Tag: autoestima

21.06.16

Gordas (os) vivem no “aperto”.

Sempre que vamos debater Gordofobia como uma opressão estrutural é comum que muita gente (menores) insista em dizer que toda pessoa gorda sofre igual e isso sempre vira uma grande discussão. Mas como sofrimento não paga conta, eu não vejo vantagem nenhuma em ganhar estrelinha por sofrer mais ou menos que alguém, eu quero mesmo é um mundo em que esses sofrimentos sejam parte do passado.

Gordas vivem no “aperto”

Ao olhar essa foto é notório que as cadeiras são pequenas, algumas delas cabem menos pior que as outras nas cadeiras. Mas de forma geral podemos ver ilustrado nessa imagem que gordas vivem no aperto, em vários lugares nós não cabemos.

Hoje me deparei com um vídeo maravilhoso que conta um pouco sobre os desafios/apertos do dia a dia de uma mulher gorda. Apertem o play e assistam, por favor. <3

 

A luta anti- gordofobia precisa focar nessa questão estrutural, precisamos de ambientes que nos caibam de verdade, queremos e merecemos os mesmos direitos de todas as pessoas. Quero ir ao cinema e fica do lado de quem está comigo, e não no cantinho isolada.
Para a mudança acontecer precisamos nos unir cada vez mais, é preciso um trabalho constante de estar sempre reclamando nos ambientes que frequentamos, mostrando no dia a dia que precisamos de ampliação dos espaços.

Lembrem-se sempre: Nosso corpo não é errado, errada é uma sociedade que limita medidas e nos excluem! Não precisamos emagrecer para caber no mundo, precisamos lutar por espaços que nos caibam como merecemos.

E vocês passam por apertos/desafios no dia a dia? Contem-me aqui nos comentários, vamos conversar e mostrar ao mundo que estamos aqui e queremos caber nessa sociedade.


16.06.16

Projeto Cada Uma – Empoderando as Gordas!

Eu adoro projetos fotográficos e acredito que eles são uma grande arma de empoderamento para mulheres, mas se o projeto é com fotos mais naturais vira caso de amor, eu amo ver representatividade real em fotos. Quando conheci o Projeto Cada Uma gamei de cara, mas a cada ensaio eu vou me apaixonando mais e mais e por isso hoje trago para compartilha com vocês. <3

Conversei com a fotógrafa Jessica Chamma (uma das idealizadoras do projeto, ao de seu noivo que também é fotógrafo) que me relatou que o projeto surgiu quando eles sentiram a necessidade de se especializarem  e optaram pelo nu e sensual que já era algo que gostavam muito, na busca de conhecer o mercado se deram conta que não existia nenhum projeto que realçassem a sensualidade de corpos que não atendem ao padrão midiático, e decidiram dar uma ênfase em mulheres gordas (gordinhas, plus size, acima do peso ou como vocês quiserem chamar). 

No meu ponto de vista o Projeto Cada Uma conseguiu unir beleza e sensualidade e naturalidade brilhantemente em suas fotos.  O resultado maravilhoso vocês podem conferir abaixo.

 

projeto cada uma_150203_0156 projeto cada uma_150206_0403 projeto cada uma_151019_0167 projeto cada uma_151217_8235 projeto cada uma_151217_8259 projeto cada uma_160311_9996 ©2016 Felipe Mariano

 

“Cada uma com sua essência.

Cada uma com sua personalidade.

Cada uma em paz com o seu – e somente seu – corpo.”

Não são lindas? Abaixo temos uma galeria com mais fotos maravilhosas, em algumas contém nudez (peitos) então só abram se tiver mais de 18 anos e não tiver problemas em visualizar peitos femininos.

Quer ver mais?  Então cliquem aqui e confiram todos os ensaios no site do Projeto Cada Uma.  E acompanhem também eles no no Facebook facebook.com/projetocadauma para receberem as novidades.

O que acharam das fotos? Contem-me tudo nos comentários. 

