07.04.17

Guest Post: Impacto das “mulheres comuns” na moda plus size

Tenho observado no decorrer dos últimos meses uma fator interessante, que vou definir por: Foto de Modelo Plus Size X Foto de Mulher Comuns (Gordas) – Ambas na divulgação de roupas plus size.

Aqui no Rio de Janeiro o segmento plus size necessita de uma reformulação quanto ao que entendem por “modelo”. Ao realizar a divulgação para o #HashTagBazar percebi uma grande mudança da relação da consumidora em relação à mercadoria oferecida.

Os editoriais e fotos com modelos profissionais são lindas, bem trabalhadas na edição (photoshop/lightroom) e propõe uma divulgação que segue o “padrão” de mercado. Mas a receptividade das consumidoras em relação a estes fotos e editoriais é reduzida, por não haver identificação. Pode parecer mentira, mas percebo isso a cada dia.

O padrão profissional/comercial de modelos plus size agradam aos produtores de moda, mas não conseguem vender o produto que elas querem apresentar no varejo.

Algumas consumidoras tem sua atenção desviada da peça de roupa anunciada, para a pessoa da modelo. Elas ao verem o editorial prendem sua atenção subjetivamente à vontade de estarem no lugar da modelo e não na roupa que está sendo anunciada. Uma foto de uma modelo profissional anunciada por alguma marca gera um efeito emocional positivo, em que muitas mulheres gordas desejarem estar ali. Pois ser modelo seria como uma representação de autoestima, beleza, fama, ser desejada, dinheiro, sucesso e etc. MAS isso ocorre com um percentual pequeno de mulheres.

Mas na maioria das vezes ocorre a não-identificação da consumidora com o conjunto roupa+modelo. Sabendo que o segmento plus size possui sim padrões estéticos corporais, a maioria das consumidoras têm uma reação de indiferença e de dúvida em relação a modelo que está apresentando uma roupa a ser comercializada. A primeira pergunta que vem a mente é: “SERÁ QUE TEM MEU TAMANHO?” ou “SERÁ QUE A ROUPA FICARÁ BEM NO MEU CORPO?”. A maioria das mulheres gordas não se sentem representadas pelas modelos plus sizes e vibram e consomem ao ver mulheres comuns nas imagens.

Como percebi isso? Ao divulgar algumas fotos de clientes do #HashTagBazar usando alguma roupa comprada no evento tive inúmeras surpresas. As fotos tiveram um alcance muito maior que as das modelos profissionais. Proporcionaram para a marca uma divulgação 2X a 3X maior.

mulheres comuns gordas

Fotos com mulheres comuns que tiveram uma ótima repercussão nas páginas de divulgação do HashTagBazar.

A interatividade das consumidoras para com a foto perguntando valor é muito maior também. Ao perguntar as proprietárias da marca constatei que houve uma venda muito maior a partir da foto da cliente, do que da modelo. Quando uma foto de uma mulher gorda, em que ela se apresenta como ela é (barriguda, com papada, com braço grande, com tudo aquilo que os editoriais de moda não mostram) causam a identificação: consumidora – roupa – pessoa. E o resultado é perceptível no volume de vendas.
Disseram-me uma vez que fotos de “gordas tronchas” não servem para catálogos. Disseram-me que era necessário selecionar castings para mostrar a beleza da mulher gorda e para isso era necessário estabelecer padrões de modelos plus size.

E hoje percebo que não é bem assim. Quero a pessoa que uma vez me disse que “gorda troncha” não serve para modelar, me explique como o percentual de venda e de visibilidade comercial que ela é no mínimo 2X maior que a da modelo padrãozinho? Como explicar que a foto de uma modelo e uma consumidora, simultaneamente, postadas com a mesma peça de roupa em uma página de evento consegue ter diferença de alcance muito maior. A foto da cliente com a roupa tem em média 70% maior de curtidas que a da modelo? Como justificar que a foto da cliente possui numero maior de comentários perguntando sobre o valor e como adquirir a peça que a da modelo?
O mercado mudou. E se manter ligada a padrões pode significar prejuízos ou vendas menores.

Franz Wasielewski

Fotógrafo e assistente de produção do #HashTagBazar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *