Tag: autoestima

19.02.16

Modelo Plus Size recria fotos de Kim Kardashian

Kim Kardashian é pura ousadia em tudo que faz e sempre suas aparições são bombásticas. Com seu corpo cheio de curvas generosas fica tudo muito sensual e ela usa e abusa disso.
Agora imagina comigo, o que acontece quando uma Modelo Plus Size recria fotos de Kim Kardashian? Fica também maravilhoso e vocês podem conferir nas fotos abaixo o resultado.

 

Modelo Plus Size recria fotos de Kim Kardashian (9) Modelo Plus Size recria fotos de Kim Kardashian (8) Modelo Plus Size recria fotos de Kim Kardashian (7) Modelo Plus Size recria fotos de Kim Kardashian (6) Modelo Plus Size recria fotos (2)Modelo Plus Size recria fotos (1) Modelo Plus Size recria fotos (3)Modelo Plus Size recria fotos (5) Modelo Plus Size recria fotos (4)

A modelo plus size deste ensaio se chama Mercedes ‘MJ’ Javid, mesmo tenho um corpo bem maior que o de Kim Kardashian e 43 anos, ela não se inibiu e  mostrou ao mundo todas as suas curvas perfeitas. Quem se interessar em conhecer mais da modelo é só acessar seu instagram aqui.

Eu achei as fotos lindas, achei também que a Mercedes é maravilhosa.

Mas quero saber a opinião de vocês, o que acharam? Contem-me aqui nos comentários.  *_*

16.02.16

FAQ sobre Gordofobia – Por Voz das Gordas

No post de hoje eu trago um texto importantíssimo que merece muito ser lido e divulgado por todos nós que sofremos com a gordofobia diariamente.
Conto com todos vocês para ajudarmos a sanar dúvidas em relação a gordofobia.
Os comentários estão abertos para dúvidas e opiniões. *__*


Como administramos uma página anti-gordofobia, vemos que muitas pessoas têm as mesmas dúvidas sobre o assunto. Então nós que somos editoras do “Voz das Gordas” resolvemos responder perguntas que a gente ouve muito sobre o assunto para gente poder avançar no debate e na luta.

12496253_1683388078568584_1781278029703594728_o

Lembrando que as perguntas não foram formuladas por nós. A gente simplesmente fez uma junção de todas as perguntas que mulheres gordas escutam ou de dúvidas que elas têm. Tem perguntas que são gordofóbicas sim, mas tentamos desconstruir isso na resposta.

1 – Existem artigos científicos sobre gordofobia?
Existem, mas ainda não são muitos. Apesar de a opressão existir ha muito tempo, o termo gordofobia ainda é um assunto muito novo, por isso ainda não foi totalmente explorado. Seguem abaixo alguns exemplos de textos acadêmicos. Se alguém tiver mais algum, mande para gente:
http://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sepedu/article/view/12076/1902
http://tauja.ujaen.es/handle/10953.1/1612
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8134/tde-13052015-115256/en.php
http://www.uems.br/pgletras/arquivos/2_2014-09-01_19-56-34.pdf

2 – Enquadra-se na categoria de preconceito a gordofobia? Ela pode ser punida pela lei como tal? Existe alguma forma de punir a gordofobia? Existe algum projeto de lei que venha a punir a gordofobia?
Punir a gordofobia por si só, não. Mas se a pessoa se sente ofendida por nomenclaturas ou xingamentos (rolha de poço, bailarina do faustão, gorda, vaca, etc.) pode entrar com uma queixa-crime por injúria (artigo 140 do Código Penal: “Art. 140 – Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro”). O QUE É IMPORTANTE? Apresentar provas. Vídeos, fotos, printscreen da tela do computador ou do celular (porque a ofensa pode ser virtual), testemunhas (sempre pegue nome, telefone e endereço de quem presenciar o ato injurioso e anote), quanto mais provas melhor. É importante transcrever/copiar EXATAMENTE o que a pessoa falou (com palavras de baixo calão e palavrões inclusive). O QUE POSSO ALEGAR? Alegue que foi atingida na sua honra pelas palavras injuriosas, como você se sentiu, que se sentiu péssima, etc. Alegue também que isso fere a sua dignidade (Constituição Brasileira de 1988, artigo 1º,III – a dignidade da pessoa humana). (Também podem ser utilizados os seguintes artigos da Constituição: “Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: (…) IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. (…) Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito a vida, a liberdade, a igualdade, a segurança e a propriedade, nos termos seguintes: (…) XLI – a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais”) A QUEM EU DEVO RECORRER? Você deve procurar um(a) advogado(a) O QUANTO ANTES. Se não tiver acesso a um, vá até a Defensoria Pública da sua cidade OU a um escritório modelo de uma Faculdade de Direito (pública ou privada). Você também pode ir direto a delegacia, todavia, eu NÃO recomendo ir à delegacia SEM um advogado. OBS: existem policiais muito bem treinados e que exercem sua função de maneira idônea; mas sabemos que alguns não são assim. Alguns podem querer que você DESISTA de fazer a queixa-crime. Insista. É seu direito (por isso que recomendo a presença e/ou a orientação de um(a) advogado(a). QUANTO TEMPO EU TENHO? 06 meses a contar da data em que você SOUBE QUEM FOI que proferiu as palavras caluniosas. Depois desse tempo, o direito decai, ou seja, você não pode mais fazer esse pedido. Você irá fazer uma queixa-crime (peça inaugural nos crimes de ação penal privada, em que o próprio ofendido, ou quem tiver qualidade para representá-lo, faz uma exposição do fato criminoso com todas as suas circunstâncias). http://www.stf.jus.br/portal/glossario/verVerbete.asp…

