27.01.10

Como ser gorda

Minhas filhas, vocês que estão aí morrendo de lipoescultura, enchendo a cara de sibutramina, fazendo carta pra “Ana e Mia”, recusando a sobremesa, fedendo a vômito, estragando a patela nas horas de exercício, dando dinheiro pras piranhas dos shakes, pras revistas de dieta, minhas amigas. Vejam bem. É difícil não conseguir entrar numa calça 38. Ou 40. Ou 44. Quando é 46, é dramático. Mas vem cá. E daí?

Quando “as amigas” dão conselhos ou te olham de cima a baixo, simpáticas, jurando que te adoram, dá pra sentir isso mesmo? Quando gente que “está bem pra caramba” solta aquele olhar de reprovação, gente. Olha a cara de merda desse povo.

Quando seus namorados, maridos, ex-s, quando esses homens maravilhosos dizem que você está com banha sobrando, quando eles reprovam seus gostos e suas formas, antes de sair correndo com vontade de chorar e de não comer nada nunca mais, já parou pra examinar a figura? Os modos, a barriga se pronunciando rotunda e irreversível, os cabelos caindo, a pele manchada, as roupas que pelamordedeus –se você não desse um toque, o cara sairia na rua parecendo uma versão humana do fim do mundo. Desastre após desastre, pelanca após pelanca, o churrasco e a cerveja se garantem ali, naquelas figuras, e são proibidos a nós, as gorda, LES GORDE.

Quando as lojas expõem nas araras montanhas de roupas de tamanho 36 e 38, quando juram que aquelas modelagens de rato que vendem correspondem ao padrão, quando mal dá pra entrar numa bata fabricada sob a simpática etiqueta “TAMANHOS ESPECIAIS PARA BALOFAS DE ESTILO”, por que continuamos olhando? Por que compramos essas porcarias e insistimos em caber nessas capas de botijão de gás? Por que estamos pagando pra sermos humilhadas? Pra resistir à tentação de passar no Burger King depois? Que seja. Mas não resistimos. Vamos pras radicalices, pras cirurgias, sibutraminas, aceitamos a morte como forma de emagrecimento rápida, aceitamos a diarreia do Xenical em troca de onion rings. Olhamos as modelos esquálidas e achamos que é assim mesmo, “que é assim mesmo”, e que o mundo não foi feito pra nós. Somos admoestadas por endocrinologistas obesos, por cardiologistas fumantes, por companheiros que preferem o fedor do vômito à flacidez da banha. E, olha, se preferem, que bom. Mas não somos obrigadas a concordar.

Revistas femininas, pautadas por dietas, roupas impossíveis, “como ter orgasmos”, “como casar” e bolo de chocolate de caneca, não mereciam mais a nossa atenção –nem o nosso dinheiro. É fácil até pros ginecologistas de programa de auditório entender que a anorgasmia deve ter uma relação bem próxima com o desconforto físico. Não tem como alguém sentir prazer num corpo do qual sente vergonha. Vender receitas de bolo de chocolate e coquetel de camarão entremeadas por anúncios de shakes emagrecedores e matérias sobre lipossucção é quase tão escroto quanto apontarem sua barriga por trás de uma temível bola de basquete recoberta de pêlos. Você já viu essa imagem. Você sabe.

Vamos tentar comer salada e fazer caminhadas, mas de forma menos infeliz e forçada? Vamos largar esse monte de lixo que nos empurram dia a dia? Vamos abandonar a “obrigação” de cuidar de TUDO sozinhas, a “obrigação” de dar conta de TUDO + a “obrigação” de nos sentirmos mal e nos odiarmos porque, bem, é isso aí, o peso está sobrando? Vamos começar a estranhar quando gente com quem não temos nem queremos ter a menor intimidade nos fala de dietas e receitas de vida? Vamos tentar gostar disso que carregamos com tanto custo –ou perdê-lo sem nos perdermos no meio do caminho. Vamos tentar achar quem realmente goste de nós, em vez de estetas de última hora incapazes de uma boa consulta ao espelho? Vamos mandar à merda as “consultoras de moda” que dividem as roupas entre “pra quem está magra” e “saco de lixo espacial pra esconder gordas”? Vamos admirar aquelas corajosas que saem à rua exibindo uma torrente de gordura saltando das minirroupas que outras pessoas determinam como “roupa do verão –para magras”? Vamos ter um pouco de liberdade? Vamos mandar essa gente louca tomar no cu? Vamos parar com a mania de sermos zumbis, vagando e vomitando à espera dos nossos “iguais”? Vamos, por favor?

