14.04.10

Show de Preconceito em Viver a vida por Papu Morgado

Eu assisto a novela Viver a vida praticamente todos os dias, e me irrito com frequencia com os diálogos ruins que me causam o incrível fenômeno da “vergonha alheia” ( quando você se sente vergonha por outra pessoa, pelo que ela fez e/ou disse). Neste caso tenho vergonha alheia por quem escreve os diálogos e pelos atores que têm que falar coisas rídículas, desconexas e as vezes sem sentido. Mas gosto muito dos atores.
Assisto também porque gosto do tema da superação de limites que a vida apresenta. Através do personagem Luciana, interpretada por Aline Moraes, que fica tetraplégica são abordados temas como preconceitos e dificuldades da vida de um cadeirante e a mensagem é clara: é possível ser feliz mesmo dentro das nossas condições de vida.
No final sempre tem um depoimento de uma pessoa real, chamado “Portal da Superação” na qual pessoas contam como superaram inúmeros tipos de desafios tais como doenças, preconceito, vícios, condições adversas, morte na família, separações, etc… Até mesmo Renata Pokus Vaz do blog Mulherão deu seu depoimento por lá, falando como mesmo tendo sobrepeso ela conseguiu realizar seus sonhos.
Em uma novela que fala de superação, de libertação de preconceitos o capítulo de ontem teve um diálogo surreal. Para ilustrar meu ponto reproduzo aqui a carta que mandei para a Central de Atendimento ao Telespectador da Globo.
” Olá,
Assisto a novela Viver a vida todos os dias e gosto muito de como a questão do preconceito e dificuldades dos cadeirantes têm sido abordada. Os depoimentos finais também são emocionantes e nos fazem refletir sobre nossas próprias vidas, conquistas e limitações.
No entanto, no capítulo de ontem houve um diálogo entre a cadeirante Luciana e sua sogra Ingrid que foi preconceituoso e sexista.
A conversa começou com Luciana dizendo que muitas mulheres engordam após tornarem-se cadeirantes, e que um marido abandonou a esposa cadeirante porque em um ano ela teria passado do manequim 40 para o 48.
A reação de ambas em relação a este abandono foi achar normal o marido ter feito isso.
É uma postura altamente sexista que coloca a mulher na condição de objeto sexual,que passou a não ser “suficiente” para o uso do marido.
Sou uma mulher de 34 anos, casada, com uma vida bacana, ativa, pratico esportes, sou uma ótima profissional tenho um ótimo relacionamento com meu marido em todos os níveis. E o meu manequim é 48. Minha vida não terminou por causa disso.
Me incomodou e chateou muito uma novela que aborda com tanta delicadeza a questão do preconceito deixar passar um diálogo como este. Não sou cadeirante, mas imagino que uma cadeirante que esteja acima do peso deve ter se sentido bastante mal com esse show de preconceito.
De todos os tipos de preconceitos, o preconceito em relação a pessoas acima do peso ou obesas é socialmente aceito e por isso muito cruel porque as pessoas se acham no direito de julgar quem está acima do peso e oferecer “soluções” que não foram solicitadas.
Mas continua sendo preconceito e é tão feio quanto qualquer outro.
Por conta disso criei um blog há dois anos http://curlvelyme.blogspot.com/ que aborda a questão da ditadura da magreza/beleza e sobre a importância da auto estima na construção de uma vida mais feliz, mais satisfeita.
As pessoas têm tamanhos diferentes e o fato de uma pessoa ser gorda ou obesa não a impede de ser feliz.
As pessoas são gordas ou obesas por uma série de motivos, que vão desde predisposição genética, problemas de saúde, depressão, distúrbios alimentares.
De qualquer maneira, independente do motivo pelo qual a pessoa seja gorda ou obesa é importante ressaltar que as pessoas têm tamanhos diferentes: existem pessoas magras, baixas, altas, gordas, médias, com cabelos louros, negros, enrolados, lisos.
Ser gordo faz parte da diversidade humana e ainda que uma pessoa seja gorda porque não consegue parar de comer ( e, acreditem, isso não é a regra) ainda sim merece ser tratada com respeito e dignidade. Existem pessoas magras com estilos de vida muito menos saudáveis do que muitas pessoas gordas, mas essas pessoas são magras e portanto, socialmente aceitas .
Gordos não são párias sociais.
Somos pessoas como qualquer outra que trabalham, que são consumidores, que amam, que têm uma vida.
Ser gordo não deve ser tratado como uma questão de moral ou caráter (ou falta de.)
Existem vários blogs de mulheres que se valorizam e são a prova viva de que é possível viver uma vida legal, sadia e feliz com seus quilos a mais.
Uma lista de alguns blogs que estão criando um importante movimento plus size na internet: http://originaldani.blogspot.com/
http://poderosasgordinhas.blogspot.com/
http://manualpraticodagordinha.blogspot.com/
http://mundogege.blogspot.com/
http://belezasemtamanho.blogspot.com/
http://cotidianogordo.blogspot.com/
http://gmaravilhosas.blogspot.com/
http://mulherao.wordpress.com/
Espero, sinceramente que estas questões sejam consideradas em uma novela que tem a preocupação de informar, de lutar contra o preconceito.
Tenham cuidado e sensibilidade ao abordar o tema do sobrepeso de um modo geral (sim, existe vida além do manequim 42).
Especialmente no caso dos cadeirantes com sobrepeso achei o diálogo um enorme descuido.
Já vi vários depoimentos de pessoas acima do peso ao fim dos capítulos, inclusive o de Renata Poskus Vaz do blog Mulherão e acho a iniciativa muito construtiva.
Mas a escorregada do capítulo de ontem foi imperdoável.
Porque pessoas com limitações ou simplesmente diferentes do padrão também existem e podem sim ter uma vida satisfatória e feliz.
Se como dizia a camiseta de Luciana outro dia “ser diferente é normal”, cuidado com os preconceitos em uma novela cujo tema é superação”.