 

28.05.16

Autoaceitação: um caminho de dor, descoberta e amor

Olá meninas! Tudo bem? Sabe quando dá aquele estalo e você não quer mais ser só o que os outros te impõem? Pois é, comigo foi assim: um belo dia acordei e fiz o que eu sempre fiz de melhor, questionar. Mas desta vez questionei a mim mesma, me perguntei porque eu ainda estava ali naquela posição de coitada, ainda à espera de ouvir um “você é gordinha, mas tem um rosto lindo” e tomar isso como elogio.
A partir de então levantei, bati a poeira e fui à luta. Fácil? Claro que não! No início era bem difícil e ainda hoje, momento que já estou de bem com meu corpo, é bem complicado lidar com certas situações, eu costumo dizer que é uma luta diária, mas o importante é começar. Iniciei procurando, principalmente na internet, pessoas que pensavam como eu, mulheres que também estavam cansadas desse bendito padrão de beleza e resolveram colocar a boca no trombone, e o melhor de tudo é que eu encontrei.
Assim como todas as meninas gordas que vão procurar apoio na internet, de cara eu já tive contato com o Plus Size, conheci blogs, modelos, agências de modelos e isso foi me ajudando a começar meu processo de aceitação e por um tempo foi muito construtivo, até encontrar o próximo obstáculo que é perceber que o mundo Plus Size não é tão cor de rosa como a gente pensa. Descobri que em grande parte dele existe um padrão, sim isso mesmo, tem padrão pra ser gorda, onde se passar do manequim 50 já não tem representatividade, muitas marcas de roupa que se dizem quebradoras de padrão só fabricam roupas até tamanho 50/52 e campanhas publicitárias com modelos com manequim 46, no máximo 48.

genize (2)
Parecia que eu tinha voltado á estaca zero, foi então que conheci a luta antigordofobia, entrei em grupos, fóruns, pesquisei sobre, busquei textos, artigos científicos, conheci pessoas incríveis e voltei a me encontrar em um ambiente onde de fato há diversidade, me fez e faz muito bem. É muito bom saber que você não está sozinha e que existem outras pessoas que passam pelos mesmos dilemas que você, que faz os mesmos questionamentos que você e que está na mesma luta, é um sentimento de acolhimento lindo que recomendo muito. <3
Pode ser que o caminho da minha ‘busca pela felicidade’ tenha sido um tanto comprido, talvez você escolha outro trajeto, ou já chegou lá com menos reviravolta que eu, o importante mesmo é chegar, é se olhar no espelho com amor e ver uma mulher linda, digna, respeitada e dona de um corpo maravilhoso que traz histórias que só você sabe contar!
Ahhh… antes que eu me esqueça, meu nome é Genize (pode chamar de Gê), tenho 25 anos, mulher negra e gorda e que se acha maravilhosa. Essa é a primeira de muitas vezes que nos veremos aqui na casinha da Kalli, então te espero nos próximos dias para papearmos mais um pouquinho, ok?
Beijos, até logo! 😉

 

genize

28.04.16

O retoque desnecessário da Beleza!

Mesmo mulheres que estão totalmente dentro do padrão de beleza midiático, ainda são vítimas de retoques desnecessários em sua própria imagem.  As capas de revistas são campeãs em “transformar” as mulheres em algo inalcançável.

Hoje me enviaram o relato da Manu Gavassi falando sua decepção com sua imagem na capa da revista VIP.

