fbpx
22.08.18

Projeto “Quem são as pessoas gordas?” – Conclusão

Para fechar esse projeto é importante resumir o que foi aprendido com ele. Primeiro, quero falar um pouco sobre o perfil de quem participou do projeto. Foram 14 pessoas ao todo, 2 homens e 12 mulheres, com idades entre 18 e 51 anos. Nove moram no eixo Rio-SP; maioria heterossexual e com ensino superior completo. Sobre posicionamento político, ninguém se declarou de direita, mas nem todos se definiam como esquerda, alguns não tinham posicionamento político.

(Da esq para dir: Ana Carolina Medina, Ernani Branco, Júlia Conedera)

Quanto à questão alimentação, mesmo nesse pequeno grupo, a diversidade apresentada é muito grande. Existem pessoas com a alimentação desregulada, vegetarianos, pessoas que não podem comer glúten e derivados do leite, aqueles que evitam gordura e frituras, viciados em doces e vegetarianos.
Ao serem questionados sobre estado civil, oito responderam que estão em algum tipo de relacionamento, seja namoro, noivado ou casamento e sete são solteiros. Dentre os solteiros, existem os que tiveram diversos relacionamentos e os que ainda não tiveram o primeiro relacionamento sério.

(Da esquerda para direita: Karla Muzy, Rafael Kiyan, Marina Bonadio)

E em relação a exercícios físicos? A grande maioria os pratica com frequência ou praticava por muito tempo até serem impedida por alguma razão (normalmente a falta de tempo). Dentre as atividades físicas que foram citadas estão: caminhada, yoga, pilates, remo, dança, lutas, dentre outros.
Sobre a relação da pessoa com o próprio corpo, a maioria ainda vive na dualidade entre se amar e não estar satisfeito com a sua imagem. Ninguém se disse totalmente insatisfeito mas teve quem falou que está completamente feliz com o corpo que tem.

(Da esquerda para direita: Raquel Fernandes, Rosane da Silva, Yáskara Kelli)

A militância foi algo interessante de se observar. Por mais que a maioria faça parte de grupos online que falam do combate à gordobia, praticamente nenhum deles fazia parte da militância fora do ambiente online. A única exceção foi uma acadêmica que faz pesquisa de pós-doutorado na temática do corpo gordo e moda plus size. Essas não são necessariamente questões da militância, mas é um projeto que faz parte da necessidade de estudar e mudar a realidade em que a gente vive quando se trata de pessoas gordas.

(Da esquerda para direita: Renata Guimarães e Tatiane Gimenes)

 

Por Renata Grota – Voz das Gordas

10.08.18

Palank lança Preview Primavera Verão

Acredito que a grande maioria de vocês já ouviram falar da Palank, a marca é  uma das mais antigas do mercado plus size, foi uma das primeiras marcas a ter peças legais para mulheres gordas muito antes de existir a denominação plus size. Lembro-me inclusive de quando enfim consegui conhecer uma loja em uma das minhas idas em SP, uma amiga querida sempre elogiava as peças de lá e era meio que um sonho meu poder ir na loja.

A Palank possui várias lojas em São Paulo e também uma loja virtual para poder atender todas nós, isso é algo que me deixa muito feliz que marcas consolidadas de varejo de moda plus size estejam também disponíveis para compras na internet.

Recebi alguns looks da marca e fiquei encantada com a qualidade e caimento das peças, uma coisa que me chamou atenção foi a qualidade dos tecidos e a modelagem que é ótima e ampla.

Olhem com atenção para esse jeans maravilhoso! Eu fiquei encantada com essa calça e com o quanto que  ela vestiu bem, a blusinha é bem delicada e em uma cor atual, eu curto muito babados no busto (sou despeitada) e já quero ela em outras cores.

Eu gosto muito de listras e amei essa mistura de cores, mas o que eu jamais imaginei é que ele vestiria perfeitamente no meu corpo, adorei a modelagem da peça e o fato dele não ficar curto em mim (isso acontece com muito vestidos).

 

O que é essa estampa? Estampa linda e vibrante que é totalmente a cara do verão (e que é bem raro de vermos em marcas plus size). Fiquei apaixonada nesta blusa, a  calça é em um tecido super gostoso e confortável.

 

Esses foram os meus looks favoritos entre os lançamentos, mas tem muitos outros maravilhosos e convido vocês a acessarem agora mesmo o site: https://www.palank.com.br.