3- Lojas de roupas “normais” não terem tamanho 44, 46, e etc, pode ser considerado um tipo de gordofobia?
Com certeza. Qualquer ser humano, independente do seu peso, deveria ter acesso a roupas.

4 – Ser contra gordofobia é ser “contra pessoas magras”?
Não, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Ser contra a gordofobia é ser contra a opressão sofrida por pessoas gordas. A única coisa que se fala em relação a pessoas magras é que elas devem desconstruir a gordofobia delas.

5 – Por que não existe magrofobia?
Porque pessoas magras não são oprimidas. É difícil para uma mulher que sofre com o padrão estético ou alguém que sofreu bullying por ser muito magro entender isso, mas é importante saber a diferença. Ninguém perde nenhum direito por ser magro. Mesmo que você só encontre roupa na sessão infantil, você ainda encontra. Tem pessoas gordas que não encontram em lugar nenhum. Vocês nunca vão ser impedidos de tomar posse em um concurso público por serem magros demais, vocês podem pegar ônibus sem ter medo de ficar preso na catraca ou não caber no banco. Não estamos dizendo que ninguém nunca sofreu algum tipo de humilhação ou constrangimento por ser magro, mas isso é bullying não opressão.

6 – Mas eu sou gorda, posso usar cropped/mini saia/roupa colorida, etc.?
Gorda pode usar o que quiser.

7 – Mas vocês acham que pessoas gordas sofrem opressão mesmo, isso não é uma forma de misoginia?
A misoginia vai influenciar na gordofobia, porque ela estabelece um padrão de beleza. Mas gordofobia vai além da estética. É uma questão de perder direitos e de não ter espaço na sociedade.

8 – Mas eu sou magra e também não acho roupa, do que vocês estão reclamando?
Sofrer gordofobia é muito mais do que só não achar roupa. Esse é só um dos pontos que constituem essa opressão.

9 – Vocês não estão se fazendo de vítimas, não?
Não estamos nos fazendo de vítimas, nós somos vítimas. Pessoas merecem respeito independente do seu peso, independente de estarem saudáveis ou não, independente de qualquer coisa. Você pode ter suas opiniões sobre isso, mas humilhar, constranger, intimidar e expôr pessoas gordas é uma grande falta de respeito e invasão do espaço dos mesmos.

10 – Mas obesidade é doença, por que vocês estão fazendo apologia à uma doença?

Essa pergunta em si ja é muito complicada. Vamos lembrar que foi uma sociedade gordofobica que criou o conceito de obesidade e o colocou como doença. Tudo isso é bem questionável. Segundo que ser uma pessoa gorda não quer dizer ser uma pessoa doente. Essa é uma associação gordofobica. Além disso , independente da pessoa ser saudável ou não, ela merece ter espaço na sociedade, roupas do tamanho dela, poder ter acesso a emprego, ser respeitada pela sociedade como um todo.

