela e vou também!

– Você viu como fulana (conhecida, artista ou qq pessoa) emagreceu? Ela tá LINDA, ÓTIMA!!

Ou comentários parecidos com esses. Ela não está preocupada com a saúde. Ela não quer saber. Ela só quer ser magra e sinceramente, se for a escolha dela e ela respeitar a escolha dos outros sem impor os hábitos dela goela abaixo de ninguém, beleza pura.

Agora essa pessoa está se enganando quando diz que:

. está preocupada com a própria saúde e só por isso ela quer emagrecer, ela pode até se preocupar com a saúde, beleza, mas se isso não resultar em emagrecimento ela vai dizer que não está funcionando.
. está preocupada com a sua saúde por isso está te “dando um toque” para que você “coma melhor” (na maioria das vezes sem nem conhecer seus hábitos alimentares)
. está preocupada com você “estar deprimida” só porque você engordou.

Para concluir, eu gostaria apenas de deixar uma reflexão:

Não seria melhor cuidar da dia própria vida e correr atrás dos objetivos sem querer se justificar e arrastar todo mundo com você?

Não seria melhor respeitar a escolha do outro como única e pessoal, mesmo que você nunca fizesse essa escolha para você?

Não seria melhor viver e deixar viver?

beda

29.07.15

Tess Holliday e os vigias da saúde alheia!

Que a Tess Holliday é um sucesso todo mundo já sabe, né? Essa diva plus size empodera mulheres em todo o mundo, mostrando que é possível ser LINDA, GORDA, MARAVILHOSA e muito mais. *___*
Mas como o mundo é cheio de gente gordofóbica, ela sempre sofre com inúmeros comentários em repúdio ao corpo gordo e muitos deles questionam a sua saúde. A bela não se abala e segue fazendo seu trabalho com posicionamentos em prol da aceitação em todos os corpos.
Hoje esbarrei em uma matéria do Uol sobre ela e o que um “Guru” de dieta fala sobre isso, achei que era mais do mesmo. Só que foi uma baita surpresa em ler que um médico brasileiro contestava os argumentos vagos do outro médico, com um discernimento maravilhoso. <3 É por isso, que reproduzo abaixo o texto na íntegra.

Tess Holliday (2)

Para “guru da dieta”, top plus size faz esquecer perigo da obesidade – Por Thais Carvalho Diniz (retirado daqui). 

Em uma entrevista polêmica à versão on-line do jornal britânico “Daily Mail”, Steve Miller, conhecido como “guru das dietas”, criticou o sucesso da modelo plus size Tess Holliday. Segundo ele, enaltecer a top significa tornar a obesidade normal, esquecendo os riscos que ela traz à saúde. Para Bruno Halpern, endocrinologista e diretor da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), a declaração de Miller reforça o preconceito contra pessoas acima do peso e não é totalmente verdadeira, já que é possível ser obeso e saudável.

De acordo com Halpern, ao perder 10% do peso –e adotando uma dieta equilibrada combinada à prática de exercícios físicos–, muitos obesos tornam-se saudáveis, a despeito de continuarem ostentando os quilos a mais. Segundo o periódico britânico, Tess se exercita com um personal trainer quatro vezes por semana e gosta de caminhadas e de natação.

Aos 29 anos, Tess tem 1,65 m de altura e veste manequim 58. Em janeiro deste ano, ela assinou contrato com a respeitada agência britânica MiLK Management, o que fez o assédio e a fama aumentarem.

A modelo americana é reconhecida no mundo da moda e foi nomeada pela “Vogue Itália” como uma das plus size mais influentes. Ela participou de uma campanha para a marca de cosméticos Benefit e também foi fotografada por David LaChapelle, renomado fotógrafo americano, para um projeto futuro. Nas redes sociais, Tess possui mais de um milhão de curtidas em sua página do Facebook e 800.000 seguidores no Instagram.

Miller reconhece que Tess desafia os padrões estéticos da indústria da moda e da beleza, mas afirma que isso não faz do excesso de peso uma coisa boa. “Ser obeso é perigoso, assim como ser excessivamente magro. Porém, a aceitação da gordura extrema que Tess está promovendo fará com que as estatísticas de obesidade aumentem”, declarou ao site de notícias. “A última coisa de que precisamos é ver uma plus size nos mostrando o quanto é legal comer ‘junk food'”, disse.

Halpern afirma que não é porque a pessoa é gorda que ela come mais do que alguém com peso adequado. A obesidade envolve mais do que a vontade do indivíduo. Há fatores como a genética. “A chance de um indivíduo obeso alcançar a faixa ideal de IMC (índice de massa corpórea) é muito pequena –com exceção de casos cirúrgicos. Por isso, a partir do momento que você é obeso, o importante é conseguir melhorar a saúde e não ter vergonha de si mesmo“, declarou Halpern em entrevista ao UOL Comportamento.

O brasileiro também afirma que a tese do inglês é uma bobagem: ninguém vai desejar ser gordo simplesmente porque a modelo o é. “A obesidade é uma doença e não uma escolha ou hábito de vida. É importante discutir os riscos relacionados ao problema (como maior risco de problemas cardíacos e câncer, por exemplo), mas estigmatizar os gordinhos não é certo. Eles precisam ser tratados e, mais do que isso, precisam ter orgulho do que são”, disse o especialista.

Halpern espera que mais modelos como Tess apareçam no cenário mundial. “Para as pessoas em geral, é mais importante ter estratégias para não engordar do que tentar emagrecer depois, pois perder peso é muito difícil. Especificamente para os que têm excesso de peso, eles podem se sentir bem ou não com sua doença, mas colocá-los à margem da sociedade não vai ajudar em nada. Isso só aumenta o preconceito”, declarou o diretor da Abeso.

 

Tess Holliday (3)

Então para quem ainda não aprendeu a se amar, aconselho a seguirem hoje mesmo a recomendação médica do Dr. Bruno Halpern, busquem a saúde em qualquer corpo e não se envergonhem da própria imagem.