Categoria: Gorda

14.02.17

Amaryllis Moda & Acessórios é variedade em Moda Plus Size no Rio de Janeiro

Na quinta passada estive no ateliê Amaryllis Moda e Acessórios para conhecer ao vivo (eu já conhecia online) e poder compartilhar com vocês tudo que vi por lá. Logo que chegamos eu pude entender o diferencial do lugar para outras lojas, o ateliê funciona em uma sala comercial super aconchegante, as proprietárias são super atenciosas e receptivas, nós passamos horas por lá sem perceber o tempo passar.

Com sofá, café, coca cola e amor fica muito mais gostoso escolher novos looks. No dia da nossa visita a Cleide fez uma Live e quem quiser assistir é só clicar aqui.

Lá é possível encontrar marcas bem conhecidas do mercado plus size, algumas que lembro a são: Quintess, Júlia Plus, Mirasul, Lenner e ainda possuem peças de fabricação própria.

Endereço: Rua Visconde de Santa Isabel, 20 sala 410 – Vila Isabel/Rio de Janeiro

Telefones: 5546 / 21 98844-9424 / 21 999925-1678

https://www.facebook.com/amaryllismodaeacessorios

https://www.instagram.com/amaryllis_modaeacessorios

Com a proximidade do Carnaval eu quis experimentar e fotografar looks que eu usaria tranquilamente para os dias de folia, e que são ideais para os dias de verão. Confiram as minhas escolhas. *_*

Jeans é sempre bem vindo para mim, mas nesses dois looks eu “abusei” e adorei o resultado, tanto a jardineira quanto o short com colete me deixaram com jeito de novinha e eu acho que preciso aderir para a vida.

Blusinhas moderninhas e shorts jeans é aposta certa para os dias de verão e carnaval, amei muito também estes dois looks.

Vestidos são sempre uma aposta certa para o verão, eu como vocês já sabem não sou a maior fã deles, mas eu me APAIXONEI por estes dois curtos, o longo tem um tecido super gostoso e para quem tem o estilo ele é também perfeito.

 

Vocês viram quantos looks lindos? Eu acredito que ao menos um deles vai conquistar o coração de vocês, pois o meu coração precisou aguentar firme para não jogar várias peças no parcelamento haha.

Além destes looks, eu e a Cleide ainda vamos mostrar para vocês outras peças que vieram morar com a gente, aguardem novos posts em breve.

Eu já contei que o atendimento no ateliê da Amaryllis Moda & Acessórios  é sensacional e super personalizado, mas o que eu ainda não tinha dito é que eles possuem também uma loja virtual com preços ótimos, com a entrega para todo o país e pagamento facilitado. É só clicar aqui e conferir tudinho.

 


*Post Patrocinado 

12.02.17

Carta Aberta aos Diretores e Artistas de “Malhação- PRO DIA NASCER FELIZ”

No dia 08/02/2017, foi ao ar uma cena de Malhação que me deixou perplexa e preocupadíssima. È lamentável que, uma novela direcionada ao público adolescente, fase essa de descobertas e aceitação do Eu, venha tratar com tanto descaso e falta de respeito um assunto tão sério.
A cena em questão era uma DR entre o casal Joana e Giovanne, protagonizado pelos atores Aline Dias e Ricardo Vianna. O conflito se dava por Giovanne estar com ciúmes da namorada pelo fato dela ter feito um ensaio para uma campanha onde estaria de biquíni. No desenrolar da cena, Joana convida o namorado para comer um churros e o mesmo, por ser atleta, alega que seu técnico não se agradaria com a ideia dele comer doce e fritura e a mesma promete que será um segredo dos dois.
Até ai tudo bem. A bizarrice da cena se dá nesse momento: Giovanne diz que só vai comer se a namorada prometer que ficará bem gorda, para que nenhum homem mexesse com ela, ao que a mesma responde da forma mais insensível possível:
“- Ah não, pra você largar de mim?“


O namorado até tenta consertar dizendo que a amaria do mesmo jeito, mas nesse momento a bala já atingiu seu alvo, a adolescente gorda que está assistindo em casa. A arte é uma das formas mais genuínas de se levar as pessoas à reflexão. A arte salva, cura depressão e é inadmissível que ela seja usada para oprimir, para desclassificar uma pessoa. Eu passei o resto da tarde e noite martelando isso na minha cabeça, fiquei pensando como esse diálogo chegou até aquela adolescente que luta diariamente, luta para que seja vista como uma pessoa normal, que luta para se sentir bem quista entre seus amigos, para que não vire chacota na escola e em casa por ter um corpo gordo. Fiquei pensando em como esse diálogo deve ter doido, como deve ter sido humilhante ouvir de seus ídolos que, um corpo gordo é recusado pela sociedade, que homem não gosta de gorda.
Sabemos que a adolescência é uma das fases mais difíceis na vida de um ser humano, é a fase de aceitação e isso pode gerar traumas, algumas vezes irreversíveis. Eu, como gorda e atriz, me senti no dever de expor o meu descontentamento perante essa situação. Espero que essa bala não tenha atingido ninguém, mas caso tenha, saibam que esse diálogo apresentado ontem em MALHAÇÃO foi um equívoco, ter um corpo gordo não a faz inferior a nenhuma outra mulher.
Espero pelo dia em que ligaremos a TV e nos deparemos com uma protagonista gorda, mas uma gorda feliz, por que as que se têm nos apresentado é uma gorda que só é feliz quando emagrece e vira a top da história. Existe gorda feliz, não sei por que ocultam isso. Chega de colocar gorda na posição de chacota e inferioridade. Na própria MALHAÇÃO, a personagem de Aline Dias é a protagonista Negra, honesta e que conquista seus sonhos através de seu esforço, e tenho certeza que muitas adolescentes negras se espelham nela. Chegou a vez da gorda ser representada com respeito e sem ser desmerecida em cena. As nossas adolescentes gordas precisam se enxergar na posição de protagonista de suas vidas.
Espero de coração que os próximos temas sejam abordados com mais cautela, porque, se esse diálogo foi uma tentativa de fazer a mulher gorda se sentir bem, vocês falharam.
Cordialmente,

 

*Texto escrito por uma telespectadora, que ao assistir  a cena, se assustou com a Gordofobia explícita em um programa voltado para adolescentes.

09.02.17

Dietas: o que ninguém te conta sobre elas

As dietas existem desde sempre, porém mais recentemente elas vêm ganhando um espaço maior.
Os motivos principais para se fazer dieta são dois:

1) controlar o peso corporal/forma física (ficar mais magra, ficar mais forte, ganhar mais peso, ter menos barriga, etc) e

2) controlar uma questão de saúde (colesterol alto, diabetes mellitus, hipertensão, etc.).
Mas o que é uma dieta?
Para a ciência da nutrição, ninguém faz uma dieta porque todo mundo tem uma dieta. Ela significa a alimentação consumida por uma pessoa. Ela é quase a mesma coisa que “alimentação”. Na ciência da nutrição dizemos: “O José tem uma dieta normoproteica”, que significa que a alimentação dele tem a quantidade normal (que ele precisa) de proteínas*.
Para o restante do planeta, fazer dieta ou estar de dieta significa fazer uma alimentação diferente, geralmente uma alimentação onde se retira parcialmente ou totalmente algum nutriente ou grupo alimentar. Por exemplo, as pessoas dizem “estou fazendo a dieta da proteína”, e nessa dieta a prioridade é comer alimentos que contenham proteínas* e não comer alimentos ou comer poucos alimentos que contenham carboidratos*. Em todo o texto eu estou falando destas dietas.
Só para exemplificar: dieta da sopa, do abacaxi, da USP, de Atkins, Dukan, da lista do pode e não pode, detox, do tipo sanguíneo, da lua, entre milhares de outras.

Qual dieta funciona mais?
Essa é uma dura verdade que eu trago: nenhuma.
Muitos estudos que comprovam eficácia de dieta, do ponto de vista de perda de peso, em sua maioria são estudos de curto tempo e/ou sob ambientes extremamente controlados. Isso porque eu nem estou citando os estudos que comprovam que elas não funcionam ou as que sequer têm algum estudo científico comprovando alguma coisa.
A título de curiosidade: de cada 100 pessoas que emagrecem fazendo uma dieta, apenas 5 delas conseguem manter o peso em até 2 anos. CINCO!
Antes que você pense “Ah, mas isso é uma questão de determinação/foco/força de vontade”, trago outra verdade: não é. E a indústria por trás das dietas adora que você pense assim, porque isso leva você a uma nova dieta (mesmo que seja a mesma, só que com outro nome).
Se as dietas apenas não funcionassem, tudo bem, afinal, se uma pessoa tentasse uma dieta para emagrecer e não emagrecesse, que mal teria, não é mesmo? Entretanto, o problema é bem maior: elas têm efeitos colaterais e riscos.

O que acontece depois delas?
As dietas ativam um mecanismo que funciona na forma de um ciclo (veja a imagem abaixo).

Nesse ciclo, a pessoa inicia se “sentindo gorda”, considerando isso um problema. Em seguida ela pensa em uma solução para esse problema. Na maioria das vezes, essa solução é uma dieta (às vezes ela não tem nome, mas algo como “nunca mais vou comer doces”, por exemplo). Nessa dieta, como já mostrei para você, ela necessariamente exclui ou limita muito algum alimento ou nutriente. Essa limitação gera automaticamente um desejo pelo proibido. Em algum momento (horas, dias, semanas ou meses) esse desejo irá ser maior que a proibição e a pessoa se revolta contra a dieta. Nesse momento a pessoa irá comer esse alimento, muitas vezes com voracidade ou escondido ou em grande quantidade. A consequência disso é a geração de uma grande sensação de culpa, e essa culpa será direcionada para corpo (“eu estou muito gorda”), que por sua vez irá levar novamente ao pensamento de dieta (“eu nunca mais vou comer isso”).
Além de todo esse sofrimento que passa batido e é encarado como normal, o que acontece é o inverso do desejado: a pessoa ganha mais peso do que tinha inicialmente. Esse vai e vem do peso, chamado de “efeito sanfona” ou “efeito ioiô” é uma das coisas mais danosas para saúde.

O queridinho do momento: o jejum intermitente.
Esse assunto é muito polêmico. Existem pessoas defensoras ferrenhas do jejum intermitente, desde pesquisadores até pessoas que o praticam.
O jejum intermitente é basicamente um método de administração da alimentação baseada em ficar alguns longos períodos em jejum. A justificativa é que isso reduziria o peso e melhoraria indicadores de saúde do corpo.
Porém, a prática pode ter alguns efeitos colaterais: dores de cabeça, irritação, queda do açúcar no sangue, deficiências vitamínicas, cansaço, etc. O mais importante deles é: ganhar o peso perdido novamente, entrando no ciclo acima novamente. Eu não considero o jejum intermitente como um cuidado, mas sim como uma atitude danosa.
Deixo algumas questões para reflexão: Qual a diferença entre fazer esse jejum intermitente e o comportamento de uma pessoa com anorexia nervosa? Por quanto tempo eu planejo fazer essa “dieta”? Como eu vou comer depois que eu parar de fazer? Se eu tivesse um filho de 4 anos, eu deixaria ele fazer essa “dieta”, em nome da sua saúde?
Minha ideia com esse post é apenas alertar você que as dietas podem ser muito tentadoras, mas igualmente perigosas!

*Todas as palavras marcadas com * se referem a nutrientes, ou seja, substâncias que existem nos alimentos, essenciais para o nosso corpo funcionar bem.

06.02.17

15 Maiôs Plus Size para fazer bonito em qualquer lugar – #VerãoSemNeuras

Quando nós mulheres gordas começamos a nos empoderar e termos consciência que deveríamos curtir um #verãosemneuras, gradualmente fomos tomando posse dos biquínis e nem pensávamos mais em maiôs plus size. No meu caso específico, por ser alta nunca dava muito certo os maiôs e acabava sempre escolhendo um novo biquíni, aí vários biquínis foram me encantando e os maiôs tadinhos foram cada vez mais esquecidos.

Mas a MODA é uma coisa maravilhosa que vem de mansinho e convence a gente haha, neste verão os maiôs voltaram com tudo e sendo ideais não só para a praia/piscina, mas também para fechar um look descoladinhos com jeans.
Eu que já tinha desisitido de maiôs tem uns 5 anos, me vi desejando váriosssss e resolvi fazer um top 15 dos maiôs plus size mais lindos que vi e trouxe para mostrar para vocês.

Confiram minhas escolhas.

 

Branco e preto, mas nada básico e tudo muito lindo.