Patricia Morgado

A Patricia tem um blog o Curvelisciously Me muito bom, e vale a pena acompanhar os textos dela, estou reproduzindo este para que o maior número de pessoas possam refletir, sobre o que a mídia nos impõe no dia a dia.

12.04.10

Você teria coragem de casar-se com alguém obeso?

Você teria coragem de casar-se com alguém obeso?
Ou que fosse quase meio metro mais baixo?
De outra cor?
Religião?
Ou, quem sabe, ainda, com alguém que tivesse uma deficiência física?

Ora, que pergunta boba a minha. Claro que casaria, afinal, o que conta mesmo é o amor e a “química” entre o casal. Será?

Fiquei pensando nisso depois de assistir, em São Paulo, à peça Gorda, que trata justamente deste tema. Protagonizada pela atriz Fabiana Karla (aquela do programa Zorra Total que diz “isso pode… isso não pode”), a trama mostra claramente como o preconceito pode falar mais alto na hora de se assumir um relacionamento amoroso com alguém que não esteja dentro dos padrões estéticos ditos “corretos”.

O enredo conta a história de um executivo que se apaixona por Helena, uma mulher muito interessante, porém, obesa. Para seguir em frente nesse difícil relacionamento, ele terá que superar alguns desafios, como as piadinhas dos amigos no escritório, o despeito da ex-namorada magérrima e – o que é pior – os seus próprios preconceitos. Não vou contar o final, porque perderia a graça, já que a peça deve rodar o Brasil. Mas posso adiantar que a gente sai da sala pensando no assunto e reavaliando certos valores.

Li algumas críticas sobre o texto e há quem diga que o autor exagerou no melodrama. Mas para quem vive o preconceito na pele, a situação apresentada pelos atores é bem real. E cruel. Quem não conhece pelo menos uma adolescente gordinha que sempre fica sobrando nas festas, ou um menino acima do peso que só em sonhos consegue atrair a atenção da gatinha da escola? É assim mesmo que as coisas acontecem, e não adianta tapar o sol com a peneira, como dizia a minha vó.

A Helena tinha muitos outros atributos – era inteligente, sensível, engraçada, divertida, culta, carinhosa. Tudo o que um homem poderia querer de uma mulher. Só não tinha um corpo escultural que, hoje, parece ser pré-requisito para ser aceita e admirada. Mas a protagonista desta história bem que poderia ser, também, uma negra – porque um homem branco, bonito e bem-sucedido teria que, igualmente, vencer barreiras e lutar contra o preconceito para casar-se com uma mulher negra (ou vice-versa, claro).

Poderia, também, ser uma cadeirante. Não é isso, por exemplo, o que está mostrando a novela Viver a Vida, com o romance entre o médico Miguel e a modelo tetraplégica Luciana? A mãe do jovem cirurgião, interpretada com maestria pela atriz Natália do Valle, se desespera ao imaginar o filho casado com uma cadeirante. E por quê? Porque a moça foge do padrão estabelecido. É novela, eu sei. Mas é, também, a vida real. Infelizmente.

Viviane Bevilacqua


09.04.10

DIZEM POR AÍ: Carolina Dieckmann quer se casar de novo pra usar vestido justo!

“Estava gorda…fui a noiva mais baranga do mundo. Por isso, vou me casar de novo. Não sei se quando fizer 35 anos ou se quando fizermos cinco anos de casados, mas quero estar bonita. Com um vestido justo!”

Carolina Dieckmann, atriz, 31
Sobre seu casamento com Tiago Worcman.

Só tenho a acrescentar que ela estava “gorda” porque estava grávida, de resto: ME POUPE, CAROLINA!!!

Eu li essa idiotice aqui.

06.04.10

A Isa, e muitas outras pessoas, precisam de Nós : Vamos Ajudar ?

