fbpx

Categoria: Autoestima

07.06.16

Militância nas Ruas – @historiadefogo

Desde que me aprofundei mais no feminismo eu sinto uma grande necessidade de sair um pouco do cyberativismo, e focar em levar para as pessoas gordas que ainda nem tem acesso a tudo isso aqui, um pouco de empoderamento, autoestima e força para lutar contra a gordofobia. Eu tenho algumas idéias para isso, mas morando longe dos grandes centros isso se torna um pouco complicado e ainda não tinha conseguido sair da telinha.

Graças a Rack (@historiadefogo) a militância nas ruas se tornou real, ela que já é responsável pelas imagens que compartilho com frases nas redes sociais do blog desde 2014, começou recentemente a postar suas poesias e frases em geral no Instagram, participou de uma oficina de lambes e sua arte já está nas rua. <3

@historiadefogo (2)

Muitos dos lambes dela são focados em fortalecimento da autoestima das pessoas gordas, como ela é super querida nesses ela usa a #hastag #belezasemtamanho também. <3 Quando postei a primeira vez em um grupo sobre gordofobia, algumas pessoas pediram a imagem para poderem imprimir.  Pedi então para ela que disponibilizou em um arquivo 13 lambes para quem mais quiser ajudar espalhar empoderamento pelas ruas junto com a gente.*_*

Quem tiver interesse é só baixar o pdf (aqui) imprimir em papel A4, aprender a fazer a cola assistindo este vídeo (aqui) e para colar a dica é passar a cola primeiro na parede/poste, em seguida colar o lambe e passar novamente a cola por cima dele.

Confiram alguns dos lambes que já estão pelas ruas. *__*

Uma foto publicada por Rack. (@historiadefogo) em

Uma foto publicada por Rack. (@historiadefogo) em

Uma foto publicada por Rack. (@historiadefogo) em

No Instagram vocês encontram muitos outros.

Quem anima colar um pouco de empoderamento em sua cidade? Quem colar marquem a gente,  quem sabe juntas conseguimos alcançar um montão de gente que precisa se empoderar. <3

03.06.16

Role da Thay – Pele Maravilhosa é pele cuidada!

Hey People, tudo bom com vocês? Por aqui quem ressurge das cinzas (pode ser poeira também) sou eu Thayane Paris!
Pra quem não me conhece, eu iniciei no mundo bloguistico há seis anos atrás no meu antigo e querido blog fofa e fina, um mundo novo de mil e uma possibilidades se abriu pra mim enquanto mulher gorda com desejo de moda naquela época, o tempo passou e eu mudei, as coisas mudaram, o blog mudou e eu já não era mais feliz ali.

thayane

Depois de um período fora eu retomei sem tanta paixão assim, com um novo nome…
Mas como tudo passa, muda e amadurece, eu amadureci e pensei que falar quase que ao vivo, seria mais a minha cara, permitir que as pessoas vissem a minha expressão facial quando eu estou feliz ou triste,sabe quando escrevemos risos ou hahaha, eu precisei que isso fosse mais palpável.
A Kalli, no entanto, todo santo dia que lembra, me lembra que seria legal voltar a blogar, e isso já resume metade dessa parceria, eu nos vídeo e sendo publicada aqui e ali, até o dia de voltar a blogar real ( palavras de kalli).

E o Role da Thay é isso, a visita de uma amiga, um papo de amiga pra todas que se identificarem e quiserem good vibes,moda, beleza, empoderamento, diversão e por ai vai. Aperta o play e e seja feliiiiz!

 

Thayane Paris

31.05.16

“Por Todas Elas” – Unidas para o fim da violência contra a mulher!

Nos últimos dias a internet ficou um alvoroço devido ao caso trágico da menina carioca que foi estuprada, filmada e exposta nas redes sociais. Infelizmente muitas pessoa decidiram culpar a vítima e fechar os olhos para a Cultura do Estupro, em meio ao #mimimi de pessoas que se sentem “donos da verdade” e decidiram julgar essa adolescente, surgiu um grande movimento de mulheres dispostas a lutar para casos como esses não aconteçam mais.

Para trazer um pouco de esperança de dias melhores, nasceu o movimento “Por Todas Elas” que se transformou rapidamente em um ATO que está sendo realizado em diversas cidades do Brasil. <3

 

por todas elas

Nós mulheres estamos cansadas de viver com medo, cansadas de levarmos culpas que não são nossas, e mais cansada ainda de ver outras mulheres serem julgadas o tempo todo.

Nós podemos ser o que quisermos, queremos ser respeitas em todos os lugares e que as pessoas entendam que a nossa vontade precisa ser ouvida.

Para aumentar essa voz os atos acontecem amanhã em várias cidades, busquem os eventos no Facebook (aqui) participem das mobilizações que vão acontecer em várias cidades.

