Categoria: Comportamento

24.03.10

POSTAGEM #200 : MULHER GORDA SÓ PODE USAR ROUPA PRETA?

Eu estava esperando a dona do blog, mas “num guento” hahaha…
Recebi esse texto e só o título já é fantástico…
Espero que vocês gostem!


Por Tate em Cotidiana

Gordofobia é um tema prometido faz tempo nessa coluna aqui. o que é? aversão, ódio, fobia e/ou tratamentos depreciativos às pessoas gordas e/ou gordura. almoço muitas vezes no restaurante da unb, no refeitório vegetariano. algumas pessoas que comem lá não são vegetarianas, escolhem o refeitório porque acham que a comida é “mais saudável” ou porque tem menos fila. no ano passado eu tava lá almoçando e, perto de mim, tinha uma mesa com umas 4 pessoas, 1 mulher e uns 3 homens, todxs brancxs. a mulher namora um dos homens. e ele faz um comentário assim: “ia ser bom se comida não fosse gostosa, porque aí não existiriam pessoas gordas no mundo. elas não iam ter mais motivo pra comer tanto e engordar. pensa só, galera, que lindo um mundo sem gente gorda”. as outras pessoas riem. gargalham.
Eu estava bem sentadinha lá, comendo a comida gostosa e barata que acho pouco saudável (por ter agrotóxicos), com meus muitos quilos “a mais”, almoçando no vegetariano porque sou vegetariana, há 10 anos agora, por motivações que começaram com respeito à vida das pessoas não-humanas. só bem recentemente é que comecei a ter mais cuidado com a saúde no plano da alimentação. já fui a rainha da fritura, e ainda gosto muito de açúcar. aliás, só parei de comer fritura quando cansei de lavar as panelas das coxinhas (de lentilha!), das mandiocas fritas, dos quibes de ervilha… muitas pessoas, até hoje, se espantam quando sabem que sou vegetariana. não conseguem entender como uma mulher gorda pode ser vegetariana. associam, ainda, uma dieta vegetariana a uma que chamam de natureba, e os estereótipos atacam novamente!
A magreza tem sido incentivada em nossa sociedade, esse pedaço de mundo pós-colonial, tecnocrata, de capitalismo patriarcal e racista, a partir de motivações que criam e consolidam o mito de que magreza é saúde, e conectam “saúde” a “funcionalidade” dos corpos. recentemente vi num jornal de tv a notícia de que uma mulher que concorria a uma vaga de emprego foi dispensada por ser obesa. é importante lembrarmos que também é um traço construído, nessa sociedade (e constitutivo da mesma), colar “saúde” com “funcionalidade”; e ambas serem a medida de quem vai servir pra ocupar postos no mercado de trabalho, por exemplo. os exames de saúde admissionais ilustram isso, podendo advertir ao patrão sobre a capacidade de eficiência da pessoa a ser contratada a partir da possibilidade de exploração de sua mão-de-obra, pra que ele não só deixe de arcar com custos de lesões e traumas causados pelo esforço, mas que possa eliminar pessoas mais propensas a “menos eficiência e funcionalidade”.
Mesmo corpos gordos sendo “funcionais” pra esse uso exploratório e pra outros usos (próprios), ainda assim há todo um aparato midiático, a serviço de outras indústrias, que vai criar uma expectativa de magreza social. que indústrias outras? especialmente a farmacêutica e a de cosméticos. porque outra associação feita à magreza tem sido a da beleza; beleza sendo equiparada a magreza e vice-versa, justificando o afã das dietas mágicas de “perca 4 quilos em 7 dias”, o alto faturamento das indústrias da cirurgia plástica e das academias, a adoração dos corpos anorexos das passarelas, o boom das cirurgias de redução de estômago… um conjunto de processos de intervenção que tratam gordura como doença, padronizam o modelo estético pros corpos, e criam uma fobia à obesidade.
Obesidade é grave sim, eu também sei. Pode ter implicações no funcionamento interno dos órgãos, além de graves conseqüências psicológicas pras pessoas obesas. mas acho leviano que o que é um sintoma de outros distúrbios (de ordem psíquica, hormonal, afetiva ou mesmo social – “cultura do fast food” nos diz algo sobre isso) seja tratado como a doença em si. Há vários casos de que pessoas que fazem redução de estômago engordam de novo. Ou seja, onde tá o problema? Ou será que vivermos numa sociedade extremamente consumista, de acúmulo, não tem nenhuma relação com a forma como lidamos com a comida? Com as compulsões e distúrbios alimentares?
Anorexia e bulimia são, infelizmente, rotineiras nas vidas de muitas mulheres. uma filósofa feminista, alice gabriel, escreveu uma vez, lá no começo dos anos 2000, um artigo muito interessante sobre a relação entre o imperativo da magreza anoréxica e uma forma de “masculinizar” o corpo. masculinizar no sentido de afastar dele as características atribuídas à feminilidade: curvas, peitos, gordura acumulada nos quadris e nádegas… Anos mais tarde, lendo germaine greer, outra feminista, tive contato de novo com essa assunção, de que o padrão de beleza vigente nesse nosso pedaço de mundo tem tudo a ver com uma ótica de masculinização do mundo. Não significa que elas acham que todas as mulheres tenham que ser gordas pra serem mesmo mulheres, até porque o feminismo já ensinou pra gente que não existe um “ser mulher” único, mas sim várias formas de construção de femininos e masculinos que dependem muito dos interesses envolvidos, dos contextos, dos modos de produção, das economias (como sistemas de relação)…
Mas elas, e outras feministas, estão alertando pras conexões entre expectativas sociais quanto aos corpos e os sistemas políticos a que elas servem, ideologicamente. o impacto disso é sentido na vida de cada uma, tanto naquela que enche o prato de folha pra poder comer uma sobremesa, quanto aquela que vomita o que comeu, e aquela que se olha no espelho se achando sempre gorda ou magra demais, e também daquelas que fiscalizam o peso da outra. Tem também a ver com aqueles que contam “piadas de gordinho”, que ofendem, humilham, xingam, ignoram, destratam e oprimem pessoas que têm corpos considerados fora da norma, com as milhares de revistas de dietas nas bancas (ao lado das milhares de revistas de receitas)…
a gordura e a obesidade são problemas sociais na medida em que impedem ou constrangem a existência de um enorme grupo de pessoas, quando tornam um pesadelo sair de casa quando não se tem uma roupa preta que “te deixa parecer mais magra”, ou no inferno particular que é comprar uma roupa numa loja de departamentos. são problemas sociais quando a sociedade não dá conta de lidar com uma diversidade que é real, em contraste à virtualidade das mulheres e homens de papel, nas capas das revistas, novelas, filmes… os corpos que existem são os corpos que estão aí, nossos corpos e os que circulam perto da gente, ou longe e escondidos porque nosso olhar é julgador, preconceituoso, nossas palavras são afiadas como navalha: “ah, ela tem o rosto tão bonito… podia emagrecer né?”; “nossa, que vara-pau”.
Tem gente que não consegue querer levantar da cama porque é gorda, e acorda desejando estar saindo de um pesadelo, o pesadelo que seu corpo virou: uma prisão ditada pelos costumes cruéis, hegemônicos e normalizadores de uma sociedade bem doentia e gordofóbica. eu sei que tem porque passei muitos anos acordando assim. E agora, quando acordo e me olho no espelho me sabendo e sentindo linda, maravilhosa e gostosa, com todas as dobras e gorduras e marcas, escrevo essas palavras esperando que elas possam, de alguma forma, deixar as manhãs de outras mulheres gordas mais felizes. Agora me visto muito mais de vermelho, e branco, muito branco. Pra todo mundo me ver chegando, em todo meu tamanho.
Pra todas as minhas amigas que engordaram mais que gostavam, e isso começa a incomodar (hipertensão e pré-diabetes; ou às vezes atrapalhando na performance sexual). Pras que tão fazendo dieta não porque querem ser capa da vogue, mas pra voltar a caber nas roupas favoritas, parar de sentir dor no joelho, subir escada sem ficar tão cansada, ter muito gás pra dançar… e que começaram a comer de outra forma, com mais tranqüilidade e entendendo os alimentos como pontes pra saúde integral.
Eu li isso aqui.
27.02.10