Precisamos de um monte de terapia coletiva. Vamos conseguir.

E a mensagem emocionante do final.

Encontrei esse texto no http://brazilianwax.wordpress.com/ e adorei.

26.01.10

Meu 1º selinho

Oi meninas e meninos que passam por aqui.

Então que eu ganhei um selinho da Milly e adorei poder brincar disso também.

Vamos lá responder as perguntinhas e indicar outras meninas que considero PODEROSA.

1) Postar o selo com o nome da blogueira que mandou o mesmo pra você:
http://cotidianogordo.blogspot.com/ – Milly

2)Escolher 5 amigas que te incentivam e avisá-las:
– Líria – http://gordinhasbonitas.blogspot.com/

-VanVan http://fattitude1.wordpress.com/

– Beth – http://coisinhasdabetynha.blogspot.com/

– Aline – http://alineplussize.blogspot.com/

– Karina – http://annajoana.blogspot.com/

E todos as amigas não citadas que tiverem vontade de fazer, façam e me avisem que eu quero ler também 🙂

3)Completar as frases:

Sou poderosa porque?
To sempre em busca da realização do que necessito, não em abalo por pouco e faço o possível para as coisas acontecerem.

Tento ser melhor a cada dia ao levantar e isso me torna Poderosa

Minha maior qualidade:
Ser eu mesma sempre, não mudando de opinião de acordo com a situação ….

Mereço mais…
Por que só querendo sempre mais, tenho motivação para continuar na busca.

Eu quero e mereço sempre mais, sempre uso essa frase.

25.01.10

O ORGULHO GORDO: Uma bandeira da ciência

Todo mundo cresce acreditando que os gordos não são saudáveis. Mas cientistas dizem: obesos podem viver até mais do que quem pensa estar em dia com a balança.
[Texto de Linda Bacon, publicado na Superinteressante Jan/2010]
O peso extra é sempre vilão dos nossos problemas de saúde. E emagrecer é o caminho para que as pessoas fiquem mais saudáveis. pode ser uma surpresa pra você, mas acredite: nenhuma dessas crenças é defendida pela ciência.
Basta olhar para os fatos. É verdade, nosso peso médio aumentou nos últimos 50 anos. E muito se fala sobre o risco disso para a saúde. Mas a expectativa de vida também cresceu dramaticamente neste mesmo período, e as mortes por doenças cardiovasculares despencaram. Ou seja, a relação entre peso e saúde é muito mais confusa do que pensamos.
Exemplo disso: pessoas que se enquadram na categoria “acima do peso” podem viver mais do que as que se enquadram na categoria “normal”, aquela em que supostamente deveríamos estar. Considere a maior pesquisa epidemiológica já conduzida na história, que envolveu o estudo de 1,7 milhão de noruegueses. As taxas mais altas de expectativa de vida foram encontradas entre pessoas que estavam no padrão considerado “acima do peso”. As menores entre os definidos como “abaixo do peso”. Alguns obesos tinham, inclusive, expectativa de vida maior do que os que se enquadravam na faixa ideal.
Já se sabe que o impacto da atividade física na longevidade é muito maior que o peso. Obesos considerados em bom preparo físico – de acordo com testes ergométricos – apresentaram a mesma taxa de mortalidade que homens magros (também bem preparados fisicamente), segundo estudo do Cooper Institute, do Texas. Comparado a magros sedentários, esse mesmo grupo de obesos teve uma taxa de mortalidade menor. Conclusão: o preparo do corpo – e não o quanto você pesa – é o fator principal na determinação de quanto alguém vai viver.
Se é assim, por que ainda acreditamos tanto nas teses que culpam o peso? Quando há uma separação tão grande entre o que a ciência sabe e o que a sociedade defende, só há uma explicação: a economia.
Uma indústria inteira, que inclui centros de estética, fabricantes de suplementos alimentares, médicos, farmacêuticas e supostos especialistas (inclusive cientistas que ganham bolsa para estudar o assunto), se beneficia dessa gritaria contra o peso.
Mas é hora de quebrar os mitos. E há um jeito para isso: focar a mudança em nossa atitude, e não em nossos quilos. Devemos apreciar o nosso corpo, seja ele como for, e seguir em frente. É a revolução que leva o lema “saudável em qualquer tamanho”. A participação é simples: orgulhe-se e cuide de seu corpo, encontre formas de se sentir bem com ele, alimente-se corretamente. O caminho para a saúde é largo o suficiente para incluir você.

