21.01.10

Hipermagreza domina passarelas da SPFW

“Gente, o que é isso, essa menina está doente?”


A frase, de um fashionista sentado na primeira fila de um desfile da SPFW, ilustra um espanto recorrente na atual edição do evento: as modelos estão mais magras do que nunca. Prova disso é que estilistas estão tendo dificuldades em montar seus “castings”, fazem ajustes de última hora e escolhem peças estratégicas que escondam os ossos saltados das modelos.


Na SPFW da magreza radical brilham modelos na faixa dos 18 anos, que têm índice de massa corporal, calculado pela Folha, igual ao de crianças de 9 anos. No mundo dos adultos, a Organização Mundial da Saúde chama esse índice de “magreza severa”.

A explicação vem da top Aline Weber, 21, que mora em Nova York e participou do filme “Direito de Amar”, de Tom Ford. “Três coleções atrás, no auge do pânico antianorexia, as pessoas pesavam as modelos no backstage para ver se elas estavam saudáveis. Agora, a poeira baixou. Se você engorda um pouco, todo mundo está ali pra te julgar. Se você emagrece, falam que você está linda.” Aline diz conhecer muitas meninas bulímicas e anoréxicas fora do Brasil. “As russas são as piores”, conta.

O stylist David Pollak identifica o padrão supermagro europeu como uma das causas da onda que atinge a atual edição da SPFW. “Muitas meninas estão trabalhando fora e por isso estão supermagras. Estão dentro do padrão de Paris, que é esquelético.”

A magreza radical fez com que ele tivesse dificuldades na hora de montar o “casting” da Cavalera. “A marca tem uma imagem mais adolescente, saudável. Por isso, peguei meninas que não são badaladas (leia-se, as que ainda não têm carreira internacional). Outros stylists tiveram de fazer o improvável: dispensar meninas de suas seleções porque elas estavam magras demais.

A onda tem feito eles inverterem uma antiga lógica da moda: ao invés de avaliarem roupas ideais para esconder, por exemplo, um quadril mais largo, têm de descobrir os looks que vão ocultar um corpo esquálido. “As meninas muito magras causam problemas. Seus ossos apontam num vestido de seda mais fluido. Ou seus corpos, muito estreitos, deixam a proporção toda estranha”, avalia o stylist Maurício Ianês.

A explicação vem da top Aline Weber, 21, que mora em Nova York e participou do filme “Direito de Amar”, de Tom Ford. “Três coleções atrás, no auge do pânico antianorexia, as pessoas pesavam as modelos no backstage para ver se elas estavam saudáveis. Agora, a poeira baixou. Se você engorda um pouco, todo mundo está ali pra te julgar. Se você emagrece, falam que você está linda.” Aline diz conhecer muitas meninas bulímicas e anoréxicas fora do Brasil. “As russas são as piores”, conta.


O stylist David Pollak identifica o padrão supermagro europeu como uma das causas da onda que atinge a atual edição da SPFW. “Muitas meninas estão trabalhando fora e por isso estão supermagras. Estão dentro do padrão de Paris, que é esquelético.”

A magreza radical fez com que ele tivesse dificuldades na hora de montar o “casting” da Cavalera. “A marca tem uma imagem mais adolescente, saudável. Por isso, peguei meninas que não são badaladas (leia-se, as que ainda não têm carreira internacional). Outros stylists tiveram de fazer o improvável: dispensar meninas de suas seleções porque elas estavam magras demais.

A onda tem feito eles inverterem uma antiga lógica da moda: ao invés de avaliarem roupas ideais para esconder, por exemplo, um quadril mais largo, têm de descobrir os looks que vão ocultar um corpo esquálido. “As meninas muito magras causam problemas. Seus ossos apontam num vestido de seda mais fluido. Ou seus corpos, muito estreitos, deixam a proporção toda estranha”, avalia o stylist Maurício Ianês.

A explicação vem da top Aline Weber, 21, que mora em Nova York e participou do filme “Direito de Amar”, de Tom Ford. “Três coleções atrás, no auge do pânico antianorexia, as pessoas pesavam as modelos no backstage para ver se elas estavam saudáveis. Agora, a poeira baixou. Se você engorda um pouco, todo mundo está ali pra te julgar. Se você emagrece, falam que você está linda.” Aline diz conhecer muitas meninas bulímicas e anoréxicas fora do Brasil. “As russas são as piores”, conta.

O stylist David Pollak identifica o padrão supermagro europeu como uma das causas da onda que atinge a atual edição da SPFW. “Muitas meninas estão trabalhando fora e por isso estão supermagras. Estão dentro do padrão de Paris, que é esquelético.”

