Categoria: Colunistas

17.04.15

[Maternidade] Amamentação: Benefícios para os bebês e mamães

O leite materno é o melhor alimento para o bebê nós todas sempre ouvimos falar, mas porque ele é o melhor? Bom ele é rico em anticorpos que protegem o bebê do risco de infecções; em proteínas que auxiliam no crescimento e em glucídios, ômega 3 e minerais que contribuem para o desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso; com todos esses benefícios, o bebê tem um maior desenvolvimento intelectual e menos chances de desenvolver infecções e doenças como o a obesidade infantil.
Além de todas essas vantagens para o bebê, existe a vantagem de conseguir eliminar de forma mais rápida todos aqueles quilinhos extras que ganhamos durante a gestação.
Como durante toda a gravidez, durante a amamentação, o metabolismo da mãe se adapta a fim de que a dieta seja o suficiente para a mãe e para o filho. Ou seja, não é uma questão de matemática: inútil de comer muito, porém é extremamente importante comer melhor. Esta facilidade em perder peso depois da gravidez é ainda mais favorizada se retomar uma atividade física regular, como caminhada ou natação.
Amamentação: Benefícios para os bebês e mamães
Muitas mamães pensam que se fizeram alguma dieta radical, como já fizeram em outras épocas de suas vidas perderam todo o peso logo, mas essa é uma atitude totalmente errada, pois com a restrição de calorias, ocorrerá a redução na produção do leite, e isso causará efeito negativo sobre a amamentação, e sobre o desenvolvimento do bebê.
Logo, devemos optar por uma dieta saudável e equilibrada, comendo o que for preciso, e controlar os excessos. Segundo especialistas, nessa fase é ideal que se perca no máximo 2kg por mês, algumas dicas para eliminar o peso são:
• Não procure perder mais de 2kg por mês.
• Espere de dois a três meses após o parto para que o organismo tenha se recuperado da gravidez.
• Evite as dietas malucas.
• Procure a ajuda de um nutricionista.
• Pratique uma atividade física pelo menos duas vezes por semana.

A Júlia tem 50 dias, e desde então estou amamentando, sobre o peso durante toda a gestação engordei 3kg, e já eliminei 11kg, ou seja, já perdi o que ganhei na gestação e um pouco mais.
Além de estar fazendo super bem para Júlia está me ajudando a perder alguns quilinhos extras.
E vocês meninas, o que me contam sobre amamentação, já passaram por experiência? Como foi? Me contem 🙂

LaraJúliaLara 27 anos, professora e pesquisadora sobre Bullying.

Acompanha o movimento plus size mas bem de longe, adora make e apaixonada por produtos de cuidado para os cabelos, além de morrer de orgulho de enfim não roer mais as unhas.

Mamãe da Júlia.

http://instagram.com/depoisdababy

15.04.15

Gorda e Linda!? – GorDivah No Ar

Quem costuma acompanhar minhas postagens aqui no BST  já deve ter percebido que sou body positive e procuro sempre manter uma relação próxima com meus leitores. Adoro conversar com pessoas diferentes e aprendo muito com minhas leitoras e curtidoras. E devido à essa proximidade eu recebo desabafos, relatos, depoimentos, perguntas das pessoas que costumam me acompanhar. E esse trabalho com o vlog tem por objetivo me aproximar mais ainda de vocês, como se estivéssemos num bate papo ao vivo, numa cafeteria, trocando ideias. Acho que esse contato ainda que virtual, ao mostrar um rosto, uma voz, pode facilitar muitos a refletirem melhor sobre o preconceito que possuem em relação a si mesmos desde que se entendem por gente.

Fico super feliz toda vez que vejo um comentário nas páginas informando que a pessoa começou a pensar diferente depois de ver os vídeos, passou a se enxergar de outro modo. Eu realmente faço esse trabalho por amor e com muito carinho e dedicação porque sei o que é sofrer preconceito, ter depressão, desenvolver transtornos alimentares por causa da cobrança das pessoas à minha volta, dentre outras coisas. Eu não tinha condições financeiras para fazer terapia ou ir ao psicólogo e superar tudo isso na época em que era esmagada por aquele festival de gordofobia e não tinha ninguém que me entendesse ou me ajudasse a enxergar minha beleza. Por isso eu tenho muita empatia por pessoas que enfrentam diariamente o preconceito e nem sempre conseguem segurar a onda. Não penso que nós é que temos a obrigação de sermos fortes, eu penso que nós independente de sermos fortes ou não devemos nos apoiar, ajudar  e não subestimar a luta interna dos outros. Acredito que precisamos ser mais tolerantes, empáticos e nos unir na luta contra o preconceito e não engoli-lo e aceitá-lo como algo inerente a todo ser humano.