 

Vocês já conheciam a Palank? Já compraram da marca? Contem-me a experiência de vocês. *_*

 


 

 

*Post Patrocinado

 

08.08.18

PROJETO “QUEM SÃO AS PESSOAS GORDAS?” – Participantes

Como já falamos anteriormente, os participantes do projeto foram os mais diversos possíveis e esse era exatamente o ponto que queríamos tocar. Pessoas gordas não são um grande grupo homogêneo, temos nossas diferenças e nossas individualidades. Deveria ser óbvio, mas pelo que ouvimos todos dias não é e por isso achamos importante ressaltar isso.

E é importante ressaltar que não queremos dizer que existe um tipo de gordo certo ou errado, a intenção desse projeto é só mostrar a diversidade de pessoas gordas que existem no Brasil. E o projeto é apenas uma mínima amostragem disso. E todos merecem respeito!

Abaixo, estão todos os que toparam participar dessa nossa jornada.

 

Ana Carolina Rodrigues Secco Medina

Moradora de Santos/SP, Ana Carolina é engenheira, tem 25 anos e ficou noiva esse ano. Apesar de concordar que a aceitação é uma luta diária, ela se ama e se acha linda e sexy. Tenta conscientizar pessoas ao seu redor sobre a gordofobia

Débora Souza

Um das entrevistadas mais novas, mas também uma das mais participativas quando a questão é militância. Ela tem 18 anos e, durante três anos fez parte de um coletivo de juventude e se alinhou a um partido político de esquerda. Participou das ocupações na cidade de Pelotas/RS. Atualmente, não está mais no partido e no coletivo, mas ainda é ativa de forma autônoma em todas as questões políticas. É também vegetariana há 2 anos.

Driele Andrade

Ela é professora, tem 29 anos e mora no Distrito Federal. Praticou remo por alguns meses, mas devido à indisponibilidade de tempo teve que parar. Ela classifica sua alimentação como instável e diz que sua aceitação com o corpo é relativa. Tem dias que ela se ama muito mas, principalmente por causa da dificuldade de encontrar roupas do seu tamanho no estilo que gosta, ela acaba se sentindo para baixo.

Ernani Branco

Dentre todos os entrevistados, o Ernani foi o único que classificou o seu corpo como seu melhor amigo, após anos tentando construir uma boa relação com ele. Ele é psicólogo, casado e tem 27 anos. Ele tenta se alimentar bem durante a semana, mas não pratica exercícios.

(Fotógrafa: Ires Furtado)

Júlia Conedera

A Júlia é estudante de design de interiores e também modelo plus size,  mora em Pelotas/RS. Ela tem uma alimentação bem balanceada, come bastantes verduras e legumes e pratica diferentes esportes 3 vezes por semana. Ela se disse bastante insegura com seu corpo, mas disse também que está tentando começar a entende-lo.

Karla Muzy

Tradutora de 33 anos, ela acredita que a militância está presente em todos os tipos de ações desde algo mais simples como desconstruir o discurso de um amigo como também reivindicar seus direitos.

Marina Bonadio

Ela tem 18 anos e é muito ativa quando o assunto o assunto é exercícios físicos. Há quase um ano, ela faz treinamento customizado, treinos de força com pesos e rubber e aeróbico com bicicleta, esteira e dança. Ela é de São Bernardo do Campo, em São Paulo e cursa faculdade de Psicologia.

 

Marta Pollyana

Até ter que parar por conta de um tratamento médico, a Marta fazia aulas de zumba 3 vezes por semana e de yoga 2 vezes por semana. Ela tem 37 anos, é casada e é desenhista. Segundo ela, sua relação com o corpo é saudável.

Rafael Kiyan

O Rafael tem 22 anos e está cursando faculdade. Nos últimos 6 meses, tem se exercitado uma vez por semana durante 1 hora, depois de ter ficado 3 anos sem fazer nenhum tipo de exercício físico. Ele tenta conscientizar as pessoas ao seu redor sobre os males da gordofobia.

Raquel Fernandes

Ela é de Santo André/SP, é solteira e tem 36 anos. Ela já chegou a fazer uma cirurgia bariátrica que, segundo ela, não lhe trouxe nada positivo. Por morar sozinha, tem a alimentação mais desregulada.

Renata Guimarães

A Renata tem uma alimentação basicamente natural, e evita glúten, leite e açúcar. Ela pratica pilates 2 vezes por semanas há quase 3 anos e também faz caminhadas. É professora, mestre, casada e tem 34 anos.

Rosane da Silva

Aos 51 anos, a carioca Rosane está aposentada como professora, mas está realizando uma pesquisa de pós-doutorado na temática do corpo gordo e a moda plus size. Segundo ela, essa é sua contribuição para a militância. Ela não bebe refrigerante e evita frituras, mas adora doces.