Estes são da: Kaone (até tamanho 60) e da Chic e Elegante.

Brilhos, transparências e recortes inusitados.

Estes são da:  F.A.T. ( peças no tamanho do 46 ao infinito) e da Júlia Plus.

Listras e mais listras, são sempre bem vindas. 

Estes são da: Vk Moda Plus Size (multimarcas com as melhores marcas do mercado) e da Feminina Plus Size (até o tamanho 60).

Nós podemos ser o que quisermos, isso inclui  um maiô de Mulher Maravilha, de Diva ou de Sereia. 

Estes são da: A minha praia é (tamanhos até o 60), Vk Moda Plus Size e Virall Retrô (peças sob medida).

 

Franjas, fecho e recortes na barriga são também opções deste verão.  

Estes são da: Quintess, Cachopa Brasil e Cor de Jambo.

Eu não tenho maiô e estou ensaiando comprar um, mas como eu quero esses 15 hahaha  acabei ainda não comprando nenhum, mas está nos meus planos.

A maioria deles podem ser usados como body e fazer um looks que são super tendência, para o dia a dia ou até para a baldada. É eu realmente preciso de um maiô para chamar de meu. <3

Esbarrei em outros maiôs também lindos, mas só trouxe para o blog peças que vistam pelo menos o tamanho 54, mas espero que em breve todas as marcas ampliem suas grades e eu não precise deixar ninguém de fora.

E vocês usam maiôs? Gostaram de algum desses? Tem outro lindo para indicar?

Conte-nos tudo aqui nos comentários.

03.02.17

{Re}descobrir-se é preciso!

Desde crianças somos ensinadas a seguir padrões sejam eles quais forem.
“Você e mocinha, tem que sentar de pernas fechadas”
“Não pode falar muito alto porque é feio”
“Olha, não coma muito porque senão vai engordar e nenhum menino vai te querer”
Essas e muitas outras frases que escutamos durante um longo período da nossa infância e adolescência tem um impacto muito grande na mulher que nos tornamos. As pessoas nos cobram um modo de viver que seja adequado a agradar as pessoas e o nosso eu fica em último lugar, muitas das vezes nem existindo.
O problema é que se adequar a esses padrões não é tarefa fácil e na maioria das vezes muitas meninas, por mais que tentem ser “exemplo de moça de perfeita” não conseguem e se culpam por isso, trazendo muitos traumas e frustrações pra suas vidas.
Por que estou dizendo isso? Porque eu sofri um pouco com essas imposições (não vou dizer que sofri muito porque graças a Deus meu processo de libertação começou cedo).
Sou do tipo grandona, a maior de todas as turmas, escandalosa, perua e sempre gostei de aparecer, mas era repreendida por algumas pessoas que julgavam que esse não era o comportamento certo pra uma garota.
Tudo na minha vida foi precoce. Descobri as coisas muito nova, casei cedo, saí de casa cedo e me joguei nesse mundo que por mais cruel que seja faz a gente crescer. E aquela coisa: ou vai ou racha. E comigo foi!
Foi aí que descobri que o meu jeito de ser, o meu corpo, as minhas escolhas, pertenciam só a mim e a mais ninguém.
Aprendi a me amar da forma que eu sempre fui, com o corpo que eu sempre tive e lutei muito durante muito tempo para mudar a fim de ser aceita, e com o comportamento escandaloso e excêntrico que sempre tive.
Hoje eu tento mostrar pras mulheres que elas podem ser o que quiserem e da forma que quiserem, independente do que digam. Sei que essa frase está bem batida, ouvimos muito por aí, mas a pratica dela quase não existe.

Muitas mulheres precisam de inspiração sim, precisam desse empurrão, precisam ouvir mais de dez vezes a mesma coisa para se aceitarem e se amarem da forma que são, por isso aceitei o convite da Carol Paiva Fotógrafa pra fazer parte do Ensaio Redescobrir-se, onde ela queria mostrar que a mulher gorda pode ser sensual e sexy sim e que isso não tem a ver com o corpo e sim com o que a mulher emana do interior.



Para ver mais fotos cliquem aqui.

Tem uma frase que eu amo e sempre repito: “Auto estima é afrodisíaco” então experimente se amar, se aceitar, buscar viver da forma que te faz feliz e que te agrade em primeiro lugar que todo o resto se tornará sem importância.