E não se esqueçam no dia a dia vamos juntas apoiar e empoderar outras mulheres. <3

28.05.16

Autoaceitação: um caminho de dor, descoberta e amor

Olá meninas! Tudo bem? Sabe quando dá aquele estalo e você não quer mais ser só o que os outros te impõem? Pois é, comigo foi assim: um belo dia acordei e fiz o que eu sempre fiz de melhor, questionar. Mas desta vez questionei a mim mesma, me perguntei porque eu ainda estava ali naquela posição de coitada, ainda à espera de ouvir um “você é gordinha, mas tem um rosto lindo” e tomar isso como elogio.
A partir de então levantei, bati a poeira e fui à luta. Fácil? Claro que não! No início era bem difícil e ainda hoje, momento que já estou de bem com meu corpo, é bem complicado lidar com certas situações, eu costumo dizer que é uma luta diária, mas o importante é começar. Iniciei procurando, principalmente na internet, pessoas que pensavam como eu, mulheres que também estavam cansadas desse bendito padrão de beleza e resolveram colocar a boca no trombone, e o melhor de tudo é que eu encontrei.
Assim como todas as meninas gordas que vão procurar apoio na internet, de cara eu já tive contato com o Plus Size, conheci blogs, modelos, agências de modelos e isso foi me ajudando a começar meu processo de aceitação e por um tempo foi muito construtivo, até encontrar o próximo obstáculo que é perceber que o mundo Plus Size não é tão cor de rosa como a gente pensa. Descobri que em grande parte dele existe um padrão, sim isso mesmo, tem padrão pra ser gorda, onde se passar do manequim 50 já não tem representatividade, muitas marcas de roupa que se dizem quebradoras de padrão só fabricam roupas até tamanho 50/52 e campanhas publicitárias com modelos com manequim 46, no máximo 48.

genize (2)
Parecia que eu tinha voltado á estaca zero, foi então que conheci a luta antigordofobia, entrei em grupos, fóruns, pesquisei sobre, busquei textos, artigos científicos, conheci pessoas incríveis e voltei a me encontrar em um ambiente onde de fato há diversidade, me fez e faz muito bem. É muito bom saber que você não está sozinha e que existem outras pessoas que passam pelos mesmos dilemas que você, que faz os mesmos questionamentos que você e que está na mesma luta, é um sentimento de acolhimento lindo que recomendo muito. <3
Pode ser que o caminho da minha ‘busca pela felicidade’ tenha sido um tanto comprido, talvez você escolha outro trajeto, ou já chegou lá com menos reviravolta que eu, o importante mesmo é chegar, é se olhar no espelho com amor e ver uma mulher linda, digna, respeitada e dona de um corpo maravilhoso que traz histórias que só você sabe contar!
Ahhh… antes que eu me esqueça, meu nome é Genize (pode chamar de Gê), tenho 25 anos, mulher negra e gorda e que se acha maravilhosa. Essa é a primeira de muitas vezes que nos veremos aqui na casinha da Kalli, então te espero nos próximos dias para papearmos mais um pouquinho, ok?
Beijos, até logo! 😉

 

genize

08.05.16

Seu “Homem/Mulher” ideal – Não é Questão de Gosto!

Quero compartilhar com vocês algo que vai ”doer” um pouquinho, já que desconstruir não é a coisa mais agradável do mundo, mas é super necessária. No ano passado eu tive acesso ao vídeo do Murilo com o título: “Não é Questão de Gosto” e embora a vivência dele seja bem diferente da minha eu me identifiquei demais com o vídeo e sempre que o tema entra em pauta eu indico que assistam para reflexão.
Peço que vocês apertem o play e escutem com carinho.

 

É complicado admitir que o nosso “gosto” é baseado no que a sociedade considera bonito. Quem nunca evitou aquele amigo “feinho” por não fazer seu tipo? Eu também já evitei alguns caras por “questão de gosto”. Eu tenho sim um gosto por determinado tipo de homens (que por sinal nem são tão padrão), mas no momento que a gente se recusa a conhecer uma pessoa fora do “nosso gosto” a gente está influenciado por um gosto social que não inclui os “diferentes” das pessoas da TV.

Historia de fogo poema-

Ninguém é obrigado a “gostar” de gordas/gordos, negras/negros, altas/baixos e etc. Mas se negar a conhecer melhor uma pessoa só por não atender ao seu gosto, é preconceito, baseado nas imposições da sociedade.

Convido vocês a repensarem o próprio GOSTO, é muito provável que ele não seja tão pessoal assim.

 

questão de gosto

Tem algum fato relacionado ao “Gosto” para dividir com a gente? Comentem aqui e vamos papear. *_*