Tatiane Gimenes

Professora, escritora e blogueira, a Tatiane passou anos tentando esconder o próprio corpo. Hoje em dia, essa situação mudou e ela tem uma relação de puro amor com ele.

Yáskara Kelli

Apesar de achar que sua alimentação não é nada fora do comum, pretende começar a comer de forma mais saudável. Sua relação com seu corpo é conturbada, com muitos altos e baixos. Ela é de Juazeiro do Norte/CE.

 

Por Renata Grota – Voz das Gordas

04.08.18

Nosso Voto precisa ser Consciente e útil para nossas causas.

Lembro-me que nas eleições de 2014 convidei a quem me acompanhava que votássemos em mulheres femininistas, eu já tinha essa postura e venho sempre priorizando votar em candidatas que defendem as causas feministas.

Essa minha escolha é por acreditar que precisamos de mais igualdade numérica nas assembleias, isso é uma necessidade real ou seguiremos tendo homens decidindo sobre nossas vidas. 

Mas para essa eleição eu tenho um candidato que é homem e magro (sei que por conta de vivência o ideal seria uma pessoa gorda levantando essa bandeira, mas não dá para desprezar as boas intenções de uma pessoa só por uma questão de tipo físico), que se mostrou muito disposto a lutar pelas nossas dificuldades na Assembléia Legislativa de Minas Gerais.

A falta de acessibilidade para o corpo gordo é uma realidade e já abordei esse tema aqui inúmeras vezes, porém, recentemente, eu convivi de forma mais intensa com essa situação.
E quando a gente é privado de fazer algo, é que tudo fica mais a flor da pele, eu já sabia que só vamos conseguir uma melhoria na questão estrutural através de Leis e para isso, precisávamos de apoio legislativo nessa luta, mas eu nunca fui atrás de um para ver a viabilidade disso, aconteceu que conheci o candidato a Deputado Estadual por MG Claudinho Souza, e ao contar sobre a real e urgente necessidade das pessoas gordas em relação a acessibilidade, ele, na mesma hora, abraçou a causa e disse que vai levantar essa bandeira na Assembleia Legislativa, mesmo conhecendo-o há pouco tempo eu consegui sentir nele algo verdadeiro, que realmente fez sentido pra mim e tenho certeza que fará pra quem também se encontra com dificuldades e sabe que precisamos muito de melhorias no que diz respeito ao nosso direito de ir e vir.
Além das promessas de projetos para quando eleito, ele me disse que independente do resultado, ele coloca o escritório de advocacia dele a disposição para processos referentes à nossa causa (se precisarem, posso fazer a ponte).

Não sei o resultado das eleições e se o candidato que escolhi apoiar publicamente vai se eleger, mas sei que esse contato me fortaleceu e quero muito poder nos organizarmos melhor como militância para buscarmos por vias legais nossos direitos.
Gostaria de pedir a todos que compartilham comigo dessa causa e que também acreditam que é possível conseguirmos melhorias em nosso estado, que estejam ao meu lado nesse momento importante e decisivo, para eleger quem nos representará.
Eu vou votar nele —> Claudinho Souza Dep Estadual 44.125

01.08.18

Moda Plus Size e Representatividade Gorda no Tedx Laçador

É notório que cada vez mais nós pessoas gordas, estamos conquistando mais espaços e ocupando todos os lugares, de um tempo para cá temos tido a oportunidade de “falar” como destaque para outros públicos (não estamos mais restritos a moda e produtos plus size), seja em eventos ou até em peças publicitárias.

Recentemente  a Flávia criadora do Pop Plus,  foi atração de um TEdx. Tivemos pela primeira vez (que eu saiba) a nossa pauta  abordada em um Tedx aqui no Brasil, a Flávia Durante foi convidada a participar do TEDx Laçador em Porto Alegre e falou de moda plus size, autoestima a gordofobia.

Eu gostei muito do resultado, inclusive gostaria MUITO que vocês apertassem o play do vídeo agora mesmo. *_*

Em seu blog a Flávia postou o texto na íntegra (aqui) que ela usou no TEDx Laçador, falou também sobre como foi para ela essa experiência.

O que eu mais curto em vídeos como este (menos de 20 minutos e muita informação) é que podemos espalhar para os amigos e familiares que nunca tiveram nenhum contato com o tema,  para que eles também possam entender um pouquinho da nossa vivência.

Vocês já viram outros TEDx que abordem os temas moda plus size ou gordofobia aqui do Brasil? Se sim é só me indicar que terei prazer em divulgar. <3