Se você não se abate com a gordofobia, ótimo! Mas não pense que todos são ou deveriam ser como você. Não menospreze a batalha interna dos outros, nem todos tem estrutura psicológica para suportar a gordofobia. Não julgue, apoie o movimento contra o preconceito, sendo tolerante com aqueles que infelizmente não o superaram ainda, como você!

 

Beijos Queen Size,

Claudia Rocha GorDivah

13.04.15

O rosto é de príncipe. O papo é de Sapo! E agora?

Ah cara amiga, você estuda, trabalha, lê bons livros, assiste telejornal…
Enfim, como uma boa mulher moderna você está sempre antenada ao que acontece ao redor do mundo e claro tem todas as informações que precisa para arrasar em um bom papo com, quem sabe, um futuro gatinho que irá conhecer, afinal de contas, na sua roda de amigos todos são intelectuais e ser um cara antenado é fundamental para fazer se apaixonar.
Então, em uma noite de verão qualquer você esta lá, linda e bela pensando na vida e o encontro acontece, como você imaginou,todos os passos para que um lindo encontro aconteça ocorreram na mais perfeita ordem, você se olharam por cinco segundos, ele sorriu, você mexeu no cabelo e ai está! Ele veio falar com você!
Ebaaaaaa!

O papo é de Sapo

Você rapidamente se lembra daquelas conversas maravilhosas sobre música, teatro, economia e etc, tudo em uma fração de segundo, o gatinho esta vindo e então??

– E ai gata, tu malha?
“Desafio do balde de gelo mode: on!”
E ai você pensa, respira fundo garota, ele só está sem assunto, faz uma tirada maravilhosa e quebra esse gelo, quase que literalmente né?
-Não querido, estou meio sem tempo agora. Mas e ai? Você trabalha, ( ai diz que sim), estuda( pelo menos isso)…
– Ah gata, tenho tempo pra “estudo” não. Só rola uns bicos mesmo. Po, tu “divia” malhar, hoje eu malhei tríceps, costas…
( Senhor, onde está aquele povo que faz barraco na balada quando eu preciso de um????????)
A noite não acaba, o barraco não começa e o papo não rende!
Ele fica lá, falando sobre o “corpo humano” inteiro e você com aquela cara de pastel, pensando como sua cama deve estar boa ou em como estaria melhor se tivesse ido para a Yoga com a sua amiga do trabalho ao invés da balada!
Mas enfim, finalmente suas amigas chamam para ir embora e você se despede do “gatinho”, mas, como um passe de mágica vocês trocam telefone, ou melhor, “zap zap”.
Por que meu Deus?? Por queeeeeeeeeeeeê?
Ninguém sabe bem o motivo dessa doideira, mas fato é que fazemos umas coisas dessas de vez em quando!
Ai a noite acabou você esta em duvida se o saldo foi negativo ou positivo, mas a única coisa que passa na sua cabeça agora é a imagem da sua cama fofinha….
O outro dia chegou……
“Zap zap” toca. Senhor é o cara da balada de ontem, e mesmo com a ressaca moral e física rolando a solta, você resolve ser simpática com o carinha.
E muito complicado se livrar de um cara, por mais chato que ele seja, depois que o glamur da balada acaba! O tempo vai passando, você vai se envolvendo, percebe que fisicamente o carinha e lindo e tals. Mas não da para conversar mais que meia hora com ele!
A saída? Bancar a mulher suuuper moderna e basear o relacionamento (sim querida, você não admite, mas as suas amigas já o chamam de seu namorado) em sexo.
Se você já tentou fazer isso irá concordar comigo agora, isso não funciona na vida real. Só em sitcom americana ou filme de comédia romântica.
Mas e ai? O que eu faço agora?
Parece muito lógico mandar o cara passear, mas muitas vezes se livrar de uma coisa que você consideram ruim pode ser bem mais difícil que parece. Em relacionamentos então a dificuldade é dobrada.
Agora se pergunte: Vale a pena carregar esse fardo?
NÃO! E um não bem grande para que você não se esqueça!
Relacionamentos são feitos a dois, e se apenas um está feliz, algo ta errado! E muito errado!
Esse erro certamente irá levar a quem não está tão feliz assim a um martírio enorme, um vulcão de sensações e ao questionamento diário do que esta fazendo da sua vida, que o tempo ta passando e que você não deveria esta ali.
Dar o primeiro passo e crucial mas é muito mais difícil fazer do que falar. E carregar esse fardo nas costas? É fácil? Já parou para pensar se é melhor abrir mão ou continuar carregando algo que não te faz feliz? Sim, não? E ai?
Quero ouvir a opinião de vocês!

