fbpx

Categoria: Sem categoria

27.09.16

Pesquisa de Público – Quero conhecer melhor vocês <3

De tempos em tempos eu gosto de fazer uma pesquisa para saber quem está por aqui. <3

Daqui uns dias o blog irá completar sete anos, e eu quero com a ajuda de vocês, deixar ele ainda melhor. Para isso, preparei uma pesquisa de público, assim será possível eu conhecer um pouco mais de vocês e o que vocês mais gostam aqui no Beleza sem Tamanho.<3
Fiz algo bem básico, para ninguém ficar com preguiça de responder. Combinado?
É só vocês clicarem nessa imagem e serão direcionados para o link da pesquisa, ou clicar aqui.

Pesquisa de Público

 

Desde já eu agradeço a todos vocês que vão responder. *___*

16.08.16

Bullying e omissão levam garoto ao suicídio

Em algum momento todos nós passamos por ações bullying, mesmo que ele não tivesse ainda nome, mas são as crianças e adolescentes são os que mais sofrem.
Toda “diferença” é motivo para que as algumas pessoas pratiquem bullying, quem foi uma criança/adolescente gorda na certa se lembra de tudo que ouviu nos tempos de escola.
Em algumas pessoas o Bullying causa danos graves a autoestima e atrapalha inclusive a socialização, mas para outros a dor é ainda maior e eles não suportam o sofrimento. Esse foi o caso do jovem Daniel Fitzpatrick, que resolveu tirar a vida após não suportar o bullying diário que precisava encarar na escola.

Bullying e omissão levam garoto ao suicídio (1)

De acordo com o New York Daily News, o menino de Staten Island, nos Estados Unidos, cometeu suicídio na semana passada após pedir ajuda a escola para tentar parar com o bullying que vinha sofrendo. A instituição se recusou a intervir, mesmo com pedidos de professores. Assim, Daniel se enforcou com um cinto, no sótão de sua casa. Pouco tempo antes disso acontecer, o aluno escreveu uma carta em que explicava como se sentia, como o bullying e a falta de ajuda o afetavam. Ele tinha a intenção de entregar a carta a escola.

Bullying e omissão levam garoto ao suicídio (1)

Na carta, Daniel escreveu: “estou escrevendo para contar minha experiência na Holy Angels Catholic Academy. A primeira vez, foi tudo bem. Muitos amigos, boas notas, vida ótima. Só que eu mudei e voltei para escola e isso foi diferente. Meus antigos amigos mudaram. Eles não falavam comigo, nem gostavam de mim. A 6ª série veio. Anthony, meu amigo, não se deu muito bem e eu também. Mas Anthony resolveu descontar isso em mim”.

“Ele praticava bullying contra mim ao lado de John, Marco, Jose e Jack. Faziam isso constantemente, até que eu entrei em uma briga com Anthony. Todos pararam, exceto John, ele estava com raiva. Eu acabei tendo que tirar raios-x do meu dedo por causa de John. Acabei brigando com ele e tive meu dedo mindinho fraturado”.

“Ele acabou tendo problemas. Para mim, nenhum problema. Mas eles continuaram. Eu desisti dos professores também. Eles não faziam NADA. Não brigavam com eles e ainda quando eles arranjavam problemas, eu que levava a culpa e tinha problemas. Anthony estava bravo comigo porque acreditava que eu fiz ele falhar. Mrs. McGoldrick não fazia nada”.

“Contei para todos os professores, que não fizeram nada. Exceto Ms. D’Alora. Ela era a professora mais legal de todas. Ela entendia e fez alguma coisa, mas isso não durou muito. Eu queria sair, eu implorei, pedi eventualmente. Eu falhei, mas eu não me importava. Eu estava fora e era tudo o que eu queria”.

As informações foram retiradas daqui.

 

É muito triste que isso aconteça, mas é ainda mais absurdo que uma instituição escolar seja omissa a situações como essa. Espero que o Daniel esteja em um lugar melhor que este em que vivemos.

Vocês já vivenciaram o bullying? Costumam observar se as crianças/adolescentes do seu convívio sofrem com ele? Lembrem-se sempre de dizer as crianças o quanto elas são maravilhosas do jeitinho que são, isso irá ajudá-las a suportar melhor situações de bullying.

 

25.05.16

Lançamento – Calças Levi’s Plus Size

Aconteceu um lançamento babado em São Paulo no último dia 14, a marca mais famosa do mundo de Jeans trouxe para o Brasil algumas peças plus size. Agora mulheres gordas brasileiras também vão poder usar as calças Levi’s plus size e os gordos também.  <3

A blogueira Ju Romano foi responsável por convidar a mulherada para o lançamento, reuniu no dia do  evento um time de mulheres lindas, que usam tamanhos plus size e atuam no mercado de alguma forma. Infelizmente eu moro longe de SP e não pude estar presente.

Mesmo sem ainda ter tido a oportunidade de vestir uma calça Levi’s, quero compartilhar com vocês um pouquinho do que vi e o que eu achei sobre o lançamento.