A magreza radical fez com que ele tivesse dificuldades na hora de montar o “casting” da Cavalera. “A marca tem uma imagem mais adolescente, saudável. Por isso, peguei meninas que não são badaladas (leia-se, as que ainda não têm carreira internacional). Outros stylists tiveram de fazer o improvável: dispensar meninas de suas seleções porque elas estavam magras demais.

A onda tem feito eles inverterem uma antiga lógica da moda: ao invés de avaliarem roupas ideais para esconder, por exemplo, um quadril mais largo, têm de descobrir os looks que vão ocultar um corpo esquálido. “As meninas muito magras causam problemas. Seus ossos apontam num vestido de seda mais fluido. Ou seus corpos, muito estreitos, deixam a proporção toda estranha”, avalia o stylist Maurício Ianês.




Muito café

O estilista Reinaldo Lourenço não só percebe a hipermagreza das modelos desta temporada como também conta que teve que fazer hora extra por conta do fenômeno. “Tive que fazer vários ajustes de última hora em roupas que ficaram largas nas meninas, o que me deu o maior trabalho”, diz. Segundo ele, isso acontece porque a atual safra de modelos é “muito jovem”.

Nos camarins, longe da mesa de salgadinhos e quitutes –relegada aos jornalistas–, modelos desfilam com copos de café. “Identifico as mais magras como a turma do cafezinho, já que elas passam o dia todo tomando café para não comer e ficarem ligadas”, diz Pollak. Em entrevistas, elas escondem o peso e as medidas. “Não sei quanto peso. Nunca subo na balança”, disfarça uma delas.

Cristina Theiss, 18, jovem aposta da Ford Models, teoriza: “Para fazer passarela de inverno, precisa ser mais magrinha mesmo, porque as roupas são volumosas, enchem demais”. Para agências de modelos, o assunto ainda é tabu. Ou foi deixado de lado. “Magreza? Anorexia? Mas que assunto antigo, datado!”, diz um agente, interrompendo a entrevista da Folha com uma modelo. Basta olhar para as passarelas para ver que não é.

19.01.10

Moda que Usamos

Boa noite meninas, ando sumida desse cantinho, mais a culpa é desse calor IMENSO que anda fazendo na minha terra, que me impede até de pensar direito.

Vamos hoje falar de uma coisa que todo mundo AMA, o assunto aqui é moda.
Muita gente me pede para falar a respeito, mais eu não me considero fashion e sou contra a maioria das dicas que vejo para Gordinhas, é um imensidão de “não pode” que eu surto antes da metade do texto.
Então que hoje conversando com uma amiga, surgiu essa ideia e vou lançar aqui a coluna
Moda que Usamos, o objetivo é mostrar nossas leitoras usando algo que segundo a mídia nós não podemos, mais a gente usa e adoraaaaa.
Então peço a vocês que colaborem mandando foto de vocês com roupas que são apontadas como inimigas das gordinhas, mais que vocês usam, aprovam e ainda ficam lindas.
podem mandar as fotos para o e-mail do blog mesmo belezasemtamanho@gmail.com
E para dar início a esta sessão uma foto minha de listrado horizontal , tenho váriaaaaaas blusas listradas, dizem que as listras horizontais engordam mais eu nunca as como não , eu só as uso 😀
E vocês o que usam sem poder? Manda para a o Blog.
18.01.10

Inovação no Controle da Alimentação

Desenvolvido por pesquisadores de uma universidade sueca, o Mandometer registra (até) a velocidade de suas garfadas.

A proposta inicial do dispositivo era atacar outros distúrbios alimentares, como bulimia e anorexia.

Mas, após alguns testes, os pesquisadores do Instituto Karolinska, que fica em Estocolmo, perceberam que o projeto podia ser aplicado em pessoas obesas também.

A ideia, agora, é diminuir a velocidade com que as pessoas comem. Isso porque, de acordo com estudo feito recentemente na Grécia, quando comemos muito rapidamente, a liberação de hormônios que induzem a saciedade é inibida. Dessa forma, continuamos com fome, mesmo após inúmeras garfadas.

Para atacar esse hábito, o Mandometer, então, é acoplado a um netbook e, graças a alguns algoritmos, consegue mensurar quantos gramas são removidos do prato por minuto.

Em tempo real, o usuário pode conferir um gráfico com a velocidade de suas garfadas e o ritmo ideal sugerido por um nutricionista.

Segundo estudos os adolescentes que utilizaram o sistema perderam massa corpórea de maneira significativa.