291945_289303151099144_1272498350_n

 

Camila Duarte

 

07.04.15

Roleta: A Inimiga Mortal das Gordinhas – GorDivah No Ar

Quem nunca ficou entalado em uma roleta não sabe o que é vergonha e desespero! E me espanta ver a falta de preocupação do governo com acessibilidade. Inclusive a Kalli já postou sobre isso, neste texto aqui, falando a visão dela sobre a inimiga mortal das gordinhas.

Embora exista lei que determina que em casa de shows, estádios, teros e cinemas exista assento para obesos, poucos são os estabelecimentos que atendem as necessidades dos gordinhos. desde a porta de entrada até mesmo espaço nas cabines dos banheiros. Eu fiquei com vontade de conhecer a cidade de Rondonópolis pelo respeito e bom senso que eles demonstraram com os obesos.

Prefeito sanciona lei que garante direito de pessoas obesas e gestantes — O prefeito Percival Muniz sancionou a lei 8.144, de 10 de julho de 2014, que desobriga os passageiros considerados obesos e as mulheres grávidas de utilizarem as catracas dos ônibus do sistema de transporte coletivo urbano, em Rondonópolis. (leia aqui)

Quero saber de vocês que também sofrem com isso, como costumam driblar a inimiga mortal das gordinhas? Lembrem-se nós temos nosso direitos, e as vezes precisamos correr atrás deles.

Beijos Queen Size,

Claudia GorDivah

03.04.15

No divã com a Luiza – Desabafo de uma Sexóloga Plus Size

Muitos leitores me perguntam se eu sou Plus Size. É uma curiosidade comum, pois a maioria que me procura não espera uma gordinha segura e com tanta autoestima. A grande maioria acha que eu sou praticamente uma modelo fisicamente falando.
Mas não sou. Sempre fui a gordinha da família, a gordinha da roda de amigas e amigos…e sempre fui a gordinha escolhida pelo mais bonito para beijar…rss…e sim, eu causava uma certa inveja, afinal…uma gordinha que faz sucesso entre os meninos era…ou é algo incomum?!
Mas nem sempre funcionava assim…na adolescência sofri meus preconceitos, que hoje chamamos de BULLIYNG…alguns meninos e meninas tiravam sarro. Não sei se me importava, até por que não tenho em minha memória algo que me desagrade a ponto de lembrar.
Mas quando se trata da minha família materna…tenho mil lembranças. Nem todas boas, até por que nunca fui muito apegada a essa família. Acho que pelo fato de sempre me conceituarem como GORDA, acabei me afastando e mostrando assim que eu tinha auto estima e segurança para lidar com eles.
A cada NOSSA COMO VOCÊ ESTÁ GORDA..ou… NOSSA VOCÊ NÃO VAI EMAGRECER?? Eu sofria calada. Engolia a seco e seguia a vida.
Não posso dizer que nunca recebi uma palavra de elogio…mas o VOCÊ ESTÁ GORDA vinha sempre em primeiro lugar.
Eu poderia ter me transformado sim em uma mulher cheia de inseguranças, por que na minha família materna só era e é ainda aceita quem tem corpo magro. E eles fazem questão de demonstrar isso.
Uma madrinha sempre fazia questão de acentuar isso…não me dava atenção, não me dava bons presentes…geralmente ia sempre para os outros sobrinhos, eu era a esquecida..
Lembro que em uma pascoa, eu ganhei um ovo minusculo…e eu queria uma caixa de bombom (ou seja, eu queria só 1 caixa de bombom), enquanto meus primos ganhavam ovos e mais chocolates de todos os tipos de tamanho, para mim era reservado um ovo pequeno..pois eu estava gorda e não poderia comer chocolate. Não sei quantas vezes isso se repetiu…mas eu seguia a minha vidinha.
Eu já fiz dietas…muitas. Já emagreci e engordei. Lembro que a única vez que perdi a fome foi quando me apaixonei e amei pela unica vez em minha vida, isso foi em 1992. Foi a época mais magra…eu tinha 14 anos. Mas na época não me ligava muito nessa questão…
O tempo passou e aos 14 anos eu fui embora, para longe desse povo todo que tentavam me colocar para baixo.
Não deixei de escutar piadinhas…mas soube absorver isso como algo que não me acrescentava em nada. E é isso que faço até hoje. Não posso dizer que as vezes não dói. Dói sim…machuca.
Mas não faço dramas…até por que geralmente as pessoas que me falam isso são mentes ignorantes e que atribuem a gordura a falta de saúde e inteligencia.