Leiam. <3

Venho lançar a minha VIP fazendo uma crítica. Sim, estou boicotando minha própria capa porque quase não me reconheci com tanto photoshop. Não pareço uma garota real, pareço um boneco de cera. E se era pra eu me sentir bonita, poderosa e natural em uma capa dessas, eu me sinto o contrário. Desde criança nós meninas somos submetidas a uma chuva de padrões de beleza, eu mesma não me aceitei por muito tempo. Por isso, penso que como modelo para o público jovem e com mais de 10 milhões de seguidores nas redes sociais, se eu não puder falar abertamente que esse tipo de padrão é uma mentira, é irritante e fora de moda, então não sei pra que eu tenho voz, nem seguidores. Foi por conta dessas pessoas que resolvi me posicionar quando fui questionada sobre porque estou tão diferente na capa, e recebi em poucos minutos mais de 3 mil fotos no Twitter de meninas, meninos, mulheres, transexuais, homens, drag queens, com a hashtag #MeSintoLindaComoSou. Fiquei honrada de poder saber um pouco mais da história dessas pessoas incríveis. Pensando nisso e na Manu Gavassi de 15 anos que se sentia um patinho feio, e olhando agora essa minha capa, resolvi fazer o meu próprio ensaio sensual com uma fotógrafa que além de ser uma das minhas melhores amigas é uma das mulheres que mais admiro @maqui.nobrega. Fotografamos na minha casa, de manhã, com pouca maquiagem e sem retoque nenhum, do jeito que me sinto mais linda e confiante (foto da direita) bem diferente da robô editada tentando ficar confortável em um maiô, sem poder de escolha sob sua própria imagem, como na foto da esquerda. Isso não é ser linda e sexy. Pra mim ser linda é acordar descabelada e se amar, é amar suas curvas e seus ossinhos, ser linda é sorrir sem motivo, é ser feliz, é não precisar impressionar ninguém nem se desesperar pra se encaixar em padrões surreais, é ser inteligente. É ser especial com seus defeitos e qualidades. É ser você. Você tem o direito de se sentir linda. Depois de anos sofrendo pra que a minha imagem agrade as pessoas e a mim, anos tentando ser parecida com capas de revista, percebo que ser linda e sexy na vida real é o oposto disso. ❤️ #MeSintoLindaComoSou

Uma foto publicada por Manu Gavassi (@manugavassi) em

Após a frustração inicial, ela usou a situação para alertar quem a segue, relatando o quanto as edições de imagens não fazem o menor sentido, e ainda lançou a campanha #MeSintoLindaComoSou, onde pessoas de todos os biótipos estão mostrando a própria beleza. <3
Essas edições que modificam as pessoas só vão acabar quando mais pessoas se posicionarem, que o exemplo da Manu seja seguido por outras celebridades e quem sabe até por pessoas menos famosas que também impactam a vida de outras mulheres.

Mulheres (de todos os corpos), não precisam ter a sua beleza modificada para se tornarem “perfeitas”.
Lindo mesmo é sermos nós mesmas! Nos sentindo mais lindas a cada dia, exatamente por sermos únicas.

08.04.16

Para dar um gás na autoestima – Keka Demétrio

Dez entre dez gordas que conhecem a Keka Demétrio, usam ou usaram suas palavras como inspiração em algum momento, e não é para menos.

Ela é sem dúvidas nenhuma um grande ícone de autoestima fora dos padrões! Tive o prazer (finalmente) de conhecê-la ao vivo e posso confirmar que ao vivo ela também é uma mulher maravilhosa e inspiradora.

Keka Demétrio

Ontem ela postou em suas redes sociais uma entrevista que ela participou recentemente, só hoje pude assistir e precisei trazer para o blog. <3

Sei que muitas de vocês ainda tem preguiça com vídeos (eu também tenho), mas este vídeo precisa ser assistido. *___*

Para quem quer dar um gás na autoestima é só clicar no play.

 

Fora assistir, quero convidar vocês todas para mostrarem esse vídeo para as amigas (irmã/mãe/tia/sobrinha e etc.).

Vamos usar a imagem, sabedoria e empoderamento da Keka Demétrio para tocar várias meninas/mulheres que ainda precisam se descobrirem LINDAS!

Vocês já conheciam a Keka? Contem-me o que acham dela (vou ajudar a miga a receber elogios haha) e também o que acharam do vídeo. *_*