 

Conhecendo sobre a Isa

Desde bebê ela sofre fazendo transfusões de sangue mensais porque a medula dela até aonde sabíamos era preguiçosa e não estava trabalhando direito, porém no último exame de mielograma que a Isa fez, que por sinal é um exame bem cruel para um bebê de 2 anos, foi constatado que ela tem a SÍNDROME DE BLACKFAN DIAMOND.
Essa síndrome é caracterizada por uma anemia que é descoberta nos primeiros 2 anos de vida, uma doença rara e grave, mas no caso da Isa ela não tem 100% do diagnóstico e Graças a Deus por isso, mas a medula dela não funciona e nem funcionará, por isso será preciso um transplante de medula óssea.

O que é medula óssea?
A medula óssea, encontrada no interior dos ossos, produz os componentes do sangue, incluindo as células brancas, agentes mais importantes do sistema de defesa do nosso organismo.

Quais as chances de se encontrar um doador compatível?
Estima-se que seja por volta de 35% entre doadores parentes e de 0,1% entre pessoas não aparentadas. A compatibilidade é medida pela semelhança de antígenos entre doador e receptor.

Como a medula é removida?
Os doadores passam por uma pequena cirurgia de aproximadamente 90 minutos. São feitas de 4 a 8 punções na região pélvica posterior para aspirar a medula. A doação é um procedimento que se faz em centro cirúrgico, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação por um mínimo de 24 horas. Nos primeiros três dias após a doação pode haver desconforto localizado, de leve a moderado, que pode ser amenizado com o uso de analgésicos e medidas simples. Normalmente, os doadores retornam às suas atividades habituais depois da primeira semana.

Qual a quantidade de medula óssea extraída?
Menos de 10%. Dentro de poucas semanas a medula doada será recomposta pelo doador.

Quais são os riscos para os doadores?
Os riscos são praticamente inexistentes. Até hoje não há relato de nenhum acidente grave devido a este procedimento. Os doadores costumam relatar um pouco de dor no local da punção.

Como os pacientes recebem a medula óssea?
Depois de um tratamento que destrói a própria medula, o paciente recebe a nova medula por meio de transfusão. Em duas semanas, a medula transplantada já estará produzindo células novas.

Onde fazer o cadastro para se tornar Doador?
Para saber onde se cadastrar como doador de medula óssea em outras localidades ligue para o Disque Saúde – Telefone: 0800- 611997
REDOME

Como se tornar um doador?
Você deve ter entre 18 e 55 anos de idade, no local e é retirado 5 ml do seu sangue, através disso seu cadastro está efetuado, após 1 mês sua tipagem sanguínea fica no Banco de Dados à disposição. Se você for chamado, fará outros exames para atestar que está bem de saúde e correndo tudo bem, você poderá doar.

IMPORTANTE: MANTENHA SEUS DADOS DE CADASTRO ATUALIZADOS, PARA FACILITAR O CONTATO.

Creio que depois de todas essas informações você pode perceber como é importante esse gesto de amor.

Peço a sua colaboração, além de poder salvar a vida da Isa que está só no começo, você também pode salvar muitas outras vidas.

Se você quiser conversar com a Mãe da Isa (A Grazy) e conhecê-las, aqui está o perfil do Orkut dela:
http://www.orkut.com.br/Main#Profile?…

PARA QUEM DOA É APENAS UMA DOR SUPORTÁVEL, PORÉM PARA QUEM RECEBE É A DIFERENÇA ENTRE A VIDA E A MORTE !

Eu já sou cadastrada faz uns 4 anos, e ainda não apareceu a minha chance de ajudar a salvar uma Vida.
Mas hoje convido a vocês que estão sempre aqui no meu blog acompanhando que se cadastrem, não importa onde vocês morem o cadastro é Nacional e pode salvar a Isa ou até mesmo um vizinho seu.
Aproveitando convido meus amigos blogueiros a divulgar a Doação de Medula, muita gente não conhece o processo e quanto mais gente souber, mas aumentaremos a chance de quem precisa.
http://isadoemedula.blogspot.com/ Link do Blog da Isa, lá vocês encontram todos os contatos.
05.04.10

Sorteio – Koloss

O Sorteio deste mês é um Kit de Maquiagem da Kolloss

http://www.kolosscosmeticos.com.br

empresa que é nossa parceira e vai também presentear a Gordinha da Boleia de Junho.



No Kit que iremos sortear contém:
1 Base
1 Duo de Sombras
1 Brilho Labial com Glitter
e ainda uma necessarie super fofa e prática.

Para concorrer é fácil basta comentar nesse post com:

Nome e um E-mail que você acesse sempre[porquê se a vencedora não enviar seu endereço em dois dias será feito novo sorteio], ser seguidora do blog e torcer para ser a ganhadora.

O Sorteio será realizado no dia 20/04 as 20:00 hs.

Boa sorte a todas.