11 – Como a gente diferencia a gordofobia da pressão por beleza padronizada? O segundo não seria produto do primeiro?
Opressão estética é aquilo que atinge qualquer mulher. Vem da sociedade machista na qual a gente vive. TODA MULHER vai ser cobrada sobre o seu corpo. As pessoas nunca vão estar satisfeitas sobre como ela está fisicamente. Mas exatamente como o nome diz a opressão é ESTÉTICA. Não vai influenciar em outros setores da sua vida. A opressão estética não deixa de ter relação com a gordofobia. Mas gordofobia vai além de estética, é um problema social.

12 – Qual o termo correto para caracterizar a opressão sofrida por pessoas gordas: gordofobia ou lipofobia?

Gordofobia. Lipofobia é o medo de gordura. Uma síndrome sociocultural, um medo absurdo e irra-cional da gordura imaginária que vai beirando ao terror! A beleza se desvincula do biótipo e princi-palmente da saúde. Gordofobia é puro preconceito e opressão.

13 – Não querer engordar é gordofobia? ! Lutar para perder peso é gordofobia? É errado a pessoa falar em querer perder peso mesmo lutando contra a gordofobia?
Não, todo mundo deveria ter o direito de ser como quiser. Emagrecer não é gordofóbico. Mas se você pretende emagrecer ou não quer engordar, você deve fazer isso de uma forma que não seja gordofóbica.

14 – Eu amo fotos de gordas, vejo beleza nelas, mas me acho horrível por ser gorda. Isso é gordofobia?
Gordofobia contra você mesmo, ainda é gordofobia. Mas isso não é simplesmente algo que você possa mudar de um dia para o outro, mas é algo que você deve trabalhar para mudar, porque isso só vai te fazer mal. Não é deixar de se ver gorda, é pensar que você é sim gorda e linda.

15 – Gostaria de saber se é gordofobia uma pessoa gorda que emagreceu bastante, postar uma foto antes e depois?
Sim. Porque é como se você colocasse que o antes é ruim e o depois é algo incrível que você alcançou com muito esforço porque simplesmente não queria ser gorda. Isso pode ser bem nocivo para outras mulheres gordas e muita falta de empatia.

16 – É possível ser saudável sendo gordo? Há um limite para isso?
Sim, é totalmente possível. A maioria dos problemas associados ao peso são relacionados ao sedentarismo. Nem todo gordo é sedentário, e nem todo sedentário é gordo. Têm gordos que se exercitam, que comem bem, mas que por alguma outra questão (questão genéticas, hormonais, de estrutura) são gordas.

17 – Vocês querem obrigar homens/mulheres a ficar com mulheres gordas?
Não, ninguém é obrigado a ter um relacionamento com ninguém. Mas, em primeiro lugar, gosto é uma questão construída pela sociedade. É sempre importante lembrar isso. Quando você diz “não gosto de gordas” isso tem muita relação com o que a sociedade diz que é “feio” e “bonito’. Mas, se mesmo entendo isso, você não quer ficar com gordas é direito seu. Mas você não deve humilhá-las nem constrangê-las só porque não quer ficar com elas. E ficar com mulheres gordas em segredo, sem querer mostrar para amigos e famílias é bem gordofóbico.

18 – Gordas que são lésbicas ficaram assim porque os homens não as queriam?
Isso além de ser gordofóbico, é lesbofóbico. A orientação sexual de uma mulher nada tem a ver com seu peso.

 

A intenção dessa postagem era ser bem didática mesmo, espero que a gente tenha conseguido sanar todas as dúvidas. Quem ainda tiver mais alguma pode falar com a gente através da página Voz das Gordas ou pelo e-mail vozdasgordas@gmail.com

Contribuíram para esse texto: Renata Grota, Danieli Mennitti, Natalie Zimbarg e Ana Carolina Aguiar.


 

05.02.16

Exposição Mulheres retrata a Beleza Gorda

Eu sempre falo aqui no blog sobre a importância de projetos fotográficos no empoderamento feminino, faz um tempo que conheci o trabalho de um fotógrafo carioca que fez fotos que retratavam a beleza gorda.
Eu já achava o máximo as fotos da Gabriela, mas aí descobri que ela não foi a única, outras gordas também já foram retratadas e participam da Exposição Mulheres.

exposição mulheres

Conversei com o Jota Zeferino e pedi autorização para publicar aqui no blog um pouco sobre o trabalho dele, abaixo segue um pouquinho dos ensaios de 4 mulheres gordas e lindas.