Eu como Gorda e Nerd adorei esse Gadget, e acho que deve ser bem interessante principalmente aos adolescentes.

E vocês o que acharam?

17.01.10

Hellen Keller

Olá pessoal!eu sou Ouz convidado da Kalli para escrever aqui no blog,coisa que me deixou muito honrado,pois nem me considero assim um grande blogueiro,talvez um “pequeno” blogueiro,..bem,… para começar ,a história de uma mulher fantástica que indiferente de suas limitações,teve sucesso e foi grande!

                                                             

 A vida de Helen Adams Keller nascida em 27 de junho de 1880 em Tuscumbia, Alabama, descendente de tradicional família do Sul dos Estados Unidos, filha do Capitão Arthur Keller, Prefeito de Alabama do Norte em 1885, é a história de uma criança que aos dezoito meses de idade ficou cega e surda subitamente, devido a uma doença que foi diagnosticada naquela época como febre cerebral, sendo provável que tenha sido escarlatina, e de sua luta árdua e vitoriosa para se integrar na sociedade, tornando-se além de célebre escritora, filosofa e conferencista, uma personagem famosa pelo trabalho incessante que desenvolveu para o bem estar das pessoas portadoras de deficiências. Aos sete anos de idade, mais precisamente no dia 03 de março de 1887, por indicação de ALEXANDER GRAHAM BELL, ANNE SULLIVAN, uma professora de vinte e um anos, que havia estudado na Escola Perkins para Cegos (Perkins School for the Blind) pois quando criança tinha sido cega, mas recuperou a visão através de nove operações, foi morar em sua casa para ensiná-la, e desde então tornaram- se inseparáveis, até a morte da professora em 1936. Com muito carinho, dedicação e perseverança, Anne Sullivan conseguiu ensinar à aluna os alfabetos braille e manual. Sob a orientação de Anne, matriculou-se no Instituto Horace Mann para surdos de Boston e depois na Escola Wright-Humason Oral de Nova Yorque. Aos dez anos de idade aprendeu a falar para dizer: “Algum dia cursarei uma faculdade” o que de fato aconteceu, em 1904 recebeu seu diploma de bacharel em filosofia pela Universidade Radcliffe, onde no qüinquagésimo aniversário de sua graduação, recebeu o
“Prêmio Destaque a Aluno” além de dominar os idiomas francês, latim e alemão. Recebeu diversos títulos e diplomas honorários das Universidades Temple e de Harward e das Universidades da Escócia (Glasgow), Alemanha (Berlim), Índia (Nova Delhi) e de Witwaterstrabd (Johannesburg, África do Sul) e entre os inúmeros prêmios de grande distinção, em junho de 1952 foi feita
“Cavaleiro da Legião de Honra da França” e as condecorações: no Brasil, “Ordem do Cruzeiro do Sul”; no Japão,
“do Tesouro Sagrado”; Nas Filipinas, “do Coração de Ouro”; no Líbano, “Medalha de Ouro de Mérito”; recebeu ainda o prêmio “América para a União Inter-americana”;
“Medalha de ouro do Instituto Nacional de Ciências Sociais”. Tornou-se membro honorário de sociedades científicas e organizações filantrópicas dos cinco continentes. Em 1902 fez sua estréia na literatura escrevendo sua autobiografia “A História de Minha Vida” e em seguida no Jornalismo, com uma série de artigos no “Ladies Home Journal”. A partir daí não parou mais de escrever. Escreveu inúmeros artigos para revistas e além da
“História de Minha Vida”, escreveu vários livros entre os quais: “Otimismo – um ensaio”;
“A Canção do Muro de Pedra”; “O Mundo em que vivo”;
“Lutando Contra as Trevas”; “Minha Vida de Mulher”;
“Paz no Crepúsculo”; “Dedicação de Uma Vida”;
“A Porta Aberta”. Seus livros foram transcritos em várias línguas. Em 7 de maio de 1954, seu local de nascimento, Ivy Green, em Tuscumbia, foi transformado em museu permanente. A cerimônia contou com a presença de diretores da “American Foundation for the Lind” além de diversas outras autoridades. Juntamente com esse acontecimento, realizou-se também a première do filme biográfico de Helen Keller: ”Os Inconquistados”. O filme posteriormente recebeu o título “Helen Keller e sua História” que em 1955 ganhou o prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas como o melhor documentário de longa metragem do ano. Durante toda sua vida, Helen Keller gozou da amizade de personagens proeminentes de seu tempo, figuras famosas como
Rover Cleveland; Charlie Chaplin; John F. Kennedy;