Levi's

Todas as meninas que vestiram mencionaram que as peças estão com a numeração grande, o que é ótimo por um lado e péssimo por outro. De acordo com a assessoria da marca as peças femininas vestem até o tamanho 52, só que algumas meninas que estavam no evento vestem normalmente 54/56 e serviram lindamente nas calças. <3

É muito bom ter uma numeração que atenda até o 56, mas para quem compra a distância como eu isso dá uma complicadinha, já as peças masculinas vieram do 52 ao 70. Torço para que a feminina também amplie sua grade, existem muitas gordas que vestem mais do que o tamanho 52 ou 56 que seja, e precisam também de boas opções para se vestirem.

Selecionei algumas fotos das meninas que estavam presente no lançamento e já estão usando as calças que ganharam, nelas é possível ver que realmente veste bem em corpos diferentes.

Só pra mostrar minha calça @levisbrasil da coleção plus size. ??#ladiesinlevis #liveinlevis #liveinlevisbr

Uma foto publicada por Curvilíneos (@curvilineos) em

Todo mundo sabe o quanto eu amo jeans e devem imaginar o quanto eu estou louca para experimentar a peça. Espero matar essa curiosidade loguinho, assim que eu puder vou investir em uma e conto para vocês sobre a minha experiência pessoal.

As peças estão à venda no site da Best Size (aqui) e em algumas lojas multimarcas em vários Estados do Brasil, saiba quais são clicando aqui.

Vocês já estavam sabendo? Já experimentaram?

Contem-me o que acharam aqui nos comentários. *_*

14.10.15

Felicidade não se mede em balança!

Ontem a minha irmã magra (é, tenho uma) me gritou para ver o HORROR o que estava passando na TV, fui ao quarto dela e me deparei com o Além do Peso. Ela chocada me contava o que o cara disse para uma das meninas: “Bailarina com 160kgs! Vc é uma piada”.

A Bailarina em questão é a Thais Carla… Sobre ela saber dançar, ou ser uma piada, eu peço que vocês apertem o play deste vídeo.

Ao assistir eu vejo um show de segurança, competência e habilidade para dançar, nem de longe uma piada.

Mas pelo que pude ver (aqui) a Record considera válido humilhar  os participantes do programa Além do Peso, acreditam que com esse choque (humilhação) eles vão manter o foco em emagrecer para mudarem suas vidas.
E quem precisa emagrecer para mudar a própria vida? Ninguém!

se amando
Muita gente acredita que a felicidade está em perder 10/15/50 kgs, se vocês analisarem as hastags de fotos de mulheres (seja gorda, ou magra) é comum ver associações a perda de peso, comemorações por perder 3kg e desespero por engordar 1kg.

Ninguém é proibido de emagrecer, cada um sabe  bem a dor e a delícia de ser quem é,  mas estou na torcida de uma Lei (contém ironia) que impeça as pessoas a julgarem a felicidade e a saúde alheia, pelos números de uma balança.

FELICIDADE NÃO SE MEDE EM BALANÇA
A sociedade tenta nos fazer acreditar que no fim de um emagrecimento a vida vai mudar totalmente, só que isso é utopia.

A insatisfação corporal de cada pessoa, se transforma em lucros para indústrias de emagrecimento e beleza, é preciso que se desconstrua essa idéia de que perder peso é garantia de uma vida perfeita. Afinal, felicidade não se mede em balança!

A vida é muito curta para vivermos em função de peso, todo mundo tem direito de emagrecer se essa for a sua vontade, mas não façam isso por mais ninguém, que não seja vocês mesmos.

12.08.15

Ronda Rousey e a aceitação corporal!

Hoje eu tive conhecimento que Ronda Rousey tem um trabalho focado em ajudar mulheres que sofrem com problemas relacionados a própria imagem.  Sou totalmente leiga na questão do esporte, mas sei que Ronda é sucesso e faz brilhantemente o trabalho no qual se especializou.
Mas eu jamais imaginaria que a moça que além de saber bater em suas oponentes e ser sexy symbol para os carinhas fãs de UFC, era também uma mulher engajada na luta para que mais pessoas lidem bem com a própria imagem.

Ronda Rousey e a aceitação corporal
Se até hoje eu não tinha tido curiosidade de saber mais sobre ela, hoje eu tive e posso dizer que estou encantada de ver que ela está aproveitando sua fama para ajudar no empoderamento de outras mulheres.

A Campanha intituladaDNB (Do Nothing Bitch, em inglês) ou “mulher que não faz nada”, tradução livre para o português, veio de sua mãe. “A minha mãe não me criou para ser esse tipo de mulher que está sempre acomodada”, disse Rousey.
“Acho divertido quando as pessoas dizem que meu corpo parece masculino. Só porque ele foi desenvolvido para um fim diferente da maioria das mulheres, não significa que ele é masculino. Isso é estúpido! Não há um único músculo do meu corpo que não foi desenvolvido para um propósito”, explica.
O dinheiro arrecadado com a vendas camisas será doado com as vendas será revertido para o Didi Hirsch Mental Health Services Centre, nos Estados Unidos, uma instituição que ajuda mulheres com problemas de relação com o corpo e saúde mental.

ronda dont be aRonda defende que mulheres fora do padrão também são bonitas, mesmo ela tendo um corpo OPOSTO ao meu, vejo que ela também busca e contribui por uma sociedade que respeita a beleza em suas diferentes formas. <3

 

 

beda