“Hoje em dia, as fotos tem um papel de mostrar que toda mulher é bela, que toda beleza é bem vinda, sem tabus ou perfis definidos, sem padrões impostos por revistas ou televisão.
Fotografamos meninas de todos os tipos, magras, altas, novas, baixas, abaixo ou acima do peso, meu desejo é conseguir um dia fotografar uma cadeirante, uma trans, uma anã e poder sem manipular imagens, mostrar a beleza dessas mulheres e que elas possam ser um canal de ajuda há outras que passam pelos mesmos preconceitos que elas.” 

Beleza Gorda

 

Bia Coutinho (5)

Helida Serra (2)

 

Beleza Gorda

Para informações de como participar e também para acompanhar esse trabalho de perto é só acessarem os links.  *_*

Facebook: Jota Zeferino Fotografias Profissionais
Instagram: @jotazeferino

A 4ª edição da Exposição Mulheres, acontece dia 13/03 na Lapa- Teatro Odisseia, no Bazar Noir. Quem for do Rio e tiver oportunidade de ir conferir de perto, não percam, eu inclusive estou pensando em ir também.

Eu sempre gostei de fotos realistas, sou fã e incentivadora de projetos que revelam a beleza gorda com todos os detalhes.

E vocês o que acham de fotos como essas?

Gostariam de se ver em fotos como essas? Contem-me tudo aqui nos comentários.

29.01.16

O Tatuador do RS e a Gordofobia Naturalizada

Ontem eu tive acesso a uma postagem muito gordofóbica e sem ética vinda de um tatuador do RS. Mas o que mais me chocou não é o preconceito dele, mas como as pessoas julgam normal debochar de gordas, é triste nos darmos conta de como a gordofobia é naturalizada em nossa sociedade.

Djonatan da Silva é tatuador na cidade Canoas, Rio Grande do Sul, na quinta 28/01 ele fez uma publicação gordofóbica em sua página do Facebook e a reproduzo no print abaixo.

Gordofobia Naturalizada (2)

Teve 142 curtidas e 28 comentários até a hora que eu fiz este print, apenas uma mulhero recriminou pelo comentário, ele que até então estava agindo com gordofobia foi bem machista ao responder ao comentário dela.

Gordofobia Naturalizada (1)

Eu fiquei bem assustada com a falta de ética deste profissional, mas o que mais me deixou chocada é ver várias pessoas rindo e achando o máximo a publicação dele até os comentários que ele fez direcionados a Jéssica.

Acredito que pessoas ignorantes sempre vão existir, mas a presença do discurso de gordofobia não deveria ser algo natural e muito menos engraçado, mais pessoas precisavam ter contestado a publicação dele (mesmo sendo amigos).

Para nossa sorte em um mundo ainda com muita gente preconceituosa, temos a chance em meio a situações assim de conhecermos pessoas do bem. E depois de bater boca com o cara, Jéssica Tatuadora da Praia Grande virou a nossa Musa Absoluta. E nada mais digno que ilustrarmos esse post com uma foto dela nua e toda tatuada.  <3

Gordofobia Naturalizada

“Entreguei meu corpo a arte , senti o gosto amargo do preconceito e tenho o prazer de ser diferente.

Me orgulho do meu corpo e do meu caráter!”  (Foto e texto retirados de seu perfil no Facebook)

Desejo que o Djonatan possa entender a proporção do preconceito dele e que mude sua postura, como os prints mostram a atual é bem desnecessária ao mundo. Ele já precisou sair do Face e espero que ele use o tempo para pensar, afinal ainda é de graça. :p

Mas o que eu realmente desejo é que a cada dia mais gordas se fortaleçam e sejam donas de seus corpos e suas vontades, nunca permitam que o preconceito alheio paralise vocês.

27.01.16

GORDA DESSE JEITO, QUAL HOMEM VAI TE QUERER?

Dia desses encontrei pelo Facebook um texto muito claro sobre uma relação abusiva de uma mãe com a filha gorda. Nele a autora relatava coisas que eu também passei e infelizmente acredito que muitas de vocês também vivenciaram. Por isso, eu pedi a ela autorização e reproduzo abaixo na íntegra para vocês.