Katherine Corvell; Alexander Graham Bell entre outros. De 1924 até sua morte, foi membro “staff” da
American Foundation for the Blind, onde pode trabalhar pelo bem estar das pessoas cegas e surdo-cegas, comparecendo perante governos, dando conferências, escrevendo artigos e sobretudo, pelo exemplo pessoal do que uma pessoa severamente prejudicada pode alcançar. Porém sua participação ativa na área de trabalho para os cegos, começou em 1915 quando o “Fundo Permanente de Ajuda aos Cegos de Guerra”, posteriormente chamado – Imprensa Braille Americana – foi fundado. Ela foi membro de sua primeira junta de diretores. Quando a Imprensa Braille Americana transformou-se na “American Foundation for Overseas Blind”
(hoje Helen Keller Internacional Incorporated) em 1946, Helen Keller foi eleita conselheira em relações internacionais. Foi então que começou suas viagens pelo mundo, em benefício dos cegos, fato esse que a tornou bem conhecida em seus últimos anos de vida. Durante sete viagens entre 1946 e 1957, ela visitou 35 países em cinco continentes. Em 1953 a convite oficial do governo brasileiro e da “Fundação para o Livro do Cego no Brasil”, veio ao Brasil onde realizou visitas e palestras no Rio de Janeiro e em São Paulo e seu exemplo estimulou e deu grande impulso à educação e a reabilitação de cegos no Brasil, recebendo da Legião Brasileira de Assistência o título de Membro Honorário. Uma mesa redonda realizada com sua presença na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo deu origem à criação, no SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) de um Serviço de Orientação e Colocação Profissional de Cegos, que hoje já colocou nas indústrias de São Paulo grande número de deficientes da visão. Numa palestra para 550 pessoas no Hospital das Clínicas em São Paulo, alguém lhe perguntou: — “O que você gostaria mais de ver, se Deus lhe desse visão por cinco minutos?” Helen Keller respondeu:
—“As flores, o pôr do Sol e o rosto de uma criança”.
Hellen fez sua última aparição em público num encontro do Lions Club de Washington. Nesse encontro ela recebeu o
“Prêmio Humanitário Lions” por sua vida dedicada a servir a humanidade e por inspirar a adoção de programas de ajuda aos cegos e conservação da visão. Em 1961, recolheu-se para viver tranqüilamente em
“Arcan Ridg”, onde recebia a família, amigos íntimos e membros da “American Foundation for the Blind” e da “American Foundation for Overseas Blind”
(hoje Helen Keller International Incorporated). Mas apesar de seu afastamento da vida pública, não foi esquecida. Em 1964 recebeu a “Medalha Presidencial da Liberdade” maior honra de seu país. Em 1965 foi uma das vinte eleitas para o “Hall da Fama Feminina” na Feira Mundial de Nova Yorque. Hellen Keller e
Eleanor Roosevelt receberam a maioria dos votos entre as cem mulheres indicadas. Hellen Keller faleceu em 1º de junho de 1968 em “Arcan Ridge” algumas semanas antes de completar 88 anos. Suas cinzas foram depositadas ao lado das de Anne Sullivan Macy e Polly Thomson na Capela de São José na Catedral de Washington. Durante a cerimônia, onde compareceram diversas autoridades do governo, pessoas proeminentes de todos os setores e delegações da maioria das organizações para cegos e surdos, em seu último adeus, o Senador Lister Hill do Alabama disse a respeito de Helen Keller: “Ela viverá; ela foi um dos poucos nomes imortais, que não nasceu para morrer. Seu espírito perdurará enquanto o homem puder ler e histórias puderem ser contadas sobre a mulher que mostrou ao mundo que não existem limitações para a coragem e a fé.” E por tudo isso ela foi chamada por seus amigos americanos: “A primeira mulher de coragem do mundo

…e então gostaram? espero que sim,..o exemplo desta mulher ,so prova que não importa se somos,altos,baixo,magros,feios,bonitos,ou temos algum tipo de deficiência, oque importa é a coragem com que encaramos nossa vida,….abraços! ate mais!

13.01.10

DEFICIÊNCIAS

“Deficiente” é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.


“Louco” é quem não procura ser feliz com o que possui.

“Cego” é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

“Surdo” é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.

“Mudo” é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

“Paralítico” é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

“Diabético” é quem não consegue ser doce.

“Anão” é quem não sabe deixar o amor crescer.

E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:

“Miseráveis” são todos que não conseguem falar com Deus.

Mário Quintana