*Linda Bacon é especialista em controle de peso, pesquisadora da Universidade da Califórnia e autora do livro Health At Every Size.

22.01.10

De: Uma mulher bem resolvida. Para: Uma terrível gordurinha indesejada!

Oi pessoas!Esse é meu primeiro post aqui,fico muito feliz muito mesmo.Espero que vocês se identifiquem,ou que ao menos faça vocês sentirem algo!E ai vai meu primeiro texto aqui,desejo que seja o primeiro de muitos.

O texto a seguir relata uma carta de uma mulher bem resolvida,para uma terrível gordurinha indesejada:

Cara amiga,tenho que admitir que você é muito resistente,talvez até mais que eu quando comi aquele brigadeiro ou quando quebrei a dieta.Você já atrapalhou tanto minha vida,quantas vezes deixei de sair porque não ficava bem em uma roupa ou porque tinha vergonha de te mostrar ou porque você chamava suas amiguinhas a: insegurança,medo e depressão.Quantas noites perdi de dançar,soltar a franga porque você roubava olhares de pessoas que não tem nada melhor que olhar pra você, temos admitir que vez o outra é bonitinha.Quantos gatos perdi porque sempre achava que eles chegavam em mim apenas para zuar comigo.Já perdi tanto por causa de você,mas você nunca sai de mim.

Pois bem gordura,aprendi a conviver com você, assim como você se instalou em mim,já que não queres me deixa.Triste não vou ficar! Você apesar de muitas vezes me colocar pra baixo,me mostrou o outro lado da vida,que nem tudo é só aparências.há um mundo lá fora com pessoas que não só reparam em você,mas nas qualidades,sentimentos,caráter e que são capaz de amar até os defeitos (nem uma relação com você).Não quero mais pensar no que perdi , porque isso já passou e não volta mais.Quero agora pensar no que quero,no que vou conseguir com ou sem você.

Hoje me amo,sou uma mulher bem resolvida,com você em minha vida.Não posso dizer que não sofri com você ,isso seria uma grande mentira.Mas queria agradecer,por ter me feito crescer e ser uma pessoa sem preconceito com coisa alguma, você me ensinou a amar o próximo como ele é, me mostrou que o que vale é o coração.Não pense que isso significa que vou me descuidar: vou continuar a cuidar do meu cabelo,cuidar do meu sorriso e ficar cheirosa e me arrumar ainda mais.Quero ficar ainda mais linda e compensar tudo aqui que me tirou um dia.Muito obrigada e se possível só quero a resposta na balança, quando você tiver ido em borá!!



Jadeanny A.

22.01.10

Beleza sem Tamanho no BBB


A declaração da Doutora em linguística Elenita, participante do BBB 10 confirma o que já sabemos muito bem.
Não existe nada melhor do que uma roupa perfeita e linda para nos sentirmos muito mais Bela. mesmo sendo mais gordinhas que o resto das pessoas da festa.
Hoje é sexta e você já decidiu qual vai ser a produção do seu fim de semana?
Usem algo que as deixe lindas e não esqueça de mandar a foto para a nossa coluna, mostrando qual é o seu jeito de se vestir.