Entre o comodismo e a aceitação

Hoje vim fazer as vezes de advogada do diabo e soltar questionamentos por aqui, porém antes de chegar no assunto propriamente dito quero deixar bem claro que o intuito desse post não é ofender, criticar, rebaixar, ou qualquer coisa do tipo, mas como falei acima, incurtir questiomentos que gerem debates construtivos.
Desde o meu primeiro post  acompanho o blog, e confesso queao longo posts e comentários eu meio que perdi o tesão de escrever aqui – ah mas como pode, vc só escreveu uma vez? – o porque da perda desse tesão é o assunto do post. 
Quem já viu meus outros blogs, twitter, formspring, facebook e afins sabe que eu compro briga e defendo qualquer tipo de injustiça e preconceito. Vim escrever aqui à convite do Diego, fui muito bem recebida pelas meninas, obrigada mais uma vez, troquei uns papos com a Kalli por msn que pode atestar o meu cuidado em postar do tanto que a importunei enquanto escrevi o primeiro post. Depois deste, mostrei o blog à uma galera, sempre link e divulgo, leio, raramente comento porque quase nunca comento mesmo, rs. Algumas pessoas me questionaram sobre ter aceitado escrever aqui, pelo fato de a maioria das meninas ser acima do peso, porque eu me importaria, outras questionaram no meu forms, pediram fotos (pasmem!!). Eu visto 44., no máximo 46, não sou magra e nem devo ser, fico horrível com menos peso por ter quadris largos, sou o que chama de UDA, rsrs e sou feliz. Me alimento bem, faço exercício físico nunca (sexo vale, né? rsrs) mas mantenho restrições alimentares apesar de não largar a cerveja NUNCA. Largo pão, mas cerveja NUNCA. Resumindo, eu cuido bem da minha saúde. E nesse aspecto, saúde, ler alguns comentários me incomodou bastante.Verfiicar pressão, manerar açúcar e doces, desentoxicar, dimunuir sal, frituras, verificar taxas de glicose, colesterol, hormônios, circulação, fazer o velho Check UP a cada semestre, esses cuidados são essenciais pra  se ter uma vida saudável e longa. além dos famigerados exercícios físicos.
Existe uma série de fatores que levam uma pessoa a engordar, e a ter dificuldade der perder peso, entre eles, Disturbios Hormonais, ansiedade, problemas de metabolismo, compulsão, mas isso todo mundo aqui já sabe de cor. Porém uma boa parcela da população aumenta de peso, simplesmente porque não se cuida. A falta de cuidado consigo mesmo é o fator mortis que vem crescendo pelo mundo inteiro em proporções inacreditáveis. O que leva a fazer a seguinte pergunta: A aceitação do peso gera comodismo? -Alguém aqui passa ou já passou por isso? – Onde termina a aceitação e começa o comodismo?
Dei minha cara a tapa, mas precisava desse questionamento.
04.02.10