Depois do aparecimento da Jout Jout na internet, muito se ouviu falar sobre relacionamentos abusivos.
E quando ouvimos falar em relacionamento abusivo, logo, associamos a um casal, seja ele hetero, gay ou lésbico.
Mas hoje, eu venho falar sobre um outro tipo de relacionamento abusivo, aquele que eu sofri com a minha mãe.
Minha mãe sempre foi muito vaidosa e sempre cobrou de mim uma vaidade que eu nunca tive.
Colocou o meu primeiro brinco nos meus primeiros dias de vida e já haviam vários vestidos me esperando, muito antes de eu nascer. Até aí tudo bem, Não é nada novo ouvir uma mãe dizendo que sonha em ter uma filha mulher para poder arrumá-la, encher de lacinhos, e roupinhas cor-de-rosa. Insira aqui um gif qualquer de uma pessoa qualquer revirando os olhos.
O grande problema dessa história toda, é que eu nunca fui uma garota muito vaidosa, na verdade eu só queria ser criança, brincar sem me preocupar em sujar o vestido (na verdade eu queria mesmo era não ter que usar vestido) e ser uma criança normal. Não fui.
Senta direito.
Cruza essas pernas.
Não fica correndo.
Não tira o lacinho.
Arruma o cabelo.
Retoca a maquiagem.
Etcétera.
Não era muito diferente com as minhas amigas, não fui a diferetona, única, exclusiva, a sofredora do rolê, não!
TODAS AS MINHAS AMIGAS TAMBÉM SOFRIAM.
Alá o machismo aqui o tempo todo, só você não viu.
Meus primos, homens, tinha tanta liberdade, podiam brincar sem sentir culpa.
Ai, que inveja.
E foi assim até a minha adolescência.
Após os 14 anos eu comecei a engordar e não demorou muito pra minha mãe aparecer com inúmeras cobranças em relação ao meu corpo.
Você está imensa.
Precisa emagrecer.
Olha lá a Júlia tão magrinha.
Você precisa ser igual a ela.
Filha minha não vai ser uma porca gorda.
E tudo aquilo me machucava muito.
Aquilo era eu.
Eu não era uma porca.
Era gorda, sim.
Mas era eu.
E quando alguém me zoava no colégio, eu tinha que chorar sozinha em casa, porque não tinha uma mãe para desabafar.
Aos 18 anos eu estava vinte quilos acima do maldito peso ideal.
Ideal pra quem? Caralho!
Minha mãe já estava louca, toda semana me levava para um tratamento novo.
Mesoterapia.
Manthus.
Eletrolipoforese.
Termoterapia.
Lipocavitação.
Endermoterapia.
Criolipólise
E outros milhares que eu já nem lembro o nome.
Certo dia, após uma pesagem na sala da nutricionista, e a descoberta de que eu não havia emagrecimento nenhuma grama, minha mãe berrou em alto e bom som:
GORDA DESSE JEITO, QUAL HOMEM VAI TE QUERERGORDA DESSE JEITO, QUAL HOMEM VAI TE QUERER?
Foi quase um tiro no peito.
Fiquei horrorizada.
Ainda lembro do sorriso amarelo da nutricionista tentando disfarçar o constrangimento e dizendo com os olhos: “não liga para o que ela está dizendo”.
Mas eu ligava.
Tanto ligava que desabei em choro.
Pensei que ouviria um pedido de desculpas, mas ela foi ainda mais cruel, me puxou pelo braço e disse:
– Vamos embora, eu desisto de você.
Anos depois me vi retratada no filme MINHA MÃE É UMA PEÇA.
Claramente eu era a Marcelina e a minha mãe era a Dona Hermínia.
Aos 20 anos, conheci uma garota e me apaixonei por ela.
Passei a entender a minha sexualidade.
Começamos a namorar e não demorou muito pra eu sair de casa pra morarmos juntas.
Descobri que eu sofria de ansiedade e toda a ansiedade era decorrente do estresse que eu sofria morando com a minha mãe.
Depois de muitos anos sem conseguir dizer absolutamente nada pra minha mãe, eu resolvi escrever uma carta.
E no fim dela, após ter desabafado sobre tudo o que eu precisava, eu disse:
Um dia você me perguntou “qual homem que iria me querer?”, e hoje, eu posso te responder que SOU EU é que não quero nenhum deles.

POR: Pâmela Tolezano
https://twitter.com/PamelaTolezano

Quem já passou por isso, quem está passando por isso, espero que entendam que o erro não é com a gente. O erro está na sociedade como um todo, infelizmente isso inclui as mães, que em uma tentativa de “proteção” se tornam abusivas e agem com gordofobia.
Mas eu acredito em dias melhores, esses dias estão chegando e os filhos da nossa geração já não vão sofrer tanto (assim espero) com a gordofobia familiar.

E vocês já passaram por coisa parecida? Contem-nos aqui nos comentários.