plus size
Sempre me destaquei nos grupos…sendo a menina mais querida. mais interessante…e sempre fiquei ou namorei os homens que quis. E isso não tem nada a ver com o meu físico e sim com a minha personalidade.
Gosto do que vejo no espelho…não sou do tipo de mulher que implica com barriga, com cabelo…só com a minha sobrancelha…rss, ela tem que estar impecável…o resto a gente disfarça com uma roupa bem cortada…e um sorriso de parar o transito.
Sei exaltar meus pontos fortes. Não tenho o espelho como inimigo.
Mas claro que como todo o ser humano as vezes bate a insegurança…mas geralmente não é por conta do meu peso…
No final de semana estive com uma tia, que considero muito querida…e ela me falou algumas coisas que sinceramente me deixaram tristes…mas que de maneira nenhuma vou deixar me abater…
Por diversas vezes ela me indagou sobre fazer a cirurgia bariátrica, hoje parece moda…se você não emagrecer…passa o bisturi e fica tudo certo. Uma prima vez por conta da saúde e está bem…eu sinceramente só faria se caso eu tivesse indicações (infelizmente tenho uma herança genética horrível…Diabetes e câncer dos dois lados da família).
Mas como sei que está tudo certo, não me vejo realizando algo radical.
Continuando, nessa conversa ela me colocou defeitos…e disse que eu não ia conseguir muita coisa se não fosse magra…que hoje o que conta é aparência. Aquilo doeu…e eu respondi a ela que não tenho problemas no espelho e tudo que consegui foi através do meu estudo…do meu trabalho e quem não está satisfeito com o que vê em mim que vire as costas…eu não tenho que me adequar ao mundo para ser aceita.
Para completar ela disse: você não tem vaidade?? tenho e muita…e diga-se de passagem o que tenho de vaidosa puxei a senhora…pronto, ela ficou quieta.
Mas isso me deixou pensativa, por que hoje com 36 anos ainda preciso provar para minha família que sou uma mulher bonita e bem resolvida…e que mesmo diante do que eles pensam…eu não vou me adequar a eles.
Esse desabafo serviu para aliviar meu peito, por que eu também sofro com o excesso de peso. Eu também recebo criticas. E foi por conta dessa realidade que eu resolvi entrar de vez no mundo Plus Size e me tornei uma estudiosa no assunto. Por que quero transmitir a vocês o que eu aprendi na pratica.
A gente não pode se abalar com comentários maldosos, mesmo aqueles que não tem a intenção de ser…precisamos sim encarar o espelho e melhorar o que não gostamos. Mas melhorar de forma segura e inteligente.
Não mude pelos outros. Mude por você. Isso é auto estima.
Obrigada pelo carinho que vocês me oferecem a cada postagem…a cada mensagem no Wh
ats.
Podem ter certeza que eu aprendo muito…

Abaixo estou disponibilizando o Link da entrevista que concedi á radio FMZ de Espirito Santo, ao jornalista Valdinei Guimarães – Programa Conexão.
Espero que vocês gostem.

unnamed (1)Luiza Levy
Profissão: Sexóloga Plus Size

Skype: luizalevysexologaplus
Email: luizaleysexologa@gmail.com
WhatsApp – 53-8483-5679
https://www.facebook.com/luizalevyplus