TRATADO DE PAZ COM O CORPO

EU PROMETO…
  1. Lembrar que o sol vai brilhar amanhã mesmo que eu tenha comido vários pedaços de pizza ou uma quantidade extra de sorvete esta noite;
  2. Nunca culpar meu corpo por estar tendo um péssimo dia;
  3. Parar de me juntar ás amigas quando começam a comparar e reclamar de seus próprios corpos;
  4. Nunca permitir que um olhar maldoso qualquer influencie como me sinto sobre minha aparência;
  5. Parar de julgar uma pessoa unicamente pelo o que o corpo dela aparenta – mesmo que pareça inofensivo – porque eu nunca ia querer que alguém fizesse o mesmo comigo;
  6. Notar as coisas maravilhosas que meu corpo faz por mim a cada momento que ando, falo, penso, respiro…
  7. Calar aquela vozinha negativa na minha cabeça quando começa a dizer coisas más sobre meu corpo as quais eu nunca iria tolerar ninguém falando sobre mim;
  8. Lembrar-me que na TV nem sempre o que se vê é o que é, que é preciso muita maquiagem, dieta, dinheiro e trabalho pra ficar daquela maneira;
  9. Lembrar que mesmo a pessoa em que eu trocaria de corpo com ela rapidamente tem algo em que odeia na sua aparência;
  10. Respeitar meu corpo: alimenta-lo bem, exercita-lo quando necessário e saber quando dar uma folga;
  11. Perceber que o espelho pode refletir apenas minha “superfície”, não quem eu sou por dentro;
  12. Saber que eu já sou bonita da maneira que sou.
[Traduzido apartir do texto: Body Peace Treaty da revista americana Seventeen.]
30.01.10

Gordinha arrasa no Futebol de Areia

Com 87kg e 1,66m de altura, a goleira Cristiane Brum provoca olhares curiosos e comentários maliciosos ao entrar na arena.


Alguns minutos de partida, no entanto, servem para acabar com o descrédito em torno da jogadora.
Com improvável agilidade para seu porte físico, Cris salta nos dois cantos e sai nos pés das atacantes adversárias.
Protagoniza de defesas importantes.

Em entrevistas Cris fala sobre si na terceira pessoa e deixa seu recado sempre.


“Essa é a parte mais forte da Cris. A Cris entra em campo como se valesse menos do que uma moeda de 1 centavo, mas depois você pode ter certeza que muitas pessoas se surpreendem e dizem: ‘caramba, que incrível essa menina agarrando!`. Independente de eu ser gordinha, dentro de campo não existe ninguém melhor do que eu”, afirmou.

A goleira do Botafogo assegura que seu peso jamais significou um empecilho ao longo da carreira, apesar de algumas tentativas frustradas de fazer regime. “Eu sempre emagreço e volto para o meu peso, mas jogo bola desde os 15 anos e nunca tive problemas. Além do físico, é muito importante ter objetivos”, afirmou.

Hoje com 28 anos, Cris começou a jogar futebol de areia por causa de um namorado. Para não ficar parada enquanto o rapaz praticava o esporte na praia, ela resolveu fazer o mesmo. Além de treinar com o Botafogo, a goleira coordena uma escolinha da modalidade.

“Eu imagino que quem me olha deve pensar que como de tudo, mas não é assim. Eu como de maneira balanceada, preciso equilibrar. Na verdade, não posso extrapolar. Se eu abusar muito da comida, acabo engordando mais”, declara.


Eu fico muito feliz em ver Gordinhas brilhando em seus objetivos.
A Cris é linda é guerreira e é gordinha, que ela motive muitas de nossas leitoras a correr atrás dos seus objetivos.