Categoria: Gordo

10.09.10

Parabéns hoje é o dia do Gordo

Acabo de ser parabenizada via twitter (valeu lariluz)

 Pois hoje é o Dia do Gordo, ou seja o dia de grande parte dos meus leitores.
E mesmo sem muita pompa [minha vida está uma correria] venho  desejar que hoje vocês se lembrem que ser GORDO não deve ser considerado um empecilho para a FELICIDADE de vocês nunca.
Festeje, ame, brinque e coma [se isso você desejar. afinal nem todo gordo comemora comendo] o dia é seu :D.

Parece eu e as amigas de blog 😛

Deixo o link aqui de uma matéria sobre o dia.
E também o que o Papo de Gordo, acha sobre o dia aqui  texto ótimo como eles sempre fazem.

Pretendo depois com calma dizer o que acho sobre o Dia do Gordo mas hoje eu desejo só que vocês comemorem afinal é nosso dia.

28.08.10

1° Concurso Colírio GG para os Menino

A Milly do Cotidiano Gordo acaba de lançar um concurso para valorizar a beleza dos Meninos Gordinhos.
Meninos chegou a hora de vocês, o Cotidiano Gordo lança o primeiro concurso Colírio GG, um votação para escolhermos o gordinhos mais gato da FATesfera, os meninos não costumam participar de nossos eventos e também não tem nada voltado para eles, por isso o Cotidiano sai na frente e abre espaço para que os nosso rapazes mostrem sua beleza e lógico dar a chance as meninas de votarem e escolherem o bonitão da vez.
Para participar enviar para o email : grandespessoas@gmail.com , com o titulo Colírio GG
2 fotos
Nome e sobrenome
Idade
Cidade onde mora
Um texto breve falando sobre sua personalidade, coisas que gosta

Os ganhadores receberão um premio e terão sua foto publicada no blog junto com uma matéria para que todos possam conhecer o gordinho mais gato da FATesfera.

23.07.10

PRECONCEITO IGNORADO E ACEITO

Ontem li uma notícia na internet que me deixou estarrecida: um deputado alemão, em entrevista, sugeriu que os gordos deveriam pagar um imposto para compensar os gastos de saúde resultantes de sua excessiva carga corporal. Segundo ele, é perfeitamente razoável que quem tem voluntariamente uma vida pouco saudável deve assumir a responsabilidade financeira da mesma.

Acredito que muita gente vá concordar com esse ponto de vista. Vamos então ampliar a ideia: quem fuma, bebe, pratica esportes radicais e come porcaria (mesmo sendo magro), também tem de pagar mais impostos. Assim como quem tem doenças congênitas ou histórico de problemas como diabetes ou cardíacos entre os membros da família. Afinal, todas essas pessoas podem trazer mais custo ao Estado e aos planos de saúde.

Sempre fui uma gordinha assumida. Nunca tive grandes problemas em estar acima do peso. Depois que tive câncer engordei bastante, e tenho consciência de que preciso emagrecer o que ganhei durante o período da doença. Apesar disso, tenho taxas de colesterol e glicemia que fazem inveja a muita gente magra que convive comigo. Ainda assim, se morasse na Alemanha, correria o risco de pagar imposto a mais por gostar de comer.

A sociedade estabeleceu muitos pontos “politicamente corretos”. Não podemos mais fazer piadas de negros nem depreciar qualquer portador de necessidades especiais. Concordo com isso. Mas, para compensar a falta desses personagens nas piadas, principalmente as de mau gosto, usamos agora os gordos. Sempre ele é o idiota nos programas de humor. Nas novelas, ele é sempre o bom amigo e, para conseguir alguém na trama, acaba emagrecendo.

O preconceito contra os gordinhos, gorduchos e gordões existe e é aceito totalmente em nossa sociedade. Cansei de entrar em lojas e ser atendida por pessoas que, sem o mínimo de respeito, me dizem “não temos roupas do seu tamanho”, como se eu pesasse uma tonelada. Já cheguei a escutar o absurdo de que roupa para gordo não tem público. Como se as pessoas acima do peso não tivessem o direito de se vestir bem, assim como os magros.

Também gosto de ver pessoas magras. Não estou pregando aqui que todo mundo seja gordo. Muito pelo contrário, se existem problemas de saúde, a pessoa deve emagrecer para se cuidar. Mas acho fácil quem é magro criticar quem não consegue emagrecer. Assim como é fácil quem não fuma criticar o fumante e quem não bebe criticar o alcoólatra. A obesidade extrema já é considerada uma doença pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Precisa agora parar de ser tratada como um problema apenas estético pelas pessoas, que não ajudam em nada quem sofre com isso. Afinal, minha pessoa não é composta apenas por meus quilos, mas por minha personalidade.

Andrea Mesquita

21.07.10

A Gordura como Escape

Sabe aquele show que era tudo e que você estava “doido (a)” para ir?

Sabe aquele curso que você tava muito afim de fazer?

Sabe aquele barzinho frequentadíssimo que todos os amigos vão e vivem te chamando?

E aquele gato ou gata que você vive olhando de longe bem escondidinho.

Exatamente, bem escondidinho, para ninguém te ver. A desculpinha esta sempre ali na ponta da língua. Eu não vou estou muito GORDA (O).

Não vou ao show porque sou gorda (o), não faço o curso porque sou gorda (o), sair para um lugar badalado? Imaginem, sou GORDAAA (OOOOO).

Namorar, jamais, sou GORDA (O).

A maioria dos gordinhos bem resolvidos, devem estar pensando, eu não faço isso, vou a todos os lugares e faço tudo que sempre sonhei. ÓTIMO.

Mas existem sim, aqueles em que a gordura vira a fonte da vida, isso mesmo, o mundo gira em torno da capa espessa que protege do exterior, com se estivesse ibernando, num lugar bem quentinho e confortável, não tendo que enfrentar os leões lá fora.

Quando encontramos pessoas nesse estágio não imaginos o quanto a gordura é tão importante em suas vidas e como essa é regida por aquela, queremos logo dar um palpite para o gordinho emagrecer. Mas quem disse que ele quer isso?

A gordura vira então, uma aliada para se privar de muitas coisas. Claro, tudo tem um preço e o preço de todo esse “conforto adiposo” é não vivenciar as coisas boas.

Mas, como tudo sempre tem um preço, alguns gordinhos preferem viver assim.

Contudo a realidade é um pouco mais cruel, do que a simples aceitação, de que EU SOU ASSIM E PRONTO. Lá naquele fundinho, a maioria gostaria de viver, viver bem, mas o medo de se desvincular da “proteção” é muito grande.

Ai, a coisa pega, pois começa o sofrimento e o conflito, “quero viver outras coisas”.

Dois caminhos ela vai ter para optar. O primeiro é se aceitar e fazer sim tudo que deseja sem a proteção, o segundo é identificar o que lhe faz mau e resolver efetivamente mudar o estilo de vida e se desvincular da falsa “proteção.”

Fácil? Não, não, muito difícil ter que se desfazer de um custume, um aconchêgo e um alento, mas também é muito difícil viver sem viver.

A gordura não pode se tornar uma arma psiquica, é preciso baixar as defesas, enfrentar os medos e seguir o caminho que lhe faz sentir melhor.

Pense nisso.

Renata Menezes